Foi feio, Sócrates

Pacheco Pereira levou ao Parlamento a seguinte questão: que espera o Governo para considerar já culpados os arguidos do caso Face Oculta, sem esperar pela Justiça, assumindo as consequências políticas dos supostos actos ilegais de terceiros?

Esta pergunta não é feita para ter resposta, é feita para ser pergunta que fica sem resposta. Ao que se pode responder é ao carácter de quem a faz. Como o fez Sócrates. Sem esforço aparente. E com bonomia.

Mas estamos a falar do Pacheco, um vórtice de empáfia. A sua presença vai ser de permanente intoxicação, podendo provocar vítimas em qualquer partido. Desta vez, foi Ribeiro e Castro a ter sido apanhado no turbilhão e a ser arrastado pela força negra. Fez figura de parvo não se sabe porquê nem para quê. Amanhã será outro qualquer.

Horas depois, podemos ler nos blogues alucinados que Sócrates se portou mal com o Pacheco. Pudera, eu também diria o mesmo se fosse do PSD. É feio ver alguém bater nos nossos, ainda por cima nos mais fracos.

20 thoughts on “Foi feio, Sócrates”

  1. Errado.
    As escutas feitas pela polícia e escarrapachadas em todos os jornais e TVs são mais do que suficientes para qualquer cidadão perceber o que se passou (se a polícia não é de confiança então nem vale a pena continuar a discussão).
    E Sócrates, que é o responsável máximo pela nomeação da corja dos seus amigos para os cargos de gestores, claro que também já percebeu.
    Se os tribunais vão ou não condenar é outro problema. Os meandros e estratagemas jurídicos podem eventualmente levar à impotência, ou ao protelamento infinito das sentenças dos tribunais, mas os crimes cometidos não deixarão de existir por causa disso.
    Há realmente uma responsabilidade política nas nomeações por compadrio de gestores não só incompetentes como, confirma-se agora, corruptos. Foi isso que Pacheco Pereira disse na AR.
    Que Sócrates se tenha atrevido a responder a um deputado, seja ele quem for, com ataques pessoais dignos de uma discussão numa tasca qualquer é sintomático da decadência do actual regime.

  2. Ir à caça e ser caçado
    Aconteceu a um colega meu que é caçador, um dia em que foi à caça, além do esforço dispendido, do gasto monetário, ainda teve a infelicidade de ser confundido com um coelho e levar um tiro de um outro caçador. Para além deste azar, ainda hoje com a mudança do tempo tem dores provocadas por alguns chumbos ali alojados. Quando isso acontece sinto pena. Isto de ir à caça e ser caçado deve ser das coisas mais desprestigiantes para um caçador.
    Sinto a mesma pena de Pacheco Pereira com a interpelação que hoje fez na Assembleia da República ao 1º. Ministro, depois da resposta que recebeu ainda se encostou para trás na cadeira, mas o que me leva a crer, era que se queria enfiar debaixo dela. Marcelo Rebelo de Sousa uma vez disse que o PSD é um saco de gatos, outra que é um gato de sacos, o que me leva a aconselhá-los que não desperdicem os sacos porque vão precisar deles todos para enfiá-los na cabeça, tais os disparates. Espero que ao Pacheco Pereira não aconteça o mesmo que ao meu amigo, que na mudança do tempo não tenha dores que o prive de voltar a falar, porque se assim for quem são os verdadeiros prejudicados somos nós, que não nos podemos divertir com as suas asneiras. Achei o debate interessante e José Sócrates como sempre bem preparado e com força para dar e vender.
    PS – Só não gostei da publicidade à Quadratura do Círculo feita pelo 1º. Ministro, ainda o vão acusar de andar a servir os interesses da SICN, como hoje fez o Pacheco Pereira com o computador Magalhães.

  3. A coisa foi ainda pior: O Pacheco Pereira tentava envolver os ministros, e até o 1º ministro, na responsabilidade que ele já sabe existir no caso Face Oculta. Quer dizer, o JPP quer aplicar penas antes dos julgamentos. Quer fazer justiça popular e quer sobretudo fazer recair sobre o governo o ónus das malfeitorias de pro-sucateiros.
    A ideia até me perece boa.
    O que fazia falta, seria responsabilizar quem nomeou o Dias Loureiro para o CE e o defendeu na praça pública, meses a fio, e apesar de tudo estar mais que conhecido via a extraordináraia Comissão de inquérito “liderada” pela direita…
    Isto ainda vai dar um grande fado!

  4. Eu estou com o MFerrer.
    O objectivo , por parte de Pacheco Pereira , é claro : envolver Sócrates.
    Basta ter vista ontem à noite a Quadratura do Circulo.
    E pelos vistos hoje e notícia é uma conversa de Armando vara com Sócrates sobre o negócio TVI.
    Como diria o outro : “there we go again !”
    O Freeport está condenando ao fracasso, no que aos que quiseram envolver Sócrates diz respeito, como tal vamos ( vão ) desde já, a legislatura ainda agora começou, abrir nova frente.
    Cumprimentos

  5. Como era de esperar o guru da marmeleira já fez das suas.Deixando vir ao de cima os maus tiques herdados dos tempos do poder popular, embarcou na condenação de pessoas ainda não condenadas em julgado, apenas constituidas arguidas, e tentou embrulhar na falácia maldosa o 1ºMinistro e o governo. A desonestidade do senhor é bem visivel, é um reflexo dos tempos das acusações que são consideradas provas e não teem defesa possível. A presença desse senhor no parlamento vai trazer um apimentar às discussões politicas, mas , ao mesmo tempo vai fazer redobrar a atenção para não deixar-mos a intriga e a mentira levarem a melhor.Não é de confiar, esse senhor.E o 1º ministro deu-lhe a devida resposta.Por vontade dele,aquilo que de mal ainda existe na nossa justiça, era para seguir em frente e acusar as pessoas sem defesa possível, acusá-las,condená-las e mete-las na cadeia sem direito a defesa. A destruição de pessoas na praça pública, aí está ela novamente.Temos que estar atentos,e não embarcar nos cantos de sereia(é um bocadinho feia, mas o canto pode ser sedutor para inocentes)Devo dizer que não sei se os arguidos da “face oculta”são ou não inocentes-apenas sei que devemos presumir da sua inocencia.

  6. Pacheco foi directo ao ponto. Isso vê-se bem se lermos os blogues da rede de amigos/assessores do PM. Está tudo possesso.

    Afinal, se calhar, esta legislatura vai ser divertida. Ontem foi só o primeiro dia….

  7. A intervenção politica de PPereira tem vindo a sofrer um processo de degradação e hoje não passa do nivel da costureirinha.Um olhar zarolho sobre a realidade que é muito bem acolhido por uma certa direita falha de “cultura” e inteligência mas tambem por jornalistas ressabiados. Ontem, como de costume, espalhou-se ao comprido, como se espalha sempre que encontra algum contraditorio à altura e não pés de microfone embevecidos. Espalhou-se novamente na Quadratura, frente ao Antonio Costa.Chega a ser confrangedor a forma como reage, sobrepondo a sua voz para que não se ouça o que A.Costa diz (no que é ajudado cirurgicamente pelo C. Andrade)ie, o medo da inscrição do outro. Tem que ter sempre uma “muleta” nos debates , seja no procurar o “olhar” cumplice do Lobo Xavier, seja , como ontem no Parlamento, alguem que lhes dê algumas dicas sobre o que ligeiramente disse, seja na complacência do jornalista que lhe atapeta o palco.
    Na realidade ele não passa de uma emanação do sistema que tão acriticamente critica.

  8. (chato, não vejo coisas dessas há meses e ainda assim continuo com déjà-vus, mas portanto parece mexida a legislatura que é o que importa – anda um cheirinho de martinho da arcada por aqui)

  9. Lá anda o «inocente» Valupi a lançar boomerangs que, pouca sorte, acabam por acertar em cheio na sua própria tola:
    «Valupi levou ao seu blogue* a seguinte questão: que espera Cavaco para considerar já culpados os arguidos do caso BPN, sem esperar pela Justiça, assumindo as consequências políticas dos supostos actos ilegais de terceiros? Esta pergunta não é feita para ter resposta, é feita para ser pergunta. Ao que se pode responder é ao carácter de quem a faz.»

    *Basta fazer «search» no canto superior direito…

  10. fernando penim redondo, o cidadão até pode perceber o que se passou. Mas aos tutelares exige-se a compreensão do que se passou, do que se passa e do que se vai passar. Ou seja, exige-se o respeito e cumprimento da Lei.
    __

    Manuel Pacheco, bem visto.
    __

    MFerrer, tens toda a razão, ficou ainda muito por dizer daquela intervenção do Pacheco. E a política vai ficando cada vez mais nas mãos dos magistrados, inspectores e pulhas. Enfim, são os tempos, venham eles.
    __

    António P., e eu estou contigo.
    __

    antonio manso, nem mais.
    __

    Madalena Santos, concordo, ontem foi muito divertido.
    __

    K, excelente análise.
    __

    z, vamos ter festa. Tragam as fatiotas vistosas.

  11. Val, a política está cada vez mais na mão dos magistrados, inspectores e pulhas. Subscrevo e aplaudo. Mas o que fez Alberto Costa para que isso não se verificasse? O que fez para que não viéssemos a ter um remake do Apito Dourado? Mais centenas de horas de escutas que vão permitir uma outra telenovela, pelo menos até ao próximo acto eleitoral. Fugas de informação cirúrgicas. Insinuações gravíssimas. O que é curioso é que no caso BPN não houve escutas. Não eram politicamente necessárias, é a explicação. Face Oculta é um nome de bar de alterne muito frequentado pelos polícias de Aveiro. Foi num bar de alterne que se tornou a justiça portuguesa.

  12. val, ao poder executivo o que está vedado é influir no funcionamento da justiça (o que parece não se ter verificado no caso Lopes da Mota).
    O que acontece é que se usa esse pretexto para evitar falar das coisas inconvenientes.
    Os casos que entram no domínio público são políticos por natureza e, quer se goste quer não goste, é impossível fugir-lhes ainda que por omissão.
    Com a justiça que temos (demorada e inoperante) é impossível evitar uma segunda justiça, paralela, em que a população faz os seus julgamentos a partir dos dados disponíveis.
    Na verdade os tribunais quando não condenam não passam nenhum certificado de inocência; limitam-se a dizer que, de acordo com as regras processuais em vigor, não foi exequível a condenação.
    O caso Face Oculta já foi julgado pelo público tal como o caso Do Isaltino e os outros.
    Quando os infractores vão a votos, como o Isaltino, ficamos com uma ideia de qual foi a sentença do povo. No caso de funcionários e gestores públicos a coisa é mais complicada.
    O Governo que nomeou arbitráriamente os arguidos não precisa de qualquer sentença passada em julgado para os desnomear, como nos quer fazer crer.
    Tem a obrigação de fazer a leitura política da situação e de tomar as medidas que reponham alguma da confiança dos cidadãos. Os tribunais hão-de um dia, daqui a vários anos, sejamos optimistas, decretar a penas previstas na lei.
    Mas esse é um plano distinto que, tal como qualquer decisão administrativa do Governo, pode condenar inocentes ou absolver culpados.

  13. Fernando P, Alberto Costa, visto de fora, não fez nada. Mas a pergunta seguinte é: que poderia ter feito?

    Eu não votei PS por causa, exclusivamente, da temática da Justiça. No seu Programa eleitoral, o PS não assumiu qualquer compromisso prioritário ou reformador nessa área. Mas entendo que o problema ultrapassa o poder de um só partido, mesmo sendo o PS. Aliás, o que a maioria anterior comprovou foi a impotência de um Parlamento, e de um Governo, para sequer conter as perversões na Justiça.

    Assim, esta causa é de todos. E todos não seremos demais para lidar com a sua dificuldade.
    __

    fernando, sem dúvida, os casos têm dimensão e consequências políticas. Contudo, tal não altera a premissa: a tutela tem de respeitar e cumprir a Lei. Isso não equivale a ficar refém da decisão judicial para agir – e não fica, pois se abrem inquéritos internos – mas também não equivale a deixar-se manipular e perverter pelos adversários políticos, como foi o caso na intervenção do Pacheco.

    Entretanto, tens de nos contar: como é que Lopes da Mota tentou influenciar a Justiça?

  14. O que mudou para esta gente entre o caso BPN e agora o caso sucata, nada, só que num caso se trata de escórias.

    Porque um eram os piores seres dos mundo e estes são uns anjinhos? Enfim, pobres criaturas.

  15. “E a política vai ficando cada vez mais nas mãos dos magistrados, inspectores e pulhas. Enfim, são os tempos, venham eles.”

    Pois, pois, o que tu querias é que os rapazes as fizessem e ninguém lhes fosse à mão!

    És mesmo fraquito, já que não tens coragem para directamente defender os penedos e os varas, fazes fogos de distracção. Muitos antes de ti tentaram a técnica, felizmente para nós, niguém caiu no engodo.

    Vamos aguardar com calma logo veremos o que acontece. As cadelas aflitas têm os filhos cegos!

  16. Bem..independentemente de quem venha a ser inocentado ou acusado um CRIMINOSO já é irrefutavelmente conhecido e declarado culpado por mim.
    Quem é, perguntais? Quem é essa Face Oculta Criminosa?
    É…a Justiça!
    Quem pode confiar na Justiça quando são os seus próprios agentes que cometem o crime de passar para a comunicação social, sob a forma hipócrita e criminosa de “fonte”, peças processuais seleccionadas cirurgicamente de um investigação em segredo de justiça, visando, manipulando e direccionando o povo para um alvo escolhido por ‘forças ocultas’ com o objectivo de emporcalhar pessoas que gozam, tal como eu, tu ou outro qualquer que não seja condenado, da presunção de inocência???
    Independentemente de quem venha a ser inocentado ou acusado, estas prácticas cometidas por estes “agentes”, qual verdadeira face oculta criminosa da Justiça, coadunam claramente prácticas neofascistas.
    Cada vez dou mais razão a Marinho Pinto quando nos avisa que a Justiça Portuguesa é hoje pior do que no tempo da Pide e que pretende criar uma sociedade de Bufos.
    Como democrata que sou e zelo pelos seus valores, indigno-me e insurgo-me perante a traição que estão a fazer ao Povo Português.

    P.S. – esta minha posição de indignação é válida para todo o cidadão que goze da presunção de inocência até prova em contrário..seja de que partido for, seja de que clube for, seja de que religião for, seja de A a Z.

  17. Não pretendo repetir-me, mas nunca é de mais dizer que quem é culpado é quem já foi julgado e considerado culpado.Esse sim é culpado;mas sei que tambem é culpado quem, com intenções declaradamente criminosas, passa informações sigilosas para o público, através de lacaios dos média,que são tudo menos jornalistas ou orgãos de informação(serão talvez orgãos de desinformação), e indignos de circular entre nós.Quem estará agora a informar sobre a investigação, e estará a criar o ambiente de suspeita,perfeitamente justificável, que se vive agora entre nós? As tentativas de implicar o eng. Sócrates são descaradas. Só quem pretende um descalabro do nosso país, na actual situação dificil, é que pode agir desta maneira.Não estou a dizer que os governantes sejam intocáveis, estou a dizer que os conspiradores, venham eles de onde vierem,seja da judiciária, dos tribunais do ministério público,devem ser descobertos e investigados e punidos rigorosamente.Não é aceitável que sejam passàdas informações para a opinião pública , descaradamente,através de pasquins, e de lacaios cujas intenções, essa sim, são criminosas e secretas,ou na melhor das hipóteses politicamente desonestas.

  18. Eu, se fosse PM, eu, claro, não outra pessoa, nunca, por nunca, responderia ao actual deputedo, perdão, deputado, PP do PSD ex-extrema esquerda inconsequente, porque eu, eu, claro, por motivos, que muitos outros, que não eu, consideram válidos, também. Porque o PP do PSD não expressa opiniões nem ideias, vomita um ódio fedorento por cima dos considerados por ele seus adversários político-ideológicos (lembremo-nos que a simples existência deste “fedorento”, como de outros mais na nossa galáxia política, prova o dito de que os “extremos se unem” e nesses extremos “unidos” o cheiro proveniente dessa promíscua mistura é fétido) . Atenção nada tenho contra a esquerda ou extrema-esquerda consequentes, mas onde estão elas? Admito que possam existir, contudo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.