9 thoughts on “Exactissimamente”

  1. EXACTISSIMAMENTE GalambeTRETAS …

    Se o problema não era a despesa então qual a razão para o PEC4 PRIVILEGIAR A RACIONALIZAÇÃO DA DESPESA PÚBLICA?
    “A estratégia de consolidação privilegiará a RACIONALIZAÇÃO DA DESPESA PÚBLICA, com enfoque na redução da despesa no Sector Empresarial do Estado (nomeadamente, impondo restrições adicionais aos limites de endividamento já estabelecidos), e nos Serviços e Fundos Autónomos, como também no consumo intermédio da Administração Pública em geral.
    Prosseguirão, também, ESFORÇOS DE RACIONALIZAÇÃO DA DESPESA NOS SECTORES DA SAÚDE E DA EDUCAÇÃO, assegurando a manutenção da qualidade dos serviços públicos e das respostas prestadas aos cidadãos.
    Dada a dimensão do esforço de consolidação, SERÁ NECESSÁRIO SUSPENDER, NOS PRÓXIMOS DOIS ANOS, a aplicação da regra automática de indexação das pensões, salvaguardando a actualização, embora moderada, das pensões mais baixas.
    SERÁ ALARGADO, IGUALMENTE, O ÂMBITO DE APLICAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO EXTRAORDINÁRIA DE SOLIDARIEDADE, CRIADA EM 2010, APLICANDO-A ÀS PENSÕES DE VALOR SUPERIOR A 1500 EUROS, de forma similar à utilizada na redução das remunerações da Administração Pública. ……”
    E NÃO ESQUECER A LOUCURA E AUSTERIDADE que este PEC4 preconizava:
    “…De facto, para atingir as metas de redução do défice para 3% do PIB em 2012 e para 2% do PIB em 2013….”

    96: Guterres 55,3 mil milhões – 58,3% PIB
    97: Guterres 56,9 mil milhões – 54,4% PIB
    98: Guterres 58,4 mil milhões – 50,4% PIB
    99: Guterres 63,1 mil milhões – 49,6% PIB
    00: Guterres 66,1 mil milhões – 48,5% PIB
    01: Guterres 72,4 mil milhões – 51,2% PIB
    02: Guterres 79,4 mil milhões – 53,8% PIB
    03: Barroso 83,3 mil milhões – 55,9% PIB
    04: Barroso/Santana 90,7 mil milhões – 57,6% PIB
    05: Sócrates 101,7 mil milhões – 62,8% PIB
    06: Sócrates 108,5 mil milhões – 63,9% PIB
    07: Sócrates 112,8 mil milhões – 68,3% PIB
    08: Sócrates 118,4 mil milhões – 71,6% PIB
    09: Sócrates 132,7 mil milhões – 82,9% PIB
    10: Sócrates 151,7 mil milhões – 92,4% PIB
    11: Sócrates (JUNHO) 172,3 mil milhões – 100% do PIB!!!

    Galambas e Sócrates nem querem ver estes números. Preferem continuar no Sound-byte que estavam no caminho certo, enquanto levavam o país à bancarrota!!! Mesmo a subida de 110% até aos actuais 132% de défice, são em grande parte a inclusão do empréstimo da troika (78MM€), a inclusão do défice madeirense que Sócrates desconheceu, e a inclusão das empresas públicas que Sócrates escondia debaixo do tapete.
    Infelizmente há muita iliteracia no país e muitos votantes também não gostam de números e preferem embarcar nas promessas socialistas e nos discursos da responsabilidade alheia.
    Galamba acabou de descobrir que se tivesse havido despesimo a procura interna teria crescido. Portanto despesismo, ou gasto excessivo de dinheiro pelo Estado, não houve. O que houve foi um atirar de dinheiro para as goelas da Mota-Engil, Soares da Costa, BES e Grupo Mello sem qualquer beneficio para as populações.
    Obrigado pelo esclarecimento, GalambeTRETAS

  2. galambetas,só um pulha.continue com o grafico até 2014 e verá como é despesista este governo! diminuindo o crescimento (dito por galamba) e a despesa mesmo que constante, o deficite tinha forçosamente que se agravar.agora, mesmo com crescimento graças ao investimento do anterior governo na portucel,sines refinaria, e a roubar salarios e subsidios aos desempregados e aos pobres é o que estamos a ver.socrates,procurou diminuir a despesa e por isso reduziu o numero de funcionarios 800000, investiu na economia procurando manter empresas como a quimonda e outras, agilizou procedimentos com a criaçao da empresa na hora(simplex) apostou no desenvolvimento da agricultura investindo no regadio do alqueva ,obra socialista que irá tornar-nos menos dependentes do exterior. lembro que o governo despesista de socrates quando tomou posse,no primeiro mandato diminuiu o defict de 6.8 deixado por bagao felix para 2.7 .depois veio a crise que só os fdp não quizeram ver. termino comas ppp,em km foram tantos como os do “betoneira amaral”,com uma diferença: esses 800 km foram todos para o interior (acto de justiça social) que será no futuro da maior relevancia para o pais,dada a sua proximidade com a espanha. essa do deficite que socrates desconheceu,porque não dizer que a direita escondeu?

  3. O tretas que veio com a lenga lenga, até só falou
    no PECIV que foi rejeitado pelo partido dele, não
    desmentiu o que foi escrito por João Galamba so-
    bre a origem da críse! O que o actual governinho
    fez foi destruir e desfazer tudo ou quase que de
    bom foi feito pelos Governos de José Sócrates!
    Já em 2010, por indicação do eurostat, passaram
    a figurar nas contas públicas resultados de empre-
    sas públicas que até então nunca tinham sido tidas
    em contas desde que, se entrou na CEE, no que
    resultou um agravamento de alguns pontos na dí-
    vida pública superior aos que são mencionados na
    defesa do actual des-governo!!!

  4. ó arrastadeira cobardolas, debitas mentiras e aldrabices a uma velocidade estonteante. Por isso vou só derrubar uma: A divida pública deixada pelo Grande Sócrates, era de 93% do PIB e não 100% como dizes. Os números são oficiais de Maio de 2011, não há números de Junho nem nunca houve portanto escusas de tentar martelar a realidade, não estás a falar para uma plateia de ignorantes como tu. E para tua informação o maior aumento de sempre da divida continua a ser record do PSD/CDS: 41% em 3 anos.

  5. Para a arrastadeira mentirosa : Socrates não escondeu nenhum defice das empresas publicas. A UE, que não contabilizava esses defices nas contas para o defice geral obrigou a partir de 2009 TODOS os paises da UE a faze-lo.
    ” Infelizmente há muita iliteracia no país”
    É um facto. O Dr GALAMBTRETAS é disso mesmo um bom exemplo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.