De Portugal para a América: o caso para um segundo debate entre Kamala e Mike

Fazemos raciocínios motivados. A memória, automaticamente, selecciona a informação que nos confirma a motivação inicial. Protegemos, por vezes correndo risco de vida, uma identidade que nos pareça coerente ou importante para aqueles que nos são importantes. Donde, num debate, de qualquer tipo e sobre qualquer assunto ou assuntos, os vencedores no final tendem a ser os mesmos que já eram vencedores no início.

Por exemplo, para mim Kamala Harris transmitiu honestidade intelectual, genuína empatia, humanismo cidadão, entusiasmo democrata e capacidade de liderança. Enquanto em Mike Pence vi desonestidade intelectual, hipocrisia política, cinismo de Estado, profissionalismo sectário e mediocridade como líder. Estou a ser objectivo? Sim mas apenas para a minha motivação. É um maniqueísmo indulgente, para gasto imediato, posto que nada mais está em causa – para mim, agora – do que o espectáculo.

Kamala tinha o ónus de ser mulher, negra e desconhecida da enorme maioria do eleitorado. Mike tinha a vantagem de ser homem, irresponsável e artista evangélico. A fazermos fé nas sondagens da CNN quanto à aceitação de Kamala como eventual futura presidente dos EUA, a inevitável conclusão é a de que estamos perante um histórico triunfo para si e para os democratas.

Com a América nas mãos de um louco febril encharcado de esteróides, num ano louco com o Mundo mergulhado numa pandemia, daqui de Portugal faço um pedido maluco que espero chegue a quem de direito: que se troque um dos dois restantes debates presidenciais entre Trump e Biden por um inaudito segundo debate entre Pence e Harris. Assistiríamos em directo ao começo do fim do pesadelo da trampa.

8 thoughts on “De Portugal para a América: o caso para um segundo debate entre Kamala e Mike”

  1. Portugal deve primeiro que tudo preocupar-se com a sua nação, mais especificamente com a sua “soberania”, pois só assim, começaremos a construir um futuro honesto e decente para todos os humanos que vivem na nossa linda Gália. Os usa, a china e a rússia, são longe, logo eles que e orientem, vocês caros portugueses devem começar a abrir a pestana e a lutar pelos vossos direitos, já que os deveres são sempre para o estado comilão e “sabichão” (lol). Era uma vez uma pátria que já foi um império, quem sabe volte a ser, mas para isso não é preciso guito mas sim alma e paixão em ser-se lusitano, ou quem sabe nos juntemos a Espanha, a África e às Arábias para assim sermos livres dos boches e outros tais que !”mandam” na europa através dos kid0s yankees :P:D (esqueci-me, começamos como p0rc0s (PIGS = P0rtugal+Itália+Grécia+Spain) e dep0is juntamos-n0s aos nossos irmãos african0s e muçuluman0s (só os moderados, please l0l )…

  2. a Kamala é filha de indiana e jamaicano : é negra porque ? porque o homem tem prioridade sobre a mulher ? a ascendência negra tem direito a discriminação positiva ? é que a fisionomia é toda mãe indiana, negra é que não parece.

  3. yo, é negra no sentido de “ter cor” e essa cor não ser “amarela”. Dos caucasianos, em sociedades originariamente caucasianas, não se diz dos brancos que “têm cor”, diz-se de todos os outros que sejam diferentes por serem “coloridos”.

  4. Daniel,
    A sigla PIGS, gizada nos meios bolsistas e financeiros internacionais, empenhados em atacar e explorar a vulnerabilidade político-financeira da zona euro – e creio que terá sido em concreto criada na City of London, quiçá por algum jovem wannabe indiano – racismo aparte – tinha dois “ii”, sendo portanto PIIGS ( Portugal, Ireland, Italy, Greece and Spain ).
    E de facto, foram atingidos – de forma mais grave – três paises, por esta ordem, Grécia, Irlanda, e Portugal .
    Lembro-me perfeitamente de, José Sócrates, ter afirmado na TV : “Ha! Mais isto fica por aqui!”.
    Foi na altura em que os juros dos empréstimos estavam a subir de forma insuportável, um pouco antes do pedido de ajuda externa .
    E de facto, ficou “por aqui” .
    Os dois “senhores que se seguiam”, Espanha e Italia, já tiveram ajuda externa encapotada – na Espanha foi sob a forma de empréstimos para consertar a banca, e na Itália, nem sei bem como se processou a ajuda . Ambos os países tinham peso político para terem sido tratados de forma diferentes dos três que os antecederam .
    Acresce que, no caso de Portugal, parte do dinheiro do empréstimo externo, destinado exclusivamente a acorrer a dificuldades da banca nacional, foi utilizado por vários bancos para porem a casa em ordem . De seguida, por imposição de Bruxelas, foram entregues ao desbarato a mãos estrangeiras – e no caso de Espanha beneficiou duplamente de empréstimos para consertar a banca porque o Santander recebeu o Banif, o Popular e mais não sei quê . O BPI também já é propriedade de espanhois .
    Quanto ao debate televisivo, a limitação temporal, impossibilita o objectivo dos debates, em especial quando um dos intervenientes faz perder tempo utilizando táticas de assacar à oponente, factos que não são verdadeiros . Como por exemplo dizer que os democratas nao defendem a lei e a ordem . Claro que defendem, mas isso nada tem a ver com o modo de actuação de alguns polícias, veja-se o caso de George Floyd . Isso, os democratas não defendem, e creio que muitíssimos republicanos, também não. Mas a desonestidade e o maquiavelismo político ditam que alguns distorçam a questão e proclamem que, ao condenar o polícia anormal que torurou e asfixiou uma pessoa algemada e totalmente controlada, completamente indefesa, também se está a condenar a corporação policial como um todo, e a não defender o principio da lei e da ordem .
    O dilema é que, quando se perde tempo a contestar essas atoardas, já não se tem tempo para apresentar os projectos políticos concretos .
    Essas tácticas de canalhas e bastardos – chamos-lhes assim para não lhes chamar filhos da puta – corroem a essência do debate democrático.
    E no caso, o beato Pence, usou e abusou .

  5. Caro Daniel:
    Que desejos são esses de dar conselhos ? Que deuses lhe confiam essas profecias,essa “História do Futuro” copiada (?) pela do Padre António Vieira ?
    Relaxe, chá de cidreira e moscatel de Favaios; esta vida são dois dias e aí vem o pôr-do-Sol deste.
    Quem tem medo compra um cão e se a coisa azedar façamos por não ir embora sózinhos,morra um homem e fique a fama,como dizem “Os Lusíadas”.

  6. Em verdade vos digo que um aldrabão é um aldrabão é um aldrabão. E em verdade vos acrescento que dois aldrabões são dois aldrabões são dois aldrabões.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.