Da natureza humana

Se Mota Amaral surpreendeu muitos com a dignificante proibição de utilizar escutas para fazer política, terá calado fundo em quase todos com a invocação da sua experiência com a PIDE.

Em quase todos, mas não naqueles que o censuram. Seus colegas de partido. Parlamentares e presidente do partido. Políticos que conspurcam a política.

Pedro Mexia, correndo o risco de ser vítima dos fanáticos, partilha também a sua experiência e termina com uma citação definitiva a respeito deste péssimo momento da democracia portuguesa.

2 thoughts on “Da natureza humana”

  1. isto é assim…

    há gentes

    que tem duvidas, pensam, contrapõem, propõem, decidem…

    há moluscos

    que vivem presos seus umbigos
    dependem do grau de intrigas conseguirem construir minuto…

    as escutas
    tal como hoje as vivemos

    são alimento destes impotentes perigosos…

    por isso
    luta continua
    sempre, com “MAmarais e PMexias”
    e nunca, com “PPereiras”

    aqueles,
    somos nós todos, que temos uma ideia e uma cultura de Portugal e democracia

    estes,
    são os bufos de má memória para todo o sempre
    enquanto esta a houver…

  2. Pois… O impulso que leva os homens a pretenderem a sabedoria é do mesmo género do impulso que os desvia para o erro, a falsificação ou o disparate…

    Seria bom que, em vez de impulse, se usasse uma fragrância acentuadamente ética. Digo eu…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.