Cicuta

Em primeiro lugar, Fernando Lima não foi apanhado em nenhuma escuta, muito menos numa escuta relacionada com um processo criminal. Em segundo lugar, Fernando Lima foi sacrificado porque o ‘Diário de Notícias’, em plena campanha eleitoral, decidiu publicar um mail privado de um jornalista do ‘Público’, declarando pomposamente que este era do interesse público – o que obviamente não era. Por último, a “estupefacção” do sr. Ricardo Rodrigues vem do facto de ter tido conhecimento do mail privado de um jornalista. Não seria então de esperar que o mesmo Ricardo Rodrigues exigisse a divulgação das “conversas privadas” entre José Sócrates e Armando Vara de forma a podermos ficar todos também estupefactos?

Constança

*

Para a Constança, é melhor não publicar correspondência privada quando ela é capaz de explicar actos públicos danosos que já aconteceram, assim como é melhor publicar conversas privadas quando elas são fonte de especulação para actos públicos inócuos que não aconteceram.

Só lhe posso desejar que prove desse mesmo veneno.

25 thoughts on “Cicuta”

  1. É sempre bom saber que para esta jornalista, saber que o facto de um assessor do Presidente da República encomendar notícias falsas a jornalistas, notícias essas com potencial para criar uma crise de derrube do governo, não é assunto de interesse público.

  2. É duma tristeza que dá dó.

    Não perdem a pose da malvadez. O que quererão esconder ????

    Só nos falta começar a ter noticias de “gente” morta por aqui e por ali para ficarmos com a certeza de que o “polvo” está devidamente instalado em Portugal.

    A propósito: alguém sabe alguma coisa do Dias Loureiro???? Alguém sabe alguma coisa das velhas carcaças do BCP ????

    Pois é. Não estarão estes casos a ser usados para desviar atenções

  3. Carmen Maria,

    vejamos: o Dias loureiro é amigo de Sócrates? As carcaças do BCP são amigas do Sócrates? Não e não. Então não vejo qual seja o interesse público desses casos!

  4. Pois é Edie.

    Infelizmente é isso mesmo.
    Só preciso de acrescentar que tanto o D. Loureiro como as carcaças velhas do BCP são amiguinhos do presidente e do PSD.

    Talvez a raíz do problema que o Socrates está a viver possa estar exactamente aqui.

  5. O Fernando Lima foi sacrificado? Só se para a Constança uma promoção é um sacrifício. E está enganada, não precisamos que nos revelem conversas privadas para ficarmos estupefactos. Ficamos estupefactos por vermos o total desinteresse dos jornalistas e oposição em ouvir as justificações do assessor do Presidente, acerca da tramóia que tentou engendrar, em contraste com o interesse que as declarações do ministro Vieira da Silva motivaram, por exemplo.

  6. É a perversão total.Confunde e baralha tudo. O que a dra. Constança devia exigir era que com base no que o D.Noticias revelou se exigisse imediatamente uma investigação do MP para investigar um crime conspirativo contra o Governo a partir de Belem e com o apoio de um jornal detido pela Sonae. Isto para que houvesse uma real equiparação entre os dois casos e para que a justiça mostrasse algum equilibrio e imparcialidade ao contrario da real selectividade com que se vem movimentando.
    De resto visa essencialmente dar munições argumentativas aos falangistas que as repetirão pelos mais diversos foruns televisivos e bloguisticos. É essa tambem a tarefa do PPereira e do RCosta e malta da Sic apos debates televisivos complicados. Vir marcar o terreno, fazer a gestão de danos atraves duma tradução/reinterpretação do real. O último top é do Pacheco com aquela ideia do homem comum que inspirou uns quantos, ainda mais do que a lagrima furtiva do Fernandes aquando da invasão americana.:))

    No ultimo Câmara Clara que vi a espaços fiquei a conhecer mais um “exilado” português que foi para o Brasil aquando da ditadura, e era amigo de varios intelectuais entre os quais jorge sena.O seu nome Fernando Lemos , surrealista fotografo.Ele disse umas quantas coisas e uma das quais é uma verdade que dói “o português é cobarde”.
    Fica-se sempre pelas meias-tintas e nunca vai até ao fim.
    Foi esse ir até ao fim que os brasileiros fizeram com Collor de Mello e que cá devia ter sido feito com Cavaco e Lima. Mas não. Cá existe sempre alguem que salazarentamente vem pôr água na fervura porque o país coitado não aguenta, e que foi tudo um mal entendido, etc..e tal.
    Pois eu acho que aquilo que o país não aguenta é este clima podre.

  7. Mas vocês ainda lêem e/ou ouvem essa gentalha? Essa aí, e outras como ela, os Vascos, o Crespo, um dos Costas e outros quejandos – não sei, já nem vejo TV – que aparecem nos media a lamber as botas aos patrões… e aos políticos que por sua vez lambem as botas aos mesmos patrões… canalhada mal-cheirosa, a quem as pessoas-de-bem, que ainda as há felizmente, deveriam ser alérgicas, simplesmente!

  8. mct,

    puseste o dedo na ferida: anda tudo a reboque dos patrões do dinheiro. Esse é o verdadeiro poder. O capital é quem mais ordena. Corrompe políticos e jornalistas e torna-se assim no 1º poder.

    E depois há os palhaços que nos suicidam no parlamento, fazendo-lhes o jogo enquanto dizem que não o fazem.

    Fernando Lemos tem razão, sim, K. Cobardia é a palavra.

  9. mct, se não os lermos nem ouvirmos como é que manifestamos ‘alergia’? Isso querem eles, que só os leia quem com eles concorda. Era tão bom terem só críticas positivas…

  10. E também não meto os políticos, nem os jornalistas e opinadores, todos no mesmo saco e rotulo de corruptos e cobardemente vendidos ao capital. Sócrates está permanentemente metido em ‘casos’ porque liderou um Governo bastante corajoso, que se meteu a reformar o que muitos querem que continue na mesma. E ainda hoje vi um ministro dizer, corajosamente, na cara dos deputados da oposição o que pensava deles. Desculpem lá, mas não são todos iguais.

  11. Tadinha da Constança da Cunha y Sá.

    A fulana ainda não percebeu que Fernando Lima, com declarado conhecimento de Cavaco, tentou manipular a opinião política, a pouco tempo das eleições, com acusações infundadas e gravíssimas, destinadas a prejudicar o governo e o PS?

    O que é para ela “interesse público”? Qualquer coisa que prejudique o governo?

    Quando se nasce burra, morre-se estúpida.

  12. Esqueci-me de dizer que foi a apostar nessa hipotética cobardia dos portugueses que surgiu a famosa política de verdade e as asfixias para todos os gostos. Ah, e o clima de medo, claro. Creio que a resposta que os portugueses deram no dia 27/9 foi bastante elucidativa, embora alguns ainda não tenham interiorizado, daí o veneno desta e doutras crónicas.

  13. a constança só merecerá a minha atenção quando escrever qualquer coisa sobre a universidade moderna. ou sobre os submarinos. ou sobre o portucale. ou sobre o jacinto leite capelo rêgo. ou sobre as 72000 fotocópias.

  14. boa, assis, desta vez estou contigo, mas sempre estive, só que “quem não se sente não é filho de boa gente”. Claro, guida, que se tem de reagir a esses lambe-botas, eu só disse aquilo por desabafo e, de facto, eu não os vejo mesmo!

  15. os portugueses são tudo, passam por cobardes quando estão confundidos nomeadamente em coisas de família, veja-se a Guerra das Laranjas. Podem ser bravos, bravos mesmo, quando estão sintonizados com objectivos comuns. Veja-se como umas dezenas de homens abriram a Restauração. Claro que a seguir teve guerra. A produção de canhões dessa altura era impressionante e o seu transporte para as ex-colónias ainda mais. Bem vistas as coisas parecia impossível, e no entanto aconteceu.

  16. um artigo que me parece bom, ao menos compromete-se com números e ficamos a saber umas coisas na(s) relação(ões) de ordem entre os países da Europa, sobretudo do Sul,

  17. Quem é essa senhora ? Profissionalmente diz-se jornalista mas o que ela escreve nunca li e o que ela relata nunca acreditei e o que ela afirma parece-me mentira e quem ela afinal é não sei, mas sei que não vou por aí, e não vou aceitar as”verdades” que ela diz que são só vou crer que são mentiras.

  18. A Constança!

    Vai ser remodelada!!

    Não haverá instituição financeira que aceite financiar sucata, nos próximos tempos…

  19. Vida de construtor de opinião deve estar pelas ruas da amargura! Uns reclamaram um puxão de orelhas para o Fernando Lima por comportamento menos apropriado para a função, quando o que lhes saiu foi a ascensão do assessor na hierarquia da casa civil. Agora, argumenta a Constança que ele não foi alvo de escutas quando foi disso mesmo que ele se foi queixar aos jornalistas do Público colocando em causa o regime ao delirar sobre espionagem entre instituições na comunicação social. Afinal em que ficamos? A presidência esteve a ser espiolhada ou não? É preciso uma lata!

    Mas nada que surpreenda quando é o próprio Presidente a declarar que é legítimo os seus colaboradores suspeitarem de espionagem por parte de outras instituições. Ele tem, com certeza, todo o direito de exercer os seus critérios próprios de avaliação de desempenho dos colaboradores próximos, mas seria de bom tom que não passasse um duplo atestado de estupidez aos portugueses e esclarecesse o envolvimento do assessor no mail e a sua promoção. Sobretudo vindo da parte de quem sempre pretendeu apresentar-se como arauto da credibilização da classe política e no meio da guerra surda entre o poder político e judicial que estamos a viver.

    A Constança parece que encara esse atestado de estupidez como algo do tipo certificado novas oportunidades expresso. Estes que querem as conversas do Primeiro Ministro na comunicação social são os primeiros a defender que os deputados não têm que justificar o trabalho político para faltarem à Assembleia da República. Ele há privacidades e privacidades!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.