Gente séria do meu país

O que não posso deixar de notar é que a forma como esta questão tem sido tratada lembra-me um pouco alguém que coloca fogo a uma casa e depois queixa-se que os bombeiros não chegaram suficientemente depressa», disse Poiares Maduro aos jornalistas, em Cantanhede, à margem da inauguração da Expofacic.

«A questão fundamental aqui é saber como foi possível, durante sete anos, em Portugal, serem celebrados contratos ‘swap’, quem foi responsável por isso, quem é que tinha tutela quando foram celebrados», argumentou.

Poiares Maduro: Ministra dará «todos os esclarecimentos» sobre ‘swap’

__

Estas declarações são especialmente relevantes, apesar da sua inerente efemeridade. Vejamos:

– Poiares Maduro chegou com a aura de ser um jovem e brilhante académico com prestígio europeu e internacional, a antítese perfeita de Miguel Relvas que substituía na pessoa, no estilo e na estratégia. Trazia modernidade e esperança para um Governo de fraquíssimas figuras.

– O professor de direito em universidades de Itália e dos EUA chegou também sem passado político, o que o deixava imune para escapar ao registo de baixa política onde o PSD encontrou nos últimos largos anos o arsenal para conquistar e manter o poder.

– Ei-lo, então, a usar uma analogia que se aplica como uma luva ao que PSD e CDS, entusiasticamente acolitados pelo BE e PCP, fizeram no Parlamento a respeito do caso BPN. Nesse processo, o alvo mais ferozmente perseguido – aliás, o único alvo – dava pelo nome de Vítor Constâncio. Crime do senhor? Ser socialista. Agora com o Poiares, os bandidos voltam a ser os polícias.

– Só que há polícias maus e polícias bons. Os maus estão todos nos Governos do PS, embora nada se demonstre acerca dessa insinuação e, portanto, tudo se difame. E os bons estão neste Governo, apesar de se ter no currículo obra feita à conta de muito swap embrulhado e despachado in illo tempore, e apesar de se mentir à boca cheia, inclusive sob juramento numa comissão parlamentar.

Este é tão-só mais um episódio onde constatamos a decadência da direita portuguesa, a qual nem com sangue novo e neurónios aparentemente em boas condições consegue sair do charco onde vegeta e procria. Lembre-se que a primeira vez em que o povoléu foi brindado com a notícia da existência de tais bicharocos ocorreu em Abril de 2013, em cima do congresso do PS. E que, a partir daí, o que se veio a saber do processo deixa uma imagem deplorável tanto de Maria Luís Albuquerque como de Vítor Gaspar. Não só estavam os dois devidamente alertados e informados desde que chegaram ao Executivo como não foram capazes de resolver o assunto mais cedo e ainda vieram culpar os governantes passados, os mesmos que começaram a tratar da questão e que foram transparentes a seu respeito na mudança de poder.

Para além dos considerandos imediatos, um pouco mais de tempo a matutar nas manhas do Maduro leva-nos para uma mais tenebrosa conclusão: este PSD do valente Pedro só concebe a acção política em modo pós-Estado de direito, particularmente quando está no Governo. Aqui, temos um ministro a dizer que o actual mandato dos governantes não deve ser tido em conta para o apuramento de responsabilidades políticas, morais e até criminais. Ali, temos um Governo a fazer dois Orçamentos inconstitucionais e a queixar-se de um Tribunal por este insistir em defender a Constituição. Acolá, temos ministros a ofenderem-se uns aos outros em público e por escrito, a fazerem juras e a voltarem imediatamente com a palavra atrás a troco do crescimento das sinecuras.

Isto, a esta escala, com esta falta de decoro, às escâncaras, nunca se tinha visto no Portugal democrático, tem sido amiúde repetido. Mas isto, colhe frisar, igualmente nunca tinha sido imaginado como sendo possível. É que estes são os mesmos da “política de verdade”, do “falar verdade aos portugueses”, da “década perdida”, do “fim do regabofe”, do “os familiares de Sócrates deviam ter vergonha”. Esta é a gente séria do meu país.

6 thoughts on “Gente séria do meu país”

  1. com o chefe no poleiro de cima há que arriscar enquanto dá porque ou me engano muito ou isto vai acabar e muito mal para muita gente.

  2. Eles não são tão bons como nos são apresentados! O maduro até parecia crescer uns
    centímetros na defesa da sua donzela marilu tóxica, a questão é muito mais simples,
    hoje sabe-se que funcionou como “toupeira” no Instituto onde estava colocada mesmo
    antes das eleições e pior, mentiu no Parlamento querendo omitir a sua acção de baixa
    política … logo, como jurista o maduro está muito verde!
    Mas, outros irão mostrar as suas grandes capacidades, com a sua experiência e trabalho
    no campo profissional o caso do fenómeno da ecologia o agora ministro do ambiente e
    inergia, só lhe falta alcançar o Prémio Nobel … segundo as apresentações feitas!!!

  3. isto, de facto, nunca tinha sido visto em pprtugal – nem em nenhum país civilizado. Acontece que face a isto, o “povoléu ” vai de férias e para os festivais , que já gastou o gás todo no sócras e tanto não alcança – só se a comunicação social se desse ao trabalho de ajudar…a propósito, isto já faz parte das conferências de imprensa diárias do maduro? azar ser na silly season, bem se queixava o ultra-elvas quando anunciou a iniciativa.

  4. Enquanto toda a esquerda se distrai com isto (e com os três partidos da esquerda a apontarem as suas armas uns nos outros) Poiares Maduro mete as mãos na massa. Recordo que este ministro acumula o pelouro da propaganda governamental com o da gestão dos fundos comunitários. Quanto aos fundos, as notícias de hoje são inacreditáveis. Maduro vai pôr os ministérios a competir uns com os outros pelos dinheiros; ou seja, o Estado deixa de ter visão de conjunto, e passa a ser o salve-se quem puder ou, melhor, o saque quem puder!… Tendo em conta a corrupção que esses dinheiros podem vir a gerar, o resultado pode vir a ser catastrófico. Curiosamente, a comissão encarregue de avaliar as facções em competição está cheia de gente da fundação do homem do Pingo Doce.

    O mesmo modelo foi aplicado por Eddie Lampert à Sears, que comprou por 12 mil milhões de dólares (para se ter uma ideia do valor, corresponde a 1/9 do empréstimo da tróica a Portugal). Eddie Lampert, um famoso financeiro que ganhou fama a dirigir fundos altamente especulativos, comprou a Sears com o objectivo de a revolucionar. A sua ideia, em tudo idêntica à que Poiares Maduro quer aplicar na gestão do próximo CREN, era fragmentar a Sears em dezenas de departamentos independentes e pô-los a competir uns com os outros pelos recursos da companhia.

    E qual foi o resultado? A Sears está na falência. A Sears era uma das maiores cadeias de “Department Stores” dos Estados Unidos. A Bloomberg tem um longo artigo sobre o assunto, com o título “Na Sears, o modelo de departamentos em guerra amplia os problemas”. Pode-se ler o artigo aqui:

    http://www.businessweek.com/articles/2013-07-11/at-sears-eddie-lamperts-warring-divisions-model-adds-to-the-troubles#p1

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.