13 thoughts on “Jinriquixemos na bela Lisboa”

  1. Giríssimo. Mas no sítio onde moro (colina de Santana) não há ciclovia nenhuma. As ruas são em empedrado, que é horrível para quem anda de bicicleta. E são muito íngremes, o que para uma pessoa já de alguma idade, como eu, não dá. E mesmo que desse, no meu prédio não tenho sítio seguro onde guardar uma bicicleta, pelo que não dá para ter e usar uma.
    As ciclovias são uma coisa muito bonita, mas quem as usa são, essencialmente, uns privilegiados – as pessoas que têm em casa uma garagem segura onde possam guardar o seu veículo. A bicicleta, outrora o veículo dos pobres, é atualmente o veículo dos ricos – pessoas que habitam nos subúrbios mais planos da cidade em prédios recentes com garagem.

  2. Luís Lavoura, tens razão. Mas o mesmo se poderá dizer dos passeios e dos parques públicos, dos restaurantes e das salas de espectáculos, até da beira-rio e praias atlânticas. Só os privilegiados com saúde e capacidades físicas e mentais suficientes é que os podem utilizar. Os acamados, os dementes e os mortos estão a ser discriminados, mais uma vez.

  3. 6 a 8 atropelamentos por dia só em Lisboa . Circulam em contramão, por todo o lado, em cima dos passeios, fora do canal próprio quando existe nas ruas das cidades, sem buzina e sem farol, um perigo acrescido de noite, especialmente qundo circulam a alta velocidade, atropelam e fogem, lesões várias (luxações nos atropelados em especial ao nível das clavículas e ombros) .
    Uma praga e uma moda, a juntar à moda do jogging .
    Coisa do Medina e da Roseta, os donos de Lisboa .
    Fato político vistoso, com fazenda de rebotalho ( canais já existentes, disto ou daquilo, muitas vezes, canais de eléctricos e de ferrovias abandonados ) .
    Enfim …

  4. Pensava que a coisa era mais consensual em relação às biclas, não sabia que o Santana e o Carmona ainda tinham adeptos.
    Esses sim, fizeram muito por Lisboa.
    O Medina pode não ser a minha praia, mas está a anos-luz desses dois corruptos de merda.
    Sim, eu disse corruptos e não são xuxas. Sacrilégio!!!

  5. From Brasil, dizia eu, com alma de América. Não confundir com Amérdica, (ainda mais) claro.

    E podes acabar a semana com isto. Ou começar, tanto faz.

  6. De que estão a espera?
    Mudem-se para o campo. Vivo numa vila no centro de Portugal, há de tudo, menos stress e aborrecimento, ate temos banda filarmonica, lagos, rios e ribeiras, calma e sossego. Toda a gente se conhece.

  7. Belo. Seis “eixos estruturantes” e mais uma lombriguinha. Que GIRO!

    Fazer bonecada, sobretudo se for a cores (e sem escala), é o maior recreio dos arquitontos e das arquitetas que, esses sim, são os verdadeiros donos desta Lísbia, que é a Lisboa dos deslumbrados, dos edifícios premiados, tipo-frigorífico (como a belíssima sede da EDP em Santos, “património do Futuro”, que um destes dias ainda atrairá mais Turistas do que a Torre de Belém…), das uébe sâmites e das “fácape naites”.

    A realidade, essa grande puta, é que é uma chatice para esta comovente narrativa de almas puras.

    Mas deixem os parolos fazer bonecada à vontade, os patetas apresentá-la publicamente, como se fosse a nona maravilha do mundo de aventuras em que vivem, e os bacocos acreditar nestes continhos de fadas…

    Um belo dia, quando o primeiro “eixo estruturante” estiver concluído, com ou sem a lombriga de Chelas, independentemente da sua côr (não sou racista e odeio clubismos) e do que quer que seja que se presuma querer “estruturar” (?), pegamos num triciclo, ou numa trotineta elétrica, e vamos ver a coisa. Combinado?

    Mas está-me cá a parecer que esse dia ainda é capaz de vir um pouquinho longe demais, não por culpa dos geniais arquitintos que gizaram esta “”rede” fantástica, mas sempre por causa dessa puta manhosa, a realidade dum corno, que nunca mais “ESCOLHE EVOLUÍR”…

  8. deve ser uma cena com o sucesso das Bugas de Aveiro , que até é plano…. mas ainda não ouviram os tulipas dizer que nós não somos holandeses ? daaaa

  9. e ainda por cima , a malta trabalhadora das Gafanhas , de Ílhavo e arredores anda toda de bicla , mesmo assim em Aveiro berrou o projecto.

  10. (…) “ mas sempre por causa dessa puta manhosa, a realidade dum corno, que nunca mais “ESCOLHE EVOLUÍR”…“

    Comentário típico do Palermacho .
    Ele sabe lá o que é progresso .
    Confunde mudança com progresso .
    E até com continuidade .
    Segundo ele, andar de bicicleta é evoluir .
    E andar de charrete, será também progresso, ou antes, continuidade, e, ELITISMO, por ser coisa reservada a uma pequenina parte da população ?
    Resulta que na ótica vesga do preopinante, se fosse “decretado” pela CML, que forneceria as carroças e os equinos e muares grátis, para todos, então já seria progresso !
    Volte para a RT para se informar pior !

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.