3 thoughts on “É a mais velha história do mundo”

  1. também escrevi no lembrete: cortar a salsa prá omolete; adubar e regar os gerânios do terraço; comprar atum e cebola pró gatzzz; mondar os cravos da índia; sulfatar a vinha…

  2. Caro Valupi;
    Há muito tempo que medito e conclui que quem é useiro e severo a suspeitar e acusar o outro sem haver acto visível ou fundamentado credível para acusação, revela mais sobre si, sobre o que ele próprio faria caso estivesse no lugar do outro que acusa.
    Quando se é ligeiro e repentista a apontar o outro de uma maldade, revela que ele, o próprio indignado, no lugar do outro cometeria essa tal maldade. O nosso pensamento resulta de um diálogo interior entre o facto ou acontecimento e a nossa memória histórica, isto é, entre o facto surgido e o que nós faríamos perante tal situação. E quando alguém aponta o outro como tendo feito tal ou tal coisa é certamente porque no seu diálogo interior, esse alguém concluiu que no mesmo lugar e situação do outro teria procedido de modo igual.
    Claro que há o jogo de interesses e a boa formação intelectual, ética e moral para formar o pensamento e elaborar uma opinião em determinado sentido: isso é notório na política ou nos negócios onde a dissimulaçao, retórica e sofistica é notória. Contudo a propensão para um individuo ser “acusador” arruaceiro revela o arruaceiro que se esconde em tal acusador.
    Confesso que tais pessoas existem em abundância e metem medo aos honestos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.