Faz hoje 50 anos que

Caíram 4 bombas atómicas na Península Ibérica. Dois aviões norte-americanos, um com as bombas e o outro de abastecimento de combustível, chocaram no ar. Só no final de 2015 é que os Estados Unidos aceitaram responsabilizar-se pela limpeza dos terrenos contaminados com plutónio. Não sei o que será mais incrível nesta história, se a imagem de 4 bombas atómicas a caírem mesmo aqui ao lado de Portugal, e logo por acidente para ser ainda mais absurdo, se a demora dos americanos em tratarem do problema que causaram, no que fica potencialmente como o absurdo maior.

A BBC explica.

_86198102_palomares_bombs_624_v2

10 thoughts on “Faz hoje 50 anos que”

  1. Isto é gravíssimo! E porquê só agora ouvi falar de tal acidente?
    Não é como se estivesse fora da realidade.
    Houve alturas em que procurava ver com deleite tudo o que era documentário sobre energia atómica.
    Contudo, de todas as bombas e suas histórias, desconhecia que a radioatividade já tinha sido espalhada tão perto, aqui mesmo, na península Ibérica!

    Informei-me sobre as consequências de Chernobyl, cuja nuvem tóxica chegou até à Península Ibérica mas, afinal, esta já tinha levado com quatro (!) bombas de plutónio!

    Uau!
    Deviam falar mais disto na com. social.

  2. Em Espanha houve uma marcha de protesto sobre Madrid, encabe;ada por Isabel de Medina Sidónia, uma aristrocrata que era um ícone da resistência à ditadura de Franco. Até essa altura, Isabel dizia que Franco não se atrevia a tocar-lhe porque, afirmava, “yo soy tres veces grande de España”. Mas Paco Franco, picado pelos Americanos, prendeu-a. Ela acabou, desalentada e doente, naquela via sacra parisiense da oposição democrática ibérica: a bica no café de La Paix, a cerveja amarga no Lipp, as tertúlias exaltadas do Flore e os comícios anuais nas instalações do PC francês. Até as ditadurs caírem de maduras, com a benção do Tio Sam. O mesmo Tio que, depois disto, se meteu no Afeganistão, no Iraque e na Líbia, com os lindos resultados que estão à vista.

  3. olha o que investiguei: a persistência do plutónio no meio ambiente depende da duração necessária para que sua radioactividade diminua para metade. esta “semivida” é de 13,2 anos para o Pu 241, mas cerca de 24,4 mil anos para o Pu 239. entre estes dois extremos, o “período” do Pu 238 é de 88 anos e o do Pu 240 é de 6.570 anos.

    isto significa que o mais incrível é mesmo a morte – e os assassinos – em lentidão.

  4. O Franco, como todos os déspotas, pisava os mais fracos e vergava-se diante dos fortes. Durante a Guerra Civil, soube-lhe bem o Hitler. Mas acabada a 2ª Guerra Mundial, tinha de andar ao jeito de quem lhe deu uma (grossa) fatia do Plano Marshal. Para bom entendedor…

  5. Aquele espanhol que veio apoiar a Mariza não fala em português, o Lopetegui não fala em português só espero que a Marisa e a Catarina quando retribuirem não falem em espanhol.
    Como faz o CR7 e o Mourinho.
    Nem os argentinos do POrto e do Benfica falam português, se fosse no Brasil todos falavam português.
    Somos uns gozados da porra!
    Pelo menos a Mariza se ganhar a preside_encia que não emite o Cavaco que fala em inglês.
    Bom era o Mário Soares que só fala va Francês, mas por favor, mas mal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.