Derrelictos — José Pinto-Coelho

autarquicas_2007.jpg

Muito antes dos Fedorentos criarem cartazes em estilo PNR, já o PNR criava cartazes fedorentos. Fedorentos e PNR, pois, um caso de atracção mútua. Em resultado, agora o candidato considera-se colega de profissão, privilégio da deferência felina. Gozar com os políticos é legítimo e a malta aplaude, revelou o Marquês de Pombal. A lição pombalina aplica-se nas eleições em Lisboa, a tal que é cidade portuguesa. Neste exemplo, está-se a gozar com o Zé.

12 thoughts on “Derrelictos — José Pinto-Coelho”

  1. Eu estou completamente de acordo com a frase “Lisboa, Cidade Portuguesa”. Além de ser uma constatação óbvia, vem lembrar q Lisboa, sendo portuguesa, tem um passado de convívio de culturas, de acolhimento de estrangeiros, de convergência de diferentes etnias, credos e opiniões.
    É isso q o PNR quer dizer com aquela frase, não é?

  2. O senhor Rui Almeida revela a sua ignorância num grau que atinge o nojo.
    Acredita no mito inventado pela esquerda dessa fantochada que é o convívio de raças.
    Portugal foi conquistado aos mouros à mais de 800 anos e desde então para cá esta terra pertence aos portugueses e têm sido os portugueses que têm produzido a sua riqueza e a sua cultura que nada tem a haver com as invasões de estrangeiros dos últimos anos.

  3. Convívio de que raças? Humanos e Marcianos, Humanos e Sirianos ou Humanos e Venusianos? É que eu não conheço ninguém de nenhuma outra raça. Sou pouco cosmopolita…

    Quanto ao que realmente são os portugueses, eu poderia estar aqui uma tarde a explicar a fragilidade da ideia da pureza do sangue português, mas creio que para quem é não vale a pena.

    Acho que o completo desconhecimento da nossa história é o menor dos problemas do caro anónimo.

  4. —» PNR, FN, BNP, e afins: quem gosta de ser OTÁRIO que faça bom proveito!!!

    —» De facto, qual é o interesse de andar a perder tempo com Palhaços-Éticos que NUNCA provaram serem capazes de constituir uma sociedade sustentável (ou seja, uma sociedade dotada da capacidade de renovação demográfica) sem ser à custa da repressão dos Direitos das Mulheres (nota: mulheres tratadas como úteros ambulantes)… e que, hoje em dia, querem andar a curtir abundância de mão-de-obra servil imigrante, e querem andar a curtir a existência de alguém que pague as pensões de reforma… apesar de… nem sequer constituírem uma sociedade aonde se procede à renovação demográfica!!!

    Nota 1: Com o fim da repressão dos Direitos das Mulheres… a capacidade de renovação demográfica sumiu-se…

    Nota 2: A MAIORIA dos europeus são uns ‘dignos’ herdeiros das sociedades europeias do passado (sociedades de exploradores de escravos) -> eles (a maioria -> vulgo Palhaços-Éticos) adoram realizar negociatas de lucro fácil à custa de alienígenas (leia-se, não-nativos) : querem curtir… sem pagar os (elevados) custos de renovação demográfica: incentivos monetários à natalidade, despesas com a fertilidade dos casais, despesas com gravidez, despesas em Saúde e Educação até à idade adulta…

    Nota 3: O caminho a seguir… não é andar a ‘lamber as botas’ aos Palhaços-Éticos (a maioria), mas sim, ‘declarar guerra’ aos Palhaços-Éticos… ou seja: reivindicar o LEGÍTIMO Direito ao Separatismo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.