E que mais?

Os temas da habitação e da floresta irão ter presença obrigatória na próxima campanha eleitoral para as legislativas, aconteçam estas em 2019 ou antes. Consoante o desfecho da Operação Marquês, o tema da justiça também poderá entrar, embora com muito menor probabilidade dada a impotência do sistema partidário, e/ou cumplicidade, para lidar com as corporações e os criminosos no sistema judicial.

E que mais?

22 thoughts on “E que mais?”

  1. acho que o tema mais escalkdante vai ser a impotência da Justiça para lidar com os criminosos e corruptos do sitema partidário , que são os legisladores , aliás.

  2. a flatulência. deve andar por aí um estudo no prelo que comprove que os portugueses andam, durante este governo, mais peidosos. claro está que a oposição não pode deixar esta tourada de fora. :-) ai que riso!

  3. Para quem poderia, caso existisse algum cargo ( tacho ) de Alto-Comissário ou de Supervisor Geral para a comunicação social, e cujo lema de campanha poderia ser ” Valupi, o jornalismo autêntico “, o trecho final do texto, é tudo menos claro .
    Melhor dizendo, tem isso sim, todos os ingredientes capciosos , característicos de um comissário político, ou de um assessor/lobista pago .

    ” dada a impotência do sistema partidário, e/ou cumplicidade, para lidar com as corporações e os criminosos no sistema judicial. ”

    Defende Vexa que existem corporações e criminosos no sistema judicial ?
    E que o sistema partidário, mormente o Parlamento e o Governo, são impotentes para lidar com o fenómeno ?

    O snr. sabe quem faz as leis ?
    E que os magistrados, pese a lei seja injusta, indecente, ou mesmo imoral, lhe devem obediência, sendo aliás a recusa de aplicar a lei nas três situações anteriores, punível nos termos legais ?

    Só pode estar a brincar, ou, então, de má-fé.

    Como é sabido por qualquer inteligência mediana, em Portugal, quem faz as leis, no caso do Parlamento, são juristas, eleitos deputados nas listas partidárias, não poucas vezes, lobistas e braços longos de grandes ou médios escritórios de advogados .

    E no caso de legislação proveniente do Governo, é mais ou menos a mesma coisa .

    O que é certo e sabido, é que o chamado poder judicial, um dos pilares do sistema democrático, foi o último reduto a ser degradado, pelo chamado regime democrático vigente . Os militares, esses já tinham sido colocados de parte .

    Começou, por exemplo, com convites a magistrados, para assessores de ministros, e para detentores de alto cargos no Estado ( por exemplo, PJ, SIS, etc. ).

    Isto poderia não ter sido assim ?
    Pois poderia !

    Não só poderia, como deveria !
    Por uma questão de salutar medida profilática ( isenção, ética ) mas sobretudo, por força do chamado princípio da exclusividade de função.

    Quer um exemplo ?
    O Sanches . Transitou de um alto cargo no Governo, para o BPN .
    Parece que o SIRESP, se lhe deve ; ( deve , não, porque já deve ter sido pago ) .
    Custou 400 milhões !
    É a barracada que se sabe …

    Modere, modere …
    E quem modera o moderador ?

  4. “O que é certo e sabido, é que o chamado poder judicial, um dos pilares do sistema democrático, foi o último reduto a ser degradado, pelo chamado regime democrático vigente . Os militares, esses já tinham sido colocados de parte .”

    O caro já pensou bem onde vai dar, directamente, tal opinião?
    Pois, exactíssimamente, a isto: o “chamado” regime democrático vigente degradou o poder judicial pilar do sistema democrático anterior.
    Para o caro o regime anterior (o salazarismo) era o verdadeiramente democrático e este, o actual, é tão somente o “chamado” como tal.
    A partir de tais considerações está tudo dito acerca do ponto de vista de que parte para a análise da política qualquer que ela seja.
    Assim considera que só os políticos actuais (salazarismo é não corrupção, é?) é que podem ser corruptos mas quanto a magistrados só podem ser impolutos. Depois pergunta, sem sentido, quem modera os moderadores parafraseando uma questão que se levantou precisamente a quem tem poder sobre a vida de outrem, precisamente os senhores magistrados (poder de intocáveis): quem guarda os guardas?
    E por fim cita o caso SIRESP e o senhor sanches (podia citar todo o governo de então) que adquiriu à ultima da hora o sistema a amigos empresários do dito governo. Governo esse, precisamente, com práticas políticas muito ao estilo do governo “democrático” anterior ao actual “chamado” democrático.

  5. ora , falando em segredo de justiça e tendo em conta que “Os atos processuais, em regra, são públicos, porém, alguns processos correm em segredo de justiça, onde o acesso aos dados processuais ficam limitados às partes e os seus advogados.” , já ouvi dizer que muitas vezes são as partes e os seus manhodos advogados que metem a boca no trombone para provocarem estas tempestades de areia nos olhos sobre segredso de justiça :)

  6. yo, e nos casos em que as violações ao segredo de Justiça ocorrem quando ainda não existem cidadãos constituídos arguidos, também defendes que são os futuros advogados dos futuros arguidos os responsáveis por esses crimes?

  7. Comentador Neves :

    ” Non Sequitur ” .
    O Sr. faz extrapolações e divagações que vão para além do que eu disse ( escreví ).
    Uma(s) coisa(s) não implica(m) a(s) outra(s) .
    Em lado algum algum está escrito por mim que o regime anterior fosse democrático .
    Apenas sim , exprimí, a opinião de que o regime democrático vigente, está podre .
    Quero com isto dizer, que é muito deficiente, está muito degradado/desgastado, desacreditado, e que portanto, deixa muito a desejar. Podia ser um regime democrático mais perfeito, muito melhor .
    O moderador que eu citei, é o do site ( os comentários ficam retidos, não visíveis, até que por arte de não sei quem, e muitas vezes tarde e a más horas, aparecem ) .
    O SIRESP era de um governo de direita, custava 400 milhões, e foi impugnado por Costa ( então ministro ) e acabou por ser aprovado por 600 milhões, pelo mesmo governo que tinha impugnado o concurso e a adjudicação do governo anterior .

    Snr . Valupi

    O segredo de justiça, tanto é violado por magistrados, como por advogados, como por arguidos . Por exemplo, no caso da sucata ( Godinho, face oculta ) foram marcadas com um sinal as notificações, e apurou-se que quem liberou para a comunicação social, foi um dos arguidos .

    Decreto-Lei nº 48/95 de 15-03-1995
    CÓDIGO PENAL
    LIVRO II – Parte especial
    TÍTULO V – Dos crimes contra o Estado
    CAPÍTULO III – Dos crimes contra a realização da justiça
    ———-
    Artigo 371.º – Violação de segredo de justiça

    1 – Quem ilegitimamente der conhecimento, no todo ou em parte, do teor de acto de processo penal que se encontre coberto por segredo de justiça, ou a cujo decurso não for permitida a assistência do público em geral, é punido com pena de prisão até 2 anos ou com pena de multa até 240 dias, salvo se outra pena for cominada para o caso pela lei do processo. ”

    ” Quem ilegitimamente “.
    Aparentemente, parece que há violações do segredo de justiça, que serão legitimas …

    É que se a violação do segredo de justiça, é sempre ilegítima, – e eu acho que é – então não faz sentido escrever ” quem ilegitimamente ” .

    A menos que haja quem deseje situações pouco claras e águas turvas, ou então, que o legislador, redactor da lei, seja um nóvel licenciado nas universidades modernas privadas . Sendo este o caso, remeta-se o artola de novo para a escolinha, para aprender a redigir como deve ser .

  8. O que diz Someone “…é que o chamado poder judicial, um dos pilares do sistema democrático, foi o último reduto a ser degradado, pelo chamado regime democrático vigente .
    Decerto que só se degrada ou estraga o que está bem ou funciona bem, ou não? E o que funcionava bem, segundo Someone, era o poder judicial que havia antes da actual “chamada” democracia.
    Ora um poder judicial não vive independente da justiça que o suporta: o regime anterior ao da “chamada” democracia era fascista e a justiça aplicável era, igualmente, para-fascista.
    No fundo o que Someone faz é uma comparação entre o antes e depois e como está contra a actual democracia a simpatia vai para o antes. Penso eu.

  9. A operação marques não terá qualquer desfecho antes das eleições. E antes os fachos ainda hão de usar mais umas fugas para alimentar a campanha. Está escrito nas estrelas.

  10. “foram marcadas com um sinal as notificações, e apurou-se que quem liberou para a comunicação social, foi um dos arguidos .”

    ehehe faz se umas copias extra bota a marquinha e segue para a redacção.

    .. conversa para boi dormir!

  11. Ó snr. Neves, o sr. é falho de mioleira e eu não vou perder o meu tempo a alimentar a sua deficiência.
    Continua a extrapolar e a construir silogismos de tontinho .
    O senhor desconhece o meio-termo .
    Degradar não implica forçosamente concluir que antes funcionava 100 % bem e que agora funciona mal .
    E olhe que, por exemplo, em matéria de direito do trabalho, e já que afirma que a justiça do regime anterior era para-fascista ( não queria dizer pró- fascista ? ) reconhecia-se que numa relação laboral, o empregado era a parte mais fraca . Daí, a protecção jurídica dada ao trabalhador, e por regra, os tribunais decidiam a favor do empregado, não do empregador . A menos que fosse por motivo grave, por exemplo, desfalque, era um problema despedir um trabalhador . E em caso de encerramento de uma empresa, as indemnizações a atribuir, eram altas .
    Agora, despedir, é canja .

    O Abilio não diz nada com substância. Aliás, com nome de macaco, como poderia ?

  12. Someone

    Os magistrados “devem obediência à lei” porém … como são eles quem tem o dever (e o poder) de aplicar a lei … sempre que lhes apetece NÃO o fazem … e não lhes acontece nada ! pronto, já estás a ver agora aonde é que está o crime e quem são os criminosos ?

  13. Someone, se afirmas que os magistrados violam o segredo de Justiça, tens aí a resposta à estupidez que largaste no primeiro comentário.

  14. Então e o que é que quer ?
    Que sejam os políticos a julgar os magistrados que violem o segredo de justiça ?
    Já agora, esqueci-me de mencionar outros possíveis violadores, os funcionários judiciais que tenham acesso aos processos ( para fotocópias, etc. ).
    Em todo o lado há problemas . Veja a Igreja ( pedofilia em massa ) .
    Há polícias que são delinquentes . Depois são julgados, condenados, e expulsos .
    Vai-se acabar com a Polícia por causa de algumas maçãs podres ?
    Idem quanto às restantes instituições.
    Infracções haverá sempre . Mas a regra, é o acatamento da lei .
    Excepto para os políticos, por estarem, por inexistência de lei que os puna por isso, dispensados de sanção legal por actos de gestão governativa, ruinosa e danosa, da Nação. E isso é, lamentável .

    Quanto a Jasmim.
    Jasmim desconhece a existência de mecanismos que impedem que os juizes façam o que querem e lhes apetece, no limite, a não aplicação da lei . Não sabe o que é o ” non liquet “, ignora o papel dos advogados, não sabe da existência de recursos para tribunais de instância superior ( nacionais e supra-nacionais ) .

  15. Someone, este nosso diálogo nasceu de teres escrito “Defende Vexa que existem corporações e criminosos no sistema judicial ?” Ora, como rapidamente se constatou, também tu defendes o mesmo.

  16. “O senhor desconhece o meio-termo .”

    O Someone diz conhecer o “meio-termo” usa-o é muito mal, ou muito convenientemente, como conceito aristotélico. Em qualquer das éticas do Mestre ateniense o conceito de meio-termo é, precisamente, o lugar exacto de posisionamento para melhor observar, analisar e avaliar; o termo de comparação a partir do qual, a deslocação para a esquerda ou para a direita, determina o grau maior ou menor do caminho para o vicioso, o degradado.
    Ao invocar a noção de meio-termo o caro, neste caso, só vem acentuar o que de facto está escrito-dito por si: que “a chamada” democracia degradou uma justiça que funcionava no meio-termo, melhor lugar de observação, do regime fascista.
    Aliás, a invocação insistente em ir buscar ao baú salazarista algo de menos mau em contraponnto com algo que agora diz estar pior na “chamada ” democracia, só reforça a ideia de que, quando escreveu-ditou para o comentário, o pensamento só podia querer dizer que também antes, no salazarismo, a justiça era boa e funcionava bem em contraponto com a justiça degradada que a “chamada” democracia degradou.
    Por mais subtis argumentos que que utilize o que subjaz é sempre a simpatia pelo antes em contraponto com o depois.
    É o que deduzo. E acabou-se.

  17. Valupi –

    Eu não defendo nada, você é que está para aí a inventar .

    Já entendí o desígnio oculto do seu escrito inicial .
    Basta juntar as peças do puzzle, isto é, ler os comentários dos confederados costumeiros que costumam vir para aquí dizer amen .
    Portanto a corporação e os criminosos do sistema judicial, serão, a seu ver, os magistrados que intervieram até ao presente, no processo Sócrates.
    Era para isto, que o caro queria conduzir a questão.
    E pronto, você não é nem nunca foi pago pelo PS de Sócrates, nunca ao mesmo esteve ligado, nunca foi assessor, funcionário, propagandista, beneficiário de nada .
    E o mesmo sucede com as comadres que por aquí surgem ( que podem até ser apenas um ou dois, sob várias capas ) .

    O abominável homem das Neves continua enredado nas suas ( dele ) dificuldades e limitações intelectuais .
    Agora deu-lhe pró Aristóteles .
    Deixe isso a cargo do Ministro dos Negócios Estrangeiros. Ele é que sabe de deuses gregos e romanos . Até os mistura. E também de feiras de gado . Que também mistura com negociações de concertação social .
    Você é apenas um tipo limitado, em frente a um ecran de computador .

  18. Someone , por amor de Deus !! só agora viu a luz ? 99.999 % dos posts do V vão sempre parar ao mesmo assunto :) todos os caminhos vão dar ao zézito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.