Costa, estadista ou excursionista?

Na entrevista de António Costa desta quarta-feira, na TVI24, a última pergunta foi algo como “Consigo vai regressar a tralha socrática?“. Paulo Magalhães chegou ao ponto de embrulhar o momento num manto de seda, carimbando a pergunta como sendo “provocatória”. Com isso estava a querer mostrar que a entendia – e queria que Costa disso se aproveitasse – como elemento da retórica de baixa política usada por Seguro.

Não foi oferta que Costa tivesse aceitado, pois de imediato revelou o desconforto, mesmo insegurança, que o tema lhe provoca. E saiu-se com algo como “A actual direcção errou ao fingir que o passado não existe. O PS é todo o seu passado, com o que tem de bom e o que tem de mau. Os erros que se cometeram são para serem assumidos.” e etc. e tal. À superfície, estamos perante a expressão de uma posição de mero bom senso, com a qual qualquer um se pode relacionar vendo nela racionalidade e bondade. Mas no fundo do que ficou dito, pela enésima vez, estamos confrontados por uma gravíssima disfunção do candidato a primeiro-ministro.

Costa não controla o que os outros dizem, restando-nos a esperança de que controle o que diz. Se resolve botar faladura sobre a canalha matéria dos “socráticos” tem de se decidir: ou aborda a questão como estadista ou como excursionista. Nesta última opção, pode falar em “erros”, “falhas” e até “maldades” sem justificar a ponta de um corno. Está tudo bem porque é tudo derrisório, como assinalou o jornalista, o que significa que é tudo irrisório, é conversa de merda. Como estadista as regras são outras, sendo a primeira a da responsabilização. Quando Seguro e os seus dizem que elementos não identificados dos Governos e direcções partidárias liderados por Sócrates desviaram dinheiro público para bolsos privados, práticas que o actual secretário-geral do Partido Socialista (!!!) associa ao “partido invisível dos negócios e interesses”, esta é uma calúnia até prova em contrário. Calúnia agravada por estar a ser usada como arma política contra camaradas seus e no âmbito de uma disputa interna. Não há, então, qualquer consequência dessa violência? Será um acto lícito, seja à luz do Estado de direito ou da moral cívica? Também no PS vale tudo, como o PSD e o CDS consagraram a partir de 2008? É neste tipo de pulhices, onde se acusa sem prova só para efeitos de assassinato de carácter, que a comunidade se encontra com o melhor de si própria?

A desconcertante e infeliz conclusão é a de que Costa comunga da axiologia difamatória usada por Seguro, pois admite haver uma parte “má” que se deve carregar como penitência por amor aos nossos e critica-o por não ter feito esse sacrifício. Mas de que se fala? De quem se fala? Quem fez o quê? E quem são os socráticos, afinal? É o Campos e Cunha? O Freitas do Amaral? O Francisco Assis? O Carlos Zorrinho? O Alberto Martins? É que toda essa malandragem, e dezenas ou centenas doutros, andou ao serviço do diabo.

A postura de Costa, ficou nesta entrevista clarificado, é paternalista. Ele está a transmitir ao eleitorado que não é um socrático, seres algo peçonhentos, mas que muito pior do que ser-se socrático é não se ser defensor do partido. E o partido, qual família, para o bem e para o mal, tem de perdoar aos seus e tirar daí lições para que os erros não se repitam. Portanto, com ele, esses erros são passado – e não tentar escondê-los será a forma mais rápida de os levar a ficarem esquecidos. Esse pormenor, coisa de nada, do Seguro à solta fora da gaiola ter muito claramente replicado o argumentário das campanhas negras ainda hoje usadas contra Sócrates e contra o PS é olimpicamente ignorado pelo pater familias que julga poder varrer para debaixo do tapete uma cisão sem possibilidade alguma de reconciliação sob pena de o PS se transformar num circo grotesco.

Resta-me a consolação de imaginar que num universo paralelo há um António Costa a responder a um Paulo Magalhães paralelo o seguinte: “Não sei o que a expressão “tralha socrática” quer dizer, mas tenho reparado que sai invariavelmente de cabeças a quem os portugueses não devem nada. Bem pelo contrário.

43 thoughts on “Costa, estadista ou excursionista?”

  1. A saga valupiana de lupa em riste para descobrir “indícios” que fundamentem a inclusão de Costa no preconceito valupinista, continua.

    Costa disse,
    “O PS é todo o seu passado, com o que tem de bom e o que tem de mau. Os erros que se cometeram são para serem assumidos”

    E Valupi conclui que tratando-se, à superfície, de uma questão de bom senso, lá no fundo, trata-se de uma gravíssima disfunção.
    O bom senso com fundo (qual fundo, qual a profundeza do fundo?) de gravíssima disfunção.
    Delirante, Valupi.

    Contudo o próprio Sócrates, como visto na tv, já afirmou ter cometido alguns erros e eu acho que um deles e o maior foi, no final do discurso do 25A do cavaco, quando chegou atrasado para o cumprimentar, não ter justificado o atraso por ter estado a redigir a nota de demissão que lhe entregava naquele momento perante as câmaras de tv e o país.
    Mas também, talvez acertadamente, o bom senso imperou nesse momento.

    O que subjaz, desta perseguição aos pormenores das declarações de Costa para o confrontar com ele ser ou não ser tão socratista como Valupi exige que ele seja, é uma tentativa doentia de identificar Costa como “o mesmo” que seguro, ou pelo menos, que a maior parte da matéria de que são feitos é comum aos dois.

    ignatz, tens toda razão:
    “porquê tantas perguntas parvas, Valupi?
    que ser

  2. José Neves, terias muita razão na critica contundente à apreciação feita pelo Valup às palavras de Costa, se fosse verdade que os “erros do PS” de que falam a direita e Seguro fossem os mesmos “erros do passado do PS” a que se estará a referir Costa. O que o Val sugere e afirma ‘e que o Costa sabe dessa abissal diferença e deixa passar “numa boa”, em vez de confrontar o jornalista e a opinião pública com a verdade dos factos. Esta estratégia de descolagem de Sócrates pode bem ser vir a traduzir-se em próximo e definitivo falhanço do PS, com Costa vencedor das primárias. O que Costa deveria ter tido coragem para dizer ‘e que o caminho que o governo do PS traçara e estava a seguir era o correcto, apesar de algumas falhas marginais, e só a crise financeira e das dívidas soberanas interrompeu. E interrompeu por culpa da cegueira da Alemanha e da filhadaputice de toda a oposição interna, desde o BE ao CDS, com a bênção do Cavaco. Costa tem medo desta verdade?

  3. Tal como no BES, passou a haver um PS bom e um PS mau. A qual pertenço eu? Inscrevi-me para votar em Costa, mas começo a pensar que o melhor é ficar em casa.

  4. O Valupi e a Maria Abril é que têm razão. O Costa devia ter provocado o palerma do jornalista em duelo e devia sistematicamente apresentar-se como o campeão paladino do impoluto Socrates, não deixando passar nada que sugira, mesmo de forma indirecta, que algum erro pode alguma vez ter sido cometido por Cristo-Socrates ou na vigência dos seus Santos Governos.

    Isto valer-lhe-ia muito mais do que manter-se no nevoeiro. Alias, voltemos às bases, dom Sebastião VOLTARA numa manhã de nevoeiro, é certo, mas ele mesmo não é nevoeiro, muito pelo contrario, é luz eterna, incandescente, sem qualquer macula. Portanto o Costa devia assumir-se claramente como evangelista do Cordeiro e assim, facilmente ganharia o PS, mas também as legislativas e o mundo…

    Não percebo como é que ha pessoas que não vêem isto. Alias, com imensa magoa minha, vejo que o proprio Santissimo às vezes descai-se e admite a possibilidade de ter errado no passado. Como pode ser isto ?!? Deviamos mata-lo e apresenta-lo na cruz como cabeça de lista. Assim é que era !

    Boas&Larga o vinho

  5. é só crânios a discutir o sexo do pentelho. o que está em jogo é costa ou seguro, os votos que darão a vitória a um ou a outro e quem não entende isto anda a comer merda às colheres. a pergunta da tralha socrática foi metida no minuto final, exactamente para não ter resposta, mas se tivesse sido feita no princípio o resultado seria o mesmo, porque a respesta a isso anda a ser dada à bués e ninguém está interessado em ouvir. o espectador quer sangue & escândalos e a comunicação social vive do share, daí que os paulos magalhães, aparentemente burros, puxem a carroça para a autoestrada do sensacionalismo. solução: fazer jogo aparente tirando dividendos ou desistir. aposto que o costa se divertiu e ainda gozou o prato, tendo perguntado ao gajo várias vezes se não o voltava a convidar para mais entrevistas. quanto às paranóias valupianas, acho que é um direito e uma conquista do 25abril que já deveria ter um monumento em pedra de guimarães onde os adeptos pudessem bater-com-a-cabeça-no-muro e exorcizar a pureza moral que os possui desde que tropeçaram na democracia.

  6. a “provocaçao” de paulo magalhaes,sobre a tralha socratica,era para ter outra resposta de antonio costa. nas primarias vai ser um “tralha” que as vai ganhar, depois, vamos ver no parlamento, o seguro novamente na sexta fila a fazer oposiçao ao ps e os tralhistas socraticos com tres anos de atraso a fazer oposiçao a este governo. nota: nunca ouvi ninguem do ps a criticar o anterior governo a não ser henrique neto, (sabemos porquê).mais, almeida santos disse-o varias vezes, que socrates foi o melhor primeiro ministro que portugal conheceu.por ultimouma pergunta os 81000 mil alunos que o privado perdeu foi só por causa da crise? ou da requalificaçao do parque escolar?

  7. é isso mesmo Ignatz. concordo 100%. Não tem sentido nenhum andar a escarafunchar para ver se o Costa defende, em todos os momentos, o Sócrates como se defendesse a honra de sua mãe.
    Costa já foi bem explícito sobre essa matéria. A frase “se pensarmos como a direita pensa, acabaremos a governar como a direita governa” é clara como água em relação a essa matéria. E muito mais coisas que Costa tem dito durante estes meses.
    Mas também tem todo o sentido que o sue discurso político não se esgote em Sócrates. Seria até um atestado de menoridade que Costa passaria a si próprio. Sócrates governou (bem, na minha opinião) durante cerca de seis anos, e deixou a sua marca no país. Costa, assim o espero, governará mais tempo e a sua marca deixará também.

  8. A juventude esfusiante dos Nuno Melo e dos Marco António, mais a meia idade bem conservada de Passos Coelho ‘e que são uma belissima amostra de sensatez para servir o país. Reaça, vai dar banho ao cavaco…

  9. O que faz correr Valupi? E também alguns outros? E eu a pensar que só a direita e a esquerda radical é que tinham razões para temer António Costa.

  10. Estar a realçar que Costa não defende a honra do partido numa matéria que remete para o Estado de direito em nada equivale a dizer que Costa devia estar a defender Sócrates ou alguma das suas acções passadas, presentes ou futuras. Só imbecis e fanáticos (estes, ainda mais imbecis) é que insistem em recusar a evidência.

    Qualquer ataque que seja fundado em calúnias perverte a cidade enquanto corpo político comunitário. É isso que está em causa, daí dizer respeito a todos os cidadãos. Se neste momento existisse uma disputa interna no PSD e um dos lados acusasse o outro de ter desviado dinheiros públicos para bolsos privados, nada provando mas conspurcando incessantemente o espaço público, tal diria respeito não só aos militantes do PSD como a toda a gente que não quer ver pulhas no poder. Porque se eles se permitem violar a decência ainda não tendo poder, então podemos ter a certeza de que estarão dispostos a qualquer tipo de corrupção tendo as beiçolas no pote.

    É por isso que quem criticou a direita por ter lançado e explorado as campanhas negras deve, por mínimo respeito pela lógica e pelo seu carácter, criticar Seguro e os seus por estarem a fazer exactamente o mesmo. Mas, aqui chegados, não dá para desistir a meio só porque entretanto se quer muito que Costa ganhe. A menos que, afinal, se reconheça que também do lado que apoiamos vale tudo desde que o pessoal fixe não seja apanhado.

    António Costa há muito que mostrou ter um perfil que rivaliza em autoridade com o de Sócrates, pelo que não precisa de temer ser confundido por um socrático. Por outro lado, todas as críticas que tenha a fazer ao que o PS fez de 2006 a 2011 são bem-vindas, são excelentes e até poderão ser decisivas. A democracia precisa de inteligência e de coragem, bens que nunca estarão a mais. A democracia é um processo de aprendizagem que não tem fim.

    Só que o problema, gravíssimo na minha humilde e nada modesta opinião , é que Costa tem feito umas críticas pífias à governação de Sócrates, como aquela em relação aos professores e outra em relação às alianças, e entretanto vai validando por passividade e ausência de denúncia as acusações monumentais de alta corrupção. Aliás, Costa chegou há semanas a confirmar que também acha que houve um plano para controlar a comunicação social por parte dos socráticos, calúnia que a direita alegou e que meteu a Justiça ao barulho de forma inaudita. Calúnia porque o topo da Justiça portuguesa descreveu como judicialização da política essa tentativa de golpada.

    É isto, tal como a Maria Abril regista no seu primeiro comentário.

  11. “Aliás, Costa chegou há semanas a confirmar que também acha que houve um plano para controlar a comunicação social por parte dos socráticos…”

    ah, sim! bota lá o link para atestar a veracidade do delírio.

  12. como os tempos mudam! sem calunias,como a das escutas a belem,do caso freeport,de gostar de colinhos,mario soares deixou o ps a almeida santos com 22% depois de se candidatar a pm por duas vezes.não querendo criticar ninguem pergunto.com a narrativa da direita finalmente destruida sócrates era ou não um candidato ganhador? concerteza que era ,e desta vez com o apoio dos professores que já viram que meteram a pata na poça,pois pior do que isto que estão a passar nunca se viu!

  13. Irra que isto não ha meio de te entrar na cachimonia.

    Ainda que estivesses genuinamente preocupado com as “campanhas sujas” e quisesses ver o Costa, ou qualquer outro responsavel do PS, manifestar reprobação em relação a elas, a tua atitude seria contraproducente, e mesmo contraditoria. Com efeito, transformar a questão numa prioridade nacional e no problema politico numero 1 hoje(ou ontem) em Portugal é exactamente o que pretendem alcançar aqueles que criam estas campanhas. Um responsavel politico com dois dedos de juizo, opta por tentar elevar o debate e parte para outra, como faz o Costa, a julgar pela tua descrição.

    Respira fundo. Senta-te um momento. Pega num livro. Vai dar uma volta, ao cinema ou assim. Ou mesmo uma volta à praia. Mais para a noite, quando estiveres sossegado, sem pressas, de forma tranquila, considera a seguinte questão : se calhar, o Socrates não perdeu as eleições por causa das campanhas sujas…

    Boas

  14. Plenamente de acordo com o seu comentário das 13:13, Valupi. Micrómetro a micrómetro. Embora sem grande esperança de que a defesa intransigente da salubridade do espaço da cidadania deixe de ser confundida com devoção canina a um cidadão.

  15. Onde estão “as acusações monumentais de alta corrupção. “?
    Eu gostava de ver.
    Mesmo que seja menos humilde e mais modesto.

  16. deixa-te de merdas e põe aí o link do “Aliás, Costa chegou há semanas a confirmar que também acha que houve um plano para controlar a comunicação social por parte dos socráticos…”.

  17. ignatz, já falámos sobre isso. Na altura convenci-me de que tu, “ipso facto”, és tão estúpido como pareces. E essa opinião continua igual. Por estupidez, no teu caso, deves entender a opção de passar por estúpido. Opção questionável, mas inteiramente livre. Estás, pois, de parabéns pela liberdade, não pela estupidez.

  18. ok valupi, tens razão, sou estúpido e pareço, mas tu não sendo o que eu pareço, podias botar aí os links que guardas religiosamente da vista dos estúpidos, quiçá no cofre onde o pacheco arrecada as escutas ao sócras.

  19. viegas, as campanhas sujas e outras é que derrotaram socrates remeto-o paras as sondagens da catolica e depois verá por que motivo aconteceu a reviravolta.eu ajudo.na ultima sondagem deu-se a descolagem depois de todos os lideres partidarios não se mostrarem disponiveis para fazer um governo de maioria com o ps.o ultimo a pronunciar-se foi paulo portas que andou a ver como paravam as modas. outro facto que cavou a mudança das sondagens,foi a declaraçao triunfal de miguel sousa tavares a dar a vitoria no debate a passos coelho.achei um absurdo aquela declaraçao,mas mais tarde veio a explicaçao pelo proprio sousa tavares nas “conversas improvaveis” da figueira. o livro que tinha publicado recentemente só fazia sentido com o fim de ciclo. viegas não acha que estas pulhices ajudaram de maneira decisiva a derrotar socrates.miguel sousa tavares é um homem sem credibilidade .por ultimo, lutar contra tanta mentira de passos coelho,era um tarefa dificil mas a vitoria esteve ao alcance de socrates !

  20. ignatz, mas esse é o problema: sendo tu estúpido, para que te servem os links? Pois se tu nem sequer ao veres o vídeo publicado por cá percebeste o que lá se dizia, que pretendes fazer com os links? Porcarias? Deixa os links para quem não seja estúpido, dedica-te antes à palha que te deve saber tão bem.

  21. “Estar a realçar que Costa não defende a honra do partido numa matéria que remete para o Estado de direito em nada equivale a dizer que Costa devia estar a defender Sócrates ou alguma das suas acções passadas, presentes ou futuras”

    Diz Valupi no seu comentários aos comentários.

    Bem esta jamais me passaria pela cabeça ler na prosa do Valupi.
    Eu, que, entendo que o Homem, desde o seu desafio a seguro, não tem feito outra coisa senão orgulhar-se e defender total e integralmente o seu partido e, por conseguinte, a honra de todo o passado do PS, nunca imaginei que a defesa teimosa e preconceituosa de uma falsa ideia pudesse ir tão fundo (neste caso o fundo fundo é mesmo muito rasteiro).
    Então Costa não defende a honra do Partido, e para mais, numa matéria que remete para o Estado de Direito. Logo Costa não defende o Estado de Direito e porventura estará cometendo um atentado contra o Estado de Direito.
    Bem, Valupi, essa visão é, por vias eviesadas, semelhante à acusação do magistrado de Aveiro, mano da magistrada chefe e do pacheco acerca das cassetes com escuras a Sócrates.
    Por que merda de causa Valupi vê, numa resposta de puro bom senso para evitar jornaleiras parangonas de ataques soezes, um atentado à honra do PS e perante milhentas frases, parágrafos e artigos inteiros de defesa acérrima do passado e bom nome do PS proferidas e escritas por Costa, é cego, surdo e mudo?
    Ter razão é muito diferente de querer ter razão e, quando se torce a realidade para a encurralar no “nosso eu”, destapa-se e fica a nu o ridículo.

  22. tá bem meu, essa parte da estupidez acho que já percebi. agora podias explicar ao pessoal o resto: onde e quando é que costa confirmou o tal plano do sócras para controlar a comunicação social.

  23. jose neves, a minha resposta aos teus comentários consiste nas seguintes palavrinhas, as quais espero que sejam para ti compreensíveis:

    “Ter razão é muito diferente de querer ter razão e, quando se torce a realidade para a encurralar no “nosso eu”, destapa-se e fica a nu o ridículo.”

  24. ignatz, pois, lá isso poderia fazer. Mas isso seria estar a repetir-me. Já tu, que és um estúpido, não consegues fazer outra coisa que não seja repetires-te. Pelo que desconfio não teres ainda percebido a parte da estupidez.

  25. Caro nunocm,

    Tenho pena mas imputar a derrota de Socrates às campanhas sujas é manifestar uma ingenuidade total. Socrates tinha um governo minoritario e, com a agravação da crise, perdeu o apoio (à direita) no qual apostou sempre (com alguma ingenuidade, diga-se). Tão simples como isso…

    O resto é telenovela arranjada à pressão para disfarçar. Bastante mediocre, por sinal. Ou então atestado de menoridade passado ao povo português e insulto à democracia… De resto, nem o proprio Socrates subscreve tese tão estapafurdia…

    Boas

  26. então, se não te queres repetir, para não fazer figura de estúpido, poderias parar de repetir coisas que não existem e que aparentemente servem para torcer a realidade. vá lá, coragem, é só uma linkadela, fica tudo resolvido e até fazes um figurão.

  27. ignatz, só por curiosidade, e aproveitando a Internet e o “dolce far niente” para montar nesta catacumba um estudo sobre a natureza humana, negas já ter discutido este assunto comigo?

  28. “… negas já ter discutido este assunto comigo?”

    houve uma conversa há uns tempos sobre isso, mas não creio que possa ser considerada discussão, na altura recusaste, tal como agora, apresentar provas daquilo que imputas ao costa e a converseta não passou disso mesmo, mostra, não mostro. mas ainda estás a tempo de restabelecer a credibilidade da coisa. aceito qualquer formato acessível a estúpido. não percebi essa do estudo da natureza humana, mas o que foi escrito deve estar algures numa caixa de comentários deste blogue, caso a tua natureza humana não tenha eliminado os comentários.

  29. Estou a ficar com a mesma duvida que tem o Fernando: valera a pena ir votar no Costa? Valera apena escolher o menos mau que. como parece. fara igual ao pior?

  30. ignatz, começo a ficar preocupado contigo. Essa conversa ocorreu em finais de Julho debaixo do vídeo onde Costa faz a vontade a Lobo Xavier e revela em público que se deu uma tentativa de controlo da comunicação social por parte do Governo de Sócrates.

    O facto de nessa declaração não ter deixado explícito de quem estava a falar não te deve deixar confuso. Precisas apenas de respirar fundo, beber um copo de água e depois prestar muita atenção às reacções e afirmações do Lobo Xavier, antes e depois de ter extraído a confissão ao Costa.
    __

    Manojas, larga o vinho.
    __

    anapaula, Costa é um bilião de vezes preferível a Seguro, para quem vai votar não há mais nada em que pensar.

  31. poizé, meu. podes passar o vídeo quantas vezes quiseres que não ouves o costa confirmar “… que se deu uma tentativa de controlo da comunicação social por parte do Governo de Sócrates”. a única coisa parecida com isso são umas bocas do pacheco e do xavier sobre o socras e a pt quando o costa fala da promiscuídade negócios/política, o que leva a crer que de tanto ouvires já pensas como a direita.

  32. já me esquecia… se tivesse sido como dizes, a direita, o seguro e o resto da cambada ainda não se tinham calado com essa treta, pelos vistos foste o único alucinado que assistiu à confissão.

  33. Não há qualquer razão para o A. Costa fugir à questão
    da “tralha socrática” ! Foi o medo que obrigou a direita
    a tentar com esse jargão desvalorizar o Governo do PS !
    A resposta deve ser dada em linguagem que seja com-
    preendida pelos estarolas que estão alaparados no Pote,
    destruindo paulatinamente o País … coisa que infelizmen-
    te a actual direção do PS não quiz fazer porque o seu li-
    der, como confessou hoje, é feito daquela pedra do muro
    do castelo de Penamacor logo, não tem pensamento!!!

  34. Eu sabia que me arriscava a um impropério. Tinha razão! Entretanto, a pergunta mantém-se. O que faz correr Valupi, e outros também? E por aqui me fico, já enfastiado.

  35. viegas,encostou-se à direita e à esquerda e por isso executou o programa do bloco de esquerda em materia de costumes.disse no meu texto, que houve outras causas para a derrota de socrates,como a indisponibilidade dos partidos à esquerda e direita(cds)para fazerem um governo maioritario com o ps. o bloco pagou caro o pcp,saiu-se airosamente tomando a mesma posiçao.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.