Estado Islâmico contra o resto do Mundo

O procurador-geral russo pediu hoje restrições no acesso a um vídeo difundido no YouTube pelo Estado islâmico em que ameaça "destronar" Vladimir Putin e iniciar uma "guerra de libertação" no Cáucaso russo.

EI ameaça “destronar” Putin devido ao seu apoio à Síria

*

Quando se vê estes chanfrados dos cornos a pedir aos EUA, à NATO, à Rússia e a uma série de outras potências militares para se unirem num bombardeamento em grupo sobre os seus corpinhos, fica evidente que não estamos a lidar com extremistas religiosos – trata-se apenas de uma alucinação colectiva cujo desfecho é o suicídio. Pelo que o enfoque principal neste fenómeno não está na dimensão militar – pese a urgência em parar os crimes, ou em reduzi-los ao mínimo possível – mas no estudo dos processos psicológicos pelos quais se dá a alienação.

Seja qual for a estratégia a adoptar por americanos e europeus, um facto crucial mantém-se: os muçulmanos, vivam onde viverem, continuam sem repudiar politica e culturalmente os crimes que são cometidos em nome da sua religião e da sua fé. Essa é a principal passividade dos justos que há a lamentar, uma que alimenta directamente a loucura criminosa e suicida.

9 thoughts on “Estado Islâmico contra o resto do Mundo”

  1. eheheh… não foram os americanos e os rasmussens que apoiaram estes malucos na guerra ao governo sírio contra a vontade do putin? agora podem fazer uma frente unida no derrube do putin, passam a decepar jornalistas russos e entregam-lhes o califado do iraque que ninguém dá por isso.

  2. os muçulmanos continuam sem repudiar os actos que são cometidos em nome da sua fé?!
    val, larga o vinho e vai ler jornais!

  3. Totalmente de acordo. Não se trata de questões religiosas, ideológicas ou políticas mas tão só de disfunções neurológicas massificadas. Para lutar contra um vírus com esta agressividade, o espaço civilizado não pode perder tempo nem forças com Ucrânias. Esse assunto tem que ser resolvido noutra altura.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.