Exactissimamente

Por exemplo, em que radica a excelência da Universidade Católica?

Adenda – Recentemente, a UCP lançou uma aplicação cujo lema de campanha reza assim “A Católica na minha mão“. Tudo bem, a banalidade mais rasteira não é pecado, pois se o fosse nem multiplicando o panteão egípcio pelo panteão hindu conseguiríamos ter divindades em número suficiente para despachar o serviço. Mas alguma santa alma, lá na Palma de Cima, lembrou-se de espalhar a boa-app-nova por cada um dos recantos da casa. Inclusive nos urinóis. Em cada urinol individual, pela altura dos olhos do mijão, havia lugar à epifania: tens a católica na tua mão. Marketing tão carnal como este ainda vai levar uns bons anos até ser praticado livremente entre os gentios.

4 thoughts on “Exactissimamente”

  1. Não só a têm na mão lá (na Católica), como a têm sempre que vão mijar!
    Nalgumas situações, até podem nem a ter na mão; por exemplo, podem tê-la enfiada nalgum buraco!

  2. Interessante como o neoliberalismo recupera a escolástica.

    Esta neo-escolástica actual confere “excelência” à aristocracia do regime neoliberal. Mas a aristocracia neoliberal descende da antiga classe mercantil; descende dessa mesma classe que, no século XVIII, perorava contra a escolástica dos jesuítas, que dizia só existir para conferir “nobreza” e erudição estéril e inútil (para a descoberta científica e suas aplicações) ao clero e à nobreza de então. Interessante é notar como a mesma acusação se pode, hoje, aplicar a certas instituições “universitárias” neoliberais “de excelência”.

    A única diferença é que a classe mercantil do século XVIII era oprimida, enquanto a elite financeira e política sua sucessora é ______ (preencham vocês).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.