Curiosidades do reino da estupidez

Uma das mais desvairadas e hilariantes provas de estupidez, nestes tão interessantes tempos, vem daqueles que reclamam ter Ferreira Leite previsto o actual problema que envolve a Grécia num mecanismo especulativo internacional em tudo igual à dinâmica da crise do petróleo em 2007 e 2008. Neste caso do crude, qualquer bater de asas na Nigéria fazia acontecer uma tempestade em Nova Iorque e Londres. Foram dadas todas as explicações possíveis para introduzir racionalidade no que se passava, apenas para se chegar a Julho e, ainda sem explicação, o preço do petróleo começar a descer. Em Junho, muito cromo da TV afiançava que no final do ano estaríamos com o barril a 250 dólares. Em Dezembro e Janeiro, em grande parte por causa da hecatombe financeira mundial, os preços estavam em mínimos inimagináveis no pico da crise. Não é só o amor, a economia também é fodida.

Mas voltemos à Manela, essa presciente maga do deve e haver. Para além de ter revelado a verdade acerca da maior crise internacional dos últimos 80 anos – apenas um abalozinho, como bondosamente informou – ficaram marcadas a ferro e fogo na memória as suas afirmações em Aveiro, local escolhido a preceito para anunciar que o seu telemóvel podia estar a ser escutado. E foi isto que ela disse:

Tenho tanto medo de ter o telemóvel sob escuta que até já comecei a falar em grego quando me ligam. Claro que eu não sei nada de grego, mas pelo menos o Governo não fica a saber o que eu penso.

Como traduziu o Pacheco Pereira, dias depois destas declarações, a Manela estava a profetizar em Maio de 2009 a crise grega de Janeiro de 2010. Uma crise causada pela vitória de Sócrates e inevitável abalo de confiança nas agências de rating que tinham de começar por algum lado. Calhou começarem pela Grécia por mero acaso, pois tinham ido até Mykonos para um congresso.

E prontos. O resto é História. Todos nos recordamos vivamente que Ferreira Leite passou a campanha a falar dos CDS para aqui, os CDS para acolá, que até seria giro fazer uma coligação com os CDS. E quando se saiu com aquela observação prenhe de sensatez e audácia – Eu não quero saber se a situação de Portugal é igual à da Grécia ou não. A verdade é que as agências de rating acham que é. -, o eleitorado ficou bem ciente do que estava realmente em causa. Depois, o tal azar, aquilo do PS ter vencido as eleições, foi magnificamente ilustrado por um dos nossos maiores, o Seven-Up dantesco:

É bem feito. O país votou nessa cambada. O país prefere a porcaria. Já está formatado para viver nela e com ela.
Sirvam-se. Ponham-se a jeito. Besuntem-se.

10 thoughts on “Curiosidades do reino da estupidez”

  1. daaaaaaaa
    o psd não governa vai pra 15 anos. não põe nem dispõe , só cacareja. mas tu pensas que somos parvos ou quê?
    Cacaraejos dum lado , acções de outro. quem pensas que a gente culpabiliza mais? é que palavras leva-as o vento.
    más escolhas , caganças de pessoas com complexo de inferioridade , gramamos todos.
    podes fazer o pino , mas o ps , mailo seu menino de oiro, é que levou o país à bancarrota.
    e toda a gente sabe.
    a manela ? fait divers da oposição que não manda à décadas , pá. e pena , se ela é pre ciente não lhe terem feito caso nenhum. partidorite é assim , dá cabo do corpo mais saudável. será que as farmaceuticas , que encontram cura para tudo , mesmo para o que não é doença , não podem dar uma mão?

  2. mf, tens toda a razão, não se pode chamar governar àquilo que Durão Barroso, Santana Lopes e Paulo Portas, com a preciosa colaboração de Ferreira Leite, fizeram naqueles 3 anos, que só não foram mais por manifesta incompetência, facto que, felizmente, muita gente ainda não esqueceu. Mas, pronto, passamos uma esponja no assunto e fingimos que não aconteceu. O Paulo Portas agradece. O homem tem solução para tudo, ouvi-o, numa televisão qualquer, entusiasmadíssimo, revelar que tem solução para acabar com as listas de espera nos hospitais. Uma ideia infalível, barata, do melhor, que o Governo não tem outra alternativa que não seja pô-la em prática, mas a ideia é dele, ouviram bem? É dele. Ora, quem o ouve fica a pensar que temos ali um político como deve ser, preocupado com os verdadeiros problemas do País, que só é pena não estar no Poder, em vez dos malandros que lá estão. Só há um problemazinho é que ainda há quem se lembre que acabar com as tais listas de espera era uma das prioridades do Governo de Durão Barroso e de Paulo Portas e que as mesmas não acabaram e que o prestável Dr. Portas, na altura, por azar, estava muito mais preocupado com negócios de milhões, como o dos famosos submarinos, por exemplo. Mas, claro, o melhor é dizer que quem levou o País à bancarrota foi o PS, sozinho. O negócio dos submarinos são uns trocos, assim como as tranferências para a Madeira, não tem qualquer impacto no défice. Se tivesse a Dra. Ferreira Leite com certeza não o tinha permitido…

  3. Ó Guida não esquecer que também foi o PS, sozinho pois está claro, que provocou a actual crise mundial, a pior dos últimos 80 anos, o tal abalozinho nas sábias e doutas palaras de MFL! Ainda hoje a malta do Lehman Brothers, os Islandeses, a AIG não perdoou o Sócrates!

  4. Nuno, e os gregos? Esses então não têm dúvidas nenhumas acerca do responsável pela crise deles. Veja-se o nome ‘Sócrates’. Há algum nome mais grego do que este? Isto anda tudo ligado. :)

  5. Como disse Mário Crespo: “De facto, como é que não se pode deixar de reverenciar, admirar, louvar, esse Primeiro-ministro genial, o melhor desde o 25 de Abril, que nos leva no caminho do progresso e do radiante porvir? Só por doença mental.”
    Então eu, confesso, sou doida varrida. Ainda bem.

  6. Nós quem, Ibn? A si nunca o vi defender as ideias de ninguém, deduzo que é bem capaz de se ver grego para aturar qualquer um que ocupe aquele lugar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.