Joana Marques Vidal diz que PS e PSD querem cometer crimes

«Joana Marques Vidal lançou fortes críticas às propostas de alteração da composição do Conselho Superior do Ministério Público (CSMP). Durante um jantar/debate, organizado esta segunda-feira pela Comissão Justiça e Paz de Coimbra e pela Associação Cristã de Empresários e Gestores, a ex-procuradora-Geral da República considerou que as mudanças na estrutura do CSMP propostas pelo PS e PSD podem pôr em causa a autonomia do Ministério Público.

“Se o Ministério Público não tiver autonomia face aos outros poderes do Estado, como vem, aliás, na Constituição, não consegue ter autonomia para levar a julgamento quem devia levar”, declarou Marques Vidal, considerando que se quer “dominar o Ministério Público porque se quer dominar os tribunais e os juízes”. “É uma pescadinha de rabo na boca, está tudo ligado”, acrescentou nas declarações transmitidas pela SIC Notícias.

Na opinião de Marques Vidal, o conjunto de propostas é “altamente preocupante” porque põe “em causa a autonomia”. “A composição do conselho tem de ser discutida partindo do pressuposto de que a sua composição não pode mudar de forma a que haja uma interferência em processos concretos. Senão, temos a possibilidade de ter o poder executivo ou outro a interferir nos processos. Isso não pode ser nunca”, afirmou.»


Fonte

7 thoughts on “Joana Marques Vidal diz que PS e PSD querem cometer crimes”

  1. O que a senhora ex-procuradora geral da República também diz sem dizer é que os juízes não são independentes, nem imparciais nem isentos: estão ao serviço do PS e do PSD e, em geral, do poder político. Pois decerto não ignora que no Conselho Superior do Ministério Público há uma maioria de membros não juízes.
    Talvez o que a senhora ex-procuradora geral da República queira é que seja o Sindicato dos Magistrados do Ministério Público a nomear os membros do CSMP…

  2. Rectificando o comentário acabado de enviar: “… não ignora que no Conselho Superior da Magistratura …”

  3. Já é mais que evidente que está em curso um processo de intervenção e tomada de poder político, de parte significativa ou mais activa, do MP e SMMP e agora também de alguma PJ activista pelo “chega” e “basta” à corrupção dos políticos “poderosos”, como já designam sarcasticamente políticos que atiraram à lama.
    Mas o que desejam e pelo qual lutam cada vez mais denodada e descaradamente sob a capa da “independência” é por uma liberdade e intocabilidade total para, eles sim, tornados verdadeiramente “poderosos” se apoderarem do poder político por via de politização da justiça e se tornarem nos novos senhores e verdadeiros DDT do país.
    Veja-se os convites recentes a Moro e a conferência e oradores de amanhâ promovida pelo SMMM no Parque das Nações. Veja-se a indecorosa propaganda de apoio à “delacção premiada” que não é mais que o regresso ao julgamento medieval: aqui era pela tortura agora é pelo acto altamente repugnante e corrupto de comprar o delator criminoso para incriminar quem se quer que seja condenado.
    O que verdadeiramente pretendem os magistrados é uma ‘Morolização’ da Justiça para serem os poderosos que atiram para as masmorras os que ousarem fazer-hes frente honestamente.
    Assim sendo o mal menor será submetê-los ao controle político pois estes são sufragados e podemos mudar o poder periodicamente dos políticos enquanto com um poder de juízes inamovíveis, adeus liberdade.
    No julgamento de Jesus os fariseus carregaram com todas as culpas não obstante o historiador mais qualificado que escreveu sobre o assunto, Flávio Joséfo, descrever os ditos fariseus como os que no Grande Sinédrio de Jerusalém mais se bateram para legislar e julgar “em termos de o tornarem um modelo de Justiça, de Tolerância, de Humanidade, e que por mor disso arrostaram com o ódio dos poderosos”; assim também os políticos estão hoje sob mira de poderosos de mão invisível.

  4. O que a senhora ex-Procuradora quer dizer: é que não devia ter sido substituída, face ao brilhante desempenho no seu mandato, sempre apoiado pelo Sindicato do sr. Ventinhas…….

  5. A acrescentar ao atrás dito, temos também o Sr. César, presidente do PS, nas jornadas do GP PS, a alinhar na narrativa com que a direita desde há quatro anos nos vem massacrando, ao declarar que o Governo não pode seguir as pretensões dos seus aliados da esquerda, pois tal levaria o País A IR DE NOVO pelos caminhos que conduziram à bancarrota. Penso que se estaria a referir ao último Governo do PS dirigido por Sócrates. Ora bem: esse Governo foi constituído por vários membros do actual Governo. Será que nenhum desses ministros ou secretários de estado do actual governo, e que pertenceram igualmente a esse outro dos malandros da bancarrota, não tem nada a dizer perante este tipo de discurso? Ou será o próprio PS que esta já também a alinhar nesse tipo de narrativa? Tempos curiosos, estes que estamos a viver.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.