17 thoughts on “Exactissimamente”

  1. Poça que já não me sinto sózinho! Bem, o gajo é mais bonzão do que eu, mas ainda assim no resto parecemos iguais.

  2. :-)

    olha, uma vez escrevi uma carta manuscrita – à antiga – ao Júlio Machado Vaz. o murcon, mandou a secretária responder-me, por email, de uma forma completamente desfazada do conteúdo da minha carta (mais valia não ter respondido). perdeu toda a minha admiração. mas voltou a receber uma carta minha e ouviu tudo o que tinha de ouvir e calar. quem cala muitas vezes não diz o que sente mas, neste caso, e como na maioria, quem cala é porque consente.

  3. esse é o sexólogo, não? Bem, isso deixa para lá, embora escreveste aí uma frase bonita. Não conhecia esse Bernardo, é um pão. Pois, mas reparei agora que só faltava que me dê um ataque pernicioso – espero que não seja encefalite japonesa que não vacinei -, de saudades ou coisa assim. E fazer o jantar que aqui é o outro lado do mundo. Cá o picante chama-se ai-manas e é ai,ai,ai manas e mais não digo.

  4. fui ver agora que nem tinha reparado na fotografia – só li. :-) parece bem giro, parece, um triguinho. mas as fotografias de rosto por vezes não captam a realidade – olha são manas, ai-manas, da realidade.

    depois manda mais coisas bonitas para eu ler. :-)

  5. bem lá por causa da foto eu pensava que tu eras a modos que uma gazela, como dizem au marroc – mas eu já estou é a ficar esquentado e o meu Plutão cá não é para brincadeiras. O que vale é que chove tanto que anda-se sempre com a cauda entre as pernas…

    eu agora só escrevo daqui a um mês coisas históricas, ando a escrever matemática.

  6. essa está bem vista anonimo: gazela ‘mais’ marroc=ganzada (dantes o Aspirina não tinha sinal de ‘mais’, fugia, até fiquei a pensar que era para eu não explanar devidamente a minha teoria das taxas de juro negativas, mas agora com a bazuca do Draghi é esperar para ver, embora é só para os bancos e eu tomava o destinatário como sendo o cidadão…)

    fiquem bem pessoal

  7. Agora é que morro mesmo a rir.

    Então não é que a fraseologia e tiques do “anónimo” são tal e qual os do “artista do EGO”.

    Vejam bem como se consegue descer tão facilmente ao patamar daqueles que tanto se diz desprezar.

  8. Nunca esperei que um necas chamado Bernardo Pires de Lima fosse capaz de alinhar meia dúzia de merdas decentes seguidas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.