Consolidação dos indícios de pulhice

Na RTP Informação, ao lado do seboso Zé Manel, o João Marcelino terminou a sua participação no falatório revelando que as pessoas como ele, leia-se “jornalistas”, têm acesso a muitas informações que o povinho nem sonha existirem. E que andam para aí a correr uns zunzuns a respeito de umas coisas, umas conversas, que envolvem Sócrates e figuras importantes do PS, as quais a virem a público nesta altura seria o bom e o bonito. Vamos lá ver, deixou num misto de interrogação e profecia, se os magistrados as conseguem guardar.

Não é uma maravilha a cultura da pulhice? Marcelino apela a que se guarde o que ele atesta já estar a circular sabe-se lá por onde. Ou melhor, sabe-se: por entre as pessoas bem informadas, como ele. Pelo que está, no fundo, é a congratular-se por pertencer ao grupo dos privilegiados, aqueles que adivinham que os magistrados da “Operação Marquês” vão continuar a despejar dados sigilosos acerca do processo sempre que lhes apeteça.

Desde o princípio do caso que os jornalistas anti-socráticos vêm salivando de gula na antecipação do envolvimento de outros notáveis socialistas. As presas mais apetecidas serão Paulo Campos, Pedro Silva Pereira e Vieira da Silva, mas qualquer um que tenha tido relações de proximidade com Sócrates serve. Calhando aparecer um nome que também esteja ligado à actual equipa de Costa, isso será ouro sobre azul. E a probabilidade para tal é altíssima. A função das escutas é essa mesmo, a de violar a privacidade de forma a que o alvo fique sujeito às interpretações de terceiros acerca do sentido do que disse, e ainda a de o alvo ver esses registos a escaparem-lhe do controlo e poderem ser explorados sem limite – e isto envolvendo todas as pessoas com quem tenha efectuado contactos, sejam quais forem as circunstâncias nessas ocasiões. Foi o que se fez no “Face Oculta”, tendo-se usado conversas sem indícios criminais para tentar uma golpada judicial em cima das eleições de 2009. Não fosse a integridade e coragem de Pinto Monteiro e Noronha do Nascimento, ter-se-ia aberto um processo judicial só com diálogos ambíguos e pícaros, captados ilicitamente, como base material para atacar um primeiro-ministro e um partido.

O Marcelino, portanto, aposta na partilha com o público desses tais registos. Será depois do debate com Passos, caso Costa saia de lá vencedor? Será na última semana da campanha, para a porqueira ser a maior possível? O Dâmaso deve saber. A esta hora já tem o título pronto e tudo.

77 thoughts on “Consolidação dos indícios de pulhice”

  1. Se Marcelino confessa possuir informação de interesse público que aguarda a oportunidade do momento de publicação que melhor serve determinados objectivos políticos confessa ser um manipulador e não um jornalista. Não é uma grande novidade.

  2. São certamente “coisas” tão verdadeiras como era a “homossexualidade” em 2009!
    O povinho cá os espera!
    Eles que escolham esse caminho que desta vez podem acabar esturricados na fogueira que atearem.
    São certamente as “escutas” sobre a “vida interna” do PS que o juiz Alex guardou no cofre e só ele tem a chave.

  3. Costa quer EDP e Banca a pagar mais impostos, acho muito bem, o problema é implementar isso .
    Seria bom era que explicasse como tenciona fazer para evitar que os visados repercutam os impostos sobre os consumidores finais .
    Alguém sabe como se faz ?
    Eu só conheço uma maneira . E implica força e autoridade administrativa . Não é democrática.
    Mas já estou a ver o esquema : isso não é nada com o governo, é matéria da ERSE e, quiçá, do Banco de Portugal .
    E depois vêm os economistas especialistas do costume e os jornalistas da área económica com a cantiga de que menor lucro sobre as empresas lá terá que ser compensado ou com aumentos de impostos sobre o rendimento do trabalho ou mais IVA, se calhar, até os dois.
    E vai sobrar para a faixa do costume, os que ganham entre 1900 e 2300 euros.
    É só fazer as contas. O inefável Medina Carreira explicará que é aí que está o grosso da maralha e por conseguinte, o alvo ideal da receita, e noblesse oblige, e portanto, pragmatismo e utilitarismo, mexe-se no escalão do IR correspondente a esse nicho e está tudo bem, o pobre abaixo de 500 euros não paga porque é pobre e nada se lhe pode cobrar, o rico acima de 5.000 euros, também não paga porque serão para aí uns míseros 2.000 em todo o País e mesmo que pagassem 60 % de imposto o montante arrecadado seria pouco, não adiantaria muito em volume de receita cobrada, portanto, pagam os do costume, a faixa entre mil e tal e dois mil e trezentos. E desse modo vai-se puxando a classe média-baixa para o empobrecimento.
    Quem invoca a pequenez da coisa, não percebe a importância do princípio.
    Dizendo o princípio que quem mais ganha deve pagar mais imposto, fácil está de ver que mesmo que se retirasse 50 % a quem ganha 5000 euros, ainda ficava com um rendimento disponível de 2500 euros, que é muitíssimo maior que aquele que ganhando 2000, lhe vê retirado 35 %, ficando apenas com 1500.
    E aqui é que esta o ” danásio ” .
    Não é no never ending folhetim pra vender mais papel.
    E para dar emprego a dois funcionários do marketing digital .

  4. vamos mas é celebrar a felicidade do Sócrates junto dos que o amam. para ele é o mais importante agora. e quantos mais ficarmos felizes por ele mais feliz ele se sente. :-)

  5. a procuradoria-geral da república informou, em comunicado, que sócrates ficará em prisão domiciliária sem pulseira eletrónica, já que “diminuiu o perigo de perturbação do inquérito”.

    o juiz de instrução fundou a medida agora aplicada, como já o tinha feito em junho, “no perigo de perturbação do inquérito na vertente de aquisição e conservação da prova”, e não “no perigo de fuga”.

    http://www.jn.pt/PaginaInicial/Justica/Interior.aspx?content_id=4762364&page=1

  6. Por mim, penso que a gente que meteu Sócrates na prisão, com motivações exclusivamente políticas, não vai parar. O PS tem que desaparecer do mapa, porque o país não pode fazer marcha atrás na obra iniciada há quatro anos. O país está a ser transformado na coutada de alguns grupos que apenas conhecem a “pátria do dinheiro”. Falta pouco para que a única voz com acesso ao “microfones” da comunicação social seja a dos donos da coutada.

  7. Se não há perigo de fuga, porque tem 4 polícias à porta ( à porta não ví ninguém, estão dentro do prédio, dois à paisana e dois fardados ) ?

    Porque estão dois à paisana e dois fardados ?

    E os fardados, porque lhe fazem continência ?
    Terá sido promovido a general, em Évora ?
    Mas o General, não era um comentador aqui ?
    Era ou não era comentador aqui e que após terapêutica voltou convertido em Teodoro, o General Teodoro ?

    Porque não foram selecionados apenas 3 polícias?
    Desse jeito, dava 4 para a sueca e ficavam todos dentro da casa. Vigivam melhor e estavam todos entretidos.

    E como se evita o contacto com terceiros a não ser confinado a uma sela, e com um guarda à porta ?
    Então, ou estava em Évora em solitária, ou em casa, na privada, ou seja, fechado na retrete e com um guarda à porta. Só assim se assegura rigorosamente a proibição de contactar terceiros e evita perturbação do inquérito.

    E não há vários modos indirectos de contacto, seja, utilização de pombos correios, e comunicação por sinais de fumo ou até por batuque .

    E este disparate total de encomendar pizzas XXL tamanho familiar para 4 ou 5 pessoas ???
    E os polícias podem conviver e comer dentro de casa ?
    É assim ???
    Então a seguir vai ser acusado de no interior da casa da Favar, tentar formar uma associação criminosa sob o nome de Polícias e Ladrões .
    Que, caso o deixem ir tomar café ao retiro do Abade – não aconselhável, é Bicafé, turrefacto, uma porcaria, mau para o fígado – vai implicar também o Abade de Faria, aquele do Conde do Monte Cristo !
    Coitado, o que ele passou, o abade Faria, para sair da prisão.
    Nem o charuto se safa !

  8. a vigilância policial à prisão domiciliária do sócras não permitiu que silva pereira disfarçado de entregador telepizza contactasse pessoalmente o ex-primeiro ministro para provar e destruir uma havaiana extra queijo & pepperoni.

  9. manholas tv: “vai dar essa informação a gerência da sua cadeia(…)”
    telepizza boy: “da minha cadeia?! não não, eu não estou preso”

  10. Os tipos do PS são uns anjos e umas vítimas…, coitadinhos…
    Uma coisa é um facto, cheira-lhes a mama, já lá andam todos à volta do pote!

    Com um governo rasca como o actual, constituído por bêbados e incompetentes, que só fez asneiras durante 4 anos, só mesmo um partido sem um pingo de categoria como o PS é que anda ali aflitinho a ver se ganha as próximas eleições.
    É caso para dizer: Volta Tó Zé, estás perdoado!

  11. Provavelmente o Telepizza boy fez o 12º ano nas novas oportunidades e com isso conseguiu esse fantástico MCJob a ganhar 500 €/mês…
    Talvez o Sr. Sócrates também o tenha convidado para o repasto em família.

  12. Numentendonada,

    “Era ou não era comentador aqui e que após terapêutica voltou convertido em Teodoro, o General Teodoro?”

    O Teodoro apenas escreve como Teodoro!

  13. Perguntas para resposta de quem souber:
    1-como pode o PS sonhar com uma vitória eleitoral, quando toda a comunicação social está capturada pelos promotores da coligação PSD/CDS?
    2-como pode o PS sonhar com uma vitória eleitoral, se os seus dirigentes, ex-governantes e militantes destacados podem ser arrastados, em cima do acto eleitoral, para a lama de processos judiciais “à la carte”? O Marcelino diz que já sabe de tudo…
    Tenho a sensação de que estamos, definitivamente, no inicio de um novo ciclo. Vou chamar-lhe “Depois de Abril”. Será uma clarificação e pode não vir a ser aquilo que os mentores da mudança esperariam. A História dá muitas guinadas.

  14. O senhor Numbejonada, agora sob o novo anexim Numentendonada, que é outra proposição sinónima de cegueta, está tão inflamado pelas notícias que não resistiu a acusar os magistrados de cumplicidade com o arguido.
    ”E como se evita o contacto com terceiros a não ser confinado a uma sela (…)?”
    Depende da sela e do cavalo. Existem umas selas colectivas que permitem aos equitadores enfileirarem nos lombos do mesmo cavalo.

  15. “Foi o que se fez no “Face Oculta”, tendo-se usado conversas sem indícios criminais para tentar uma golpada judicial em cima das eleições de 2009. Não fosse a integridade e coragem de Pinto Monteiro e Noronha do Nascimento, ter-se-ia aberto um processo judicial só com diálogos ambíguos e pícaros, captados ilicitamente, como base material para atacar um primeiro-ministro e um partido.” ahahahahahahahaha se nao fosse para chorar seria para rir…infelizmente é mesmo trágico..posso-lhe perguntar uma coisa? o valupi gosta de roubar e mentir? porque isso explicaria muita coisa…

  16. O João Marcelino? O geólogo ou que era para ser geólogo e que em 2006 era o director do excelentiximo Correio da Manhã e mais tarde do DN? Oh Valupi , então o óbvio é mais do que óbvio. Os portugueses têm pouca ou nenhuma memória portanto temos o dever de os relembrar.

    E o resto não vê quem não quer. Já foi dito com a lucidez habitual do comentador Manuel Nunes.

  17. Que não me coibo de transcrever para aqui, com sua licença, Valupi. Anseio pelo resto.
    Fã incondicional.

    “A prisão de José Sócrates tem sido apresentada, por altas instâncias da magistratura, como um indicador da independência do poder judicial, que demonstrava a temeridade de, após prender os banqueiros, começar a prender os mais altos cargos do poder político, nomeadamente um ex primeiro ministro.
    Para quem não seja sensível à demagogia e propaganda dos super magistrados, a justiça só conseguirá demonstrar a sua independência quando for capaz da temeridade de prender o equivalente no sistema judicial, um Procurador Geral da República, ou ex PGR, ou um Presidente do Supremo Tribunal de Justiça, ou ex PST, que, na pessoa de Pinto Monteiro e de Noronha Nascimento, já foram acusados explicitamente por responsáveis da coligação no governo, nomeadamente o Primeiro Ministro em funções, de associação criminosa com o poder político.”

  18. Maria Abril

    “1-como pode o PS sonhar com uma vitória eleitoral, quando toda a comunicação social está capturada pelos promotores da coligação PSD/CDS?”

    Que culpa o PSD/CDS e a comunicação social têm, dos contínuos disparates que o amigo Costa tem dito desde que achou que poderia ser o chefe do PS?
    Tem um irmão que manda na SIC Notícias. Também o está a prejudicar?
    Cada vez que abre a boca, é disparate seguido.
    A passagem pela CML só está ao nível de Santana Lopes, ou pior!
    Como me dizia um amigo do PS, se o Soares (de há 30 anos) estivesse no lugar do Costa, teria 60% dos votos!

  19. Hum, o Pinto Monteiro é aquele que foi almoçar com o arguido, não é? Ai que facto tão irrelevante….a secretária do detido chamou-o e ele foi…bem, é só para ilustrar que não havia qualquer contato direto, portanto, era só a secretária, paga, CLARO, pelos fundos do amigo Carlos Santos, e, portanto Sócrates, um tipo sem fundos, etc, e tal, tem ascendente sobre o outro e tal, através da sua secretária e tal. Pois, vamos lá procurar um sentido à coisa…

    Mas o Marcelino, o do texto, filho da mãe, quem lhe deve ter pago o suborno, pá? Ai o Campos, hum, será que este é FIGURA ESSENCIAL na coisa? Que sabe ele? hum? Ai que sabe ele? Ele sabe muito…( ok, vá, ponho um ponto de interrogação…). Então, vedes tudo? Prisão política, preso político, e ele é um homem sem nódoas, MALANDROS, invejosos, é só BOATOS, vejam lá, chamar-lhe homossexual! Caluniadores.
    Nunca vi um gajo com culpas no cartório saír da prisão a…chorar. Mostram sempre a dentuça….e o POVO vê nisso, CORAGEM, DETERMINAÇÃO. Moi, eu observo e penso no Campo, sim porque o Campo é um espaço que não pode viver encurralado num qualquer sítio, pás, então.
    MARCELINO, pá, alguém te vai partir o focinho…tá bem, é melhor ficares quieto, pá. Já viste que a acusação quando é publicada, indica a prova…testemunhal, então…poupa o nariz, os dentes, a boca…isto nunca se sabe, pelas montras vê-se a rua, tás a ver? oqueie.

  20. Ó Teodoro! Prefiro os disparates de Costa às mentiras deslavadas de Portas e Passos. “Errare humanum est”; mentir é uma aberração humana.

  21. «O Marcelino diz que já sabe de tudo…« Se ele sabe, assim toda a gente fica desde já a saber que existe alguma coisa que não é boa para alguém, neste caso do PS.
    Missão cumprida

  22. A Maria Abril tem de certo modo, razão. Na minha opinião, esta “soltura” de José Sócrates para casa visa atirar o caso para a ribalta e continuar a lavar o cérebro ao povo com a associação ao PS. Essa treta das provas consolidadas não pega, é forma de deixar suspense e a ideia de que já nada pode afectar a investigação porque os factos já estão consolidados. Falta acusar e levar a julgamento. A ideia fica semeada e a incerteza. Mas felizmente que isto não pega. Já não.

  23. pedro sousa, reparei que conseguiste agregar alguns caracteres, mas fiquei sem saber o que queriam dizer. Faz-me um favor, traduz-me o teu comentário para português que é para descobrir o que queres dizer.

  24. como a estupidez não conhece limites, informo ser procedimento “normal” que elementos de Forças de Segurança e semelhantes, quando na abordam a alguém, façam a “continência regulamentar”, desde logo porque, de quando em vez, lhes calha na rifa nada menos que um oficial general…coisa muito diferente seriam militares da FA fazerem continência aqueles que fossem abordados se, por mero acaso, tivesse siso declarado o estado de “sítio e emergência”…..enfim, as usual, cada um diz o que vem à tola….

  25. Os taralhoucos morrem de inveja pela atenção de que o homem é alvo. Mesmo sem doenças graves, mesmo sem aparecer nu na revista da tininha, os jornalistas, repórteres e comentadores acotovelam-se para ter a primeira imagem e , imagino a luta, a primeira entrevista.`
    Depois de ter colocado a palavra “narrativa” na boca de muitos tontos que só aparecem por ser a ele que criticam, desta vez rouba atenção a todos os outros que já são ou querem muito ser o primeiro dos ministros.
    Porque será?

  26. acham mesmo que o tique do ponto final usado para dar vida a uma não-ideia, resulta? por exemplo, o que seria do post da maria de sempre sem a última frase? menos pedante. é certo.

  27. numbejo ainda pensei que com um melão desses não passasses no sifão, mas lá arranjaste forma de contornar a fronteira que separa o esgoto desta salubre caixa de comentários.

  28. Querem democracia? livre circulação de ideias pessoas e bens, livre associação, órgãos de informação lives de censura? proteção das fontes pelos jornalistas? ENTÃO TOMEM LÁ, EMBRULHEM QUE É SERRADURA!

  29. Senhor Enapa.
    Porque é que os senhores não conseguem expor uma ideia e se dedicam a comentários de meias tintas e alusões que, objectivamente, não têm conteúdo? Esgotaram-se os argumentos?
    A última frase do comentário da senhora Maria Sempre é: ”Já não”. Querendo dizer, se aplicarmos a análise sintáctica em demanda do predicado, ou atributo verbal, já não pega.
    O quê? O que é que já não pega?
    ”Essa treta das provas consolidadas”. Ora, o que está por consolidar são as provas?
    Penso que, por ironia, a senhora Maria Sempre substituíu indícios por provas, recorrendo à ambiguidade dos acordãos, que, socorridos pela prevalência da presunção dos magistrados, dão os indícios como provas, capazes mesmo de desmantelar a presunção de inocência.
    Assim sendo, a senhora Maria Sempre conclui: ”Já não (pega).”
    Então, senhor Enapa, esta enunciação requer mesmo, do ponto de vista frio e analítico recorrente da sintaxe, um ponto final, se dispensarmos um ponto de exclamação.
    Essa treta já não pega! É isso.

  30. Enapa, mais pedante que o meu é o seu comentário. Deu-lhe a interpretação que quis e do modo como quis e a falta da última frase no meu comentário não o tornava mais quente ou mais frio,, estava simplesmente a realçar que já não pega muita coisa na mente dos portugueses e ainda bem. Já não pega, percebe?
    Obrigada pela sua atenção.

  31. Talvez seja chegado o momento de fazer um apelo de última instância, em prol da República e para podermos manter a nossa fé na regeneração das suas instituições.
    Talvez ainda consigamos resgatar a reputação da justiça.
    Mas, para que isso seja possível, mesmo como crença, acabem já com o instituto anti constitucional e aberrante dos super magistrados!
    Já causaram dano que sobeje à República e começam a demonstrar que pretendem subsistir à custa de qualquer arbitrariedade.
    A corrupção dos políticos e dos partidos não se combate com a corrupção dos fins e propósitos da justiça e do poder judicial.
    Haja alguém que tenha senso e salve a justiça!

  32. Manuel Nunes, oxalá o ouçam. A Justiça está de facto doente e a precisar de ser salva. E sabemos bem que não é de agora, é de muito para trás, basta querer ver os desfechos dos casos nas mãos destes super magistrados. Se tivesse de ser Sócrates o sacrificado para que as coisas mudem, então a prisão dele não terá sido em vão. E espero que o senhor João Araújo não se esqueça disso.

  33. Eheheheheh. « ó pás sopeiras a falar». Ai, que bonito. O povo unido jamais será vencido…hum que interessante. Ó povo, já vos tiraram a fotografia há tanto tempo, eu lembro: tendes nariz vermelho e as faces mais do que vermelhas. Escarrais em qualquer sítio assim como «órinais», quereis é circo e motivo para falar dos outros, adorais ser espoliados e nada fazeis. Hum, e tendes a mania que ensinais a todos, com a vossa moral provinciana. Hum…isso já não se usa, pás. Então, vós que sois «cidadões» da união europeia, pás. Já vistes a categoria? Viajarem pró estrangeiro e só terem de mostrar o cartão de cidadão, hum? Mas tendes de o esconder, ouvistes? Olhem que eu ouvi que os alemães se riem muito com o povo português…mas este como é um povo bem comportado só fala em portugal, com gajos como o PRUNES, a BURRA, e outros religiosos, crentes, zangados com Nosso Senhor, que este não impediu que o Sócrates tivesse passado nove meses da sua vida sob o sol de évora. Eu acho que ele veio com a cabeça à roda, o gajo fartou-se de dar voltas àquilo, pás!
    Portanto, vamos salvar a Democracia portuguesa e a sua justiça. Pomos os magistrados na choldra, a bastonária da OA, essa digna ilustre BURRA no comando, pomo-la a usar o boletim da OA a escrever sobre cidadania e direitos dos «cidadões». Hum, e atenção: enviamos o Marcelino para Cabo Verde, para que le não volte a falar do Campos. Eu cá acho também que devíamos mandar o Campos para o Brasil…eu acho, mas…enfim, eu cá sou fascista, mando loas ao Salazar e, sinceramente com toda a sinceridade sincera, não gosto de COMUNAS nem de XUXAS, é pás, os gajos são muito proletários, pá. Tá bem, há alguns que até sabem vestir bem, desmistificaram a coisa dos fatos da Covilhã, e demonstraram que os fatos italianos são melhores. Eventualmente até comem faisão à la mode de Paris, e bebem eau parfumée – um tique esquerdalho com classe de direita.

  34. ENAPA pá, de quando em vez não dou trabalho à originalidade, então SIGO-TE a TI, o trambolho de serviço.

    Tens que trabalhar o esgoto e a trampa, para poderes entender a sua linguagem e eliminá-la, tás a ver? Certamente o percebes, tu que até já usurpaste a minha identidade…ai que hilário.

    PRUNES, à rasca andas tu, que te queres ver livre da BURRA e não consegues. COMUNA.

  35. E estes gajos continuam a pontapear o País, metendo-se no trabalho de um órgão de SOBERANIA! Sem conhecerem o TRABALHO! Perante acórdãos (PÚBLICOS) emudecem acompanhados pela IGNORÂNCIA e ATREVEM-SE a comentar o que DESCONHECEM porque um ex – governante foi detido ao abrigo de uma lei válida?! São os mesmos que APLAUDIRAM a assinatura do tratado que DÁ PORTUGAL à Europa. HIPÓCRITAS! COMUNAS! Metem-se com a vossa soberania e CALAM-SE. E agora, SEM SABEREM, querem condicionar o trabalho de um órgão INDEPENDENTE?! COMUNAS. Quem sois vós para salvar o que quer que seja, seus fala- baratos, que vos quedais com o ROUBO e nada fazeis perante a INTRUSÃO dos estranhos? !

  36. Perfil anónimo do Manuel de Castro Nunes
    5 DE SETEMBRO DE 2015 ÀS 11:04O

    senhor Numbejonada, agora sob o novo anexim Numentendonada, que é outra proposição sinónima de cegueta, está tão inflamado pelas notícias que não resistiu a acusar os magistrados de cumplicidade com o arguido.
    ”E como se evita o contacto com terceiros a não ser confinado a uma sela (…)?”
    Depende da sela e do cavalo. Existem umas selas colectivas que permitem aos equitadores enfileirarem nos lombos do mesmo cavalo.

    Pá, pois pensa o que quiseres…e pensa isto também, na esteira do que Voltaire dizia – há os que nascem com a sela nas costas ( a maioria) e os que nascem com as esporas nos pés ( a minoria)..tás a ver? Não é difícil verificar que tenho usado bastante as esporas por aqui, não é?

  37. Já vi que até Pacheco Pereira, um insuspeito anti-socratico, pensa o mesmo que eu neste ponto:
    – Como é que o Juiz justifica que quando ainda não há provas há perigo de fuga, e quando já há provas (alegadamente de crimes muito graves), deixa de haver perigo de fuga ?
    Parece que anda por aí um comentador que se diz expert na matéria. Pode ser que ele me saiba explicar.

  38. Diz a BURRA

    « Como é que o Juiz justifica que quando ainda não há provas há perigo de fuga, e quando já há provas (alegadamente de crimes muito graves), deixa de haver perigo de fuga ?»

    Ouve, consegues falar com um marciano? Se me responderes a esta questão, eu REPITO O QUE JÁ TE DISSE vezes sem conta. Hai capito?

  39. Mau sintoma quando a verdade não é a preocupação!!Quando a preocupação é que se saiba, mau vai a nau.

  40. Maria de Sempre, não vejo ninguém da classe política do circulo governamental e parlamentar a questionar a actuação da justiça no caso “Sócrates” (entenda-se Freeport, Face Oculta, Operação Marquês etc). Desde o CDS ao BE, passando pelo PSD, PS e PCP, todos consideram que a justiça funciona dentro da normalidade e fazem questão, neste preciso momento, de o afirmar enfaticamente. Todos eles, talvez o PS mais entusiasmado que qualquer outro dirigente partidário, afinam pelo mesmo diapasão. É raro formar-se uma tal unanimidade. Entretanto, a mensagem sibilina contra Sócrates e o PS faz o seu caminho normal dentro do eleitorado: o PS destaca-se no intento de desligar “Socrates” da campanha eleitoral, porque Costa e o PS sabem, melhor que ninguém, da corrupção do seu ex-PM. Portanto, é forçoso fugir dele como se foge da lepra.
    Sinceramente, não sei se esta táctica de António Costa faz perder ou ganhar votos, mas sei que deixa uma marca de cobardia impressionante, além de ser um tiro certeiro na democracia. Porque Sócrates, escutado e perseguido desde 2004, não se representou apenas a si mesmo, mas ao partido socialista. A perseguição teve sempre na mira o partido socialista e a sua capacidade de alternância na governação. Ora, era isto que a direita não podia continuar a tolerar. E não tolerou. Abril pode estar mesmo moribundo. Imagino o gozo de Cavaco, Passos e Portas com o distanciamento compulsivo do PS/Costa em relação ao perseguido Sócrates. Nunca poderiam ter imaginado que era tão fácil. O resultado foi espantoso, depois da golpada final com a prisão de Sócrates: Costa evoluiu, consistentemente, nas sondagens, de uma quase maioria absoluta para o empate técnico desta semana. Caramba, foi em cheio!

  41. «O Ministério Público promoveu a alteração da medida de coação, por considerar que, face à prova reunida desde a última reapreciação, se mostra reforçada a consolidação dos indícios»

    E esta, hein? De acordo com o excelso MP, mostra-se “reforçada a consolidação dos indícios”, ou seja, “CONSOLIDADA A CONSOLIDAÇÃO dos indícios”. O que achais, meus, desta pérola estilística, deste fino recorte de literacia “jurídica”, desta etérea filigrana da pátria língua pessoana e camoniana? Se preciso fosse, só provaria que o chafurda ceguinho nem o exclusivo da analfabrutice pode reivindicar?

    Aproveito para reiterar uma profissão de fé: não acredito na existência de Deus. Mas posso estar enganado. Quanto ao deus do chafurda ceguinho, posso garantir-vos uma coisa: se acaso existe, então é gordo e leva no cu. Oremos.

  42. Ena o fedor! O fedor. Ó pás! Estão a ver os PROBLEMAS quando a LIBERDADE de EXPRESSÃO CONFUNDE INTELIGÊNCIA COM TRAMPA? Grave, muito grave.

  43. O BESTA arrotando as postas da IGNORÂNCIA. Deves orar ao contrario, com os chifres bem à mostra. E quando te afasras do tema que bem conheces – a TRAMPA e as TREVAS -, eis-te novamente no caminho da TRAMPA, que homenageias em cada vocábulo que escarras.

  44. Maria Abril

    Permita-me que lhe relembre como acaba aquele magnífico romance de Alexandre Dumas “O Conde de Monte Cristo”.
    A última frase é:
    Toda a sabedoria humana se resume nisto: ” ter fé e saber esperar” (palavras do conde).
    Ora pois se o destino é tão engraçado que agora até conduziu o homem para uma residência numa rua que se chama “Abade de Faria” … Ahahahah

    PS: o Povo não é tão burro como se julga.

  45. Eu já cá venho, cegueta!
    Caramba! Nem me deixa regar.
    Um vício, cegueta, não é um hábito. Só me faltava ter que te dar lições de semântica e etimologia, para lá do direito.
    Vamos a ver, não dês voltas e não insistas em criar fumo.
    O argumento de que o arguido não beneficiava de inocência nem enfermava de culpa, mas beneficiava, no que respeita à assumpção dos seus direitos, de presunção de inocência foi meu e invoquei-o para te rebater quando há uns dias insistias na precariedade do instituto da presunção de inocência face ao que o juiz presumia de culpa. A propósito do acordão do TC.
    De resto, disse-te também que o arguido está refém de duas presunções, a de inocência e a de culpa, mas a lei e a constituição determinam que, no que concerne à preservação dos seus direitos, prevalece a presunção de inocência. Não sejas trapalhão.
    Essa presunção e os direitos que a ela estão adstrictos, podem entrar em conflito, ou entram sempre com necessidades objectivas do processo e da investigação. Embora a presunção de inocência prevaleça, os investigadores e promotores do processo têm que, de algum modo, presumir a culpa. Por isso, porque presumem a culpa, esperam ou devem a eventualidade de o arguido perturbar o inquérito, dificultando ou impedindo a recolha de provas, ou perturbando a ordem pública no sentido de condicionar as diligências dos magistrados.
    Também por isso, sem nunca deixarem de acautelar a presunção de inocência que beneficia o arguido, são autorizados ou investidos pela lei no poder de decretarem medidas de coacção da liberdade do arguido, com o fim explícito e exclusivo de defender o rigor do processo e da investigação, ou, em extremo, impedir a continuidade da actividade criminosa. O espectro destas medidas foi graduado pela lei, competindo ao juiz, em cada circunstância, fazer uso da proporcionalidade ao aplicá-las.
    Elas são designadas preventivas porque não são penais, pura e simplesmente porque não decorrem de uma sentença nem de uma aplicação de uma pena, como é óbvio.
    E vens tu alegar, com prosápia de sábio:
    ” Por isso, sumariamente digo-te que a prisão preventiva é NATURALMENTE uma medida penal: aplica-se em processo penal, tem um carater sancionatório extremo, qual seja, coartar a liberdade do cidadão, direito fundamental.”
    Há medidas e diligências que aplicam em processo penal de múltiplas naturezas. Nem todas são penais, simplesmente por serem aplicadas em processo penal.
    A medida de prisão preventiva não tem carácter ”sancionatório” (sic!) tem um carácter preventivo.
    E o que está em causa, na realidade, é andar por aí um juiz a aplicar medidas preventivas com carácter sancionatório. Para lá da grosseria em meros temos de referência aos princípios do direito, se assim fosse, haveria agora que perguntar:
    Uma vez que a medida foi aliviada para outra menos extrema, devemos deduzir que se atenuou a solidez dos indícios e suspeitas ou elas passaram a recair sobre crimes menos graves?
    Tu és tão sábio que nem entendes que estás a minar a tua própria trincheira.
    Deves ser mesmo magistrado.

  46. Ai….deixa-me acender uma VELA, para ver se enxergo alguma coisa. Coitado do Abade, o gajo também não topava os portugueses e lá fugiu quando estes lhe detetaram o sentimento. De facto, há aqui um denominador comum. A traição, o desvio e sobretudo o desvio às leis de Deus…não será? Posso apagar a vela, agora…fogo, ainda alguma alma penada desce e se queda por aqui…teríamos um problema, eu gosto de tudo muito iluminado e tenho cá um cheiro para certas coisas. O hilário é sem quartel. A BURRA anda a tomar bué da propofol…aposto que no meio do delírio vê o Abade Faria a hipnotizá-la…hum…

  47. Maria Abril, já reparei que é da opinião de muitos em relação à passividade de António Costa e do PS, em princípio também me questiono mas por outro lado tenho uma convicção há muito tempo, talvez desde a visita de António Costa a Évora, de que não conhecemos mesmo nada o teor da conversa entre eles. Pelo que nunca consegui emitir nenhum juízo sobre o silêncio de Costa. Nem sequer o estou a defender, estou perfeitamente à vontade para dizer que Costa não me inspira nenhuma confiança e o que questiono neste caso todo é e sempre foi, mesmo antes dele, a actuação da Justiça. Concordo com a Maria, nunca vi a Justiça a ser questionada dantes e no entanto, quanta injustiça houve…. ! Ninguém lutou. Por isso, repito, se José Sócrates for o sacrificado para que as coisas mudem, então que seja. Não terá sido preso em vão.

  48. Manuel Nunes, continue que é divertido ver o Numbejonada a distorcer tudo. Anda por aí a chamar burra e burro a toda a gente mas não consegue entender nada do que o senhor escreve, claro como água. :))

  49. ó, ó, ó, ehehehe. Bora aí Ó PRUNES. Vá vai lá ler mais umas coisinhas, mas desta vez não baralhes os capítulos. Tás a ver, tudo o que é jumento te apoia…tens de alimentá-los, pá. Parece mal, se não o fizeres, caramba!

  50. TOMA LÁ PRUNES…JÁ QUE ANDAS A PUBLICAR O QUE ESCREVES EM TUDO O QUE È POST…
    ó, ó, PRUNES..ó , ó PRUNES…Aqui vai o «copy/paste».

    Mas tu escreves tanto, que eu perco-me no meio das tuas ruas. Diz-me: em penal há presunção da culpa, é? Hum. eu não sabia. Talvez em Cível, não quererás tu dizer que essa presunção – a da culpa – é mais do tipo civlistico, tás a ver?

    Eu também sei regar, vê só. Mas eu sei o esquema à antiga, tás a ver. Para perceber a coisa, «tocava os burros», hum, e era um delícia ver a água a subir e a caminhar…depois alguém esperava a água e a encaminhava. Eu tinha uma pena dos burros, pá, que nem calculas. Os tipos andavam ali à roda, à roda, numa rotina desgraçada e eu ou os seguia ou me afastava. Percebes? Hum? Percebes mesmo?
    Portanto, dizes tu que as medidas de coação penais «são designadas preventivas porque não são penais, pura e simplesmente porque não decorrem de uma sentença nem de uma aplicação de uma pena, como é óbvio.». Onde queres chegar ou o que queres salientar? É que sabemos que são preventivas, EVIDENTEMENTE ( mas sabes que também há medidas preventivas em Cível…não sabes?). Porém, o facto de serem PREVENTIVAS ( em penal) não lhes retira a NATUREZA de medidas jurídicas penais, por aplicadas em PENAL, sendo que o PENAL se inicia formalmente com um PROCESSO, cuja existência não está dependente de uma SENTENÇA com PENA ou sanção (pecuniária…)

    Então? Olha que isto não encontras na…wikipedia nem nos apontamentozecos internéticos. Hai capito?

    Já me estás a cansar! Ou aprendes de vez, ou deixo-te à volta da nora. Não abuses!

  51. E o que está em causa, na realidade, é andar por aí um juiz a aplicar medidas preventivas com carácter sancionatório. »

    A sério, PRUNES? Então e qual foi a medida preventiva com caráter sancionatório que ele aplicou?
    Voltamos ao mesmo: se um infrator viola um bem jurídico, e é preso preventivamente, ele é presumível inocente, inocente ou culpado? Sabemos que ele matou – vimo-lo a matar, e a sua conduta gerou inquérito. Porém, isso retira-lhe o estatuto de presumível inocente e confere-lhe o de culpado? E ao ser preso preventivamente, estamos a aplicar-lhe uma medida de coação excecional ou uma pena?

    «Uma vez que a medida foi aliviada para outra menos extrema, devemos deduzir que se atenuou a solidez dos indícios e suspeitas ou elas passaram a recair sobre crimes menos graves?»

    A tua pergunta é TOLA. A aplicação da medida EXCECIONAL tem um propósito CLARO! Existe o direito de pedir a revogação da medida, de 3 em 3 meses, quando os pressupostos da mesma se modificaram, sobretudo quando está em causa uma MEDIDA EXCECIONAL. Mas isso não APAGA o que se compilou, identificou e permitirá a ACUSAÇÃO pelo tipo criminal investigado!
    Portanto, porque falas em SOLIDEZe diminuição da solidez dos indícios?! Porque se aplica uma medida como a prisão preventiva? Qual é o seu objetivo?Pois isso não te responde?!

    «Tu és tão sábio que nem entendes que estás a minar a tua própria trincheira.»Sê-lo-ia se te seguiss

  52. Depois de repetir à exaustão o enjoativo mantra de que à justiça o que é da justiça e à política o que é da política, parece ser difícil, a António Costa, entender que isso não o impede de se sentir satisfeito com a saída do camarada de partido da prisão de Évora. Que ele não perceba que manifestar publicamente essa satisfação não só não o prejudicaria como até beneficiaria o partido eleitoralmente, que não entenda como é difícil engolir tal comportamento e a desmoralização que o seu incompreensível amorfismo provoca não só nos militantes mas também nos eleitores socialistas, é coisa que os meus pobres dois neurónios não conseguem processar, mas enfim, não há-de ser nada.

    Já agora, e depois de rigorosa investigação, reafirmo que não só o deus do chafurda ceguinho é gordo e leva no cu como o próprio escarreta invisual é gordo idem e leva no cu aspas. Oremos.

  53. O GAGALHAÇO faz certamente parte da …câmara dos comuns do inferno…O gajo tem tanta TRAMPA nos olhos de BESTA que vê tu à medida dele. Com uma mente absolutamente vazia.

  54. Lá vens tu com rodeios e virtuosismos bacocos, cegueta.
    ”De resto, disse-te também que o arguido está refém de duas presunções, a de inocência e a de culpa, mas a lei e a constituição determinam que, no que concerne à preservação dos seus direitos, prevalece a presunção de inocência.”
    Tu sabes ler, cegueta?
    É muito difícil de entender? O suposto acusador ou promotor do processo e investigação presume sempre a culpa, se não presumisse arquivaria de imediato o processo. Mas, embora seja legítimo que o promotor da investigação presuma a culpa, deve acautelar, por todas as formas, a presunção da inocência. Violar este princípio e estes procedimentos conduz, por norma, à subversão do espírito e da letra da lei e do direito.
    Mas tu pensas que enganas quem com a tua verborreia?
    Gostava, sinceramente, de estar a falar com um sujeito minimamente culto e medianamente inteligente, pela razão liminar de continuar convicto de podes ser o procurador Rosário Teixeira ou o juiz Carlos Alexandre. Ou alguém por eles.
    O raciocínio assemelha-se.

  55. «É muito difícil de entender? O suposto acusador ou promotor do processo e investigação presume sempre a culpa, se não presumisse arquivaria de imediato o processo. » PRUNES, num ar que lhe deu…

    A sério, Prunes? Hum, tá bom então! Logo, a presunção de inocência é para «inglês ver», certo? ehehhehheheh.

    «Mas, embora seja legítimo que o promotor da investigação presuma a culpa, deve acautelar, por todas as formas, a presunção da inocência».

    Portanto, o arguido é presumivelmente culpado e inocente. ehehehheheheheh Mas tem que se acautelar a inocência, tornando-o culpado com a prisão…ai, queres continuar, Prunes, a sério? é que eu hoje já evacuei, pá. Não careço de me rir mais…

    «Violar este princípio e estes procedimentos conduz, por norma, à subversão do espírito e da letra da lei e do direito.»
    ehehehheheh. Hum. ehehehheheh. Qual é o princípio, Prunes? O teu? Mas esse não existe na lei, e logo, inexiste no Direito. Sendo comprovadamente assim como eu digo, onde é que está a subversão da letra da lei e do Direito…? ehehehhe

    Olha só o que te deu o convívio com a BURRA, pá?!

    ehehehehheheheh. LOL. Hilário está sempre presente.

  56. A BURRA II pronunciou-se. Sim, eu ofendo-me com a BURRICE de algumas sujeitas que deviam ter a decência de não deixar aqui o fedor do bacalhau seco…como se este fosse motivo para dissecação laboratorial. Tenho o nariz sensível…preciso de o proteger, cautelarmente, acima de tudo.

  57. Muito de acordo, Joaquim. Mostrar satisfação com a saída da prisão de qualquer cidadão e em especial de um companheiro de partido é o mínimo dos mínimos. Neste momento, dificilmente um líder político em Portugal encontraria melhor forma de exibir dignidade e classe na sua função, seja de que partido fôr.

  58. És burro, cegueta! Não há nada a fazer.
    E eu ainda convicto de que possas ser o super procurador ou o super juiz.
    Talvez sim, talvez não.
    ”Tudo o que não existe na lei inexiste no direito”.
    Ora bem. Existe alguma lei que estipule o tratamento a conceder ao meritíssimo juiz?
    Se um juiz decretar que na sala de audiências em que decorre um julgamento de um ”caso penal” deve ser tratado por meritíssimo, a medida é penal?
    Quando as testemunhas juram cumprem uma obrigação penal?
    Olha. A cabeça é aquela coisa que trazes sempre no ar. Os pés aquelas coisas mal cheirosas que assentas na terra. Quando fazes o pino os pés passam a ser a tua cabeça? E a cabeça? Passa a feder a xulé?

  59. Ó, ó, ó…Pacheco! ó pró teu raciocínio….hum?!

    «Se um juiz decretar que na sala de audiências em que decorre um julgamento de um ”caso penal” deve ser tratado por meritíssimo, a medida é penal?» ehehehheheheh. Ganda exemplo, pá…ehehheheheheh

    Cá pra mim, nem ao primeiro degrau chegaste….ehehheh. Ó prós exemplos que o animal dá…ehehheheh. hum.

  60. numbejonada, como homem do direito (a direita fica para depois) que leitura faz desta saida de socrates da cadeia sem uma única acusaçao produzida ao fim de ano e meio de investigaçao e mais 9 meses de prisaõ? a minha leitura é esta: suspeitas há, mascomo não podem provar,mandam um ex primeiro ministro para a cadeia para cumprir a pena que eles acham de devia cumprir caso fosse a julgamento.sabe uma coisa? que os pariu!

  61. Caríssima Fifi.
    A leitura do meritíssimo cegueta é, já aqui repetida até à exaustão:
    ”O juiz decide! Em direito o juiz decide! Cala-te ignaralha!”
    Escreva isto cem vezes antes de se deitar na parede da sua sala, sem deixar de dar destaque a ”ignaralha”.
    Assim dispensa o meritíssimo do incómodo de lho repetir todas as manhãs.

  62. Meu caro,

    Quem lhe disse que eu sou de Direito? E que sou de Direita? Só porque não sou de Esquerda?

    Quanto ao que questiona: a revogação da medida (penal) de prisão preventiva está prevista legalmente. A sua revogação não está dependente da prévia existência de acusação nem de qualquer prova. A lei não pede a prova para prender preventivamente o arguido.
    Os indícios ( nesta fase, fala-se apenas em indícios) da prática de condutas tipificadas não diminuíu, pois segundo consta, até se consolidaram. E, naturalmente, pode continuar a haver inquérito, pois este ( que se saiba) ainda não foi dado como findo. Só após a declaração do inquérito como findo se passa à articulação da acusação.
    Não deve fazer ilações precipitadas no que concerne a quem conduz a investigação. Deixe-os apresentar o trabalho e depois concluirá. No meu caso, limito-me a comentar e satirizar o que vou lendo. E continuo a ler que as pessoas comentam, medem, sem conhecer factos, agarrando-se ao tempo ( como se este fosse o primeiro processo – crime em Portugal), ligando a situação à política ( pelo menos nos termos publicados), proferindo disparates em matérias tão técnicas como as do Direito.
    E, como deve saber, quando está em causa um arguido que foi governante, a magistratura reveste-se, ainda, de mais cuidado técnico – processual. O processo já foi filtrado por mais de três dezenas de magistrados, que certamente se se tivesse apercebido de alguma falha por parte do MP ou do JCIC, a teriam denunciado, revogando a decisão submetida a apreciação recursiva.

  63. DIZ o BILTRE

    ”O juiz decide! Em direito o juiz decide! Cala-te ignaralha!”

    Ainda bem que o juíz decide em Direito. Imagina que eras tu? Invocavas o teu MÉTODO, arreliavas-te por te mandarem ler Aristóteles, e aplicavas a «ciência da nora», aumentando a morosidade, pelo facto de a tua escrita ser tão sui generis que nada se percebe, obrigando à abertura de inúmeras hipóteses….

  64. “Quem lhe disse que eu sou de Direito? E que sou de Direita? Só porque não sou de Esquerda?”

    parece merda,
    tem consistência de merda,
    cheira a merda,
    barulho de merda
    e sabe a merda.

    uff… quase que pisámos um cagalhão.

  65. Meu Caro.
    Vou ser sincero consigo.
    Deixe-se de tiradas técnico-morais ou homilias acerca do que se deve e não deve, que apenas denunciam a fragilidade de precariedade das suas razões e argumentos.
    Assuma o que cada um diz sobre a matéria como um facto consumado, porque o que cada um diz, com mais ou menos fundamento ou sem ele, é o que cada um entende que deve dizer.
    Assim sendo, não insista com essas recomendações acerca do que não se deve dizer. Aceite o que se diz como um facto consumado e rebata-o, com argumentos. Deixe por uns dias a ”menina dos cinco olhos na gaveta”. E tenha tino.
    ”O processo já foi filtrado por mais de três dezenas de magistrados (…)”.
    Então o meu caro ainda não entendeu que o que está a ser proposto, pelo menos pela minha voz, é que a justiça, em Portugal, está refém de uma conjura instituída na sua cúpula e que tem como protagonistas os super magistrados, a generalidade dos magistrados e juízes que fizeram o seu tirocínio na Polícia Judiciária e os sindicatos?
    Ainda hoje, se tiver tempo, lhe vou explicar o que pretendo dizer. Que sumario assim.
    Os magistrados e as suas instituições não devem nem podem transferir para o seu foro os métodos e os ”regulamentos” processuais da polícia, nomeadamente judiciária. Que podem ser legítimos, ou não, no foro policial.
    Devem demarcar-se rigorosamente da polícia e, mesmo, vigiar com rigor os seus procedimentos. O Ministério Público não é, nem pode ser uma entidade policial. Deve ser, também, uma entidade de vigilância sobre os procedimentos policiais.

    Afinal, o meu caro já aprendeu alguma coisa. Já entendeu que a prisão preventiva não é uma medida penal. Só lhe falta explicar que um juiz a tenha considerado inadequada por defeito.
    A sua verborreia pretende o quê?

  66. ALELUIA!

    Já chegaste aí, cegueta? Já percebeste que não percebes patavina do que te escrevo?
    Pensa lá um bocadinho. Que fazer.
    E se tirasses o curso de direito outra vez?
    Duas, três… até entenderes.

  67. Diz o BILTRE

    «Então o meu caro ainda não entendeu que o que está a ser proposto, pelo menos pela minha voz, é que a justiça, em Portugal, está refém de uma conjura instituída na sua cúpula e que tem como protagonistas os super magistrados, a generalidade dos magistrados e juízes que fizeram o seu tirocínio na Polícia Judiciária e os sindicatos?»

    Mas, mas,mas…tu …és quem? Que me interessa a tua…voz?

    Tu NADA dizes. NÃO SABES. Passas demasiado tempo a regar. PRUNES, cala-te pá.

  68. IGNAZRALHO,

    Tu és isso tudo, NÃO PARECES, ÉS! Alguma dúvida? Acredito que pises póias, precisas de reciclar a língua…

    ehehheheh. Ó pa eles, todos frustrados. COMUNAS! Vá…vão fazer uma vigília para os lados da Alameda…ouvi dizer que aquilo agora se tornou zona nobre…hum.

  69. Diz o PRUNES

    «Os magistrados e as suas instituições não devem nem podem transferir para o seu foro os métodos e os ”regulamentos” processuais da polícia, nomeadamente judiciária. Que podem ser legítimos, ou não, no foro policial.
    Devem demarcar-se rigorosamente da polícia e, mesmo, vigiar com rigor os seus procedimentos. O Ministério Público não é, nem pode ser uma entidade policial. Deve ser, também, uma entidade de vigilância sobre os procedimentos policiais.»

    Ó gajo do MÉTODO…o que é que queres dizer pá» Expreme tu que eu já arranjei calos nos olhos e não consegui nada.
    Então, em que te baseias para dizer «Os magistrados e as suas instituições não devem nem podem transferir para o seu foro os métodos e os ”regulamentos” processuais da polícia, nomeadamente judiciária.» Que é que os DITOS magistrados transferiram para eux-mêmes? Conta aí?

    E que queres dizer com isto « Que podem ser legítimos, ou não, no foro policial.» eheheheheheh. Então, pá, pode ser legítimo OU NÃO no foro policial? Hum? bem, já me arrepiei só de pensar no «Não legítimo»….explica lá.

    Então o que te leva a dizer que os OPC´s … não são …controlados pela entidade que titula o procedimento?

    PRUNES,

    olha lá, pá, olha que o dispensário não é só lido pelas BURRAS e pelo IGNATZ – esses contentam-se com tudo…ainda por cima, pá, sob o teu nome….acho isso um pouco arriscado, para a tua imagem, tás a ver?
    Tu já bebeste hoje? Come pãozinho, vá, que isso passa-te…

  70. PRUNES,

    «Afinal, o meu caro já aprendeu alguma coisa. Já entendeu que a prisão preventiva não é uma medida penal»

    Prunes, penso que será adequado chamar-te BURRA, também! Tu és lerdinhas, pá…acaba de subir as escadinhas da FDL…quem sabe te convenças, MINHA GRANDE BURRA, que a medida de coação é PENAL…a não ser que a queiras aplicar em Trabalho…ou Civel…ou Comercial…hum…cala-te BURRA.

  71. Hehehe, o BURRO do senhor Numbejonada pergunta e pergunta cada linha porque não sabe a resposta. POrque é BURRO!

    “Então, em que te baseias para dizer «Os magistrados e as suas instituições não devem nem podem transferir para o seu foro os métodos e os ”regulamentos” processuais da polícia, nomeadamente judiciária.» Que é que os DITOS magistrados transferiram para eux-mêmes? Conta aí? ” BURRO dixit

    Não sabe BURRO? é tão óbvio o que o senhor Manuel quer dizer, oh BURRO! Porque chama burros aos outros se você é o único que não percebe, BURRO? Você é hilariante, BURROOOOO!!!!!!!!!

    Ah, escusa de me desafiar a mim a dar-lhe a resposta porque NÂO o farei. Essa comigo não pega, de desafiar constantemente os comentadores a mostrar aí, conta aí, diz aí.. :))) Nã! Vou entreter-me antes a ver se começa a respeitar mais as opiniões diferentes da sua. É assim que se deve fazer em casa do Valupi. Percebeu BURRO? Não me apetece fazer um desenho. DEBATA saudavelmente, senhor Numbinada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.