19 thoughts on “Exactissimamente”

  1. Não percam mas é a anedota da semana, em directo de Rui Ramos (meu sublinhado):
    http://observador.pt/opiniao/o-carisma-em-portugal-fica-caro/

    «O mais inquietante da novela socrática é o aparente estado de negação ou de simples indiferença daqueles que a investigação vai expondo […] O que dizer de uma sociedade onde ignorar a acusação continua a ser a melhor forma de defesa?»

    E como não? — eis a questão.

    O inquietante não será antes o estado de negação ou indiferença daqueles que continuam a não registar que a investigação continua a «ir expondo» — agora sem limite temporal à vista — SEM ACUSAÇÃO ALGUMA?…

  2. Meirelles, tirando o facto de o excerto vir da cabeça do Rui Ramos o «estado de negação» referir-se-à por certo à parte da entrevista do José Sócrates que passou na TVI. Eu vi, e na verdade senti quase o mesmo (mais: até tive compaixão na visível dificuldade que o ex-PM teve em fazer concordar duas ideias sequencialmente lógicas sobre o… carisma do “meu livro”).

    Nota, baixinho. Aliás, confesso que por vezes me ocorrem umas cenas sobre a personagem com mais alguns anos em cima e lembro-me de Goffman porque algo ali não bate. Coisas minhas e tristes, enfim.

  3. Eric, o «meu livro» entre aspas quer dizer o quê? Que te estás a referir ao livro dele, que não teu? Ou que fazes parte dos ghostghostbusters, i.e. daquela malta divertida que depois de descobrir que o ghostwriter do 1º livro tinha sido o Vital Moreira, descobriu agora que afinal o Vital tinha tido um ghostghostwriter, o tal Farinho a que agora atribuem também o 2º livro?…

    A forma como se continua a deitar poeira nos olhos da saloiada é que é inquietante. Dentro em breve 10 anos de investigação, 1 ano de prisão (por enquanto), mas acusação, isso é que não pode ser nada… O que é que querem mais? Ainda não chega? Então não lêem o Correio da Manha? Então não sabem que ele comprou o próprio livro, envenenou o cão do juiz e um belo dia à mesa cuspiu no olho da avó?…

    :^D

  4. Manojas, comentários que começam por «Não percam mas é…», bem como suas proles, contêm a sua própria justificação.

  5. Uma coisa é certa. Os detractores de José Sócrates recebem bem mais pelas escroquerias e calúnias que escrevem do que alguém alguma vez possa ter recebido por ajudá-lo.

  6. Pois esteve bem, mas que dizer do menistro da Mitologia Externa, que mistura deuses gregos com romanos ? Está à espera de quê ? Vai continuar a dançar a Valsa Vienense ?
    Bem sei, que o pitrol é importante e que entra na equação, mas será mais importante que a dignidade nacional ?
    Será que o aforismo ” que se fodam os sobreiros ” irá prevalecer, e ” os filhos do engraxador do Iraque ” – bom título para um livro, cá fica a sugestão para o Rodrigo dos Cantos – irão ficar por aí a pavonear-se e a provocar desacatos vários e sortidos ?

  7. Enquanto o DN diz que o Procurador não faz a mínima ideia de quando vai acabar a Operação Marquês e basicamente diz no despacho que é para prosseguir “sine dia” (pelo menos até ele ter idade para se reformar), e tanto ele como o Inspector das Finanças se lamentam pelos ” condicionalismos” à investigação … sendo o maior deles todos a quebra do segredo de justiça quase 1 ano depois de terem prendido o suspeito e de estar a acabar o prazo para o acusarem … !!! ….
    … O SOL garante que o despacho de acusação “está quase pronto”, tem 1500 páginas, e só está “ligeiramente atrasado” por causa do Juiz ter ficado impedido durante 1 mês ….
    … e a Isabelinha que também posta neste recanto da Internet bandeou-se para o lado dos “Julgamentos Morais e Éticos”. Esquece-se que ao fazê-lo também se está a “pôr a jeito”, depois não se queixe.
    Mas mais importante do que isso, parece que está em marcha uma contagem de espingardas dentro do PS.

  8. Para quê, misturar alhos com bugalhos? Para quê, misturar a vergonhosa Operação Marquês com o vergonhoso caso Schauble? Para quê, imitar os paranóicos da direita?

  9. «Eric, o «meu livro» entre aspas quer dizer o quê [“meu livro”, no original]? Que te estás a referir ao livro dele, que não teu?»

    Meirelles, poderia ou deveria ter grafado «carisma-do-“meu-livro”» (que assim apontaria para o dele portanto, não o do primo do Valupi nem um meu nem um qualquer de José Sócrates, pois aparentemente é do homem da FDUL que “contratualmente” o deveria escrever porque foi bem pago para isso). Literatura assim-assim do Luís Rosa no Observador direitolas (quase sem comentários, o que naquela madrassa é um elogio…), free.

    • Farinho terá recebido durante 8 meses cerca de 4 mil euros mensais através de um contrato estabelecido com a empresa RMF – Consulting, empresa de Rui Mão de Ferro, arguido da Operação Marquês e sócio de Carlos Santos Silva.

    • Jane Kirkby, mulher de Farinho, terá recebido mais 60 mil euros da RMF – Consulting entre novembro de 2013 e outubro de 2014. Segundo o Ministério Público, este montante terá servido para remunerar Farinho pela alegada escrita do segundo livro de Sócrates. De acordo com a TVI, a nota introdutória do livro diz que Sócrates terá começado a escrever a obra durante a sua prisão no Estabelecimento Prisional de Évora.

    Aqui, full: http://observador.pt/especiais/quem-e-o-alegado-escritor-fantasma-de-jose-socrates/

  10. jpferra, aprende o aeiou, depois aprendes a ler e só depois desmontas a árvore de Natal
    (já que nem percebes que o que essa garatuja é um elogio a… um jornalista).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.