Crise neuronal

Das inanidades que a inane direita reuniu para lidar com mais um daqueles momentos em que fica a ver passar a História, nada foi mais bronco do que se terem lembrado de protestar contra a conquista de um direito, que dignifica Portugal, alegando que essa aprovação iria desviar recursos do combate ao desemprego.

Desta crise neuronal, esta direita nunca irá recuperar.

13 thoughts on “Crise neuronal”

  1. Parabéns José Socrates, pela coragem, determinação e lucidez. Não vi televisão só sei das coisas por ler as notícias, e por ter passado em Santos e ter visto um enorme arco-íris de S. Bento ao Cais do Sodré. Não preciso de dizer que mereceste em grande o meu voto.

    Luís Miguel, querido amigo, imagino que estarias contente. Aliás, imagino que estejas contente algures, já que temos infinitos infinitos para brincar. E sim, ainda hoje me sai a pedra da pele.

    De novo o encontro onde as linguagens abrem umas sobre as outras, o rapaz. Da árvore encarnada, meio dentro da memória, apenas a folhagem salta pelos olhos e se espalha pelo rosto, o que me põe a braços com as palavras. As raízes entram-lhe pelo sangue, abrem-lhe internos focos de paixão, não tarda que penetrem pela terra a cujos intestinos vão buscar com que saciar-lhe os olhos – as visões ascendem tumultuosamente, como seiva a ferver, creio que por vezes trazem pedra misturada. Lembro-me de o ver assim, todo ele tomado pela força da folhagem.
    Luís Miguel Nava

  2. estavas lá então? eu só passei de raspão mas já tinha tudo desandado, excepto o arco-íris. Fui a caminhar longamente com ele de frente. Também acho que o meu subconsciente fez de propósito, apetecia-me estar só com pensamentos. Os meus créditos solares devem andar em baixo que o Sol desandou e Alqueva ainda transborda mas vai aí música,

  3. &,

    JÁ VI! Sim, o Avatar é especial. Soa a uma história vivida aqui no planeta terra, mas com um final diferente. Mas que estou para aqui a dizer? A história ainda decorre, vamos lá ver quem ganha :)

  4. Não, não estava lá. Mas pensei que estivesses e como há sempre panos do arco-irís nestas alturas. Claro que sou uma megalómana e imaginei logo que podia ser assim tão grande…

    Eu vi o mesmo arco-íris a começar numa ponta da ponte Vasco da Gama e a acabar na outra :)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.