Coelho foi o caçador

Só rir. Coelho esmagou Rangel do princípio ao fim. E terminou a sová-lo sem piedade.

Eis uma incógnita que desaparece, Passos Coelho afinal é um guerreiro, tem tónus e agressividade. Contra um histérico do vale tudo, baralhado com a repulsa que a sua táctica suscitou a partir da vergonhosa actuação no Parlamento Europeu, Coelho apareceu muito bem treinado e não falhou os alvos. Foi a sua melhor prestação política, e televisiva, de sempre.

Rangel, entretanto, é uma fraude ambulante. Dizer-se que ele ganhou as Europeias, e sozinho, é daquelas bacoradas que até despertam um sentimento de compaixão. Basta ouvi-lo a falar do Ensino, prometendo acabar com a avaliação dos professores a troco de mais uns trabalhos de casa em cima dos chavalos, para termos a certeza de que o Paulo nunca ficará no desemprego enquanto se venderem conjuntos de atoalhados na feira da Malveira.

29 thoughts on “Coelho foi o caçador”

  1. Por enquanto, o Dr. Passo Coelho é o herói dos “socialistas”. Ele sim, é um “psd” à PS, segundo se pode inferir dos elogios que lhe dedicam aqueles que, por todas as razões e mais algumas, deveriam ser seus opositores. Mas não já sabemos que – dentro do PSD – só “a” “Manela” e “o” Pacheco suscitam e concentram todos os ódios destes paladinos da pureza política (para os outros, entenda-se!).
    Sendo assim, estou curioso para ver de que forma passará a ser tratado caso venha a ser eleito Presidente do PSD. Sim, que eu não acredito que lhe mantenham este estado de graça, apesar das costumeiras cambalhotas dos ps’s, para os quais o que hoje é verdade amanhã é mentira, como alguém disse.
    Já estou a imaginar estas cabecinhas a inventar mais insultos e calúnias para repartir pela “Manela”; “o” Pacheco e “o” Coelho.
    Ou me engano muito ou este ano a caça ao coelho abre mais cedo e não terá época de defeso.
    A ver vamos, como diz o cego.

  2. Heroi?
    Ó Mário, não faças confusões. O Passos é um pateta.
    É é menos pateta que o outro e tem melhor figura.
    Mas no fundo é tudo a mesma canalha.

  3. Vc acha?
    Então leia os comentários, para não dizer loas, que aqui se escrevem em louvor de S. Pedro Passos Coelho…

  4. Dos fracos não reza a história, mas sobre eles, a ciência faz omissão quando conclui;……..”sobrevive não o mais forte nem o mais inteligente, mas aquele que melhor se adaptar à mudança”. Portanto não existe aqui nenhuma referência explicita em relação aos fracos.

    Mas os poderosos ajustam a teoria aos seus interesses, pelo menos dois são conhecidos; Adam Smith que inventou a sua teoria económica em que os fracos devem ser eliminados e Hitler com a sua teoria política que os eliminou; mas nazi, só o alemão!

    As aves agoirentas muito gordas e afanadas, cacarejavam há semenas, em Bruxelas e em Lisboa, que o país estava fraco e muito doente; segundo o CM acabam de sair da banca nacional mais de treze mil milhões (13 000 000 000) de euros, esta gente está a condenar o país; depois o nazi é o Hitler.

  5. Pois é…
    O Hitler e a sua teoria política e o Adam Smith mais a teoria dos interesses e mais o Eusébio e o seu pontapé canhão e a Madre Teresa de Calcutá e os pobrezinhos da Índia e depois o Bin Laden vai no comboio ao circo e pôe uma bomba no coelhinho branco e este fica muito feliz porque a sua foto aparece na Comunicação Social.
    Compreenderam? Eu também não.
    Mas será que era para entender? Não me parece…

  6. Eu é que estou baralhado. Pensei que o Valupi se estava a referir ao Jorge Coelho, em algum frente a frente com o Rangel. Mas se está a gabar o Passos Coelho, depois da bacoradas que tem largado…

  7. Indiscutível que Passos Coelho esmagou Paulo Rangel, especialmente com o último argumento de que estava bem como eurodeputado, fazendo uma leve referência à sua exclusão das listas do PSD…looooool!
    Passos Coelho é de um vazio tremendo, mas levava o TPC na ponta da língua, já Rangel, também ele, mestre, nas artes da vacuidade, não conseguiu suplantar e caçar o coelho!!!
    São muito iguais os candidatos, a diferença reside no “não comprometimento” de Coelho face a Manelas e Cavacos, coisa que Rangel não tem como se desembaraçar… E muito menos Aguiar Branco!

  8. O debate até pode ter corrido bem ao Passos Coelho. Mas isso não faz dele um razoável candidato a PM. Alguém que ambiciona ser PM dum determinado país, não pode cometer a patetice de dizer que a CGD deve ser vendida quando a crise passar, por exemplo.

    Carlos Magno, referindo-se a Passos Coelho, chamou-lhe a “loura do PSD”. Eu acho que ele está certo.

  9. Claro que a CGD não pode ser vendida!
    E depois, quem é que financiava a compra de acções do BCP para melhor controlar este banco?
    E quem é que injectava milhões no BPN para não deixar afundar este antro de batoteiros?
    E de que forma se comprariam acções a Manuel Fino, com condições leoninas para este?
    E que outro instrumento o Estado teria para manobrar alguns cordelinhos na economia?
    …e o dinheiro da CGD é dos contribuintes, certo?
    É mesmo?
    Ah…

  10. Quando a perspectiva é míope, a estratégia para estar no mercado é medíocre, claro.

    Já agora, porque raio de motivo o dinheiro da CGD haveria de ser dos contribuintes ???

  11. Vender a CGD e 6 meses depois os depositantes faziam vigilias à porta, para reaver o seu dinheiro como no BPP!!!
    Passos Coelho representa a mudança (de clientelas…), mas o vácuo do seu discurso só é igualável pelo adversário Paulo Rangel…
    Paulo Rangel se ganhar é líder do maior partido da oposição, se perder continua a ser eurodeputado… Trapezista, mas cheio de redes de protecção, para não cair em desgraça!!!
    Mas soube criticar a Elisa Ferreira ferozmente…
    Muito cospe para o ar a bolinha Rangélica…

  12. mário pinto, quem é que controla o bcp, diga-nos lá? a nova administração foi lá colocada pelos accionistas, que são muitos. digá lá qual foi o crime de eleger uma nova administração para substituir a administração opus-dei que estava numa guerra intestina entre si, levando o banco para um buraco. para além disso pouparam-se uns cobres: toda a actual administração recebe menos que qualquer um dos administradores da opus-dei. um bocadinho de memória precisa-se!

  13. Não vi, nem quero saber deles para coisa nenhuma.

    Já só voltarei a fitar o PSD com um mínimo de interesse quando vier o próximo líder a sério. Enquanto isto for a feijões, tanto se me dá um Rangel elitista, sulista e liberal, como um Coelho à caçador, ou um Branco a guiar a nau catrineta. Agora se o jovem Passos Coelho pensa que vai longe a dizer que o Primeiro-Ministro está a “governar há meio ano” (sic…) e “ainda não foi capaz de tomar as medidas necessárias (…)”, valha-me S. Filipe Menezes…

    Dizia um magno pateta numa conhecida Rádio-jornal, apropósito das autárquicas de 2 001 no Porto, que “entre Gomes e Menezes” não havia Rio. Depois foi o que se viu (e concerteza riu-se, o tal Rio…)!

    O problema do PSD pode ser é esgotar-se primeiro o milho do que os “pardais”…

  14. assis

    Se não quer entender eu também não perderei tempo a explicar-lhe porque continuaria a não entender.
    Quanto à memória, eu recordo que há dias lhe devolvi uma questão sobre a minha suposta falta de memória e que ficou sem resposta da sua parte.
    Afinal, quem é que tem – ou não – falta de memória?

  15. …ah, e essas condições leoninas para o fino de que fala o mário pinto, são mais um embuste de quem quer enganar os outros enganando-se a si próprio (até o louçã meteu essa viola no saco). quanto pagou a caixa pelas ditas acções, mário pinto? 3 euros e quanto? e quanto é que elas valem agora? e quanto é que elas valerão lá mais p’rá frente? ora mário pinto, se faz favor poupe-nos à retórica maledicente….

  16. Mário Pinto, desconfio que o Valupi mistura qualquer coisa nas aspirinas (sabe-se lá o que significa aquele B). Os leitores do blogue quer gostem quer não regressam sempre, veja o seu caso. Ou isso ou a teoria do buraco negro, explicada pelo brilhante físico Pacheco Pereira, aplicada à blogosfera no geral e ao Aspirina em particular.

  17. A guida não cessa de me surpreender mas ainda assim eu confesso que não sinto grande vontade de lhe responder, até porque a guida só lê o que lhe convém.
    Essa sua dúvida do significado do B pode tirá-la com o “dono” do blogue mas tenha cuidado porque há perguntas cujas respostas nos desagradam.
    Para mim, o B significa Bom e dou-me por satisfeito com esta designação. Outras haverá mas a guida é livre de optar por elas…
    Depois, refere-se a uma “(..) teoria do buraco negro, explicada pelo brilhante físico Pacheco Pereira, aplicada à blogosfera no geral e ao Aspirina em particular”. Consegue explicar-me o que quer dizer com isto? Mas faça-o sem fugir à questão, como por vezes acontece.
    Se tenho entendido o que aqui se escreve, Pacheco Pereira é atacado por todos os motivos e mais alguns e não apenas por ele visar os blogues, nomeadamente o Aspirina B e foi isso que eu quis mostrar naquilo que escrevi. Lamento que a guida não tenha percebido. Prometo que para a próxima não utilizo palavras tão difíceis.

  18. guida

    Devido à emoção que senti ao ler o seu texto, esqueci de escrever que nunca disse que não gostava deste blogue. Gosto sim e até lhe posso dizer por quê.
    Então a guida acha que eu iria perder a oportunidade de aprender – e de borla! – com pessoas como a guida? Nunca, jamais e em tempo algum!
    Aí sim, esse tal B do blogue teria a designação que passou (ou mantém) na/pela sua cabeça.

  19. Mário Pinto, temos em comum o gosto de aprender, e pode usar as palavras difíceis que entender porque eu tenho sempre um dicionário aqui à mão. Não leio nada só o que me convém. Se fosse assim não tinha lido a fantástica teoria do buraco negro que o Pacheco desenvolveu. Publicou-a no Público e no seu blogue. Pelos vistos, o Mário não conhece, leia que vale a pena. É que em matéria de ataques temos muito a aprender com este físico/político/filósofo da Marmeleira.

    Quanto ao B do Aspirina, não pergunto nada, gosto de mistérios. Foi só um palpite, mas, pensando melhor, nem foi grande coisa . Na hipótese de haver uma substância misteriosa misturada nas aspirinas não é provável que estivesse exposta no nome do fármaco, por outro lado… :)

  20. guida

    Eu não conheço esse texto e por isso vou acreditar na interpretação que dele faz.
    Mas ainda que eu tivesse conhecimento, explique-me por que razão me “atira” com ele?
    Já disse e repito que José Pacheco Pereira (JPP) não é nenhum santo. Eu posso dizer-lhe que já escrevi textos a discordar dele e que são públicos, uma vez que foram publicados, mas nem tanto ao mar nem tanto à terra.
    Mantenho que muitas das motivações dos textos e os adjectivos usados contra JPP revelam muitas coisas, que não o simples desejo da luta política, assim e sem mais objectivos. É que a ser assim, repito uma pergunta que já fiz:
    Se respondem ao “bota-abaixo” com outro “bota-abaixo”, onde é que está a diferença entre muitos dos que aqui opinam e o “abominável” José Pacheco Pereira?
    Ou será que são todos iguais e não o descobriram ainda?

  21. Mário Pinto, ‘atirar’? Para mim, ‘atirar’ não é assim. :)
    Aquilo era eu a partilhar consigo as minhas divagações motivadas por esta sua dúvida: “Eu não entendo como é que alguém que é contra a retórica maldizente frequenta este blog…”

    Diga-me lá onde é que está o bota-abaixo ao Pacheco. Ele até agradece que se comente o texto…

  22. guida

    É verdade! Eu, que sou contra a retórica maldizente – ainda que por vezes (?) cometa uns pecadilhos – frequento este blog mas essa contradição não me deixa dormir em paz.
    Fui saber quem sou
    O que faço eu aqui?
    Quem me abandonou.
    De quem me esqueci.
    Desculpe, já estava a trautear a canção do Adeus, eu que não penso em partir…
    Tentava eu dizer que algo me atrai aqui, apesar dos “apesares”, mas agora não me ocorre motivo algum.
    Não há “bota-abaixo” “ao” Pacheco? Ainda bem e folgo muito com isso já que está de acordo com o meu horror à retórica maldizente.
    Tenho é dúvidas que ele agradeça os comentários que aqui se lêem. Por muito que “o” Pacheco prefira que falem mal dele a ignorarem-no, receio que ele não aprecie muitos dos “elogios” que lhe fazem.
    Mas eu garanto-lhe: Um dia que eu descubra que alguém gosta dos meus comentários apenas porque o enlameiam, nunca mais essa pessoa lerá uma palavra escrita por mim.
    Diga-me, por favor, se estou correcto.

  23. Mário Pinto, perguntei-lhe onde estava o bota-abaixo no meu comentário. Era desse que estávamos a falar.
    Seja como for, acho que o Pacheco deve adorar comentários anónimos a ‘elogiá-lo’, a ele e a ‘alguns’ dos seus companheiros de partido. Por algum motivo dedica parte do seu tempo a provocá-los. Tem estranhas teorias blogosféricas que dependem disso, chega ao ponto de escolher o candidato que apoia em função da quantidade de ‘elogios’. :)

  24. guida

    Para terminar, antes que surja por aí alguém a chamar-me idiota…(rs).
    Quando falei no “bota-abaixo” referia-me à generalidade dos comentários e não ao seu, em concreto.
    Quanto ao restante do seu texto, nem concordo nem desconcordo, como diz o “outro”. É a sua opinião, que eu respeito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.