Corrupção da comunidade

Chocou-a algumas das revelações desse caso?
Chocam-me. Absolutamente. Houve sempre ao longo do mandato de Sócrates, a partir de certa altura, muitas desconfianças. O caso Freeport. Aí, a Justiça não se ajudou a si própria. Hoje percebemos que isso foi uma reação dos magistrados porque, de cima, o procurador-geral [da República, Pinto Monteiro] os impedia de fazer isso. E, sobretudo, naquela altura em que estavam indubitavelmente sob controlo de um procurador que estava ao serviço do poder político. E eu disse-o várias vezes. Porque foi exatamente isso que concluí que foi atuação do procurador Pinto Monteiro, quer no caso dos voos da CIA, quer no caso dos submarinos, depois mais tarde percebemos que foi também essa a situação no caso do Freeport, no caso Face Oculta, etc.


Ana Gomes

___

Ana Gomes repete e expande uma das calúnias preferidas da direita, a de que Pinto Monteiro protegeu Sócrates e impediu que diversos procuradores o tivessem constituído arguido nos vários casos onde o Ministério Público investigou assuntos onde aparecia referido de alguma forma. A parte em que expande a calúnia é quando coloca Pinto Monteiro a igualmente proteger Portas nos submarinos, fazendo dele um corrupto para todo o serviço ao serviço de corruptos de todos os tipos.

Estas declarações são vexantes. Pela imagem que espalham de completa falência do Estado de direito, do sistema político, do regime e da sociedade. Quem assim fala é alguém que anda desde o começo da década de 80, e em permanência, a ser paga pelo Estado e a assumir variadas funções com alta responsabilidade política. Alguém que, em simultâneo, criou uma pose de frontalidade na denúncia de abusos e da “corrupção”. Com que resultados?

Estas declarações são espantosas. Primeiro, pela forma falaciosa como se constituem e despacham. Será que Ana Gomes desconhece a estrutura e poderes fácticos da Procuradoria-Geral da República, já para não falar nas leis do Código Penal? Em que indícios, vamos esquecer as provas, se baseia para dizer publicamente o que diz e com a certeza com que o diz? Admito que possa ter informação que não é pública, mas então já a entregou à nova Procuradora-Geral da República, ou também a considera criminosa, ou não acha importante investigar o que fica como um dos maiores corruptos da História, esse tal de Pinto Monteiro, a acreditar na sua denúncia?

O espanto continua quando contemplamos a dimensão da acusação de Ana Gomes. Ela está a reclamar um conhecimento, uma autoridade, que não registámos em mais ninguém com responsabilidades institucionais nos períodos a que se refere. Segundo a senhora, Pinto Monteiro, de uma forma que não sente necessidade de explicar como, ameaçava ou aliciava diversos magistrados, sempre sem deixar provas ou então deixando-as para outros as fazerem desaparecer, e o Ministério Público ficava transformado numa extensão da roubalheira gigantesca dos governantes sem que ninguém, nem Cavaco ou partidos, juízes ou jornalistas, conseguisse parar, sequer denunciar, o festim. Até o BE e o PCP foram cúmplices dos bandidos de acordo com as suas palavras.

Finalmente, é espantoso que Ana Gomes repita esta cassete, de uma forma cada vez mais desvairada e alucinada, e não seja obrigada a assumir a responsabilidade pelo que está a fazer no espaço público. Nem no Ministério Público nem no PS, nem no Parlamento nem na comunicação social se observa qualquer incómodo. É como se o que ela está a descrever não tenha importância ou já seja consensual. Que num órgão de baixa política apareça a dizer isto sem contraditório nem módico respeito pela realidade e pela lógica, não surpreende. Que a Justiça e o PS premeiem com a sua passividade e indiferença tal conduta, eis um exemplo cristalino de corrupção da comunidade.

13 thoughts on “Corrupção da comunidade”

  1. «Finalmente, é espantoso que Valupi repita esta cassete, de uma forma cada vez mais desvairada e alucinada, e não seja obrigada a assumir a responsabilidade pelo que está a fazer no espaço público.», um humilde sublinhado e uma ainda mais humilde alteraçãozinha assim ao jeito de um presente de Natal antecipado (sobre o resto, a responsabilidade nomeadamente, o anonimato Valupiano resolveu para sempre estas coisas).

    [Boas festas com uma bacalhoada-que-caraças! ainda assim, que a troupe do Aspirina B bem precisa de um pouco de afecto e calor no estômago (mas não abusem do álcool, rapazes!).]

  2. cheia de razão , os malucos lá vão dizendo umas verdades. a justiça tem culpa de termos chegado a este ponto . há que tempos que deviam ter disciplinado os 3 da vida airada , o armando , o zézito e o morais.
    muito giro ler como os de agora na justiça são todos uns cabrões , ,mas na época do pinto , uns santos. ai jasus.

  3. Costumam dizer os anti-políticos que Salazar não era corrupto porque nunca enriquecera nem recebeu luvas de ninguém. Pois é mas a corrupção não está só em prostituir-se por dinheiro está, e em estado puro e superior, apoderar-se de um Estado-Nação por meio de polícia política e outros poderes corruptos para chefiar um Estado que é, ele próprio, o Estado-Maior da corrupção. O poder absoluto é a corrupção absoluta.
    E não só o exercício do poder efectico corrompe, também a ambição de poder de um medíocre vulgar, mesmo não comprometido por corrupção venal pode, por ambição de poder para vingança pessoal sob incontido ressentimento político, tornar-se alguém altamente corrupta de forma intelectual.
    No nosso país, actualmente, todos os medíocres mentais de escassa inteligência e forte desonestidade intelectual estão juntos para criar uma narrativa absurda que concentre a repugnante imensidão de corruptos e corrupção do consulado cavaquista numa pessoa que ousou enfrentá-los para, precisamente, ilibar os verdadeiros corruptos.
    Ana Gomes, por pura vingança política sobre alguém que acha que desprezou a sua auto-considerada grande e elevada capacidade política, juntou-se aos verdadeiros corruptos por via da sua desconsolada e descontrolada mente doentia.

  4. Dou-te mil paus se fores capaz de me dar uma definição da expressão “poderes facticos” (diferente de : preciosismo balofo e absurdo que procura dar a ilusão de designar uma coisa diversa dos simples e banais “poderes”).

    Boas (festas)

  5. o viegas não tinha maináda pra dizer e amandou um peido de boas festas antes da òbimba marcar terreno com a merda habitual. xau e um santo caralho para ambos.

  6. carissimo sabonete santaclaus , nunca tive um santo , vai ser uma estreia , muito obrigada. e , já agora , há 10 anos atrás quando comecei a ler o aspirina , isto não era o wc duns tantos diarreicos que gostam de comer merda disfarçada de mousse de chocolate e eu não precisava de ser desagradável para os coprofilicos. enfim , é a vida. boas barrelas , veja se consegue lavar o cérebro , dava jeito.

  7. O Procurador Pinto Monteiro?
    Aqui vai um post, publicado no Blog Politeia em 29.01.2011: “O PGR é muito “boa pessoa”, um simplório mesmo, direi até que ruralmente ingénuo, nunca meteu um tostão ao bolso, mas não tem estatura intelectual, cultural, nem condições pessoais e emocionais para exercer as funções que exerce. Daí que receie os grandes interesses e estes o tenham na mão.”
    E o Valupi sabe bem que era (é) assim…

  8. Viegas –
    Ele diz poderes fácticos porque considera que os juízes da Magistratura Judicial e os magistrados do Ministério Público, não são eleitos por voto popular, logo, no entender dele, não são legitimados do mesmo modo que os restantes componentes da organização do Estado tais como o poder de representação presidencial (PR) o executivo (Governo) e o legislativo (Parlamento) .
    Na realidade, o poder judicial, é um poder de direito, consagrado na CRP .
    Poderes de facto serão, por exemplo, em Portugal, o poder do dinheiro (banca e grandes grupos empresariais) o poder do futebol, o poder da Igreja Católica, e por aí adiante .
    Por exemplo, nos USA, o complexo militar-industrial, é um poder de facto .

    Fazendo um pequeno desvio do tópico, para ele, devassa da vida privada, será tudo o que inclua investigação, seja jornalística, seja judicial, envolvendo pessoas ligadas ao Partido dito Socialista .
    Já caluniador(ora) será qualquer um(a) que aborde o tema José Sócrates, de forma não abonatória para o guisado, digo, visado .
    Ele é um exemplo perfeito de um assalariado do fanatismo cego e sectário.
    Porque existe o fanatismo luminar e imparcial, ou desinteressado, que é aquele que ele, de quando em vez, assume, quando estão em causa votações conjuntas do PS e do PPD ( matérias do bloco central de interesses ). ;^)
    Boas festividadaes

  9. O socialismo e a esquerda portuguesa tem porras!
    É tudo muito complicado.
    O candidato de sonho de Sócrates a Presidente da República, não era Alegre , era Soares.
    Isto teve muita profundidade.

  10. A questão é simples, pelo menos para a Ana Gomes:

    – Ela sabe (como sabemos todos) que a “cena merdiática” da Lusitânia está praticamente na íntegra nas mãos da direita merdosa e mafiosa.

    – Está também farta de saber que a direita merdosa sempre a considerou como maluquinha dos cornos e a tratou como tal, manifestando por ela um desprezo olímpico e não perdendo uma oportunidade para lhe gozar as “excentricidades”.

    – A solução para a quadratura do círculo (transformar quem a despreza em seu megafone) foi a que temos à vista, simples e expedita: cinco em cada quatro vezes em que abre o corta-palha para arrotar, dizer o que a direita merdosa e mafiosa mais quer ouvir – dizer mal do Sócrates. Tem assim assegurada ribalta permanente e apenas isso lhe interessa.

    Alguém conhece, das inúmeras investigações, comissões e cagalhões a que Ana Gomes presidiu, vice-presidiu ou pariu, alguma que tenha produzido efeitos úteis, que tenha enfiado corruptos no chilindró? Ana Gomes é um verdadeiro case study de “idiota útil”.

    Acrescente-se a este caldinho o rancoroso ressabiamento que não perdoa a Sócrates não a ter recompensado com o tacho a que se julgava com direito e temos o menu completo.

  11. Ana Gomes está muito à direita de Sócrates.
    A socialista Ana e o socialista José no mesmo partido é como nesse partido caber desde a extrema direita à extrema esquerda.

  12. Ola,

    “poderes de facto” por contraposição aos poderes de direito ? Seria isso, pimpampum ? Mas nem assim a frase faz sentido. Quanto a mim temos mas é mais um post de pura verborreia, sem analise nem perspectiva. O habitual : “Ana Gomes béubéubéu…”, simétrico do não menos habitual “louvado seja Socrates”. Enfim, o rotineiro benfica-sporting nacional…

    Boas

  13. Sim, onde ele diz poderes fácticos, refere-se a poderes de facto. Como sabe, existem poderes de Direito, ou de jure, e poderes de facto .
    A partir de certa altura, apareceram uns tontos a desenvolver uma tese de que os magistrados, que representam o Poder Judicial, não são genuinamente, ou não tão genenuinamente assim como os outros poderes do Estado ( PR, AR, GOVERNO ) um dos poderes do Estado, organização da Comunidade, por não serem eleitos pelo Povo .
    Tontices !
    Está a ver uma coisa do género “ votem em mim que comigo ninguém é condenado a ir para a cadeia “ ?
    Não sei se seria eleito, já ví um porco a voar ( seja candidatos a autarquias ganharem eleições mesmo depois de terem sido condenados a penas de prisão, seja efectiva, e cumprida, seja de pena suspensa ).
    Um desses artistas, do Norte, condenado em pena suspensa, até disse alto e bom som “ a mim ninguém me tira o mandato, fui eleito pelo Povo e só o Povo é que me pode tirar o mandato !”
    Há gente que não tem um mínimo de vergonha na cara, e ainda por cima, têm um descaramento descomunal .

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *