8 thoughts on “Coisas para imitar”

  1. Estranhei a sintaxe coxa. E depois pensei: onde está a cesura do verso livre e branco? Depois foi investigar e, pelos vistos, isto não é uma citação do Leaves of Grass. O que tem muita piada, claro, na medida em que a perífrase torna a canção realmente dele e única.

  2. Depois desta, apenas te posso desejar bom dia, Val!

    (É um bom resumo, mas também ninguém teria pachorra para ler o poema todo. Trust me I read hundreds of times… É gigante!!!!)

  3. Eu estou como o João Pedro da Costa, ler o poema “Canto de mim mesmo” e todos os outros em Folhas de Erva é “prazer puro”. Vou aproveitar o resto da tarde para reler alguns dos seus poema. Parafraseando Whitman, vagueio e convido a minha alma a olhar a giesta em flor, deste solo, deste ar que me viu nascer.

  4. Também a mim me deu vontade de revisitar o Whitman, e aqui fica um bocadinho, para quem tiver pachorra.

    E mostrarei que não há imperfeição no presente, nem no futuro haverá
    E mostrarei que o que acontecer a alguém poderá obter óptimos resultados,
    E mostrarei que o que acontecer será sempre mais belo do que a morte,
    E enlearei um fio através dos meus poemas para provar que o tempo e os factos são compactos,
    E que todas as coisas do universo são perfeitos milagres, todos eles profundos.

    Não escreverei poemas que se refiram a partículas,
    Mas poemas, cantos, pensamentos que se refiram ao todo
    E não cantarei como referência a um dia mas a todos os dias,
    E não farei nehum poema, nenhum verso que não se refira à alma,
    Pois, tendo observado os objectos do universo, sei que não há nenhum nem nenhuma partícula que nao se refira à alma.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.