Exactissimamente

A propósito de falar sem medo e de dizer verdades inconvenientes: ouviu ou leu o que disse esta semana, na Assembleia da República, a deputada socialista Isabel Moreira? Ela subiu ao púlpito e disse de Angola, olhando para Luaty Beirão, o que Maomé não disse do toucinho. Falou de uma ditadura brutal, de um total desrespeito pela liberdade. O caso Luaty tem já mais de um ano, mas foi preciso passar todo este tempo para que ouvíssemos alguém num órgão institucional português dizer tudo isto com as letras certas. Como é que alguém dizia (sobre outra coisa qualquer)? É isso: D-i-t-a-d-u-r-a.

in Duas palavras simples que nunca o são: verdade e justiça

8 thoughts on “Exactissimamente”

  1. … «que ouvíssemos alguém num órgão institucional português dizer tudo isto com as letras certas», ERRADO|

    A moça chegou manifestamente tarde, apesar de um descolorido Globo de Ouro a poder cativar para regressar à cubata do Valupi, MAS MAIS VALE TARDE.

    https://www.publico.pt/2016/03/31/politica/noticia/parlamento-dividese-sobre-condenacao-a-angola-1727701

    Foi com os votos contra do PCP, PSD e CDS que o Parlamento chumbou esta quinta-feira à tarde os dois votos propostos pelo PS e BE que condenavam a aplicação de penas de prisão aos 17 activistas angolanos por um tribunal de Luanda. PSD e PCP alegaram que é preciso respeitar a soberania angolana e recusam “ingerências” na vida interna daquele país.

    O voto de condenação socialista era muito mais brando do que o bloquista. O texto dos deputados do PS dizia que a Assembleia da República “lamenta a situação a que se assiste e que atenta contra princípios elementares da democracia e dos Estados de direito, fazendo votos para que ela seja corrigida”.

    Já no texto do BE o Parlamento “condena a punição dos activistas angolanos”, “apela à libertação dos activistas detidos” e a que a tramitação do processo “obedeça aos princípios fundadores do Estado de direito”.

    Bloco quer que Parlamento condene “perseguição política em Angola”
    expresso.sapo.pt/…/2016-03-28-Bloco-quer-que-Parlamento-condene-perseguicao-po…
    28/03/2016 –

    Os jovens presos e acusado/as têm sido das pessoas mais ativas na luta pelas Liberdades e pela Democracia em Angola.

    http://www.esquerda.net/search/node/angola

  2. Ops, ainda por cima o elogio vem do David Dinis!
    Valupi, Valupi, Valupi nota zero pelo copianço, e ainda por cima por andares a copiar erradamente.
    Conclusão: depois da gradiloquência sobre o ex-PM, o encanto já era.

  3. Mais palavras simples: O assessor de imprensa David Dinis foi cúmplice de Durão Barroso o primeiro-ministro que servia.

  4. A Isabel Moreira é como todos os anti-colonialistas primários uma facciosa.

    Comparou o que se passa hoje na ex-colónia hoje, com o que se passava mo tempo colonial-fascista.

    Mas no tempo de Adriano Moreira, Luanda não tinha 5 milhões de habitantes, metade dos quais, vivendo vagueando sem qualquer perspectiva de vida.

    Como a mentira tem a perna curta, é que a Europa-colonialista não sabe o que fazer à vida!

  5. Melhor o texto de hoje no Nexpresso que tem alvo certeiro (a complementar o excelente texto da Fernanda Cancio ) mas q também abarca outra dimensão da noção de liberdade, linguagem e poder.
    Já é tempo da esquerda deixar de ser uma marca q se usa na lapela para entrar em canais de televisão e proporcionar vidas confortaveis e lifestyles cheios de amigos de direita (perfil tipico do homus de esquerda dos media), quem a usa tem deveres e responsabilidades. Fake não permitido. E e tão bom gozar com os poderes sem ser a custa dos pretos e dos paneleiros, não era RAP?

  6. Porque é que o menino Luaty não vai para Angola, cria um partido e faz se a vida em vez de passar o tempo aqui no bem bom . A alternativa também é ir para o mato criar uma guerrilha .
    Porquê?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.