Dominguice

Para as pessoas com quem mantemos relações afectivas positivas, tenhamos ou não proximidade vivencial, aquilo que nelas possa ser bom é visto como sendo parte da sua natureza, e aquilo que possa ser mau é visto como um acidente. Se tivermos relações afectivas negativas com alguém, próximo ou distante, o que neles pareça mau é associado à sua natureza e o que pareça bom é associado ao acaso. Racionalizamos as qualidades dos nossos com substantivos e os seus defeitos com adjectivos, a inversa para os outros que são estranhos, por não pertencerem aos nossos, onde os defeitos são substantivos e as qualidades adjectivas. Justificamos os erros e as maldades daqueles de quem gostamos com os contextos, as situações, o concreto. Condenamos os erros e as maldades daqueles de quem não gostamos com as normas, os princípios, o abstracto.

A razão tem paixões que o coração se envergonha de conhecer.

8 thoughts on “Dominguice”

  1. e se conseguirmos ouvir sempre, e antes de tudo, o coração? então misturamos os nomes e os adjectivos, nada é ao acaso, e as tripas, que estão ligadas ao coração, acabam por beijar a razão. respiração.

  2. Ná é tudo a mesma coisa, pertence tudo à família. Até os putos. Se os putos se portam bem e são inteligentes saem à minha família, se os putos se portam mal e são burros que nem uma porta, saem à família dela.

  3. comigo não acontece. gosto /não gosto de pessoas por causas das minhas , minhas , idiossincracias , tenho perfeita consciência disso. o outro de quem não gosto até pode ser um modelo de virtudes reconhecidas.

  4. E o acenar com o Orçamento Chumbado, como se fosse o avatar da salvação do país? é um substantivo ou um adjetivo?

  5. Deu para compreender as motivações do Ganda Nóia ao considerar que,
    o debate entre ACvsRR foi ganho pelo Rio, até porque o Costa está mui-
    to cansado depois de 6 anos de mau governo … o Rio traz novos ares e,
    foi muito mais assertivo nas suas propostas quais ???
    Só que, a grande vantagem do A. Costa é ter toda a comunicação social a
    seu favor bem como a generalidade dos comentadeiros avençados desde
    o baldocas passando pelo maduro e, aqui chegados, ficamos com o gran-
    de e enorme mentes … com todos os dentes, como se acabou de ver na SIC!!!

  6. A razão tem, de facto, paixões que o coração se envergonha de conhecer, quantas vezes inibido pelas conveniências da má-fé.
    Que o diga, por exemplo, a mula russa. Tratando-se de criatura intelectualmente prostituída pelo regime nacional capitalista autoritário russo, tem deste a perceção de que aquilo que neste possa existir de bom deve ser visto como sendo parte da sua natureza, enquanto que o que existe de mau deve ser visto como acidente. E daí as suas inspiradas graçolas a propósito de supositórios de Novichok com sabor a baunilha.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.