37 thoughts on “Exactissimamente”

  1. A começar pela esquerda. E principalmente à esquerda, porque é essa a verdadeira pressão, a que conta.

    “O PCP não pode limitar-se a afirmar que não votará moções de rejeição ou de censura ou a declarar da plateia que “o PS só não será governo se não quiser”. Costa não quer ser primeiro-ministro a todo o custo e recusará certamente governar com um apoio precário e condicional no parlamento …”
    Júlio, no post anterior.

  2. Há pressão porque a sociedade está ansiosa.

    Uns porque sim outros porque não, mas que era bonito lá isso era, ver o PCP e seus sindicatos de freio nos dentes.

    Nem que fosse por um dia!

  3. Existe pressão excessiva? Não acho, as pessoas estão mas é expectantes acerca do assalto ao poder liderado por António Costa, e querem ver o desfecho da telenovela rasca. Eu cá, infelizmente, não prevejo fim feliz.

  4. o valupi,a tirar radiografias é indiscutivel um dos maiores da blogosfera.vai haver governo à esquerda e ele vai durar 4 anos,mesmo sem essa imposição.quem romper o acordo sem pretextos que o justique, está simplesmente lixado,para não dizer fodido.o ps não pode por-se é a jeito! tenham calma e mantenham as “fezes”!

  5. “verdadeira anónima” assalto ao poder tem feito a direita durante muitos anos,graças às divergências da esquerda.costa não queria o poder.jeronimo de sousa com legitimidade e o bloco a seguir, é que abriram um porta que desde abril tem estado fechada.espero que jeronimo volvidos meia duzia de dias não a feche novamente em “DEFESA DOS INTERESSES DOS TRABALHADORES”! nota: gostava de ouvir a voz dos sindicalistas da cgtp e ugt .

  6. que resumo tão bom com uma moral da história tão bem sacado! porque, sim, sem importar tanto quem, o que interessa é o bem que fazem por nós. viva! :-)

  7. Há pressão excessiva sobre o acordo político à esquerda

    Anda por aí uma onda de exigência desmedida sobre o primeiro entendimento político entre os partidos de esquerda em quarenta anos de democracia.

    Ouço muitos amigos bem intencionados dizer-me “tem que resultar, senão é o fim da esquerda para décadas”. Para não falar dos outros que exigem um acordo blindado para a legislatura como espécie de última esperança de que não venha a haver acordo nenhum.

    É claro que quero e gostaria que um acordo político de esquerda durasse uma legislatura inteira. Mas não me reconheço nesta exigência acrescida que é uma forma reflexa de complexo de inferioridade do diálogo político à esquerda.

    Tomemos os acordos políticos de direita, os únicos que verdadeiramente têm tradição, como primeiro exemplo de comparação. Com maioria absoluta no Parlamento, Francisco Pinto Balsemão não conseguiu levar a primeira AD ao fim da legislatura que começou em 1990. Marcelo Rebelo de Sousa, que formou a Segunda AD com Paulo Portas não conseguiu sequer levá-la até eleições, dissolvendo-a em vésperas de apresentação de listas ao Parlamento Europeu. Pedro Santana Lopes, que recebeu a coligação PSD-CDS de Durão Barroso, conseguiu afundar-se tanto num governo incompetente com Paulo Portas que depois de demitido por Jorge Sampaio levou a direita ao seu pior resultado eleitoral de sempre.

    Ou seja, os entendimentos de direita só conseguiram acabar uma legislatura à quarta tentativa.

    Para os que preferem o exemplo dos governos liderados do PS, a razão para ser superexigente com a coligação de esquerda também não é óbvia. Mário Soares não conseguiu acabar nenhuma legislatura como Primeiro-ministro. Na primeira caiu às mãos dos seus aliados do CDS e em 1985 por iniciativa da pressa de “ir ao pote” do novo líder do PSD, Cavaco Silva. António Guterres conseguiu acabar uma legislatura, mas caiu desgostoso com um resultado autárquico e incomodado com os orçamentos limianos. E José Sócrates sucumbiu em 2011 à tenás esquerda-direita a propósito do PEC IV. Em seis governos minoritários do PS ou de coligação deste com a direita, em cinco legislaturas, apenas um acabou a legislatura (o de 1995-1999).

    Então porque é tão alta a pressão sobre o acordo que aí vem? Porque há muita gente com medo do que mudará se resultar.

    Era bom que o governo durasse uma legislatura, mas o que é essencial é que governe bem e com as prioridades acertadas pelo tempo que governe. E, se falhar, que implique aprendizagem suficiente para que, tal como aconteceu com as outras fórmulas políticas, o próximo não repita os erros que se cometam agora.

    Paulo Pedroso à(s) 10:19 da manhã

    Partilhar

    Sem comentários:

    Hiperligações para esta mensagem
    Há pressão excessiva sobre o acordo político à esquerda

    Anda por aí uma onda de exigência desmedida sobre o primeiro entendimento político entre os partidos de esquerda em quarenta anos de democracia.

    Ouço muitos amigos bem intencionados dizer-me “tem que resultar, senão é o fim da esquerda para décadas”. Para não falar dos outros que exigem um acordo blindado para a legislatura como espécie de última esperança de que não venha a haver acordo nenhum.

    É claro que quero e gostaria que um acordo político de esquerda durasse uma legislatura inteira. Mas não me reconheço nesta exigência acrescida que é uma forma reflexa de complexo de inferioridade do diálogo político à esquerda.

    Tomemos os acordos políticos de direita, os únicos que verdadeiramente têm tradição, como primeiro exemplo de comparação. Com maioria absoluta no Parlamento, Francisco Pinto Balsemão não conseguiu levar a primeira AD ao fim da legislatura que começou em 1990. Marcelo Rebelo de Sousa, que formou a Segunda AD com Paulo Portas não conseguiu sequer levá-la até eleições, dissolvendo-a em vésperas de apresentação de listas ao Parlamento Europeu. Pedro Santana Lopes, que recebeu a coligação PSD-CDS de Durão Barroso, conseguiu afundar-se tanto num governo incompetente com Paulo Portas que depois de demitido por Jorge Sampaio levou a direita ao seu pior resultado eleitoral de sempre.

    Ou seja, os entendimentos de direita só conseguiram acabar uma legislatura à quarta tentativa.

    Para os que preferem o exemplo dos governos liderados do PS, a razão para ser superexigente com a coligação de esquerda também não é óbvia. Mário Soares não conseguiu acabar nenhuma legislatura como Primeiro-ministro. Na primeira caiu às mãos dos seus aliados do CDS e em 1985 por iniciativa da pressa de “ir ao pote” do novo líder do PSD, Cavaco Silva. António Guterres conseguiu acabar uma legislatura, mas caiu desgostoso com um resultado autárquico e incomodado com os orçamentos limianos. E José Sócrates sucumbiu em 2011 à tenás esquerda-direita a propósito do PEC IV. Em seis governos minoritários do PS ou de coligação deste com a direita, em cinco legislaturas, apenas um acabou a legislatura (o de 1995-1999).

    Então porque é tão alta a pressão sobre o acordo que aí vem? Porque há muita gente com medo do que mudará se resultar.

    Era bom que o governo durasse uma legislatura, mas o que é essencial é que governe bem e com as prioridades acertadas pelo tempo que governe. E, se falhar, que implique aprendizagem suficiente para que, tal como aconteceu com as outras fórmulas políticas, o próximo não repita os erros que se cometam agora.

    Paulo Pedroso

  8. o assalto ao Poder teve início em 28 de Maio de 1926, tendo-se mantido, com pausa técnica em 1974 para desenferrujar os pézinhos de lã, até hoje …
    antes de 1974 era preciso matar uns tantos por ano, arrebanhados a meio da noite com pompa e circunstância, para dar o tom. Agora, o Medo Social mata-os sem ser preciso dar um tiro…

  9. Vá, não pressionem. A esquerdalha que diz que ganhou as eleições, porque o maior número de assentos é de esquerda, afinal continua a manter a discordância. Ora se ganharam as eleições, deviam ter…um programa preparado e CONCORDADO. Com a ESQUERDALHA é só «resultados e vida melhor prós trabalhadores». Só que afinal aquilo é mais do que os carateriza – NADA.

    Mas deixem-nos governar. Será o fim, DE VEZ, desta gente.

  10. “Acordo, qual acordo ??????”

    Do PCP, que ao contrário dos outros partidos é formado apenas por pessoas boas e honradas, basta a palavra dada. Não são precisos acordos escritos. É uma casta à parte. Toda a gente sabe isso.

  11. «Não são precisos acordos escritos. É uma casta à parte. Toda a gente sabe isso.»

    Sim, sim, os comunas são uma casta à parte…a chicotada deles é «intramuros»…São democratas e trabalham muito com o dinheiro dos outros…é só suor.

  12. Olha a falta de vergonha na cara do FDP do fascista direitola…quer programa…mas qual? Aquele que a corja da tua família política nunca teve e que agora, que já são governo (eles nem acreditam que lá estão:-) mandou aos palhaços ministros ir estudar o programa do PS para apresentar um igual ou com muitas ideias de lá para amaciar o Costa e manter-se a lambujar o pote? A lata destes FDP destes direitolas…

  13. … o que garante a eleição do professor e que fica tudo na mesma. consta que o avô jerônimo tamém anda a negociar com o tio marcelo e está indeciso nas modalidades de pagamento, os pafúncios pagam em nota e o costa dá lugares no governo. se podem receber uma renda sem se chatear, para que é que hão-de andar a meter-se em sarilhos governativos, depois o que é que faziam com os arménios carlos.

  14. Cegueta, o link do Camarada Vasco faz uma antecipação da tua tentativa de seres medalhado na trigésima terceira OVIBEJA 2016.

  15. Espera lá: Para que um programa? Serem mais honestos do que os pafiosos Passos/Portas da última legislatura não deve ser difícil…Leram qual era o programa dessa gente mentirosa? Leram o programa deles nestas ultimas eleiçoes? Nao…Pois…o progama deles foi falar repettivamente no do ps enquanto mentiam descaradamente,com a subserviência os pasquis.A ter vergonha na cara desta gente e’ coisa q eles não aprendem no berço.Daí espumarem por sentirem q isto pode ser o fim de um tachos …patéticos…

  16. “”A palavra de um comunista vale tanto como um papel assinado”, diz João Oliveira”
    http://www.rtp.pt/noticias/politica/a-palavra-de-um-comunista-vale-tanto-como-um-papel-assinado-diz-joao-oliveira_a870929

    A palavra de um comunista!!!
    Ser comunista é um atestado de honradez, de rectidão, de seriedade sem reservas.
    A haver alguma quebra futura no acordo (verbal), a responsabilidade será sempre, por definição, do PS ou do BE.
    A palavra de um comunista!!!

  17. A palavra de um comunista!!!»

    Hum..que hilário….lol. Eles falam? Eu vejo-os sempre carrancudos, muito reservados, a pensar no país, nos trabalhadores….

  18. Ideia para um filme.

    Ao balcão de um banco.

    Cliente: Boa tarde, eu queria levantar 10000€ da minha conta.
    Funcionário: Com certeza. Tem identificação?
    Cliente: Infelizmente esqueci-me dela em casa. Mas tenho o cartão de camarada do Partido Comunista. E, sendo comunista, posso garantir-lhe que a conta é minha e que tenho saldo. Posso levantar o dinheiro?
    Funcionário: Com certeza, faça favor de levar o dinheiro, ”a palavra de um comunista vale tanto como um papel assinado”! (ou um cartão de cidadão, neste caso)

    Noutro dia.
    Cliente: Boa tarde, queria levantar dinheiro mas não tenho o Cartão de Cidadão comigo, só tenho o de secretário geral do PS. Serve?
    Funcionário: Peço desculpa mas é mesmo necessário o Cartão de Cidadão. Se fosse comunista …

  19. Um Fascista direitola é sempre um Filho da Puta
    4 DE NOVEMBRO DE 2015 ÀS 15:47
    Olha a falta de vergonha na cara do FDP do fascista direitola…quer programa…mas qual? Aquele que a corja da tua família política nunca teve e que agora, que já são governo (eles nem acreditam que lá estão:-) mandou aos palhaços ministros ir estudar o programa do PS para apresentar um igual ou com muitas ideias de lá para amaciar o Costa e manter-se a lambujar o pote? A lata destes FDP destes direitolas…»

    Ó jaquim, que sabes tu de vergonha? NADA. Se soubesses, não te expressavas como fazes…LOL.
    BURRO. Só ILUSTRAS e LUSTRAS a tua CORJA PULHÍTICA…que QUER GOVERNAR e que felizmente está a contribuír para o enterro da ESQUERDALHA!!! Se queres continuar a falar da tua progenitora, força…que te ensinou a expressar como só um filho de uma gaja fala…mas isso é opção tua.
    Vai puxar lustro ao Assis, pá, não me parece que ele te grame…BTW, estou seriamente a pensar em ir à Mealhada….há por lá bom leitão…sigh.

  20. Ó anónimo, eu «cá» pensava que a ESQUERDALHA ainda usava portamoedas….os gajos andam sempre a rapar subsídios e desde que a CGD lixou o IMACULADO, guardam tudo na baraque….Pas de cartão…issos é coisa da DROITE.

  21. Noutro dia:

    Cliente: Boa tarde, queria levantar dinheiro mas não tenho o Cartão de Cidadão comigo, só tenho o de secretário geral do PAF. Serve?

    Funcionário: Não me façam mais mal. Rendo-me. Levem tudo. Não me metam na prisão nem chamem o Super juiz nem os amestrados do MP.

  22. Um Fascista direitola é sempre um Filho da Puta
    4 DE NOVEMBRO DE 2015 ÀS 16:48»

    Ora «vistes» como aprendeste depressa…hum? Queres ser de DROITE pá, mas nem todos têm classe para tanto… a propósito, aposto que as tuas calças têm lustro…BADALHOCO! Aposto que és daqueles que pára a viatura e «órina» na beira da estrada, tira macacos da penca e fez o dedo na condução…
    Ó pá, lava as mãos, pega na enxada e vai trabalhar a terra…ou então planta uma horta à beira da estrada, pá, gajos como tu, acham que « é tudo nosso».
    COMUNA! jaquim, não escarres pró chão. Protege o erário público, pá. Olha as doenças, pá.

  23. O FDP do fascista paneleirote envergonhado direitola, está preocupado com o enterro da ESQUERDA..AHAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHAHHAAAAAAAAAAAAAAAAAA

  24. o anonimo, nem credito tem em casa quanto mais no banco. andaram a promover a catarina martins e a mariana mortagua,e com isso, puseram muito socialista zangado a nelas votar,coisa que não fariam se não fossem empurrados pela direita. chorem,que logo na cama mijam menos!

  25. Isto está a ser excelente…Todo este clima está a provocar com que se faça levantamento dos FDP DOS DIREITOLAS INFILTRADOS NO PS…já tens mais um cliente para te ir ao cu e fazeres broxes…o ASSIS…já por isso ele agora desse os holofotes de toda a FILHA DA PUTA DO IMPRENSA DIREITOLA….OS TEUS FILHOS DA PUTA IGUAIS A TI…AH, VAI AJUDAR A TUA MAE…O COSTA NÃO AGUENTA MAIS DAS FODAS DOS ÚLTIMOS DIAS…A PUTA PARECE UMA BASSA DE TÃO LARGA…

  26. “Cliente: Boa tarde, queria levantar dinheiro mas não tenho o Cartão de Cidadão comigo, só tenho o de secretário geral do PAF. Serve?”

    O cartão de secretário geral do PAF, tal como o cartão de secretário geral do PS, não serve para nada. Só ”A palavra de um comunista vale tanto como um papel assinado”. Isto, dito por João Oliveira, só pode ser verdade, porque é um comunista.

  27. Um Fascista direitola é sempre um Filho da Puta
    4 DE NOVEMBRO DE 2015 ÀS 16:53

    Eh pá…pela forma como te ris, deves ser maluco…deve ser difícil crescer no charco, hein?
    Inté pareces a BURRA, com a sua histeria sem norte…

  28. E pela forma como continuas a expressar-te, deves ser daqueles que não passa sem colete de forças. Coitado! Serei doravante complacente contigo…descontarei esse …tom muito ordinário.

  29. OLHA, TOQUEI NO PONTO QUE LHE DOI…AHAHAHAHAH…O GRANDE FILHO DA PUTA FASCISTA DIREITOLA. QUE METE NOJO AOS CÃES…UM FACHO FDP, QUE TEM DESDÉM PELOS MAIS DESFAVORECIDOS, COLOCADOS NESTE SITUAÇÃO POR ESSES FACHOS E BURGUESES CORRUPTOS E FDP ARROGANTES DE MERDA…ERA TIRO NESSES FILHOS DA PUTA…NUNCA NA VIDA POLITICA PORTUGUESA HOUVE UMA RAÇA DE TÃO FDP DE ALDRABÕES E MENTIROSOS COMO ESTA ESCUMULHA QUE QUE APODEROU-SE NO PODER A TODOS OS NÍVEIS…ELES FODEM TUDO E AINDA ARROTAM ARROGANCIA…FILHOS DA GRANDE PUTA…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.