Encore un effort

Infelizmente, Cristina Esteves interrompeu Sócrates quanto este já ia lançado para continuar a malhar na expressão “regresso a mercado”, a qual é bem capaz de ser o que de melhor ficará da devastadora herança política de Passos, pelo que ficámos privados de saboroso entretenimento.

Mas o actual primeiro-ministro não tem só um discurso macarrónico para português não entender, ele também exibe uma pulsional vocação para ser a esponja do que não domina. Obviamente, nada pesca de Finanças, pelo que teve em Vítor Gaspar o mestre que lhe abria os olhos para o mundo e a fonte onde bebeu os tiques tecnocráticos que decoram a cultura do Banco Central e demais corredores alcatifados onde um gajo dá por si a pensar que chegou lá, que é mesmo ali. Foi também assim que Passos se encheu das suas bojardas ditas liberais, avançando à doida para qualquer medida que lhe digam ser boa para meter na ordem o maligno socialismo que nos levou à bancarrota por causa do rico dinheirinho dado a tanto malandro que nada mais fez do que trabalhar e envelhecer.

No fundo, o problema não está com ele, porque o homem limita-se a fazer o que lhe mandam. O problema está com os outros, esses que o rodeiam e lhe garantem que está quase, que é desta que nos vamos livrar do socialismo e dos seus dois tenebrosos braços: a Constituição e o Estado social.

17 thoughts on “Encore un effort”

  1. o que o orgulho, aquela coisa de não se reconhecer o mal, a vaidade alucinada e mortífera, faz. isto é um pesadelo consciente ininterrupto. :-(

  2. oh saloius! o que o gajo disse foi isto:

    “Sou o chefe democrático que a direita sempre quis ter! Tenho algumas características que a direita acha que são de direita. E não são!”

    e tu enfiáste o barrete

  3. até o pc gostava de ter um socrates a lidera-lo,mas, por nao terem direito a voto na sua eleiçao (esta seita funciona como o vaticano) saiu-lhes na rifa o papa jeronimo, depois do papa carvalhas,que já vai defendendo posiçoes de jose socrates quanto ao pec 4.campus não te se esqueças do muro que caiu, e dos cadaveres cubano e coreano!

  4. Poisissimamente,

    No fundo, a esquerda não merece o Socrates. Isto esta mais do que demonstrado : deram-lhe como presente e ela não descansou enquanto não estragou o brinquedo…

    Como sugeres, ele devia era candidatar-se à liderança do PSD (partido de onde ele nunca devia ter saido). Hoje em dia seriamos um pais prospero com pão, paz e democracia, a arrotar choques tecnologicos para admiração dos outros povos.

    Hoje então, que o Passos e os outros politicos de direita estão completamente desacreditados, qual seria o problema em ele candidatar-se a (querido) lider do PSD ? Ganhava sem dificuldade. De seguida, o Cavaco nomeava-o chefe de governo e até escusavamos de nos incomodar com eleições e outras merdas propicias às derivas demagogicas que sabemos.

    Encore un effort !

    Boas

  5. De qualquer forma, o que Sócrates também nos diz é que um líder da direita não pode governar apenas para as expectativas da finança internacional. Mais a mais, sabendo todos nós que as obrigações portuguesas são hoje uma parte inteiramente especulativa das carteiras dos fundos financeiros.

    A direita, por razões ideológicas — porque representa a ideia diametralmente oposta ao socialismo, de que existe uma elite mais habilitada e preparada que a generalidade da população para liderar — não se pode dar ao luxo de ter um chefe que não esteja à altura do seu princípio constitutivo. De uma forma bastante romântica, Winston Churchill faz uso de uma realidade (as acções dos pilotos de caça durante a Batalha de Inglaterra) para enunciar o princípio constituinte dos conservadores:

    “Nunca, no domínio do conflito humano, tanto foi devido por tantos a tão poucos”.

    A direita que sabe o que é e o que defende revê-se em Winston Churchill. Nunca este homem sentiu qualquer vergonha em dizer aquilo que realmente pensava sobre o socialismo. Exemplos:

    “O socialismo é como um sonho: mais tarde ou mais cedo acordas para a realidade”; “os socialistas pensam que os lucros são um vício; eu considero os prejuízos um vício real.”

    Por Churchill ter lidado de forma honesta com o eleitorado, ele acabou por perder as eleições de 1945 para o trabalhista Clement Attlee. Os ingleses tinham, então, outras ideias sobre como pagar a sua enormíssima dívida pública (de 180% do PIB) sem pôr em causa o progresso económico do país. O governo de Atlee construiu o consenso do pós-guerra, baseado na premissa de que o emprego pleno da população seria mantido com políticas keynesianas e que um estado social bastante alargado seria criado. Decerto que Churchill nunca poderia escolher a desonra para si próprio, ao ponto de tentar iludir o seu eleitorado de 1945, comprometendo-se com um paradigma político — estado social alargado — que não era o seu. Isto foi exactamente o oposto do que fez Passos Coelho, em 2011.

    A direita inteligente decerto despreza aqueles seus líderes que não lideram; aqueles seus líderes que se deixaram arrastar para o Pântano, aí se agarrando ao embuste venal para sobreverem mais um dia ao inexorável afundamento na lama. O acto de traição de Passos Coelho à nação portuguesa é em tudo idêntico à assinatura por Chamberlain do acordo de Munique. Aplicam-se-lhe, por isso, estas palavras de Churchill:

    “Deram-te a escolher entre a guerra e a desonra. Tu escolheste a desonra e terás a guerra.”

  6. Blá-blá-blá!

    O mal do país e do povinho, são os «novos pobres» e os «novos ricos»

    O «novo rico» não sabe que notas não é papel higiénico.

    O «novo pobre» não sabe que pão e azeitonas são um petisco.

    Bibó belho!

  7. ignobil, o que o gajo disse foi que seja na esquerda ou na direita o gajo quer ser o Chefe, seja em Portugal, na Coreia em Cuba ou em Angola.

  8. oh parolus! e acho bem que queira ser chefe de todos os portugueses, coisa que não acontece com o actual campónio de boliqueime que insiste em ser chefe-turma de ladrões repetentes. quanto a cubas, coreias e angolas, isso é dor de corno da comunada que vem dos tempos do chavez, da amizade com o lula e do jogging em luanda, o que prova a falta de chefes à direita e à esquerda. gargareja com advantix que alivia.

  9. ó bento,tu gostas mesmo, é de ouvir o chefe da direita! depois das vitorias de loures,evora e beja,com ajuda dos votos dos direitolas,só te resta ajoelhar-te e rezares 30 avés-marias a passos coelho.o pcp é o maior aliado da direita, e por isso, já a colocou no poder por varias vezes.é triste um partido de esquerda democratica ter como adversarios 4 partidos,quando temos uma direita, que tem somente o ps como adversario, já que o pcp à vista de toda a gente, anda a fazer-lhe cocegas e fretes. se hoje somos hoje um pais resgatado, foi com os votos dos comunistas e do bloco,que juraram defender os interesses dos trabalhadors.que os pariu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.