“Contra a corrupção, a desgraça da Nação” – Edição Grupo Impresa

Um ex-deputado, advogado, professor de Direito, fã de Passos Coelho, feroz antisocrático, magnífico tribuno, recomenda a quem o segue no Twitter que se valide e reproduza uma difamação caluniosa lançada sem contraditório por um jornalista e (com todo o mérito e provas dadas) actual director-adjunto de informação da SIC, a qual espalha no espaço público a percepção de estarem o primeiro-ministro e a ministra da Justiça a manipular politicamente a Polícia Judiciária “para que depois, quem controla os negócios de Estado, dar aos amigos, como já vimos.” Ricardo Costa, desde 2016 director-geral de informação do grupo Impresa, concorda com esta ideia de que o seu meio irmão é corrupto, um dos maiores corruptos na História de Portugal e do restante mundo civilizado, e tão ou mais corrupto do que Sócrates – talvez uma beca mais, dado que, de acordo com o tal director-adjunto de informação da SIC probo e heróico, se ambos os líderes socialistas se imitam na prática criminosa de “dar negócios de Estado aos amigos”, pelo menos a respeito de Sócrates não há notícia de se ter metido com a Judiciária; a qual, aliás, fez um belíssimo trabalho quando o espiou em funções a mando de um procurador de apelido Vidal e com a conivência de um juiz da comarca de Aveiro que assumiu fazer uma ilicitude em ordem a manter secreta a golpada de 2009 e respectiva violação do Estado de direito. O mano Costa, como se vê pelo seu silêncio aprovador e cúmplice, está muito satisfeito com os conteúdos jornalísticos e qualidade televisiva dos seus canais e espaços de informação. Fica só por resolver a pequenina pedra no sapato lançada pelo grande CAA, isso de avisar que o Zé das farturas de corruptos tem a cabeça a prémio. Será? Será que o fabuloso Ricardo, um bravo que cagava d’alto nos telefonemas que recebia do outro corrupto enquanto estava na casa de banho a fazer as suas coisas para sair aliviado e boneco em direcção a Carnaxide, vai desta vez ceder a ameaças, ou chantagens escabrosas, do seu mano mais velho e fabulosamente corrupto?

4 thoughts on ““Contra a corrupção, a desgraça da Nação” – Edição Grupo Impresa”

  1. «…e reproduza uma difamação caluniosa lançada sem contraditório por um jornalista e (com todo o mérito e provas dadas) actual director-adjunto de informação da SIC, a qual espalha no espaço público a percepção de estarem o primeiro-ministro e a ministra da Justiça a manipular politicamente a Polícia Judiciária “para que depois, quem controla os negócios de Estado, dar aos amigos, como já vimos.”»

    Já são muitos a usar o truque JMTavares na praça pública como ascensor social; oportunistas de todos os quadrantes joga mão desse velho golpe mediático para suprir a falta de inteligência e qualidades próprias para ascender na ‘boa vidinha’ por valor e mérito pessoal.
    É, precisamente, por falta de qualidades pessoais para atingirem as pretensões a que narcisisticamente se julgam merecedores que jogam mão de provocações sucessivas e em crescendo na tentativa de que um “momento” de discussão nos media ou tribunal em ‘duo’ com um PM ou PR os catapulte para a ribalta e, consequentemente, os conduza ao pote ou potezinho que miram e desejam obcecadamente.
    Se JMTavares é o modelo como exemplo a seguir JGFerreira é o modelo de ambição desenfreada, desesperada e sem tino de chegar onde não consegue por falta de inteligência que torna sua avidez de vontade tão descarada que mete medo a um surdo.
    JGFerreira é o que é e já isso é demais e um absurdo face ao que realmente vale. Ao mesmo tempo que Carlos Costa e Cavaco (e outros, muitos) vendiam a ideia que o BES era um banco sólido e que o GES é que estava mal, o ratinho JGF proclamava na sua sic que ele próprio, se tivesse dinheiro, o aplicaria todo em acções do dito sólido BES dado o seu baixo custo na altura; facto, facto foi que ninguém deu por ver JGF, CC, Cavaco e muitos que fizeram tais afirmações de poleiro, nas ruas nem nos media a protestar e reclamar o seu dinheirinho aplicado no proclamado, por si, como banco sólido.
    Estes, sim, são corruptos que usam os meios de poder e influência à sua disposição para enganar o outro e ficam a rir de sua impunidade; estão sempre à espreita de uma oportunidade mas a ganância os denuncia e torna suspeitos.

  2. Já aqui tinha alertado há dias: o Gomes Ferreira está a engrossar currículo e capital político para uma OPA sobre a tasca do Ventura. O suíno fundadeiro que se cuide!

  3. Correcção: onde se lê “tasca do Ventura” deve ler-se “pocilga do Ventura”, honorável chefe da suinikultura.

  4. Só por distração ou para rir um pouco que, se visita ou lê o Twitter do caa, um
    rapaz descoberto pelo relvas, por espumar ao escrever no DN e guinchar na RTP
    contra Sócrates e o PS … já nessa altura era visível que aquela cabeça tinha
    pouco cérebro e muita gordura … usou o escadote da calúnia para ascender!
    Já o Gomes das iscas que, até escreveu? um livro sobre o que seria o seu governo
    há muito que, anda a fossar na “pocilga” em que se transformou aquela impresa,
    não merece que se gaste tinta com os seus dislates … estão todos contaminados!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.