Como é curiosa a luta contra a corrupção em Portugal

Quantas vezes, ao longo da nossa vida (cada um que pense na sua), a corrupção nos causou um qualquer dano? E a ter causado, quando foi a última vez? Somando as parcelas, qual é mais danosa para o País, a grande ou a pequena corrupção? Se a “Operação Marquês” é o mais importante processo judicial de sempre no Portugal democrático, e se esse caso nasceu por suspeitas de corrupção e produziu uma acusação de corrupção, existe alguma prova directa de corrupção nas 53 mil páginas e nos 13,5 milhões de ficheiros informáticos reunidos? A haver, mesmo que seja prova indirecta, e visto dizer respeito a actos de um primeiro-ministro, como é possível não existir mais nenhum ex-governante, ou que fosse mero funcionário público, a ser acusado de cumplicidade? Aliás, o que é a corrupção? Há uma definição legal, restrita ao âmbito dos funcionários públicos. Há a definição popular, em que a corrupção é o que todos os outros fazem a toda a hora. E há a definição populista à portuguesa, em que a corrupção só existe porque existem socialistas a ocupar posições estatais. Os inquéritos mostram que a percepção sobre a corrupção em Portugal é muito elevada entre os que respondem a esses levantamentos; o que parece inevitável quando há uma indústria da calúnia onde o tema é explorado à exaustão de acordo com todas as técnicas sensacionalistas e persecutórias, situação agravada pela decadência da direita que, por factores pulsionais e contextuais, igualmente faz do espantalho da corrupção uma estratégia retórica dado não ter mais nenhum discurso para apresentar aos cidadãos e aos eleitores.

João Miguel Tavares, quando andava a passear no Iraque em aventuras de guerra com Ana Lucas Coelho, estava muito longe de imaginar que se iria tornar numa super-vedeta da indústria da calúnia por ter despachado, em Março de 2009, um exercício displicente onde acusava um primeiro-ministro de ser corrupto apenas com base no que o autor tinha recolhido na comunicação social. Começava aí uma carreira gloriosa que o iria levar para o panteão daqueles que por feitos extraordinários ao serviço de Portugal e da cultura e comunidades portuguesas foram convidados a ilustrar o 10 Junho, assumindo a presidência das comemorações e tendo direito a dizer das suas para edificação da Grei. O actual Presidente da República justificou a escolha declarando que via no nomeado de 2019 um representante do “jornalismo” e que o “jornalismo” estava a precisar de ajuda, pelo que as peças encaixavam na perfeição – a transformação da actividade jornalística na mera opinião vulgar e o prémio político dado a quem fez da pulhice um negócio. Ora, este importantíssimo especialista em corrupção socialista acaba de publicar um importantíssimo tríptico onde exibe os seus superiores talentos analíticos. Foi assim, sirvo os sumários executivos:

Portugal e o problema da corrupção – parte 1 – Cuidado com os socráticos. Costa é igual aos socráticos, cuidado com o Costa. A corrupção é o Diabo, e os socialistas são diabólicos.

Portugal e o problema da corrupção – parte 2 – O regime é corrupto. Em 1788, alguém na América disse: “A natureza humana é socialista, só os anjos é que se safam mas temos de esperar pelo Passos Coelho.” Entretanto, não dá para acelerar a produção de prisioneiros socialistas voltando à rapidez e limpeza dos tribunais plenários?

Portugal e o problema da corrupção – parte 3 – Um estudo da Católica que não fala de Portugal é o guia ideal para falar de Portugal. Ao mais de resto, anda tudo a gamar e ninguém quer saber. A própria Suécia já foi como Angola, portanto… Adam Smith não sei quê e foda-se. Ah, isto que eu aqui deixo é que é o jornalismo.

Uma característica curiosa das intervenções deste famoso jornalista e grande investigador do fenómeno da corrupção é nunca terem qualquer número relativo à problemática na berlinda. Ele despreza percentagens, ocorrências, segmentações, comparativos, tabelas, mapas, gráficos, estatísticas. Abomina a gentalha das ciências sociais que tresanda a socialismo. Não precisa, dispensa. Para quê perder tempo com essa tralha dos factos e seu tratamento rigoroso e isento, o que muito provavelmente só iria aborrecer os seus leitores, quando basta ler o esgoto a céu aberto e depois passar meia hora a teclar para aplauso da claque, e ainda sacar o belo à Sonae para poder ir de férias com a família? Não serei eu a condená-lo por essa vida tão confortável que alcançou. Mas confesso ficar um bocadinho pesaroso ao tropeçar no seu silêncio sobre essa mesma Católica que referiu, e por onde se passeia com intimidade de braço dado com o Zé Manel, precisamente no capítulo da corrupção, o combate da sua vida. É que um jornalista curioso não deixaria passar sem uma referência esses tempos em que um primeiro-ministro montou um esquema fiscal que, noutros tempos ainda mais remotos, lhe teria garantido uma bula papal e a promessa do início do processo de beatificação aquando do passamento, tamanhos os benefícios financeiros dados à UCP. A mesma UCP onde esse primeiro-ministro e a esposa foram professores, entre outras figuras com responsabilidade governativa no tal decreto-lei. Curiosa a selectiva falta de curiosidade do nosso herói da luta contra a corrupção, né?

13 thoughts on “Como é curiosa a luta contra a corrupção em Portugal”

  1. a bancarrota de fátima tamém deve ter dedo do sócrates e mão dos socialistas corruptos que gerem aquela clholdra. mais um buraco financeiro para o tio celinho forçar uma intervenção estatal, mas só pegam no assumpto depois da festa do avante para atirar com as culpas da gestão danosa para cima do covides.

  2. Toma lá, Valupi, este é o estado da arte do
    papel histórico do PS sobre a grande corrupção (socialista) em Portugal (apesar de o tipo ser pequenote, amado por ti é claro, no lobby político há poucos com o seu curriculum). Essa é que é essa!

    Entretanto, explica aí as partes mais difíceis ao Jaquim, ao apsrvalhado do Madeira e ao Zé Neves gagá. Lembro-te que o Camacho, a propósito, desde que foi à tomada de posse do Donald Trump veio de lá das terras dos índios convencido de que tinha sido promovido pelo dito a cavalo…

    Olha a besta, coitadito: dieta, olhos e orelhas de caburro, não engana.

    […]

    Entretanto, e portanto, como íamos dizendo.

    Tu que és um bocado arejado face às coisas verdadeiramente importantes, poderás facilmente encontrar o perfil que a Cristina Ferreira fez no P. sobre o neto da D. Constança.

    Esse marau, sim, o António Vitorino que, tendo sido o primeiro ministro a ser apanhado durante o Guterrrismo por causa da sisa do monte aí em Ourique eras tu um imberbe, se demitiu e abriu portas a uma importante remodelação em que surgem o Costa, Sócrates e Seguro a jogar entre os seniores do PS, e que, coitado, se mexeu e encetou uma carreira internacional fulgurante como comissário europeu e que, depois, se ocupou durante décadas a fazer lobbyismo, da pesada!, com assento nas mais sonantes sociedades de advocacia ibéricas e presenças nos órgãos sociais de dezenas de empresas dos pardalões do nosso PSI-20 e tal.

    Olha pois, pá, só te digo: saberás decerto que agora ele anda lá com o Guterres, na ONU, detentor de um importante cargo a tratar dos migrantes condicionando a política externa do MNE português com a tropa, os chuis e os marinheiros em acções espectaculares de salvamento no Mediterrâneo, humanitárias e quê. Mas, antes de ir para New York e enquanto se dedicava afincadamente ao lobby, lembrar-te-ás que ele coordenava programas eleitorais do PS, era divertidamente uma estrela mediática que as TV’s adoravam no comentariado e que era presença obrigatória nas noites eleitorais… Ora, subitamente, desapareceu!

    Diz a Cristina Ferreira que o fisco espanhol foi bater à porta dos herdeiros do antigo embaixador Raúl Morodo (geração do Mário Soares de quem era amicíssimo), que prenderam o seu filho que é casado com uma gentil senhorita gerada pelo bem conhecido Dias Loureiro, e, prepara-te!, que aparece lá o nome do António Vitorino com umas facturas manhosas de umas caixas de pares de luvas de dinheiros sacados da Venezuela…

    [ https://www.publico.pt/2020/03/15/economia/investigacao/advogado-politico-lobista-1907599 , aqui.]

    Em resumo, qu’o facalhão saiu a 15 de Março de 2020: do neto da dona Constança nem a sombra, agora, fechou a porta da loja aos media portugueses e eclipsou-se!

    Não fosse esta trapalhada, aposto, e seria homem para mandar os refugiados darem uma curva pelo que ainda aparecia por aí a oferecer os seus serviços aos camaradas socialistas que conhecem o segredo para entrar na gruta do Ali Costá…

    – Abre-te Sésamo, gritava o Tony.

  3. Ó Eric, vai trabalhar, pá!
    Olha, o Venturinhas precisa de pázinhos como tu, cheios de sangue facho na guelra, isto, bem entendido, se não estiveres já lá enfiado, não no dito mas no chaga, claro.
    Eu sei, Valupi, que te dá um gozo danado este traficante ter voltado a andar por aqui, agora disfarçado de pombinha, e que te divertes à pampa com a foleirice dele. Mas há que não esquecer que o gajo é como o cheiro a merda, onde ele chega, as pessoas afastam-se, se é que me faço entender.
    Aliás, é mesmo essa a intenção dele, como já vimos em tempos aqui no Aspirina, só que nessa altura não tinha penas.

  4. Falar em Tribunais Plenários, como quem fala em sucessos do Cretácico ?
    Meus caros,conheço vários bichos caretas que,devotadamente os serviram,louvados ao tempo pelos seus superiores hierárquicos e que por cá se pavoneiam como Castafiores autênticas,acabadas de saír de mais uma actuação com retumbante êxito!
    O que lhes vocifero é cá comigo! Nenhum retruca! Olhinhos no chão e,por momentos,são a imagem da singeleza filha da puta que tanto engana beatas e sacristães . Oh meus amigos,até quando aguentaremos este enxame de coiros que só pensam em engarrafar Portugal e pô-lo a envelhecer nas caves que conservam ?

  5. Caves que conservam aqui e nos Paraísos Fiscais,pois não há apreciador que suporte ser apanhado desprevenido!
    A sede (de dinheiro) é mil vezes pior que a fome!

  6. só não percebi qual foi o crime que o vitorino cometeu. ser neto da d. constança, ter-se demitido, remodelação governamental, ser comissário europeu, ser advogado e defender os interesses de clientes psi-20, não consta na lista dos ilícitos, quanto à sisa parece que até pagou 6 contos a mais do que devia.
    tamém não percebo qual é o problema do vitorino ter trabalhado com a cuatrecasas e da empresa defender clientes com problemas fiscais. o paulo rangel tamém lá trabalhou até 2016 e acumulava com deputado no parlamento europeu, mas isso não chateia a cristina ferreira nem as investigações do público.

  7. Só para acrescentar que também não compreendo que crime terá cometido Vitorino por ter negociado coma direita a revisão constitucional que retirou da dita o texto “Portugal é uma república a caminho do socialismo “, nem tampouco enxergo qualquer delito em esse feito o ter catapultado para juiz do tribunal constitucional . O resto, deputado europeu, comissário europeu, consultor, lobista, integrante duma vintena de conselhos de administração, e etc. vem com o talento adquirido . Nada disso é crime e nada o engrandece ( eleva ) significativamente. Pelo tamanho, continuará sempre a vestir-se no Petit Patapom . Mas os homens, dizem, não se medem aos palmos, medem-se ao litro e aos hectares .

    A retirada da palavra “socialismo” da constituição, também não é crime, estamos todos recordados das palavras de Zenha e de Emidio Guerreiro, aquele, dizia, “Partido Socialista, partido marxista”, e o segundo dizia, “o PPD é um partido marxista “.
    Mas esses, utilizando as palavras de outro a que já lá vou, eram “gajos e tipos”.
    Ora, Zenha, e José Rabaça, ambos membros fundadores do PS, foram expulsos, não sendo isso também qualquer crime . Rabaça foi expulso em 1983, e Zenha, na sequência de um processo disciplinar movido pelo próprio Soares, na sequência dos eventos que levaram Soares a retirar o apoio à candidatura de Eanes ( um gajo de direita ) e a apoiar o general Soares Carneiro ( um tipo de esquerda ) . Zenha manteve-se firme no apoio a Eanes – ou se se quizer -, na luta contra o ultra-direitista Soares Carneiro, e nunca mais dirigiu ou aceitou receber uma palavra do Condecuré de La France . E isso não é, “absolutissimamente” crime algum !
    Não sei por onde andariam nessa altura Jorge Coelho e Edite Estrela, quando recentemente afirmaram que no Partido Socialista nunca houve expulsões. Mas isso também não é crime .
    O que talvez tenha sido crime, foi Cavaco ter ganho a eleição contra Soares, e, desse modo, o ter impedido de ter figurado em três bancarrotas, duas como PM, e uma como PR (com Sócrates a PM). Seria obra . Um triplete .

    Factos:
    https://pt.wikipedia.org/wiki/Francisco_Salgado_Zenha

    https://ointerior.pt/arquivo/homens-para-nao-esquecer-no-25-de-abril/

    este é que era bom para PR ( atentar no que ele diz a dado passo “esses tipos que actuam e que nao fizeram nada”). Fraco em direito, em economia, em línguas estrangeiras, mas forte em física, consegue conciliar duas realidades antagónicas, a inércia e a dinâmica.
    Não é crime.
    É apenas e só, tudo muito triste .

    https://youtu.be/1hlNsEtixc0

  8. … para bater umas pívias nos momentos de reflexão.
    não vês e não compreendes porque és cego e burro, mas espumas raiva por terem sido os xuxas a fazer aquilo que a direita não teve colhões para fazer, pôr os comunas no sítio e criar estabilidade social e governativa. em memórias selectivas para conversa de tasca és bom, tropeças muito naquilo que dizes, falas de tudo, não dizes nada e depois cagas links a despropósito para justificar factos que só se passaram na tua cabeça com bivaque da mocidade portuguesa e nostálgica daquilo que nunca foste mas gostarias de ter sido. se treinares capitão falcão no espelho do guarda-fatos e leres banda desenhada do balilla na retrete talvez ainda vais a tempo de participar na reedição do 11 de março coreografada pelo ventura.

  9. O calhorda supra deve ter estado no comício na fonte betuminosa onde o conde coré inventou a palhaçada para se pôr à frente da contra-revolução, cavalgando a onda que o levaria ao poder e desse modo afastando o líder da contra-revolução que era o Sá Carneiro apoiado pelos retornados, e o CDS acoolitado por jagunços recrutados pelo Galvão de Melo.
    Foi com as leis feitas pelos “paranóicos do PCP” e os “irresponsáveis do MFA”, como se lhes referiu então o conde curé, que Costa, que lá deve ter estado também, então ainda de calções e pela mão de alguém, decretou a requisição civil dos enfermeiros.
    De resto, eu só disse verdades e por isso atingí-te um ou vários nervos, e talvez até ossos, nada contraditaste porque está tudo documentado, e pateticamente vieste fazer figura de palhaço, inventando fio dental para branquear a porcaria que está na memória histórica.
    Armários tem o outro, que se chama Vale, e que que diz que o filho ( transsexual ) nunca usou minisaia, falta saber se usou fio dental, como parece ser o teu caso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.