De facto, é melhor continuar em passeio algures pelo fundo dos oceanos

Temos então o CDS-PP preocupado com o Estado social?

Sempre esteve! Há uma grande diferença entre um partido democrata-cristão e, se quiser, nessa matéria, um partido puramente liberal. A esquerda passou o Verão a falar no Estado social e neste Orçamento dá-lhe uma machadada que devia envergonhar o engenheiro Sócrates. Eu já o disse uma vez e repito-o: o engenheiro Sócrates prepara-se para tirar o abono de família a pessoas com 629 euros de rendimento. O abono de família foi criado em 1942 e até o dr. Salazar o pagava, veja bem onde chegámos! Há 750 mil pessoas que têm para viver todos os meses 240 euros ou menos – são os pensionistas. Foram congeladas essas pensões a eito! A única coisa inevitável é reduzir a despesa pública – como reduzir a despesa pública, aí é que há diferenças entre nós!

Vai fazer essa discussão na especialidade?

Com certeza! Uma coisa de que as pessoas podem ter a certeza absoluta: o CDS não agravará um cêntimo o défice!

E vai cortar onde? Já não pode cortar nos submarinos.

Posso cortar em inúmeros sítios, como vamos demonstrar. Vamos fazer propostas selectivas e as nossas três preocupações, por exemplo na área social, são: o IVA das instituições sociais para obras sociais, creches, lares, etc. Bom, isso vai a caminho… Apesar de tudo, o Governo começou a ceder – o CDS fez bem em levantar a questão. Permitir que as pensões mínimas, rurais e sociais, que são pensões de 246 euros, de 230 e de 189, não fiquem congeladas, tenham pelo menos uma actualização com a inflação, e a questão do abono de família pelo menos no quarto escalão, ou seja, de famílias de rendimentos baixos e modestos. O CDS identificou 14 rubricas em que, com esforço, profissionalismo e rigor, é possível reduzir a despesa. Dou-lhe um pequeno exemplo que toda a gente entende: o Estado prepara-se para gastar 47 milhões de euros em publicidade, que muitas vezes é propaganda. Prepara-se para gastar 33 milhões de euros em eventos e seminários e continua a ter uma despesa, apesar do esforço que já foi feito, consideravelmente alta em estadas e deslocações. Basta tocar nestas três rubricas e não precisa de congelar pensões mínimas, sociais ou rurais. Queria era que ficasse claro isto!

Portas, Novembro de 2010

2 thoughts on “De facto, é melhor continuar em passeio algures pelo fundo dos oceanos”

  1. Se dúvidas havia acerca do carácter ( ou melhor, falta dele) do paulinho das feiras,acabamos de ficar esclarecidos.
    E já agora, ” Dr Salazar”?! Mas quem é que no seu perfeito juizo ainda trata , nos dias de hoje, essa aventesma que desgraçou Portugal durante décadas pelo seu titulo académico?!
    Só quem ainda admira a personagem. Alguém com igual estupidez e bacoca visão de Portugal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.