Emmimmesmado

Chove. E sempre que chove oiço sempre as pessoas a dizerem sempre as mesmas coisas de sempre. Oiço ou ouço? Não interessa, porque elas não gostam da chuva. Ficam com uma cara triste e dizem “chove”, mas como quem diz “chove…”, não como quem diz “chove.”, muito menos como quem diz “chove!”. Porque trovoada não gostam elas da chuva? Qual foi o aguaceiro que lhes fez mal? Será que ninguém lhes explicou que os corações desenhados nos vidros embaciados por dedos enamorados vêm dos céus nublados? Uma vez fiz estas perguntas a uma dessas pessoas. Com o cuidado de falar tão baixinho que ela não me pudesse ouvir. Ela mesmo assim ainda disse “não ouço”. E eu disse ainda assim mesmo “não oiço”. Ela estava com uma cara triste. Triste como um daqueles dias de Sol em que não chove nem água. Ficámos sem nos conseguir ouvir. Apeteceu-me chover.

12 thoughts on “Emmimmesmado”

  1. Valupi,

    Tenho a certeza que anda por ai alguem a adivinhar chuva. Não precisavas era desperdiçar tantas palavras belas. Olha, o menino também tem um coração!

  2. Susana, se calhar… calha bem!

    Esse Valupi do BdE era um traste, John Peter da Costa!

    Bomba, don’t you go soft on me, baby. ;)

  3. Também vinha estranhar, mas alguém se antecipou. “Este” Valupi é melhor. Como é que vocês fizeram, ó aspirinos?
    Ganda texto, este.
    Também já comecei a chover.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.