21 thoughts on “Exactissimamente”

  1. eu cá já deixei de ir a casamentos desses há muito tempo, nem quero saber, moda triste de fazer circular tudo pelas redes sociais para mostrar a saudade do passado que foi mesmo há uns minutos de acontecer – mas o quê? casar não é a véspera de preparativos nem a festa, tampouco é a ideia de que tudo se corporiza com a partilha e o retorno de likes. casar assim é escolher socialmente uma solidão incrível de aparências entre desconhecidos.

    casar é acrescentar a cada um algo comum; casar são três, alegria contente, e não precisa de mais gente. a receita de que falo é do amor recheado de tudo: respeito, admiração, paixão-tesão.
    é um amor de sapatinho
    que só cabe nos pés dela
    !ai! que delícia
    é amor de simderela
    ótrolaré, ótroilará

  2. desde que há divórcio o casamento deixou de fazer sentido .
    casamento só se entende se for para toda a vida , não se estrutura uma vida em cima de uma cena que pode ruir…

  3. mas o divórcio da vida não é a morte? e o divórcio da atenção não é o sono? e não é no meio que tudo acontece? o casamento não é um contrato social – é um pacto sentimental natural.

    yo, não saia à rua porque pode ser atropelada, tá? !ai! que riso

  4. parvinha de todo.
    ó mulher sair à rua não é o mesmo que ir morar para o meio da auto estrada. consegue perceber a diferença ?

    ( se calharnão , nem aí chega)
    e não , a morte não é o divórcio da vida , é apenas o deixar o corpo para adubar a Terra. a gente segue viagem com menos bagagem.

  5. tanto que me adjectiva, cada vez nascem mais adjectivos só para mim, yo. ora aí está uma excelente definição de casar: seguir viagem com menos bagagem, pela partilha, para a casa ficar mais rica – a casa que é o corpo onde moramos. essa é a diferença entre sair de casa e ficar no terraço. a auto-estrada é só para quem vê a questão com canábis. !ai! que riso

  6. minha cara , para o casamento ser com pouca bagagem teremos de casar com um orfão , de não ser assim leva a família e os problemas atrás-
    e , olhe , case.se e deixe-me em paz.

  7. ufa, ainda bem que no exército ucraniano ainda não morreu ninguém. os russos estão mesmo a ter cuidado

  8. O facto de Kissinger apoiar as pretensões de Putin de reerguer a URSS é a prova definitiva que a teoria da ferradura é verdadeira.

  9. ó yo, desculpe, não foi minha intenção fragilizá-la.
    acha que alguém se casa comigo? sou insuportável, caramba. mas também sou meia orfã, quer dizer, pensando bem. !ai! que riso

  10. se for um charro só se for de beber à maneira de tisana, talvez por inventar, snoopy, porque só o cheiro a queimar enjoa-me: cheira me a mofo. pode ser que haja charros com aroma de hortelã ou de menta s+o para mim. !ai! que riso

  11. “… pode ser que haja charros com aroma de hortelã ou de menta…”

    até há chicharros com aroma a banana, mas sabem um bocado a mijo.

  12. Jornalista: O der Spiegel teve acesso a um relatório dos serviços secretos alemães sobre a existência de grupos nazis na Rússia
    Major-General Carlos Branco: A maior parte dos grupos nazis na Rússia estão a lutar ao lado da Ucrânia
    Jornalista: Mas ó Major-General o que diz o der Spiegel é que há provas segundo o governo alemão de dois grupos nazis a batalhar ao lado dos russos, não ao lado dos ucranianos
    Major-General Carlos Branco: É o Spiegel…
    Jornalista: Pois, é o Spiegel e é o governo alemão, o Major-General acreditará se quiser assim como os nossos telespectadores…
    Major-General Carlos Branco: Eu não acredito nem deixo de acreditar, não tenho informações para isso
    Jornalistas riem-se… “Obrigado pela sua presença Major-General… bom dia”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.