Delenda Cabrita

Podia-se montar uma equipa multidisciplinar para descobrir quem é a figura da democracia portuguesa mais odiada desde o 25 de Abril. Essa equipa reuniria e trataria os megadados disponíveis e chegaria inevitavelmente a este nome: José Sócrates. Sabemos empiricamente que tal seria a conclusão pelo que escusamos de cansar os imaginados investigadores. O que não sabemos é porquê. Não por faltarem explicações, antes por serem tantas quantas as opiniões. Será por causa do TGV que nunca se construiu? Do aeroporto que nunca passou dos planos? Da avaliação dos professores que se manteve a farsa que sempre foi? Da aposta na ciência, nas tecnologias da informação, na educação de adultos, nas energias verdes, na dignidade e segurança dos mais pobres, nos direitos das mulheres e das minorias? Será que foi Sócrates quem causou a Grande Recessão de 2008, e depois a crise das dívidas soberanas, e por fim deu ordens ao PS para chumbar o PEC IV pois queria afundar o País para brincar à reengenharia social e vender empresas públicas com o respaldo da Troika? Ou será por causa de um certo dinheiro que lhe emprestaram (ou deram) e que não saiu do bolso de nenhum de nós nem existe quem consiga relacioná-lo com algum dano ao Estado?

Não. O ódio a Sócrates é uma construção mediática para efeitos de exploração sensacionalista e luta política. Alimenta-se disso e, num plano mais decisivo, da real força política de Sócrates. É por ser um adversário formidável que, especialmente na direita, a resposta é de pavor, depois de secreto fascínio, e por fim de ódio, como única resposta que mantém a solidez da identidade. Esse ódio não precisou das revelações da Operação Marquês para existir, pelo contrário. Ver o terrível inimigo ferido de morte (política) e humilhado deu real consolo às patologias que corriam soltas muitos anos antes da sua prisão. Só que Sócrates continua biologicamente vivo (portanto, nunca se sabe, né?), teve uma estrondosa vitória na Justiça (abafada e deturpada pelos impérios mediáticos), e isso desperta mecanismos automáticos de protecção que alimentam o fogaréu do ódio. Nesta arena, Cabrita tornou-se um alvo prioritário dessa energia contagiante, como se vê pela exploração odiosa (no sentido em que se procura intencionalmente provocar respostas de ódio nas audiências e na sociedade) do acidente de automóvel em que está envolvido. Recomendo que se use a gravação do que Clara Ferreira Alves disse no último “Eixo do Mal” sobre Cabrita – onde deixou a tese de que esse ministro deve ser castigado por ser odiado – como material de estudo em várias universidades (e não só portuguesas) onde haja departamentos dedicados ao estudo do fenómeno.

O desejo de falar do Rui Rio é quase irresistível mas malhar em quem acaba de ir de cornos contra um bloco de granito não seria decente. Pelo que vou recorrer a um outro fulano muito mais significativo para dar conta da extensão do ódio como cultura ubíqua na ecologia mediática. Eis o que se lembrou de escrever o Daniel Oliveira:

«Outra questão é mais simbólica, mas conta muito: se for verdade que nem condutor nem ministro saíram do carro, é humanamente miserável.»
+
«Há uma discordância quanto à sinalização dos trabalhos na estrada, com um comunicado da Brisa que desmente o que foi dito pelo MAI. Isso terá de ser esclarecido. Não sabemos se essa sinalização tinha alguma ligação com o lugar onde o trabalhador foi colhido. Mas, se ela existia, sabemos que o comunicado mentiu, o que num caso destes é inaceitável e politicamente incontornável.»
+
«A minha opinião sobre Eduardo Cabrita é clara e há muito tempo que acho que devia ser demitido. É um monumento à incompetência política e, todos os sinais o indicam, falho de sensibilidade e empatia.»

O Daniel é um dos mais importantes comentadores nacionais, tanto pela qualidade como pela quantidade do seu trabalho. Escreve todos os dias úteis e desmultiplica-se em vários canais e actividades neste universo do jornalismo de opinião. Acima de tudo, esforça-se por aparecer intelectualmente honesto. Esse esforço tem mérito e por si só chega para o separar da pulharia. Porém, é igualmente recorrente a cena de o vermos a escorregar para o chinelo da hostilidade cega quando entra em cena Costa, o seu alvo de estimação nesta legislatura. No caso, Cabrita aparece-lhe com o rosto de Costa e o resultado é um exercício de apelo ao ódio.

Nos exemplos que cito acima, vemos o prestigiado comentador, no prestigiado Expresso, a revelar que, tratando-se de Cabrita, a atitude mais inteligente quando se tem um acidente numa auto-estrada é sair do carro. E sair do carro para quê? Isso, infelizmente, o Daniel não chega a dizer. Será que ele queria o ministro a correr em direcção à vítima para a tentar salvar com os seus conhecimentos clínicos ou ficar a dar-lhe palavras de consolo enquanto não chegasse a ambulância? Para quem não esteve lá e nada sabe das condições no local nem das circunstâncias do atropelamento, o que parece “humanamente miserável” é a calúnia preemptiva que deixa estúpida e sonsamente. O mesmo mecanismo trambiqueiro em relação à problemática da sinalização, situação em que ambas as partes poderão ter razão calhando a sinalização existente não ser a adequada para as reais condições do acidente. É precisamente isso que o inquérito irá apurar, estar já a festejar a culpa do ministro é só reles, soez. Finalmente, repare-se como a pulsão do assassinato de carácter é libertada em toda a sua fétida violência ao se permitir descrever a pessoa na berlinda como sendo falha de “sensibilidade e empatia”. Quem és tu, Daniel, para validares a sensibilidade e empatia daqueles com quem não privas?

A empáfia do “a minha opinião é clara e há muito tempo que acho” não sei quê é marca d’água desta actividade de livre crítica dos poderes que podia ser preciosa para a cidade. Só que, como vemos, a nódoa do ódio chega a quase todos. E quando ele chega, defender a cidade implica denunciá-lo e combatê-lo. O ódio merece o nosso ódio – não os ministros, os governantes, os políticos, os cidadãos, as pessoas, pois eles somos nós.

47 thoughts on “Delenda Cabrita”

  1. Se o Cabrita saísse do carro e não tivesse o colete amarelo envergado, então é que levava ainda mais porrada!

  2. Clara Ferreira Alves, ontem, no Eixo do Mal, afirmou, com tanta veemência como ignorância, que se o advogado do Berardo estava preso era porque era um criminoso. Feito o inquérito e o julgamento, o Juiz Alexandre deve dizer hoje qual a pena a que será cobdenado! Não perder tempo em pornenores….

  3. no caso do zézito : há os carismáticos e os antipáticos repelente , o coitado inclui-se no 2º caso.
    no caso do cabrita: o salazarismo parece ter saído do povo português , mas não dos tipos que escolhe para governantes, que se comportam como se estivessem acima de qualquer cidadão normal.. não estão , estão abaixo , porque estão ao serviço de quem lhes paga ( talvez não percebam qie são assalariados e não patrões, ao contrário do botas , que percebeu bem e nunca pediu aumento de salário )

  4. tanta psicanálise e nem uma linha para dizer que o carro vinha acima do limite de velocidade?
    o que será que tal lapso quer dizer psiquiatricamente?

  5. eu gostei foi da clarinette alves contar aquela estória de ter ido ao escritório do berardo fazer um broche que revertia para a casa fernando pessoa e ter saído escandalizada com o comendador que teve de correr à primeira tasca para beber uma taça de “champagne”. não se chegou a sacar os € 500,00 ao comendador, mas percebi que pagou € 30,00 pela garrafita de magos.

    tão empenhados em dizer mal do berardo esquecem que ele foi accionista da sic e sócio do balsemão, que demitiu da direção do expresso por ter noticiado que o berardo estava a ser investigado por evasão fiscal.

  6. “tanta psicanálise e nem uma linha para dizer que o carro vinha acima do limite de velocidade?”

    e o trabalhador vinha de onde quando saltou o separador central e aterrou na 2ª faixa onde circulava o bmw do cabrita? se calhar tinha ido ao outro lado da estrada ligar a extensão e quando regressou nem se apercebeu que os bmw’s da série 7 passam ali todos a 120 kms à hora e não ouviu o barulho do motor por causa dos auriculares de protecção sonora que fazem parte do equipamento de protecção individual que certamente o trabalhador usava na altura, apesar de ninguém o ter confirmado ou estar interessado nisso.

  7. fui espreitar ao google imagens da a6, entre km 76 e 78, na zona do separador central existem bastantes arbustos (imagens de out 2020) que caso não tenha sido cortados antes do desastre podem ter contribuido para o trabalhador não se aperceber do carro do ministro e o motorista não esperar quem alguém saltasse dos arbustos. recomenda-se que os carros dos ministros passem a ter radar de infravermelhos para detecção de intrusos na vegetação.

  8. Caro Valupi:
    Gabo-te a paciência de leres esse tal “mais importante comentador nacional”(como é que graduas a importância? O homem descobriu alguma coisa? Sabe do que fala? É um “must” em ciência?). ou de veres programas com comentadores que, utilizando a supina ignorância do povo, dizem meia dúzias de tretas em envelope celofane brilhante. O povo, caro Valupi, está nas tascas a ver a CMTV e a ler o respetivo cascalho em papel. Portanto, não te maces com esses tipos e não ligues à vozeria que, isto do Cabrita é um caso que pertence às seguradoras. Sabes se o trabalhador tinha seguro? E contrato de trabalho como deve ser?. E fez muito bem não sair do automóvel. Não tem noções de primeiros socorros e ia atrapalhar os especialistas na matéria. A alarvidade corre sempre mais depressa que a sabedoria.
    Abraço e bom fim-de-semana

  9. Cabrita é sólido, não se assusta, reage e contra ataca em termos demolidores…
    Tenho-me regalado a ver as Comissões de Inquérito onde é chamado para ser espremido. Na relativa a Tancos ,prevista para ter duas partes, ao fim da primeira a oposição retirou desordenadamente, sem perguntas, sem razões, sem vergonha !
    Espero a Comissão de Inquérito sobre este acidente, que fatalmente acontecerá. E presenciar mais uma tareia que a oposição vai encaixar; mas que esta não desanime,porque não há pugilista campeão que não consiga encaixar uma valente tareia !

  10. ” Espero a Comissão de Inquérito sobre este acidente, que fatalmente acontecerá. E presenciar mais uma tareia que a oposição vai encaixar; mas que esta não desanime,porque não há pugilista campeão que não consiga encaixar uma valente tareia ! ”

    o problema não é a comissão de inquérito, isso são 1/2 dúzia de votos, o importante são os votos dos imbecis que vêem os bonecos e lêem as legendas do correio da manhã como essa vaca que vêm aqui todos os dias cagar homílias do xunga e já reza ao facho de stª. comba.

  11. psicanálise do cromo acima : o insulto é a arma dos fracos ( cobardia) : o nunca desistir em confrontos , mesmo só dizendo necedades , é o estilo dos tipos com complexos de inferioridade ( acomplexado ) . e que tal ires à psicoterapia ? ou tomares algum fortificante de carácter ( coca ?) ?

  12. Américo Costa, não disse que era o mais importante mas, indiscutivelmente, um dos mais importantes. Repara que estamos a falar de um número minúsculo de pessoas que conseguem viver de botar faladura e terem poiso nos meios onde se paga mais e se chega a maiores audiências. O Daniel faz parte desse grupo, tendo abandonado a política e o jornalismo para sacar o belo a mandar bitaites.

    Quanto ao povo estar na tasca a ver a CMTV, pois sim. Acho é que essa fica como mais uma razão para dar atenção àqueles de quem ainda se espera que contribuam para o bem comum. O Daniel, apesar do seu endémico sectarismo, é um deles.

  13. Toda a gente deve já ter visto, num ecrã perto de si, aquela emboscada macabra em que o afectivo-mor do reino, ontem, surge com o ministro Cabrita ao lado, cercados ambos por um rebanho ululante e salivante de “jornalistas”. Merdiaticamente instado a pronunciar-se sobre o acidente com o carro do ministro, e depois de debitar duas ou três banalidades, Sua Excremência Afectiva rasteira publicamente Eduardo Cabrita perguntando-lhe se quer aproveitar a “oportunidade” para se pronunciar sobre o assunto, ao que ele responde que não, justificando-se com o facto de estar a decorrer um inquérito. No ‘Jornal das 8’ de ontem da TVI, numa única peça “jornalística” sobre o acidente, essa cena é repetida 5-CINCO-5 vezes, musicada com uma banda sonora de piadolas plastificadas, pretensamente a gozar com a negativa de Cabrita à “oportunidade de defesa” que a generosidade de Sua Excrescência Afectiva lhe oferece. Certamente que a magnífica criatividade evidenciada valerá ao humorista autor da banda sonora uma bela promoção.

  14. Um trabalhador que era suposto estar a trabalhar na berma, à direita das faixas rodagem, aparece subitamente à esquerda, vindo do separador, de costas para o carro que o atropelou, ainda por cima num trecho de curva. Este foi o primeiro testemunho do outro trabalhador, que entretanto mandaram calar.
    Qual o condutor que naquelas circunstâncias conseguiria evitar o acidente?
    A amolgadela no carro do ministro, na parte da frente à esquerda, não deixa dúvidas sobre a localização do trabalhador quando o acidente se produziu.
    O que se diz sobre a alta velocidade do carro do ministro é baseado em quê? Em conjeturas do CM?
    Os trabalhos de reparação da berma estavam sinalizados, veio dizer a Brisa, parte interessada e que será responsabilizada se se provar que não havia sinalização apropriada. Mas como é que estavam sinalizados os trabalhos da berma? Com dois cones atrás da viatura de apoio, na própria berma, como frequentemente se vê nas auto-estradas portuguesas? Havia pré-sinalização dos trabalhos antes do local, aí a uns 100 metros ou mais, contando com a curva? Tudo indica que não, pelo que pude até agora ler.
    Nos merdia, o que há, desde o primeiro minuto, é uma irresistível vontade de praticar o “tiro ao Cabrita”. Tudo serve a essa sub-gente e à canalha da direita que a apoia e a paga.

  15. seguradora de vão-de-escada, apólice feita com folhas de pagamento de remunerações em atraso e contrato de trabalho proforma. tem tudo para dar errado, falência da seguradora, segurança social paga pensão à viúva
    a brisa passa pelos pingos da chuva e a direita reclama a cabeça do ministro.
    https://portaldaqueixa.com/brands/caravela-seguros

  16. Eduardo Cabrita é forte, é sólido.
    A Direita ambiciona destruí-lo, visando António Costa. Não olha a meios.
    A atual campanha é violenta, mas está assente em muitos pés de barro. Se se conseguir explicar tudo o que se passou, mostrando a falsidade das “teses” que por aí andam, o barulho dará em nada.
    Deixei de ver “O eixo do mal” por já não suportar a Clara e, por aquilo que aqui leio, só ganho tempo.
    Concordo com o que é dito sobre o Daniel. Muitas vezes ele está bem, mas fica cego quando opina sobre Costa.
    De resto, a procissão dos críticos de E. Cabrita é infelizmente a imagem da penúria da opinião publicada. Falam no ar, condenam sem provas, falam do que se fala porque não têm outras ideias.

  17. Análises de qualidade misturadas com demagogia tendenciosa. Daniel Oliveira saiu do BE mas o BE nunca saiu dele. Quanto ao chorrilho de notícias a tentar mostrar um Ministro da Administração Interna desumano, com poses de ditador , desadequado enfim uma escolha de um ser desqualificado, não é mais do que a tentativa de minar a confiança dos portugueses no MAI, peça importante nos elencos governamentais e muito mais neste momento , eu não gosto de utilizar a expressão mas não há outra, de pandemia.

  18. Só agora ouvi, num noticiário das 20:00, que o trabalhador atropelado pelo carro do ministro foi projectado a quatro metros. Quatro metros, pá! O carro devia ir a uns 500 ou 600 km/hora, no mínimo!

    Também é engraçado o acriticismo acéfalo da cena merdiática televisiva perante declarações do advogado da família da vítima, multiplicadas até à exaustão, de que o trabalhador envergava colete reflector, como se isso provasse alguma coisa, num sentido ou no outro. Será o colete reflector uma espécie de colete antibalas, mas neste caso à prova de atropelamento? Se, por hipótese (e, neste momento, todas são admissíveis), ele se distraiu, ou escorregou, ou tropeçou, e se colocou inadvertidamente na trajectória do carro, em que é que o colete reflector empurra automaticamente a responsabilidade para cima do automóvel, como parecia ser o sentido das declarações do advogado, que o jornalista engoliu sem ai nem ui?

  19. “Só agora ouvi, num noticiário das 20:00, que o trabalhador atropelado pelo carro do ministro foi projectado a quatro metros. Quatro metros, pá! O carro devia ir a uns 500 ou 600 km/hora, no mínimo!”

    não precisa de vir a 500 à hora, precisa de espaço livre para ser projectado e aparentemente havia uma protecção do separador central que deve ter parado o corpo e um desvio da rota do carro que deve ter passado para a faixa direita. além disso a zona de impacto no carro é de esguelha com se vê nas fotos do carro acidentado. não digas asneiras e aguarda pelas perícias de quem percebe do assumpto.

    “Também é engraçado o acriticismo acéfalo da cena merdiática televisiva perante declarações do advogado da família da vítima, multiplicadas até à exaustão, de que o trabalhador envergava colete reflector, como se isso provasse alguma coisa, num sentido ou no outro. Será o colete reflector uma espécie de colete antibalas, mas neste caso à prova de atropelamento? Se, por hipótese (e, neste momento, todas são admissíveis), ele se distraiu, ou escorregou, ou tropeçou, e se colocou inadvertidamente na trajectória do carro, em que é que o colete reflector empurra automaticamente a responsabilidade para cima do automóvel, como parecia ser o sentido das declarações do advogado, que o jornalista engoliu sem ai nem ui?”

    o colete tamém não é à prova de estúpidos, senão estavas calado. o colete é evocado pelo advogado da família da vítima para justificar que a mesma cumpria as regras de segurança pessoal, não estava a falar da sinalização dos trabalhos. não vi que estivesse a atribuir culpa ao motorista do ministro e não vejo qual é a necessidade de o fazer, é para isso que é obrigatório o seguro de acidentes de trabalho.

    a única coisa que sabes fazer é entubar linques de sucata da federação pascóviana, cada vez que destapas o teclado armado em psicanalista de cenas é para escreveres a tua ignorância sobre a freguesia onde imitas os vivem.

  20. Ai minha braguilha, lá me fodeste mais um botão, pide maricão! Não fosse ser eu a coser os meus próprios botões e quase acreditava que tinhas comissão da costureira cá do bairro!

  21. confundes botões da braguilha com os teus próprios botões de rosa que cozes ao putin.
    sobre as asneiras que escreveste nada… não passa nada

  22. Moi, às 13:15:
    ——————————————————–
    ‘The Putin Interviews, part 3’:

    ?????????????????
    ——————————————————–

    Part 3 omitida porquê? Simples. Quando clico para aceder ao vídeo aparece a seguinte mensagem:

    ——————————————————–
    “Valide a sua idade
    Conclua uma verificação rápida para confirmar que tem idade suficiente para ver este vídeo. Saiba mais.
    AGORA NÃO ————— VALIDAR”
    ——————————————————–

    Que porra tem a ver a idade com uma entrevista a um político?! Acaso se trata de pornografia? Alguém imagina um aviso destes antes de uma entrevista a Joe Biden ou Killary Klingon? Clicando em “AGORA NÃO”, volta à lista de vídeos a que este pertence e o que pretendo ver (Part 3) permanece inacessível. Clicando em “VALIDAR”, aparece outro quadro, encimado pelo logon da Google, que reza assim:

    ——————————————————–
    “Escolha como pretende validar a sua idade.

    [e-mail]

    □ Utilizar um cartão de crédito para validar imediatamente.
    Não será efectuada qualquer cobrança. Qualquer taxa de transacção será totalmente reembolsada.

    □ Utilizar o seu documento de identificação.
    Envie uma imagem de um documento de identificação válido, como a carta de condução ou o passaporte. Podemos demorar até três dias a validar o seu documento de identificação.”
    ——————————————————–

    É claro que, para além do que a sacanagem consegue saber sobre qualquer de nós sem a nossa colaboração, não é o filho da minha mãe que lhes vai oferecer de livre vontade um miligrama mais, daí o não conseguir aceder ao link da Part 3.

    Na lista com as entrevistas de Oliver Stone a Putin aparece também um vídeo com as quatro entrevistas juntas, dobrada em italiano, com um pouco mais de três horas (as parciais têm 50 e tal minutos cada). Quando se tenta aceder, aparece a seguinte mensagem:

    ——————————————————–
    “O seguinte conteúdo foi identificado pela comunidade do You Tube como impróprio ou ofensivo para alguns públicos.
    CANCELAR ————— CONFIRMAR”
    ——————————————————–

    Ou seja, o exercício da liberdade de expressão pelo presidente de um país soberano, um dos mais relevantes a nível mundial, em entrevista a um realizador de cinema mundialmente respeitado e de méritos sobejamente reconhecidos, é rotulado, por focinhos escondidos de lacaios que nenhum de nós conhece ou escolheu como tutor (a “comunidade do You Tube”, seja lá essa merda o que for), como “impróprio ou ofensivo para alguns públicos”. Ora toma que é democrático!

    Portantes, quem acreditar que “os novos donos disto tudo”, como Google, Faecesbook, ToEatYou, ToCheatYou & ToShitYou, etc., não passam de departamentos das Stasis do império e seus vassalos (que em troca não estabelecem qualquer limite aos lucros estratosféricos que auferem e ao poder discricionário que exercem como lhes dá na tola) só pode ser mesmo maluquinho dos cornos. Edward Snowden e outros estão nitidamente a exagerar quando alertam para minudências deste género, pois nada disto pode estar a acontecer nas nossas democráticas sociedades ocidentais, onde a Liberdade e o Estado de Direito imperam e o direito à privacidade e protecção de dados pessoais é sagrado. Ou seja, dizer que há por aí algures, atrás de cardumes de arbustos, uma ou mais bófias a querer que eu lhes diga gratuita e voluntariamente tudo o que querem saber sobre mim (para além do que já sabem sobre qualquer de nós sem se darem sequer ao incómodo de perguntar), apenas porque, exercendo o meu direito à informação, tento aceder a conteúdos que os incomodam, só pode ser mesmo teoria da constipação, mania da perseguição ou subversão de hackers da Moscóvia.

    E agora virá certamente o pide mariconço porcalhatz, verme nojento para quem o que acima descrevo é a sua ideia de paraíso, largar uma série de fartos a provar, para quem tenha dúvidas, que estou coberto de razão. Isto enquanto me fode mais um botão da braguilha, claro.

    P.S. — Para quem quiser ver as quatro entrevistas com mais comodidade e sem bófias a espreitar pelo buraco da fechadura, elas serão retransmitidas no canal TV Cine Edition (posição 56) da Meo a partir de 10 de Julho às 13.30. Muito interessantes, não apenas pelo que diz o entrevistado mas pelo enquadramento de Oliver Stone, que não brinca em serviço. Faz todas as perguntas que devem ser feitas e o outro não se furta a nenhuma. Como já aqui disse antes, não aconselhável a pides ranhosos, dado o risco (que seria uma bênção) de apoplexia, mas tempo bem empregue para almas livres, abertas, interessadas e com espírito crítico.

  23. desculpas… andavas a ver se alguém caía na esparrela de abrir os linques que aqui largas para caçar referências bancárias a tansos e agora desculpas-te com o google e mais os sites que te fornecem essas manhosices. ninguém tá interessado em ver essa merda que divulgas e muito menos ser anzolado pela pirataria que veneras e obedeces.
    colaboras com os gajos e depois queixas-te da falta de liberdade e estado de direito, pensas que somos todos artolas e vamos na tua conversa. azarucho, tás com muita sorte se o carlos alexandre não te for buscar a casa e detiver 3 dias para te perguntar como é que te chamas e mandar-te de volta com uma caução de 5 milhões de entubanços a favor do putinhas.

  24. Camacho :
    Quem ainda hoje lamenta Estalinegrado e Kursk ,aos quais não cabe um feijão com medo das forças da NATO e dos USA, entre os dois fogos, eles optam pela saída por baixo , pelo esoterismo sonso. Abraçam todos a causa do Marques Mendes,do Passos Coelhos e respetivo pelotão de inteligentes…
    Não gastes tempo com tal escória : vão já todos no tapete que abastece o destroçador… ainda cheiram mal, tal como a ratatouille de Clara Ferreira Alves, Sandra Felgueiras.e Joana Amaral Dias…
    Quem quiser que os trinque, nanja eu !!!

  25. Abraham, não é com eles que gasto aqui o meu tempo, é a pensar em pessoas como tu, o Lucas, o Vieira, a Maria e alguns outros. Se, paralelamente, me dá algum gozo vê-los rabiar e aproveito para lhes dar umas pauladas, é apenas bónus. Repara na raiva impotente do capado que te antecedeu, a morder a cauda numa roda-viva de cada vez que se apercebe de que a missão que se propôs, levar-me à desistência, não tem qualquer hipótese de sucesso. “Ninguém tá interessado em ver essa merda que divulgas”, diz o idiota. Bueno, ao que parece ninguém excepto ele, que bebe até à última gota tudo o que aqui despejo, apesar da azia crónica que a bebida lhe provoca. O tempo que o atrasado mental perde com o que digo, enquanto guincha que nem um possesso que o que digo não interessa nada, é absolutamente ridículo. E é tão estúpido que nem se apercebe disso. Agora até me ameaça com o supercoiso xanax! O supercoiso, ainda por cima! Prisão por delito de opinião, repara bem, isto escrito por um filho da puta que anda por aqui há anos a fingir que é “de esquerda”.

  26. Porco! Filho da puta! Pide ranhoso! Bully mariconço! Um dia destes terei a oportunidade de te fazer o que, há uma carrada de anos, fiz a outro pide, esse até descaradamente assumido e julgando-se por isso protegido.

  27. Uma sugestão: evita os métodos cobardes do pide ranhoso, não abonam nada a favor de ninguém.

  28. “Abraham, não é com eles que gasto aqui o meu tempo, é a pensar em pessoas como tu, o Lucas, o Vieira, a Maria e alguns outros.”

    ingrato do caraças, tudo fãs que eu te arranjei e alguns já desbarataste com traições e puxões de orelhas como fizeste ao lucas e ao vieira. a maria não sei quem é e o “alguns outros” deve ser a vaca do chega, que nem lata tens para escrever o nome.

    “Se, paralelamente, me dá algum gozo vê-los rabiar e aproveito para lhes dar umas pauladas, é apenas bónus.”

    vê-los, a quem? só se forem os teus amigos de conveniência, que mandas foder quando se metem em conversas complicadas.

    “Repara na raiva impotente do capado que te antecedeu, a morder a cauda numa roda-viva de cada vez que se apercebe de que a missão que se propôs, levar-me à desistência, não tem qualquer hipótese de sucesso.”

    eh pá, não desistas! depois gozo com quem

    “Ninguém tá interessado em ver essa merda que divulgas”, diz o idiota. Bueno, ao que parece ninguém excepto ele, que bebe até à última gota tudo o que aqui despejo, apesar da azia crónica que a bebida lhe provoca. O tempo que o atrasado mental perde com o que digo, enquanto guincha que nem um possesso que o que digo não interessa nada, é absolutamente ridículo.”

    é conferir o numero de comentários, somar os caracteres e comparar o que eu escrevo sobre ti e a merda que tu fabricas. tens dias que nem dormes só para pensar o hás de escrever, ver hora dos comentários.

    “E é tão estúpido que nem se apercebe disso. Agora até me ameaça com o supercoiso xanax! O supercoiso, ainda por cima! Prisão por delito de opinião, repara bem, isto escrito por um filho da puta que anda por aqui há anos a fingir que é “de esquerda”.”

    estúpido é declarares que os linques que aqui botastes eram pirataria informática, mas que estava tudo bem porque já os tinhas substituído por outra cena ou seja colocas em risco a segurança informática de quem confia em ti e depois dizes para abrirem mais snowdenadas sobre assangices. não é prisão por delito de opinião, é um de 5 litros por pirataria informática.

    “Um dia destes terei a oportunidade de te fazer o que, há uma carrada de anos, fiz a outro pide, esse até descaradamente assumido e julgando-se por isso protegido.”

    deves ter preenchido uma ficha de inscrição a pedir emprego. é procurar por: joaquim camacho, arquivo da pide , torre do tombo, pode ser que ainda lá esteja. fanfarronice e basófia q.b.

    “Ó pide ranhoso, não pensas que eu vou abrir um link teu, pois não?”

    podes abrir à vontade que não são 5g e não transmitem covid

  29. ahahahah a vaca faz um broche ao c’macho lusitano e o gajo queixa-se do halazon

  30. Porco! Acorda, cabrão! Estou a pensar em despejar por aqui qualquer coisinha não tarda nada nadinha, não quero que te falte nada! Prepara a caneta para a contabilização dos horários, pide mariconço! E vê lá não te enganes nos registos, ou o patrão superrebeubéu nem o osso de frango do mês passado te deixa roer!

  31. é manifestamente pungente ver os esforços desesperados que o rafeiro alentejano faz para se reunir à matilha, que o escorraça sempre e sempre, desta vez foi a pretexto da morte de um trabalhador, noutra ocasião recente, já tinha tentado esconder-se debaixo das saias de Valupi.
    Este lambecuzista, que aspira-a-ser, vem à longos ânus aqui debitar asneirame, seja a propósito do Sócrates, seja de magistrados, seja do que fôr, havendo oportunidade de pôr em funcionamento a destilaria de veneno, cá está ele . Aspira a ser macho-alfa aqui do sítio.
    Com aquela “escrita de caserna” que é a unica que pratica e sabe, claro que só pode suscitar reprovação e escárnio.
    Felizmente que já levou o correctivo devido .
    Se fosse, – mas não é – um comunista decente, limitar-se-ia a dizer unicamente, isto :
    NÃO DEVEM DECORRER OBRAS EM AUTO-ESTRADAS, COM O TRÂNSITO EM PLENO FUNCIONAMENTO, PORQUE PODEM PÔR EM PERIGO A VIDA DOS TRABALHADORES .

    Assinado : D. Pedro Tinto

  32. Acorda, pide ranhoso! Fiz mais um depósito fora de horas. Vê se registas bem horas e minutos, ou não tens osso de frango para roer. É certo que podes sempre optar pela quinta perna do boi, bastante mais nutritiva, mas claro que é alternativa arriscada, tens de apanhar o charolês a dormir e se o gajo acorda enquanto estás a hidratar-te acabas empalado à maneira, bacorinho.

  33. Expansivo e autêntico na sua eterna adolescência, o nosso aljustrelense revela as fantasias privadas da sua sexualidade.
    Como bom anti-imperalista que é, camacho não sente fascínio algum pelas coelhinhas alienantes da Playboy, mas pelos objetos de desejo do seu coração dissidente: Stef Zamorano, Jimmy Dore, Edward Sowden, Julien Assange, Max Blumenthal, Ben Norton e, acima de todos, Vladimir Putin.
    É Putin que enche as medidas de camacho, sonhando este a fantasia tórrida duma união íntima feita de abraços viris, de coxa contra coxa, de beijos proibidos. Por isso, camacho vive em permanência com a braguilha aberta como a cratera do Vesúvio em ebulição. Vesúvio que apazigua de quando em vez, ao sabor dos derrames molhados do seu homoerotismo.

  34. Proponho que os carros oficiais, da Presidência da Republica, e do Governo, passem a ter no banco de trás um monitor que reproduza a informação da velocidade da viatura. Esse monitor deverá ter um sistema que obriga o passageiro a consultá-lo de 2 em dois minutos para que o passageiro não vá todo o caminho a ler o jornal. O sistema contabilizaria as vezes que o passageiro se distraiu e a que horas. Tal qual o sistema que existe para os maquinistas da CP. Este monitor com o sistema de consulta seriam apropriadamente chamados Sistema Cabrita. Por outro lado devia ser aprovado que o passageiro antes de utilizar um carro oficial, devia pessoalmente munir-se de registo de propriedade do veiculo, documento comprovativo do pagamento do seguro e fazer uma fotocópia da carta de condução do motorista. Também deveria ser aprovada legislação na qual a responsabilidade por qualquer acidente com carro oficial, passaria a ser do passageiro, e não do condutor como infelizmente agora acontece.
    Esta modesta contribuição técnica penso eu, contribuirá para simplificar futuras ocorrências do mesmo género

  35. arquijardim é de fátima, trabalha para a brisa, contrata à tarefa e já fez parte do grupo lena.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.