33 thoughts on “Economia, essa ciência onde não se acerta uma”

  1. PIB continua a crescer, ignorando as recomendações dos economistas. Esse é que devia ser o título.
    Cada vez mais me convenço: a economia é uma ciência que estuda os erros do passado para errar melhor nas previsões do futuro.

  2. Agora o teste mais engraçado de todos: ver se as taxas de juro da dívida continuam a subir, contra tudo e contra todos (perdão, só contra alguns)…

  3. isto está mesmo mau. ainda por cima os juros baixam. mais uma vez se demonstra que a economia de ciência tem muito pouco (apenas a linguagem matemática). mas o que poderíamos esperar de algo comandado pela opinião de gurús?
    por cá ainda é pior, a opinião económica está entregue ao pessoal da gestão e aos fiscalistas que enxameiam os estúdios de televisão e as páginas dos jornais, quais parasitas medrando na crise internacional. porca miséria.

  4. Ontem vi finalmente uma conversa decente, serena e esclarecedora sobre a situação financeira em Portugal na RTP 2, por volta das 19.30, num programa chamado Capital, que faz parte do espaço noticioso a que chamam Hoje. O convidado era o presidente do Instituto de Gestão do Crédito Público. Espero que a RTP 2 faça a diferença, agora que arranjou nova programação e novos pivôs.

  5. Esses “militantes” do “quanto pior melhor” que pululam nos media devem ter ficado com os “dentes como ossos”. É o caso dos cachopos que dirigem essa agremiação de Pândegos Supostamente Democratas, que afirmaram, a este propósito que: “…é de aplaudir, mas a Europa cresceu mais…”, que é o mesmo que dizer que isto não tem interesse nenhum (porque, também, o Porto deu 5-0 ao Benfica e deveria ter dado 6, ou 7…, já que ganhava na mesma três pontos..).
    Anda aí uma corja de “jornaleiros” (sem ofensa para esses profissionais que sujam as mãos da terra que lhes dá de comer) que para poderem atingir os seus objectivos (em primeira instância mandar o Sócrates para a rua…) não se importam de “puxar para trás”, como foi o caso de ontem da D. Judite de Sousa, que entrevistando o Banqueiro que dirige o BES, conseguiu ser mais pessimista (e isto é ser simpático…) do que o sujeito, que na lógica dos seus interesses lhe deu uma grande lição de que só com vontade de se querer avançar e com tenacidade e positivismo se avança. Mas é o que temos e ainda vai demorar algum tempo a vermo-nos livres dessa gentinha.

  6. Esperemos pelos comentários do Duque e do Cantigas na porqueira. E já agora também pela discussão do plano de salvação nacional do iluminado da Marmeleira.

  7. A D. Judite Sousa é miserável!
    Para além de bombardear o homem e quase não o deixar responder, temo que não compreende a situação actual! Acha que é nacional.
    Das duas três, ou é desnonesta intelectualmente ou não compreende a situação ou sofre de um mix das duas coisas!

  8. Há cada um:
    Há anos, muitos anos, um professor na sala de aulas a certa altura resolve perguntar a um aluno qual a personagem mais falada em Portugal. Responde-lhe o aluno, género Zéquinha – é o Travassos senhor professor. Diz-lhe o professor – é Salazar seu…. Responde-lhe o aluno – só se esse jogar nas reservas.
    Vem isto a propósito do que ouvi ontem na Quadratura do Círculo da boca de Pacheco Pereira, o filósofo da Marmeleira e de Lobo Xavier, julgo que o das cervejas Sagres, que se devia exonerar José Sócrates. Estas “individualidades” como não conseguem vencer Sócrates vão para o jogo de secretaria. Não conseguem ganhar em campo. Depois ia para primeiro-ministro quem ainda não se submeteu a um escrutínio nacional. Querem reinventar outro Santana Lopes.
    Depois há professores que ficam admirados em os alunos dizerem que os mais falados são os Travassos.

  9. Pode muito bem ser o resultado de engenharia financeira: Empresas financiadas pelo aumento do défice seguem exportando mais…

  10. grrrrrrr!

    na penúltima linha não saiu o sinal, a seguir a este era o sinal de ‘menor que’ <

    o pimba era imaginário não linkei lá nada

    (depois se conseguires ensinas-me a sopa de camarão à tailandesa que ainda não esqueci, mas só amanhã que acabei de comer meio pato e fiquei atabazanado)

  11. Not bad. Mas aparece o sinal de < e não era suposto.
    Tens de terminar a explicação, senão nada de sopa de camarão à tailandesa :)

  12. piuuuuuuuuuuuu!

    Se calhar meteste dois < a seguir um ao outro, não?

    Eu reconheço que aquilo lá em cima está um bocado troglodita, mas o html troca-me as voltas com o pato à mistura,

    :)

    PS: a sopa tailandesa era mais para metêr conversa que agora é tempo de feijoadas, ainda assim um dia tenho de usar essa arma táctica não sei onde.

  13. Eu posso ajudar?

    «a href=”http://www.url.com”»texto com link«/a»

    Substituir:
    « por

    já está. Mais umas coisas giras:

    itálico: «i»texto«/i»
    negrito: «b»texto«/b»

  14. Vega,

    Isso era para ajudar? O que é que é substituído por quê?
    Estou eu aqui a expor a minha ignorância e vocês não ajudam…:(

  15. quer dizer, em vez de ‘texto com link’ eu diria antes palavra ou frase, sintagma, com que remetes ao link ou parecido. Agora podes brincar ao hipercomento sem fim.

  16. edie, é menos complicado do que parece. Eu guardo aquele HTML num ficheirozinho de notepad, e faço copy/paste quando preciso (não estou para decorar):

    «a href=”http://www.url.com”»texto com link«/a»

    Mas substituis os »« por ><

    Por exemplo, com o teu link aí em cima:

    «a href=”http://www.youtube.com/watch?v=K1NEMI8qtBs&feature=related”»Era isto«/a»

    Toma, criei um link onde podes copiar o que eu uso:

    http://shortText.com/3bk9kadvmlgtr

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.