E que tal pensarem em mudar o PSD?

Querer “mudar” corresponde ao grau zero da intencionalidade política. Quando se é catraio e nos iniciamos politicamente ao participar em listas para a associação de estudantes, o meu caso logo aos 13 anos no Padre António Vieira e desde aí até à faculdade inclusive, a única ambição que conseguimos verbalizar é a de “mudar”. Mudar o quê, e porquê, e para quê, não carece de vaga definição sequer. O verbo faz-se início e fim do sentido a embrulhar uma motivação instintiva para conquistar o “poder” – o poder de imaginar ir mudar qualquer coisa, lá está.

Moedas quer mudar Lisboa. Moedas é moderno, portanto. Donde lhe veio essa ideia? Por que raio Lisboa haveria de mudar fosse no que fosse? Ou que desplante é esse de negar à concorrência o mesmíssimo desejo para “mudar Lisboa”? Não é problemática interessante, porém, pois está tudo à mostra. O que ele quer, e consigo a restante direita decadente que ocupa o espaço mediático, é mudar os nomes de quem está no poder. É só nisso em que conseguem pensar, num atrofio político e cívico que se torna não apenas transparente como obsessivo, obcecante, exibicionista.

3 thoughts on “E que tal pensarem em mudar o PSD?”

  1. tenho andado a pensar na cor. por todo o lado andam a azul nas campanhas. então, ando a pensar por que tantos optaram pela azul. mudaram a cor. antes, as cores eram outras. é a psicologia ao serviço do MKT político.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *