Do abuso absoluto

«Ninguém esqueceu no país que as duas maiorias absolutas do cavaquismo e a do PS de Sócrates se traduziram no abuso absoluto.»

Fernando Rosas

__

Fazer equivaler as maiorias de Cavaco (1987-1995) com a de Sócrates (2005-2009), seja no que for (repita-se: seja no que for; acrescente-se: seja no que for; registe-se em acta: seja no que for; grave-se numa placa de mármore: seja no que for), permite – obriga a – inferir o seguinte:

Fernando Rosas abusa da cegueira histórica, absolutamente.

Fernando Rosas abusa da distorção ideológica, absolutamente.

Fernando Rosas abusa da desonestidade intelectual, absolutamente.

Fernando Rosas abusa do sectarismo fanático, absolutamente.

Fernando Rosas abusa da estupidificação mediática, absolutamente.

Fernando Rosas abusa do insulto à nossa inteligência, absolutamente.

Fernando Rosas abusa da vinhaça, provavelmente.

7 thoughts on “Do abuso absoluto”

  1. boa, mesmo boa, foi aquela maioria do massamólas+irrevogável com o contributo do tio louçã+avô rosas.

  2. Absolutamente… e com certeza…! Os políticos menos honestos são que são, oportunistas manipuladores do povinho e principalmente quando os seus partidos não conseguem maiorias para governar, manipulando, desavergonhadamente, o povinho!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.