Eis como os melhores chegaram e permanecem na vida pública

“Só o desespero é que pode levar a uma situação em que o engenheiro José Sócrates apresente falsidades, seja desonesto no discurso que assumiu. É grave. De um primeiro-ministro espera-se seriedade”, afirmou o dirigente social-democrata.

“Olhos nos olhos temos que dizer que não é aceitável que o engenheiro José Sócrates diga falsidades e seja desonesto como foi no discurso que hoje assumiu”, salientou.

“Portugal não pode continuar com um governo que seja insensível nas questões sociais, que não olhe para os mais desfavorecidos, que não tenha soluções para os problemas. Este tipo de discurso é um discurso gasto de um primeiro-ministro que obrigou à vinda do FMI e do Fundo Europeu porque não foi capaz, ao contrário do que a Espanha fez há um ano atrás, de tomar decisões”, frisou.

Para Miguel Relvas, José Sócrates é o “problema” e, por isso, considera que a grande questão que se coloca aos portugueses é de saber se quer um primeiro-ministro “que está há seis anos e meio em funções, aumentou o défice, o desemprego, a dívida, a pobreza em Portugal”.

“Vamos criar condições para que depois de 5 de junho, com um governo abrangente, se permita que os melhores estejam na vida pública”, frisou.

Fonte

4 thoughts on “Eis como os melhores chegaram e permanecem na vida pública”

  1. pois, mas como gastámos toda a indignação e insultos com o sócras, agora estamos roucos e não temos pedras para atirar. vantagens da antecipação.

  2. foi com muita desta prosa canalha, que relvas conseguiu equivalencias para não tirar o curso onde se licenciou.ao nosso povo digo com tristeza isto: temos o governo que merecemos.

  3. O dr. Relvas faz-me lembrar muito o Dâmaso Salcede, aquele gordalhufo deslumbrado e parolo que aparece nos Maias, do Eça de Queirós.
    Só que enquanto o Dâmaso só se interessava pela conquistas das senhoras, o dr. Relvas é muito mais perigoso.
    O “atracão” do Dâmaso é, no dr. Relvas, o “assaltão” ao pote.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.