Desconfia da desconfiança

Sou amigo do João Maurício Brás. E fomos colegas de curso. No passado dia 21, fui ao lançamento do seu terceiro livro, A Importância de Desconfiar. No vetusto salão nobre do Liceu Maria Amália, estavam na plateia umas 10 pessoas, mais 4 na mesa.

Embora o livro se recomende pela inusitada temática e raridade editorial, vou limitar-me a enaltecer o convidado cuja missão era a de apresentar a obra, o Professor Carmo Ferreira. Na Católica, foi o terror na cadeira de Filosofia Contemporânea, desmontando Hegel a uma velocidade superior à da luz. Com um bocadinho mais de atenção, também dava para ir fazendo um curso de alemão só com o que deixava escrito no quadro. Assombro e pânico, era o que via nos rostos à sua frente.

Teve muito melhor recepção nesta sexta-feira de Maio, aceitando o convite para analisar, e avaliar, a obra de um antigo aluno. E fê-lo com o mesmo rigor com que dava as aulas, respeitando o texto no acto de o criticar sem favor, mas favorecendo o acesso a ele, dando a pensar. A clarividência do seu discurso, a erudição servida como degrau, a frontalidade de um olhar inquiridor, são características típicas de um filósofo de vocação e consagração. Para quem se sintonizar num destes seres quando dá uma aula, ou uma qualquer palestra, a experiência é de embriaguez e ascensão intelectual. O espaço e o tempo alteram-se pelo pensamento; mas esta experiência não é para explicar, é para descobrir.

Que Portugal não saiba quem é o meu amigo João, eis o que é natural e não traz mal ao quotidiano dos cidadãos pagadores de impostos. Mas que Portugal não aproveite o poder transformador do logos de Manuel do Carmo Ferreira, eis o que prejudica a comunidade por a privar do convívio com os seus melhores. E como ele, há muitos outros que passam pela academia, e poisos variegados, sem conhecerem as luzes da ribalta e o alvoroço da multidão.

Quem procura, encontra, como se ensina na sapiência. E até aqueles que não procuram podem encontrar. Estamos rodeados de amigos que nunca vimos antes nem iremos ver alguma vez. Por isso, é sábio aquele que desconfia da sua própria desconfiança.

4 thoughts on “Desconfia da desconfiança”

  1. Terceiro ou segundo livro? Estou a desconfiar.

    Foi uma boa novidade, para mim, que já não sabia do Mauricio há, mais ou menos, 14 anos. Boa!

    E como tens aqui, neste post, esta frase linda – Estamos rodeados de amigos que nunca vimos antes nem iremos ver alguma vez – vou aproveitá-la para deixar aqui, a ti e aos muitos que aqui passam, esta petição da Greenpeace e da Avaaz que parece harmoniosamente ilustrar este teu pensamento sobre a amizade.

    A comissão europeia acaba de autorizar o cultivo de sementes geneticamente alteradas na Europa, contra o desejo da maioria do cidadãos e tendo sido alertada por vários dos estados membros.
    É possível fazer uma petição oficial junto da Comissão Europeia quando esta tem, pelo menos, 1 milhão de assinaturas de cidadãos europeus. Mas pode ter mais!!!
    Actualmente e passado um mês, a Greenpeace e a Avaaz conseguiram juntar 900.000 assinaturas.
    http://www.Greenpeace.org/international/campaigns/genetic-engineering/take-action/EU-Petition
    Este link permite que façamos o nosso contributo na tentativa de impedir que esta situação vá avante pois até à data ainda não são completamente conhecidas as consequências do seu consumo pelo Homem.
    Há muito para ler sobre isso na internet, caso queiram informar-se melhor, antes de assinarem.

  2. Eu bem que desconfiei que a minha desconfiança estava errada. Isto é, o livro de aforismos não é dessa editora. Um pequeno desaforo da parte deles, portanto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.