4 thoughts on “Começa a semana com isto”

  1. “Uma parte da justiça era dependente do poder político”

    “Uma parte”, note-se bem. Não se trata de um eufemismo inocente de um sociólogo distraído ou ignorante, mas sim da opinião ou convicção de alguém que, lembre-se, já defendeu publicamente que a justiça em Portugal “funcionava melhor” durante o Estado Novo do que sob o regime democrático.
    É uma descarada mentira que só o Tribunal Plenário tenha sido um instrumento da política do Estado Novo, como insinua a frase citada, ao abordar de forma telegráfica o assunto da justiça no antigo regime.
    Será que o autor da peça tem conhecimento de algum elemento de toda a magistratura da época, um único que seja, que não tenha sido seleccionado pelo regime salazarista, obrigatoriamente abonado pela PIDE como “politicamente idóneo” e referendado pelo governo?

  2. Guardo a memória desse tempo infeliz. Pena que o co-autor da peça não tenha contribuído em nada para a mudança da situação política então vivida em Portugal. A fome empurrou muitos dos portugueses para a emigração, muitas vezes clandestina. Outros, como este cidadão, passaram legalmente a fronteira somente à procura da modernidade libertária. Nem simples emigrante nem refugiado político, como diria o outro, uma coisa em forma de assim.

  3. a diferença entre Portugal e o resto dos países ditos desenvolvidos continua exactamente a mesma que antes do 25 de Abril , ainda não descolou da cauda da Europa , até , como vocês dizem , na Justiça. As coisas têm de ser vistas , como é óbvio, em termos comparativos. Montes do “progresso” é apenas o desenvolvimento natural da sociedade à medida que a tecnologia e bla bla bla se desenvolveu ( ainda que o futuro , em muitas coisas , como a alimentação , seja um regresso ao passado , logo nem tudo era mau) , aqui e no 1ª mundo inteiro .

  4. não andam descalços , muitos , porque a China faz sapatos a 1 euro… o banco alimentar contra a fome , a cruz vermelha e mais ipss , fazem a vez das senhoritas caridosas de são vicente paulo e não lhes faltam clientes. barracas há montes , bairros degradados idem, velhotes pobres são ás dezenas . e já não têm a horta para semear umas batatas , isso agora é só para gente fina , os unicórnios da “agricultura biológica”, a que havia na altura -:) . e das escolas saem pessoas que mal sabem ler , quanto mais perceber o que lê. prontes , alguém mitificou e o mito agradou e persiste .

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.