Inseguro

Em fase de enormes dificuldades e de exigência de sacrifícios aos portugueses, é incompreensível como se atingem estes valores remuneratórios. É uma imoralidade!

Um António aborrecendo outro António

*

Como é que ganhar dinheiro a trabalhar pode ser uma imoralidade? O que Seguro diz é absurdo e só serve para obter um lucro demagógico. Caso contrário, que estabeleça o valor do salário e prémios do Mexia. Deve existir um número qualquer que lhe pareça moral. Qual é?

De seguida, uma vez estabelecido o valor, que se apresentem os critérios através dos quais se chegou a esse novo número. E, por fim, que se substituam os accionistas da EDP pelo Seguro, o qual chega e sobra para gerir aquilo a custos módicos.

52 thoughts on “Inseguro”

  1. Pois a mim chocam-me muito mais os roubos cometidos pela ladroagem fina que para além de nunca ter feito nada de jeito na vida, ainda por cima anda armada a moralidades que essas sim, são do mais obsceno que há.

  2. Muito bem, Valupi. Não se trata de deixar de criticar as loucuras de vencimentos, tanto a craques da bola como da finança e do embuste contabilistico, a que chamam «engenharia financeira». O que Seguro faz é pura demagogia, indo na onda, depois dos escandalos dos engenheiros financeiros, em Portugal bem representados pelo cavaquismo. Nunca antes ouvimos estes «indignados» levantar a voz quando começou a ser desenhado o «novo mapa» das esccandalosa remuneraçoes dos “gurus” da economia e da gestão. Depois do jogo, todos acertam no resultado. Palhaços de merda! Só pensam na reles politiquice. É evidente que este senhor e outros estão na expectativa da ver o cadáver de Sócrates para lhe cair em cima. E nem disfarçam. Por estas e por outras nunca me filiei nem penso filiar-me em qualquer partido. Chega-lhes, Val!

  3. 3,1 milhões de Euros para o presidente de uma empresa que com um volume de negócios de 5.1 mil milhões, e que não só deu lucro em 2009, como esses lucros subiram. Com investimentos e responsabilidades a nível mundial, e na crista da onda no que diz respeito às renováveis. Se não me engano, é já a 3ª ou a 2ª nos EUA nesta área.
    Não sei, mas comparando com outras empresas de tamanho semelhante, parece-me que não estaremos muito mal servidos.
    Mas poderemos sempre entregar o comando a um qualquer quadro partidário por um décimo do valor. Costuma resultar.

  4. E não é imoral alguém receber 8500€ dia, quando existem milhares de portugueses que vivem com 200€ por mês !?

    Quando se fala em social, desigualdades sociais ou injustiça social, creio que devemos afinar os conceitos e ter a noção exacta daquilo que se fala.

    É imoral e é injusto perante os concidadãos que vivem abaixo do que se estabeleceu ser a linha de pobreza, existirem pessoas que ostentem ordenados desta ordem de grandeza.

    Quanto mais desiguais forem as sociedades, menor será o índice de desenvolvimento as caracterizará, hoje e no futuro.

  5. Carmen,

    Pode-se dizer que se existirem (?) portugueses a viver com 200 euros por mês (o que eu não conheço de todo) é de facto um problema sério e que revela uma desigualdade social acerca da qual muito poderá e deverá ser dito e feito.

    Agora, extrapolar esse argumento, para afirmar que é imoral alguém receber 8500 euros por dia é absoluta mesquinhes à portuguesa.

    É imoral existirem ricos porque há pobres?

    Alguém que ganha 8500 euros por dia é alguém que investiu na sua educação e formação de forma peremptória e que fez um percurso profissional exemplar e diferenciado até chegar onde chegou, e que através da sua actividade profissional dá a ganhar à empresa dezenas, senão centenas, de vezes esse valor todos os dias.

    Esse é o valor do seu trabalho, ou se quiser, o valor que o mercado está disposto a pagar
    por ele. Nesta ou outra qualquer empresa.
    Além disso, num contexto empresarial internacional de topo um ordenado de 8500 euros por dia é uma absoluta banalidade.
    Isto é evidente.

    Por outro lado pergunto qual seria para si uma boa opção:
    Contratar alguém que recebe metade mas dá a ganhar um terço?
    Ou criar tectos salariais que farão quem acrescenta e cria valor, inevitavelmente, fugir a sete pés de trabalhar para o estado e ir para o privado onde 8500 euros dia é risível?

    Em Portugal pagam-se aos quadros superiores das empresas e instituições públicas dos ordenados mais baixos e menos competitivos da Europa.
    A subvalorização do trabalho é em Portugal uma instituição embebida na populaça.
    O mérito não é um valor.

    Não será essa também uma das razões que levam à fraca eficácia e baixíssima produtividade do nosso tecido empresarial?
    Não será essa uma das razões para os níveis de pequena corrupção serem tão elevados?

    Quanto a índices de desenvolvimento se soubesse do que fala sabia que a tendência é a convergência e alias essa convergência nunca foi tão grande como agora.
    É até universal.
    Ou você também é desses portugueses que não conhecem bem a sua história e acreditam no mito de que um dia fomos donos do mundo e desde então foi sempre a cair?

  6. O problema não é haver ordenados altos. O problema é haver ordenados baixos. Nas sociedades mais desenvolvidas, o leque salarial é mais reduzido do que em Portugal. Estamos a falar de países com governos de direita. Sei do que falo, pois vivi 30 anos na Holanda. A proporção salarial é de 1 para 7. O CEO mais bem pago do país (director executivo da Philips) paga 73% de imposto…
    O problema não é o Mexia ganhar muito. É a EDP uma empresa do estado, aplicar uma taxa de 45% a um executivo de topo.
    O problema, de facto, é o PS dizer que é de esquerda e fazer uma política de direita.
    Qualquer governo social-democrata do Norte da Europa é mais igualitário do que o governo do PS. Essa é que é essa. O resto é demagogia “socialista”.

  7. António Mexia recebeu os 3,1 milhões de euros porque a EDP tem um volume de negócios de 5,1 mil milhões de euros?
    Ou a EDP tem um volume de negócios de 5,1 mil milhões de euros porque António Mexia recebeu 3,1 milhões de euros?
    Ou seja, há aqui uma causa/efeito entre as duas situações?
    Não será esta uma forma também demagógica de tentar justificar algo que raia a imoralidade?
    Recordem os vários exemplos vindos dos EUA, em que alguns gestores também ganhavam principescamente, as suas empresas eram as maiores e também as melhores e depois foi o que se viu.
    Não quero dizer que vá suceder o mesmo com a EDP. Apenas tento não ligar em demasia o vencimento do seu presidente com os resultados da empresa.
    Até porque a EDP já era uma empresa de sucesso antes da entrada de António Mexia.

  8. imaginar um iceberg ilustrativo é do melhor que há e serve para quase tudo na vida: a linha que separa o visível (acima) do invisível (abaixo e seguramente bem maior) é sábia. :-)

  9. Adolfo Dias

    A EDP já não tem o monopólio da venda de electricidade em Portugal e o volume de negócios respeita a vários países, que não apenas ao nosso.

  10. Meu caro bandido,

    O seu desconhecimento quanto à existência de pessoas que em Portugal vivem com 200€ /mês, não viabiliza a sua inexistência.

    A existência de ricos, moraliza a existência de pobres em sua opinião???

    O bandido sabe quanto ganha um funcionário da EDP que também é licenciado e que trabalha num call center, sabe ? 500€ /mês. Naturalmente que o ilustre sr. Administrador António Mexia cumpre um papel diferente, é certo, com mais responsabilidades, e tal… mas receber 8500€ para gerir uma agenda de contactos…

    Aníbal,

    Lamento que a minha opinião lhe cause incómodos ao nível da moralidade. Mas enquanto os donos deste blogue entenderem publicar os meus comentários, fá-lo-ei.

  11. suponho que não era imoral se esse senhor vendesse , sei lá , sol em africa . agora a vender uma coisa vendida à partida e que mais ninguém vende? até eu fazia o trabalho do senhor.

  12. Carmen Maria,

    é perda de tempo comparar o ordenado do Mexia com o empregado do call center. Tens de comparar com gestores ao mesmo nível, dentro e fora do país.

    Por outro lado, estás a dizer-nos que o operador do call center é mais qualificado por ter licenciatura e que o Mexia não passa de uma secretária de 1ª com a sua agenda de contactos?

    Qual o salário justo para o trabalho do Mexia e para o operador de call center na tua opinião?

  13. o que a carmem está a dizer, parece-me, e se não fôr é o que me parece a mim, é que é pelas disparidades “domésticas” que se vê o cu às disparidades, a uma escala mundial, norte-sul. :-)

  14. Cara Carmen,

    Você dizer que elas existem, também não viabiliza a sua existência.
    Mas tudo bem.
    Quer nos fazer ter pena de quem ganha 200 euros? Ok.
    Quem são essas pessoas?
    Diga lá um exemplo?!

    Nessas condições só conheço dois tipos:
    a)Emigrantes ilegais.
    b)Estagiários num escritório de arquitectura.

    Porque caso não tenha estado atenta existe uma coisa fantástica imposta por este governo, e que muitos criticam, chamada RSI, e que são no mínimo cerca de 400 euros.

    Acho ainda que alguém trabalhar num call center e ganhar 500 euros nem é assim tão mau. Que me lembre não é preciso nenhuma licenciatura para atender telefones.
    Além disso a maior parte dos licenciados que conheço e me são próximos fazem bem mais do que atender telefones trabalham as horas que devem e as que não devem, assumem responsabilidades profissionais brutais nas empresas em que trabalham e ganham os mesmos 500 euros que o seu amigo da EDP. Ahhh e a recibos verdes!

    “sr. Administrador António Mexia cumpre um papel diferente, é certo, com mais responsabilidades, e tal… mas receber 8500€ para gerir uma agenda de contactos…”

    Agenda de contactos???
    Mas a EDP é uma mercearia??

    A EDP é uma empresa líder em mercados altamente competitivos como a Europa, o Brasil ou os EUA.
    Estamos a falar de um mercado combinado que rondará os 700 milhões de clientes.
    Você faz ideia da quantidade de decisões que envolvem investimentos de milhões de euros a uma escala internacional, é que o Mexia tem que tomar?
    Você faz ideia do que é assumir a responsabilidade de UM negócio desses e ter que mostrar nada menos do que excelentes resultados?
    Pelas coisas que diz, realmente, não faz.

    Diria mesmo mais, o Mexia quanto muito é é mal pago.
    Quanto ganha um gestor semelhante no Brasil, nos EUA, em França ou até mesmo aqui ao lado, em Espanha?

    A mesquinhez é a maior prova do nosso provincianismo.

    O que está errado é existirem licenciados a ganharem ordenados absolutamente miseráveis e não o facto de existirem gestores ou quadros superiores em Portugal que ganham valores que nem chegam aos calcanhares do que se pratica nos países europeus com que gostamos de nos comparar.
    O modelo empresarial em Portugal basea-se historicamente em pagar mal ás pessoas.

    A sua solução para os baixos salários é reduzir os salários dos quadros de topo com a justificação de que é imoral.
    Imoral para quem? Para si?
    A partir de que valores é imoral?

    Você parece o Pacheco Pereira que fala em nome do país sem nunca entrar em contacto com ele.

  15. Pois é edie. É perda de tempo comparar um ordenado de 500€/mês, com outro de 8500€/dia. Acontece que não me consigo libertar desta revolta que me castiga quando penso que no meu país existem 2.5 milhões de pobres, e que eu pouco posso fazer para alterar esta situação. Contudo, quando posso, denuncio e pelos visto hoje já dei a conhecer a alguém que neste país existem pessoas que vivem com 200€/mês. O visado deve continuar descrente da situação. Mas enfim… É um facto verificável.

    Também sei que consegues fazer melhor do que as perguntas que deixas. Já li observações tuas com interesse, pelo que te recomendo uma nova leitura dos meus comentários anteriores. Verás que encontras as respostas. Se tal não acontecer, eu explico-te detalhadamente o meu raciocínio, se o Val me der espaço.

    Sinhã,

    Também é isso que afirmas, sim.

  16. Em tempos bem remotos houve o bom e o mau ladrão (Cristo estava no meio). Agora deve haver o bom e o mau ‘bandido’. Este daqui deve ser o ‘bom’ porque bom bandido ainda é mais bandido. Então …«Agora, extrapolar esse argumento, para afirmar que é imoral alguém receber 8500 euros por dia é absoluta mesquinhes à portuguesa»?
    Olhe que 8.500€/dia (1.700 contos à antiga) não é imoralidade…é blasfémia. Aliás só se faltar ao emprego tem tempo os gastar (e em quê?). E se o argumento de que…«Além disso, num contexto empresarial internacional de topo um ordenado de 8.500 euros por dia é uma absoluta banalidade» é válido podemos perguntar-nos se também é ‘banalidade’ em contexto idêntico ganhar 500€ por mês. No nosso País os ‘bandidos costumam sair da ‘populaça’. Não deve ser o caso do nosso bandido.

  17. Um vulgar Polícia de giro em Los Angeles ganha cerca de 5000 usd por mês.
    Pela lógica da Carmen será imoral…..lol

  18. Anibal,

    A si, respondo-lhe apenas que não tenho paciência para tanta ignorância, o que não tem mal nenhum. A qualquer momento pode deixar de ser ignorante, se quiser, claro.

    A si, meu caro bandido, talvez possamos continuar mais tarde

  19. Carmen,

    qualquer pessoa com um pingo de sensibilidade fica frustrada por haver pobres e pessoas com ordenados tão baixos.

    Mas o discurso puramente demagógico que apresentas – e friso que não dás qualquer resposta às questões dos teus opositores – não ajuda na compreensão do problema.

    As perguntas que fiz expunham o vazio do teu argumento e é por isso que continuas sem resposta.

  20. Carmen, a resposta para acabar com os pobres e os licenciados que ganham € 500,00 é então baixar os salários dos executivos de topo? Aqueles que gerem empresas de milhares de milhões, e cujas decisões afectam directamente dezenas de milhares de empregados e uma boa parte do PIB do país?
    Ou é só uma medida para satisfazer consciências pesadas? Uma vingançazinha, em nome da “moral”? Toma lá, seu malandro, não tens nada que ganhar tanto dinheiro, deves ser um bandido…
    É que não estou a ver a relação, a não ser que seja a lógica de que enquanto houver “pobres”, não devia haver “ricos”.

  21. Algumas questões:

    1 – Os funcionários dos call center não são funcionários da EDP mas sim trabalhadores contratados a prazo a uma empresa de trabalho temporário.
    2 – Se ganharem 500 euros são bem pagos porque “só atendem telefones”? Se “só atendem telefones” é porque não encontram outro trabalho, mais condigno com as habilitações que possuem.
    E alguém consegue viver com os 500 euros por mês? Mas é este o futuro que espera a actual juventude, já denominada de “Geração dos 500”.
    3 – Quem ler alguns comentários fica com a impressão que António Mexia é a EDP e vice-versa. Podem não acreditar mas a EDP tem, só em Portugal, perto de sete mil trabalhadores…
    4 – Num altura que temos um PEC à perna e que nos vai tornar a todos mais pobres devido às muitas restrições que impõe, acho imoral que os gestores de empresas onde o Estado tem uma palavra a dizer sejam remunerados com estes montantes.
    Alguém dizia que “ou há moralidade ou comem todos” mas parece que vivemos numa terra de cegos, onde quem tem olho é rei.

  22. A estupidez do Bandido que torna-se inqualificável.

    O grande problema é que este tipo de gente que não consegue parir uma ideia, também vota.

  23. Os portugueses comuns (os que têm trabalho) ganham pouco mais de metade (55%) do que se ganha na zona euro. Mas os nossos gestores recebem, em média:

    – mais 32% do que os americanos;
    – mais 22,5% do que os franceses;
    – mais 55 % do que os finlandeses;
    – mais 56,5% do que os suecos”

    (dados de Manuel António Pina, Jornal de Notícias, 24.10.08)

  24. Meu amigos

    Mais do que imoral é OBSCENO!

    Enquanto puderam, ocultaram! Mas, hoje, o povão já vai sabendo, enquanto não fecharem a Net! Nem durante a ditadura ocorreu semelhante saque. Depois, digam que é “demagogia” ou “mesquinhez”. Fartai vilanagem. O festim já esteve mais longe de acabar!

  25. Parece-me mais do que bem cinco mil euros vezes catorze meses. O resto ficava para uma bica por ano a cada um dos accionistas. E mais uma no fim do ano.
    Mas tenho que deixar a questão que ninguém parece ter coragem: afinal quantos palmos é que o Passos Coelho e o Seguro dão de vantagem no berlinde?

  26. Volto a este tema não para responder directamente a algumas questões que ficaram no ar, mas para afirmar que a moralidade do sistema deve ser extensivel a todos, sem excepção.

    Os factos, ao que consta, são:

    O Sr. Mexia tinha 600 mil euros de salário fixo, mais até 100% de bonús, mais até 100

  27. Volto a este tema não para responder directamente as questões que me colocaram ontem, mas para afirmar que a moralidade do sistema deve ser extensível a todos, sem excepção.

    O facto é:

    O Sr. Mexia, segundo consta, tinha 600 mil euros de salário fixo; mais até 100% de bónus; mais até 100% de prémio, o que pode dar, por ano, 1,8 milhões de euros.

    Só de salário fixo o sr. Mexia deve embolsar 6 a 8 vezes o salário total do chefe do Governo de Portugal.

    Será o desempenho de CEO do EDP é mais exigente, física e intelectualmente do que governar o país???

    Denunciar estes factos, não é demagogia, conforme foi dito. Também não é inveja, segundo uma ou outra insinuação. É consciência cívica, mas é sobretudo ter a certeza que aquela, como outras empresas é formada por todos os seus trabalhadores, que quando precisam de comprar iogurtes o preço a pagar é igual para todos. Grosseiramente, daqui resulta que uns podem comer, outros não.

  28. Carmen, não concordo com a comparação. Para além de demonstrar, como diz a edie, que se calhar o chefe do governo é que é mal pago – o que todos sabem, fingindo não saber, as funções e remunerações não são comparáveis, na medida em que o estado, ao contrário das empresas, não vive de e para maximizar os lucros. E as remunerações de executivos de topo, na maior parte dos casos, e creio que também na EDP, estão ligadas a lucros e objectivos. Quanto mais de uns, mais de outros. O estado, por seu lado, vive mais da lógica do serviço público – algo que muitos também esquecem quando acusam “os políticos” de “se servirem” dele para ganho pessoal.

  29. basta os dados da mf ali em cima para ver a distorção salarial em Portugal e ainda faltava ver o diagrama de extremos e quartis ou parecido. Das duas uma, ou gostam que seja assim e assumam-no, programas de Governo e partidos obviamente, ou corrijam para ficar na média da Europa. E isto é um compromisso que até me irrita face ao que está escrito na Constituição, mas enfim.

  30. Texto publicado no jornal Expresso por Daniel Oliveira
    …e o resto são cantigas!

    “Terão que se assumir sacrifícios no curto prazo por forma a obter vantagens no médio prazo, devendo esta geração evitar carregar inutilmente as próximas.” São estas as palavras de António Mexia que se podem ler no site dos liberais caseiros do Compromisso Portugal. Só que, como de costume, quando Mexia diz que se terão de assumir sacrifícios não está a falar dele próprio.

    Soubemos esta semana que Mexia recebe 3,3 milhões por ano. O mesmo que 500 trabalhadores com o salários mínimo nacional. Aquele salário que, por ser aumentado em vinte euros, iria, garantiram as associações patronais, rebentar com a nossa competitividade. Recordo o que aqui já escrevi: os nossos gestores recebem em média 32 vezes mais do que os trabalhadores mais mal pagos das suas empresas. Na Alemanha a média é 10 vezes mais. Querem mesmo falar dos salários e da competitividade das nossas empresas?

    Dirão: a EDP é uma empresa privada. Não temos nada a ver com isso. Acontece que é uma empresa privada que foi pública e onde o Estado continua a ser o maior accionista. E que vive em regime de monopólio. O ordenado de Mexia é pago pelos consumidores que não podem decidir mudar de empresa. E, recorde-se, o preço da electricidade doméstica em Portugal é, em termos absolutos, superior ao da média comunitária. Na factura lá estão o salário e prémios de António Mexia.

    E acontece que o currículo de António Mexia, apesar de se tratar de um convicto liberal sempre a pedir menos Estado, é bastante esclarecedor: foi Adjunto do Secretário de Estado do Comércio Externo, Vice-Presidente do Conselho de Administração do ICEP, Presidente dos Conselhos de Administração da Gás de Portugal e da Transgás, Vice-Presidente da Galp Energia, Presidente Executivo da Galp Energia, Presidente dos Conselhos de Administração da Petrogal, Ministro das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, Presidente do Conselho Geral da Ambelis e representante do Governo Português junto da União Europeia no Grupo de trabalho para o desenvolvimento das redes transeuropeias. Agora está na EDP. Tirando a sua vida académica e uma passagem pelo Banco Espírito Santo, trabalhou sempre, seguramente contrariado, para o Estado ou para empresas participadas pelo Estado. E quase sempre por escolha política.

    Este homem, que fez a sua vida profissional à boleia da política e do Estado, quer menos Estado. Faz-se pagar como os 200 que mais recebem nos EUA e exige sacrifícios a bem das próximas gerações.

    E foi ele mesmo, sempre lesto a gritar pelo mérito, que contratou, se bem se recordam, Pedro Santana Lopes (seu ex-primeiro-ministro) para assessor jurídico da EDP. Porque os amigos são para as ocasiões.

    E fez este senhor parte desse patusco encontro de gestores que exigiu, em 2006, o congelamento salarial dos funcionários públicos. Sacrifícios, já se sabe, têm ser feitos

    São estes homens, transformados pela imprensa em oráculos da Nação, que nos dão lições de competitividade, meritocracia e estoicismo para vencer as adversidades. Falam de cátedra. Mas não sabem do que falam”.

  31. Cada Macaco no seu galho.
    Eles não ganham muito. Nós é que ganhamos pouco…. :(((((((((

    Mas também o que fazemos nós? além de beber bjecas e dizer mal dos outros?

  32. Assim numa breve pesquisa na net, topei com várias polémicas, em outros tantos países, sobre o facto de haver gestores de topo que ganham mais do que os governantes de topo.

    É a merda do capitalismo, é o que é…

  33. edie,
    Registo sempre com simpatia os teus comentários.

    Quando a comparação era feita com os trabalhadores do Call Center não dei conta que tivesses escrito algum comentário que manifestasse algum tipo de desagrado com a situação que aquela gente vive.

    Quando a comparação é feita com o PM, então já achas que o PM está mal pago.

    Estranho princípio de equidade, o teu.

    Também não concordo que o capitalismo seja uma “merda”. O capitalismo quando vivido com consciência cívica e civilizacional, gera bem estar social para todos os estratos da sociedade.

  34. Carmen,

    se tomares magnésio para a memória, poupas-me andar aqui a fazer copy/paste:

    “qualquer pessoa com um pingo de sensibilidade fica frustrada por haver pobres e pessoas com ordenados tão baixos.

    Mas o discurso puramente demagógico que apresentas – e friso que não dás qualquer resposta às questões dos teus opositores – não ajuda na compreensão do problema.”

    Se não for suficiente para ti, eu fustigo-me já aqui. escolhe o instrumento :)

  35. Edie,

    Na verdade, eu até queria esquecer “o pingo de sensibilidade” que provoca a tua frustração.

    Eu refiro-me a gente da minha terra que é pobre e que vive diariamente na mais abjecta exclusão social.

    O olhar com que encaro estas pessoas não é o da sensibilidade; o sentimento não é o da frustração.

  36. Carmen, à falta de substância, entras no jogo de palavras. Então deixo-te a brincar com estas, as tuas, mais uma vez, em copy/paste:

    “Acontece que não me consigo libertar desta revolta que me castiga quando penso que no meu país existem 2.5 milhões de pobres, e que eu pouco posso fazer para alterar esta situação. ”

    Deixo-te com a tua superioridade moral e o teu exclusivo da revolta por causa da impotência que não é frustração.

  37. Edie,

    Apresentar ideias diferentes das tuas, não implica factualmente superioridade moral, como afirmas. Ou aceitamos ou não aceitamos. É só!

    Sentir revolta não tem correspondência com frustração, lamento.

  38. Edie
    Apresentar ideias diferentes das tuas, não implica factualmente superioridade moral, como afirmas. Ou aceitamos ou não aceitamos. É só!

    Sentir revolta não tem correspondência com frustração, lamento.

  39. Mais uma contribuição para a discussão, esperando que nasça luz, já que está em causa a EDP…

    Texto de António Avelãs, no blog Circo Lusitano:

    “1. A. J. Seguro considerou – e bem – obscenas as retribuições (salários e prémios) pagas a António Mexia enquanto gestor da EDP: coisa superior a 3 milhões de euros.

    2. O discurso sobre isso produzido por A. Mexia é tão obsceno como as remunerações que recebe. Diz ele que cumpriu e superou os objectivos propostos pelos accionistas. Ou seja: os accionistas propuseram objectivos obscenos pagos de forma obscena.

    3. De onde vieram os lucros que possibilitaram aos accionistas da EDP este pagamento obsceno? Em boa parte, presumo, do que cada um de nós pagou mensalmente à EDP pelo uso de energia eléctrica Significam estes lucros que todos nós poderíamos ter pago menos à EDP, isto é, poderíamos ter energia menos cara. Mas esses não eram os objectivos que a EDP e sr. Mexia definiram.

    4. Mexia definiu o capitalismo da sua forma mais cínica: uma empresa deve ter o máximo de lucros – esse é o seu objectivo. Seja por que meios for. Tudo o resto é música celestial para embalar incautos.”

    Ontem, após ouvir os muitos elogios de José Sócrates dirigidos a António Mexia, tive a certeza de que as palavras do PM eram muito mais importantes do que os objectivos cumpridos por aquele gestor.
    O nosso PM é muito mal pago, de facto…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.