Este partido não é para mulheres

Ter João Ferreira a concorrer em Lisboa é uma espectacular manifestação do estertor do PCP. O candidato monopolista vem de uma agridoce prestação nas presidenciais, onde chegou a prometer um muito melhor resultado dada a simpatia mediática gerada no início da campanha. Não o conseguiu, deixando a dúvida sobre o seu potencial para substituir Jerónimo de Sousa no futuro próximo.

Para além da sua eficácia eleitoral estar em causa, o maior problema com este projecto de líder está no marketing. Ele é uma escolha estética, tanto no plano físico (recolhe entusiasmados elogios a respeito do seu visual masculino) como no plano discursivo (traz um renovo ao evitar usar o jargão e o folclore comunistas, finge não ser sectário). Não é, portanto, uma aposta que nasça da dimensão histórica, intelectual ou militante do partido, antes exibe a lógica capitalista que levou o Comité Central para a repetição da mesma figura em dois actos eleitorais tão díspares e tão próximos. Para piorar o prognóstico, não ultrapassou o nível da mediania competente nos debates das presidenciais, tendo ficado preso a uma estratégia adequada mas que servida sem acompanhamento e molho era intragável, a da defesa da Constituição. Não revelou ter carisma nem intuição política, sendo altamente provável que repita o estilo com os mesmos resultados para as autárquicas na ausência de uma reinvenção copernicana na war room da Soeiro Pereira Gomes.

Onde estão as mulheres do PCP? Quem vai substituir João Ferreira no Parlamento Europeu é de novo um homem. Os cargos mais importantes do partido estão todos nas mãos de homens. Tirando Rita Rato, não associamos nenhum nome feminino ao PCP nos últimos muitos anos. Nenhum? Espera, há outro: Zita Seabra. Vinda da clandestinidade, apresentava uma imagem tipicamente ortodoxa de militante comunista exemplar. Ter saído do partido na altura da convulsão existencial da Perestroika não é o que de mais impressionante o seu percurso regista. Vê-la no PSD, a lutar contra a legalização do aborto de que tinha sido uma defensora pioneira e relevante no Parlamento no início dos anos 80, e finalmente a converter-se em prosélita de Fátima, isso, sim, foi veramente revolucionário.

Do ponto de vista do fanatismo da personalidade de Zita Seabra, entende-se a mudança na continuidade. Do ponto de vista ideológico e histórico, compreende-se que o PCP tenha ficado traumatizado. Resta perceber se João Ferreira se quer deixar ser mais um prego no caixão ou se se reinventa e consegue puxar o partido para a riqueza da heterologia. Pode, e deve, começar por se rodear de mulheres comunistas na sua equipa e dar-lhes o palco. O PCP está a precisar, urgentemente, de dialéctica sexual.

__

PS – Esqueci-me da castiça e criativa Odete Santos, aqui lembrada pelo Vieira e pelo Júlio

26 thoughts on “Este partido não é para mulheres”

  1. as mulheres do ps são a ana gomes, não é? heheheheh porra valupi, o teu anticomunismo primário cada vez salta mais à vista. aposto que esta semana estiveste do lado da aline beuvink

  2. Catarina Mendes e Mariana Vieira da Silva são dois nomes de mulheres que o PS tem em lugares chave uma na AR outra no Governo. Pergunto ao comentador das 10,29 se não encontrou mais nenhuma mulher senão Ana Gomes como símbolo das mulheres que o PS tem na linha da frente do combate político. A primeira, não sei quando, vai desempenhar, um alto cargo, a segunda não lhe falta nada para se bater com os homens politicamente. Para atirar mulheres para a front line temos o BE . As mulheres quase acabaram de chegar aí combate político no nosso país, são mais arejadas do que os vetustos camaradas do PC. Não nego que gosto da deputada Rita Rato discorre sem slogans partidários e a sua postura recusa estereótipos femininos tal como CM e MVS, mas depois olho para a eleita para os destinos da CGTP e nem sei que diga, que pense, que fale.

  3. Valupi só não concordo no que escreve acerca do tema escolhido pela candidatura a PR de João Ferreira. A Constituição e a defesa da mesma perante as investidas umas subtis outras nem tanto está a vista. Marcelo Rebelo de Sousa não promulga os três decretos porque é bonzinho, ele sabe o que tem que ser mexido para satisfação de muita gente e não perdeu a ocasião de “levantar a lebre” e ainda por cima ser bonzinho. Não será tema para uma candidatura a PR mas nisso sejamos justos o PCP “não corre a foguetes”.

  4. “… as mulheres do ps são a ana gomes, não é? ”

    essa é a preferida dos orgãos de comunicação social de direita para representar o ps, antes era o henrique neto, agora colunista do diabo.

    “… aposto que esta semana estiveste do lado da aline beuvink…”

    eu aposto que tu és fan do louçã e te babas para cima do teclado quando a sic mostra os rapinanços que o gajo faz na net.

  5. Chamem-me misógino mas, as mulheres na política não acrescentaram nada.
    Assim como, na minha opinião, não acrescentam nada nos negócios, cultura, etc, etc.
    Não estou com isto a dizer que não devem estar presentes, em igualdade de circunstâncias, mas é o que é, homens e mulheres têm idiossincrasias próprias, só que este endeusamento das supostas qualidades ou sensibilidades femininas versus a boçalidade dos homens não vai dar bom resultado.
    Igualdade sim, paridade não, a menos que nos queiramos transformar num matriarcado. Se é essa a ideia, ok. Mas, depois, não digam que não foram avisados.
    Como exemplos das superiores sensibilidade, coerência e fiabilidade femininas na política já temos a Ana Gomes, o Bloco e, já agora, vamos ver o que acontece ao PAN, está bem?
    Não percebo porque é que elas se incomodaram tanto com a preponderância do André Silva, mas lembram-se como os “Verdes” se esgotavam na Eloísa Apolónio?
    A propósito: Alguém viu, ontem, o programa da TVI24 -escuso de falar da moderadora e o gajo nem conta-onde a Joana Amaral Dias faz comentário juntamente com outra aventesma colorida? WTF?
    Ora aí está o “Women’s power” em todo o seu esplendor ( Foi a esposa que me chamou a atenção para o programa) Lóle!
    Se calhar sou eu , mas já começo a ver um certo domínio das fêmeas em alguns setores.
    Não me entendam mal, apenas digo que a merda é a mesma, só que elas têm mamas e põem mais perfume.
    O ideal seria existir um equilíbrio, mas não pode ser artificial porque, isso sim, é passar um atestado de menoridade às mulheres. E vai dar merda.

    Quanto ao João Ferreira, também acho que mais vale decidirem de uma vez por todas se mudam definitivamente a fachada (literalmente) do PCP, colocando o homem à frente do partido porque, senão, acabam por lhe queimar a imagem. Acho que é um indivíduo com valor e está a ser esgotado sem que, com isso, estejam a ter resultados significativos.
    P.S.- Não esquecer a carismática Odete Santos que também não saiu imaculada das luzes da ribalta.

  6. Desculpem se o comentário estiver um pouco fora da corrente dos restantes, mas tinha-me esquecido de carregar no botão de publicar.

  7. é só ler os romances do Álvaro Cunhal e o retrato que faz da “companheira”
    sobre o são marx :
    “..compreendesse a importância do feminismo que ele, em vez disso, menosprezou como uma luta por direitos burgueses. ”
    https://outraspalavras.net/feminismos/o-que-marx-e-a-revolucao-devem-feminismo/

    quanto ao matriarcado , como os celtas guardiões da natureza , nunca deveríamos ter deixado os meninos brincalhões dirigir o mundo , impulsionados pela ambição de poder e cobiça. mas ter mulheres na politica a fazer o mesmo que os homens , de facto , não vale a pena , é preferível o original a cópias.

    https://outraspalavras.net/terraeantropoceno/agonia-de-uma-civilizacao-forjada-no-patriarcado/

  8. Houve também a Odete Santos, que se retirou há poucos anos, raro exemplar de feminilidade entre os machõezinhos do PCP, mas, tanto quanto era possível perceber de fora, foi sempre politicamente tão sectária e dogmática como eles.
    Como insanáveis conservadores e misóginos, os comunistas sempre desconfiaram das mulheres e sempre aborreceram e condenaram o feminismo. Houve feministas comunistas, como a Maria Lamas, que tiveram de calar e esconder, se não mesmo renegar, o seu feminismo. Outras, como a Teresa Horta, preferiram abandonar o partido.
    Para os comunistas, tudo tem de girar em torno da “luta de classes”. As camaradas integram essa luta e todo o movimento feminino que sair disso é rotulado de burguês. O Movimento Democrático das Mulheres, um organismo fantoche do PCP, nunca teve qualquer relevância nem aceitação entre a população feminina. Lurdes Pintasilgo, sozinha, valia por cem MDMs.
    Dito isto, é inegável que houve grandes melhorias da condição feminina nas sociedades de tipo soviético. Foi nos países comunistas, por exemplo, que as mulheres primeiro se tornaram dominantes em muitos cursos superiores, antes que tal acontecesse na Europa ocidental e na América do Norte. Apesar disso, os órgãos dirigentes do partido, o aparelho de Estado, as universidades, as empresas, os sindicatos e a comunicação social continuaram quase exclusivamente nas mãos de homens até ao fim.

  9. Caro Júlio : começaste pela rama mas chegaste ao âmago da questão : muito feminismo, muita igualdade, muita cota , porem, nos países socialistas foi-se ao osso da questão:
    efetiva igualdade dos sexos para idênticas competências.
    Sociedades muito progressivas as ocidentais ? Não o nego, mas tende a honradez de olhar em redor e ver os resultados consolidados há mais de cem anos nesse e noutros campos. Numa terra onde em 1917 ainda existia a escravatura, recorde-se.

  10. Pena é que não se constitua uma aliança da Esquerda para ganhar a autarquia dr Lisboa. Essa e outras,onde a vitória de um partido dr esquerda isolado não seja provável.
    Isso sim, é importante, é decisivo. Se o candidato competente é bonito ou feio, se é mulher, homem ou bissexual, isso não interessa a ninguém sensato !
    Sabedoria chinesa,tão vilipendiada : não interessa se o gato é preto ou branco : o que importa é que mate o rato !!!!

  11. O caso de João Ferreira exemplifica o contributo do PCP para o défice de protagonismo feminino na política.
    Formulo, com a ironia de um não-marxista, o desejo de que aquele velho partido supere dialecticamente a contradição existente entre o progressismo idealmente subjectivado na sua teoria e o conservadorismo materialmente objectivado na sua prática.

  12. a propósito de formulações e fardos de palha negacionistas de crimes tribunal do santo ofício e cumplicidade da igreja católica com o regime nazi.

    https://www.timesofisrael.com/german-bishops-said-to-admit-complicity-in-nazi-actions-in-new-report/

    https://www.dailymail.co.uk/news/article-8276931/We-complicit-Nazi-crimes-German-branch-Catholic-Church-admits-confession-guilt.html

    formulo, com a ironia de um ateu, o desejo de que aquele velha igreja supere a contradição existente entre o bem idealmente subjectivado na sua teoria e o mal materialmente objectivado na sua prática.

    agora vou fazer uma busca sobre pedofilia para ver qual foi a bronca da semana.

  13. vá lá esta semana não foi muito mau para a igreja católica.
    pesquisa google “pedofilia igreja católica”, última semana:
    250 entradas/25 páginas

  14. Para o “noticias do palheiro””:

    Agradeço essas velhas novidades. O facto de seres ateu não justifica a cobardia de esconderes o nome. Felizmente que acabaram os autos de fé da Santa Madre Igreja, ainda que os outros os façam sem invocar religião alguma.
    Por isso, fica bem, meu estimado cobarde.

  15. Para o “mais formulações”:

    Ainda bem que ficaste avaliado com a pesquisa na net.
    Mas toma atenção. Não abuses dessas buscas, não vá a polícia entrar em casa e encontrar-te sentado frente ao computador, com as calcinhas arregaçadas e a mãozinha molhada.
    Vai antes dormir, que o teu mal é sono, meu cobarde.

  16. “Agradeço essas velhas novidades.”
    são velhas porque a igreja católica levou 80 anos a reconhecer a merda que fez.

    “O facto de seres ateu não justifica a cobardia de esconderes o nome.”
    qual é a importância do nome? se eu disser que me chamo ribeiro francisco passo a ser tão valente como tu?

    “Felizmente que acabaram os autos de fé da, ainda que os outros os façam sem invocar religião alguma.”
    antigamente faziam em nome da santa madre igreja, agora passaram à clandestinidade, são “os outros” que fazem e eu sou o cobarde.

    “Por isso, fica bem, meu estimado cobarde.”
    prefiro ser um estimado cobarde de bem com a minha consciência do que um herói negacionista duma seita fanática.

    e podes ir para o caralho com essa conversa de beato-merdoso.

  17. “Não abuses dessas buscas, não vá a polícia entrar em casa e encontrar-te sentado frente ao computador, com as.”

    por acaso tinha curiosidade em saber qual a percentagem de consultas a sites pedófilos por religião.

  18. Para o “Francisco de Castro” e o “calcinhas arregaçadas”:

    Vão bolsar para outro lado, minhas bestas quadradas. Precisam do consolo do gajo que vos dá no traseiro, a sonharem que ele é padre.

  19. “Precisam do consolo do gajo que vos dá no traseiro, a sonharem que ele é padre.”

    é uma frase com impacto e reestruturante. com uma pequena afinação poderia ser usada como assinatura numa campanha de angariação de fiéis para a tua seita. dava uns outdoors porreiros com uma fotografia do padre frederico em relevo, tázaver?

  20. Diz o insensato no seu coração: Não há Deus. Corrompem-se e praticam iniqüidade; já não há quem faça o bem.
    Do céu, olha Deus para os filhos dos homens, para ver se há quem entenda, se há quem busque a Deus.
    Todos se extraviaram e juntamente se corromperam; não há quem faça o bem, não há nem sequer um.
    Acaso, não entendem os obreiros da iniqüidade? Esses, que devoram o meu povo como quem come pão? Eles não invocam a Deus.
    Tomam-se de grande pavor, onde não há a quem temer; porque Deus dispersa os ossos daquele que te sitia; tu os envergonhas, porque Deus os rejeita.

  21. agora aqui há salmos evangélicos ???
    dasse … em todos as comunidades ciberneticas americanas em que participo nao se pode discutir política e religião .
    a próxima ronda de fardos de palha para quem se atrever a me atacar pela calada, é por conta da casa .

  22. Nos mares de palha há muito navegados afogam-se burros bem descuidados
    Derrubam altares, zurrando a vingança, escondida a sotaina sob a cagança
    Hipócritas que são, tais escribas rançosos, nas casulas mijadas com cheiro a sebum
    Descem à trampa de onde nasceram, repletos do mijo que agora beberam.

  23. Levou o fardo, o menino da palha,
    p´ra dar de comer ao burro lanoso.
    Saciado o jumento, lembrou o amigo
    que era a hora do momento gostoso.
    E, zurrando, o bicho, p´ra pagar o devido,
    enfiou o mangalho naquele cú atrevido.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.