Cartas e cartolas

As cartas trocadas entre Sócrates e Soares têm um duplo interesse: pelo que dizem e pelo facto de terem sido publicadas. Quanto ao conteúdo, o texto de Sócrates será peça inevitável numa sua futura biografia, aconteça o que acontecer no processo. Se nada se conseguir provar contra ele, a carta também terá impacto político. Já o texto de Soares é circunstancial e vale só como mensagem pessoal e peça destinada à publicitação neste contexto da prisão preventiva.

Era bom saber de quem partiu a intenção de publicar as cartas. E quais as intenções dessa exposição da privacidade. Não o sabendo, ficamos reduzidos à evidência de estarem os dois autores de acordo com a divulgação. Evidência que se junta a outras. Uma delas consiste no testemunho de lealdade dado por quem o visita na prisão. Mesmo no caso daqueles que não se pronunciam sobre a culpabibilidade ou falta dela, o facto de darem a cara e o nome nesta situação implica que se estão a colocar no prato da balança que pende para a inocência. E dá que pensar: junte-se o rol dos notáveis que já foram a Évora e pense-se se será possível que eles admitam que Sócrates os enganou durante anos e anos e que continua a enganar estando preso e olhando-os nos olhos durante as visitas. Claro que Sócrates poderá ser esse monstro capaz de ludibriar até quem privou intimamente com ele ao longo de tanto tempo, como qualquer Helena Matos nos poderá explicar febril e o caluniador João Miguel Taveres já garantiu, ou talvez todos esses que o visitaram sejam tão ou mais corruptos do que ele (sim, Guterres, não penses que escapas), mas este tempo de espera até ao desfecho de haver ou não uma acusação, e qual, adensa a probabilidade de estarmos perante um outro tipo de história que não a corrupção na origem dos indícios captados pelo Ministério Público.

Como escreveu a Isabel – “quando observamos um caso de justiça a desenrolar-se, devemos tomar partido pelo Estado de direito e não pelo sentimento de amizade ou de inimizade que um detido ou um arguido nos desperta. A não ser assim, estamos a pôr em causa a cidade, nós, o derrube do fascismo, a essência dos direitos fundamentais.” – a Justiça joga com as brancas e os arguidos com as pretas. As brancas levam sempre uma jogada de avanço, para além de se passearem garbosamente alvas. Para que iriam os procuradores dar-se a este trabalho todo se não estivessem na posse de elementos suficientes para garantir uma acusação? E para que iria um juiz pôr em causa a sua reputação se esses indícios não fossem legítimos para se constituir arguidos? É nisto que acreditam as pessoas de boa-fé cidadã. Devemos manter essa confiança na Justiça sem vacilar. Não devemos é confundir confiança com estupidez. E só um estúpido é que poderá ignorar a estrutura de poderes fácticos onde os agentes da Justiça operam.

Não existe em Portugal nenhum órgão de comunicação social que faça para os interesses do PS o que o Correio da Manhã, o Sol e a SIC fazem para os interesses do PSD e CDS. Não há e nunca houve. Não existe em Portugal nenhuma Moura Guedes, nenhum José Manuel Fernandes, nenhum Mário Crespo, nenhuma Felícia Cabrita, que faça para o PS o que estes passarões já fizeram e fazem para o PSD e CDS. Não existe sequer em Portugal, actualmente, algum comentador televisivo de referência ligado ao PS, o panorama do comentário político está tomado pelo laranjal, tirando excepções independentes sem impacto popular. E não existe em Portugal uma cultura da calúnia e do ódio vinda das bandas do PS como aquela que a direita portuguesa espalhou desde 2008 – onde um dos mais rancorosos incendiários foi e é Cavaco Silva, essa espécie de Presidente da República. Não há e nunca houve.

Assim, quando se constata que os responsáveis da investigação à “Operação Marquês”, seja como for e por que for, alimentam os assassinatos de carácter na praça pública a Sócrates e terceiros a ele ligados por laços pessoais e/ou políticos, temos de reconhecer que há algo de profundamente podre no nosso País. A violação sistemática e selectiva do segredo de Justiça – no processo BPN não ocorre, por exemplo – é apenas a ponta visível do que temos patentes razões para suspeitar que seja uma real falência do Estado de direito num dos seus pilares mais fundamentais. Quem faz em público o que se vê, fará mil vez pior blindado pela máquina policial e de Justiça. E perante este cenário temos metade do País feliz da vida por lhe darem pão e execuções públicas e a outra metade em estado catatónico. Nem sequer no PS conseguimos identificar uma singular voz – à excepção da de Soares, et pour cause – que se ofereça para liderar a resposta ao constante bombardeamento que é feito contra a decência básica sem a qual deixa de fazer sentido falar em comunidade. Aliás, até no PS há quem alinhe nesta demolição alegando querer combater o mal.

Aqueles que vão para para a televisão, jornais, rádio e Internet lançar as cartolas ao ar para festejarem a desgraça de quem consideram um inimigo são cúmplices activos desta corrupção entranhada no âmago do sistema de Justiça português. Quem sabe, talvez um dia alguns deles, ou alguns a quem queiram bem, venham também a engrossar a tradição epistolar tão favorável a estadias em cárceres.

40 thoughts on “Cartas e cartolas”

  1. Ó Nuvopalerma aqui na tasca não há comentários moderados. És livre de dizer as idiotices todas que quiseres.

  2. Boa posta Valupi, de facto demolir a comunidade é o primeiro passo para o regresso ao passado. Eles sabem bem o que andava fazer.

  3. Quem, experiente lutador político contra as artimanhas, contra-informação e manipulações da política e justiça pidescas do fascismo, como o velho conhecedor de todos os truques da pulhice política que é Mário Soares, jamais alguém consegue levar ao engano com as mesmas técnicas, tácticas e armas sujas.
    No seu tempo todos os meios de informação eram controlados pela polícia do governo agora são controlados pelos donos ao serviço dos favores do governo para sobreviverem. O controle quase absoluto da informação e concomitantemente da opinião maioritária permite atacar e destruir o considerado inimigo político no momento sem danos de maior.
    A gente da magistratura tem um plano que foi inscrito para actuação futura no seu congresso de Vila Moura, apoiado principescamente pelo BES, como o provam as declarações recentes de Cluny, dona Morgado e outras em consonância com descaradas declarações da ministra, recentes condenações desproporcionadas sem prova e agora o caso mais evidente da prisão de Sócrates sem prova para acusarem.
    Quando são os apoiantes da corrupção organizada que alardeia a corrupção dos políticos de que não gostam e clamam por justiça entendem por justiça aquela que lhes permite leis para traficar corrupção legalmente e clamam por um governo e regime em si mesmo corrupto organizador e guardião da sua própria corrupção.
    A esta gente titulamos, habitualmente, de justiceiros mas a sua “justiça” só é exercida sobre os de fora do grupo. Neste momento o núcleo de tal grupo está formado e já lança braços e mãos sobre vários corpos da sociedade democrática.
    As cartas de Sócrates e Mário Soares são mais um alerta à parte ainda sã amigos da democracia e liberdade que ambos tanto cultivam e prezam.

  4. E o Costa que não foi ainda a Évora. Não foi, nem irá, presumo eu, pois é demasiado “aggiornato ao establishment” para cometer o mais pequeno deslize no que ao politicamente correcto diz respeito. Talvez que, no fim, ainda se venha a aperceber de que não ganhou nada com isso. Ou, quem sabe, que até talvez tenha perdido!
    É que, na política, o predicado maior para a afirmação e definição dum grande político, na maior parte das vezes, chama-se … coragem!

  5. entre o será ou não será, acreditar na justiça em parelha com a lealdade de Sócrates ao país. e no caminho, cultivar a amizade. e continuar a acreditar tanto na justiça como na inocência. até o desfecho, assim o desejo com tanta força, sem jogo.

  6. Creio que, ninguém tem dúvidas que a direita não olha
    a meios para atingir os seus fins! Até porque, tem meios
    de sobra para lhe fazer os “fretes” necessários para levar
    a àgua ao seu moinho! Estão identificadas as “células”
    infiltradas nos vários sectores desde Estado até à comu-
    nicação social, claro que, as magistraturas não estão imu-
    nes a este domínio por isso, não acredito que a detenção
    de José Sócrates seja única e exclusivamente do juíz e do
    procurador criador da operação “Marquês”, sabe-se que
    recebeu o aval da PGR e de quém mais???
    Não acredito que, por terem apanhado o detido em escuta
    telefónica dizer que não tinham tomates para o prender,
    se tivessem passado, e trás … prende-se o gajo!
    Resta-me, sugerir a leitura da crónica semanal do Pedro
    Adão e Silva no “Expresso” do último fim de semana!!!

  7. Ainda quero fazer uma limpeza para ver o que e é que os blogues disseram sobre o assunto, eu que li as cartas online e que fiquei impressionado, mas lembro-me de ver na noite anterior a capa do JN onde se destacava as cartas da cadeia + editorial. Poderá residir aqui a resposta sobre a sua origem *misteriosa*, poderá? E o facto de terem saído no JN, quer dizer?

    Pode ver-se aqui: http://jornais.sapo.pt/nacional/4085@2014-12-29 .

  8. antónio costa, tem medo do que possa acontecer a socrates e por isso pratica o desporto de fugir à prova de solidariedade! espero que não venha a pagar caro o seu gesto.

  9. a justiça a que temos direito! dois medicos apanhados a roubar o estado.só não podem sair do pais.na educação : crato, diz que ja pagou tudo às escolas privadas do ensino especial.a seguir diz que há algumas excepçoes.os que reclamam o pagamento já o fazem há meses segundo percebi. onde chega a pouca vergonha .se esta merda não der a volta vou para a ilha!

  10. “Naquela noite abracadante em Paris, quando soube da violência e terror que causaram a meus filhos, à minha família, aos meus amigos, (foi aí que René Char me veio ao espírito) pensei em todo o mal que me poderiam fazer, todas as humilhações e infâmias que pudessem estar – como estavam – preparadas contra mim. Depois, de coração limpo, avancei para lhes fazer frente. Para lhes fazer frente! Ainda têm o desplante de falar em perigo de fuga?! “Perigo de fuga!” Mas que gente é esta. Mário Soares?! Mas deixemos de lado o azedume. Afinal você faz anos !”

    QUE GENTE É ESTA, MEUS AMIGOS?!!!

  11. Pelo teor dos comentários a este excelente (mais um) “post” do Valupi, constato com satisfação que todos nos começamos a aperceber, sem titubiezas, do duro e profundo golpe que a direita e o seus aliados, na sombra, sem dor, mas também sem piedade estão a dar na democracia . Os politicos, que se abrigaram na sombra do sem sentido slogam “à politica o que é da politica e à justiça o que é da justiça” que se cuidem porque serão as próximas vitimas a abater. Um bem melhor ano de 2015 para todos, e no todos incluo aqueles que embora discordando ou em contracorrente comentam neste espaço porque é sinal de que também eles (ainda) acreditam na liberdade e também na de expressão.

  12. a polícia faz o que quer a bem da nação, dos costumes e da segurança, é quase impossível responsabilizar estes camafeus e dá trabalho para uma vida. se não houver uma revolução na justiça, o que se me afigura impossível, o sócras vai apodrecer até cheirar a reforma do alex e no fim leva uma pena de acordo com a preventiva, como a sentença não pode ser secreta, até lá hão-de descobrir que o triângulo do ésse tem falta dum parafuso, que o perna têm um desconto em falta para a segurança social, que o belzebú pagou um almoço* ao pinto monteiro e não pediu factura ou qualquer outra ilegalidade que criminosos desta estirpe costumam cometer.

    * depois tiram uma certidão para processar o pinto monteiro por almoços grátis.

  13. oh bécula! no pugrama da teresa guilherme é que mandam beijinhos e todinho, aqui no bairro, quer dizer: enterra. vaita foder e não tropeççes no revlon alheio.

  14. orra beie,taba aquie a pençare neste assumpto, e alembreime otra bez cu marriu suarez a mie num mengana, nunca. fogu, ço gaju vem cum estas atuardas agorra, o tipu debe terre inganadu o marralhale todu cu fassscissmu. eu num acraditu no marrio suares, este gaju metesse cum os juizes sem savere o ca dize.
    esta malta toda a misturare a lei, a fazere da lei o que bem entende, fogu, ainda malembro deste gaju, presidente da repuvlica a defenderre a lionorre, e a gaja era culpada cumó catanu.
    ó alaxandre, num ti preocupes meue, os puliticus saoe eles, e quantu a ti socrates, calate, fica caladinhu, só ganhaze cum isso, pázinhu.

  15. Sobre a vida que se repete, sobre a recusa do estatuto de Procurador e de um maior ordenado (?) no Tribunal da Relação e sobre a nada vã glória de mandar em contraste com as misérias da reforma na Justiça portuguesa: eis uma das grandes perguntas sem resposta sobre o super-super que manda no super-TIC, a origem é a TSF.

    «Daniel Proença de Carvalho acusou ontem Carlos Alexandre de ser o “super juiz dos tablóides” e lembrou que o magistrado, que agora em mãos o processo de Sócrates, “já podia ter sido promovido à Relação. Mas não, ele gosta é de estar naquele tribunal. E realmente compreende-se, o poder é tão grande”.»

    Proença de Carvalho: Carlos Alexandre é “o super juiz dos tablóides
    http://economico.sapo.pt/noticias/proenca-de-carvalho-carlos-alexandre-e-o-super-juiz-dos-tabloides_206961.html

  16. Era bom saber de quem partiu a intenção de publicar as cartas. E quais as intenções dessa exposição da privacidade

    Ora as cartas foram trocadas entre Soares e Sócrtes. Quem é que teria sido o malvado? Cá para mim foi o Passos Coelho. Ou então o funcionário dos CTT.

  17. Aqueles que vão para para a televisão, jornais, rádio e Internet lançar as cartolas ao ar para festejarem a desgraça de quem consideram um inimigo são cúmplices activos desta corrupção

    Ou seja, o Valupi acha estranho que um ex-primeiro-ministro seja detido e ficado em prisão preventiva por suspeita de corrupção e haja comentadores de opinião a comentar esse facto de forma crítica. Claro porque num país evoluído (!!!) ninguém abriria o bico. Ou se abrissem seria para condenar a justiça.

    Os comentários do Valupi têm sido cada vez mais sensatos.

  18. Não existe em Portugal nenhuma Moura Guedes, nenhum José Manuel Fernandes, nenhum Mário Crespo, nenhuma Felícia Cabrita, que faça para o PS o que estes passarões já fizeram e fazem para o PSD e CDS (…) Nem sequer no PS conseguimos identificar uma singular voz – à excepção da de Soares, et pour cause – que se ofereça para liderar a resposta ao constante bombardeamento que é feito contra a decência básica sem a qual deixa de fazer sentido falar em comunidade

    Alguém se lembra destes “passarões” terem vindo criticar juízes e procuradores de forma histérica (ou mesmo moderada) quando o Isaltino foi preso? Alguém se lembra destes “passarões” sequer terem feito uma alusão crítica ao sistema de justiça a propósito da sua prisão?

    Pelo contrário: “O presidente da Câmara Municipal de Oeiras, Isaltino Morais, foi condenado, por difamação, a pagar quatro mil euros a quatro jornalistas do semanário Sol, a título de danos não patrimoniais, foi esta terça-feira divulgado (…) A decisão condenatória que obriga Isaltino a indemnizar as jornalistas Graça Rosendo, Ana Paula Azevedo, Felícia Cabrita e Luís Rosa (actualmente no jornal i) admite recurso para tribunal superior.
    http://www.publico.pt/media/noticia/isaltino-morais-condenado-por-difamacao-a-jornalistas-do-sol-1555267

    É a diferença entre decência e subserviência partidária meu caro Valupi.

    Um bom ano para si.

  19. oh e-pinto, foi alguém que teve acesso ao baralho, como diria o lapalice que só não é vivo porque já morreu e as probabilidades vão para os autores ou o censor das e-pístolas do e-prisional de é-vora que as vendeu ao jornal para arredondar o ordenado.

  20. Ó Pinto, o que se acha muito estranho é que um ex-primeiro ministro esteja preso prevetivamente por suspeita de corrupção sem que se saiba objectivamente os factos que justificam essa suspeita. O que se acha estranho é aceitar que um cargo político como esse esteja sujeito ao máximo escrutínio público possível sem que uma acusação judicial sobre a pessoa que o ocupou se submeta a idêntico tratamento transparente.

  21. Lucas, seria estranho se a situação fosse excepcional. Mas é assim a regra para todos: na fase de inquérito não se desbobina a investigação para a praça pública. É assim para mim e para si e é assim para este senhor.

    Nenhum preso preventivo foi julgado com trânsito em julgado. Se não não seria preso preventivo. Por isso estar em prisão preventiva a aguardar acusação do MP não é mais que a norma para todos (e em todos os países). Queria o quê? Uma excepçãozinha para este senhor?
    Tenham decoro.

  22. Pinto, a investigação já está desbobinada na praça pública. Esse procedimento, num caso como este, não tem outro efeito senão reforçar a convicção de que não existe outro objectivo no processo que não prejudicar arbitrariamente a actividade política do visado.
    E no caso de Isaltino Morais também houve, sim, interferência política nas decisões judiciais. Mário Soares teve também a coragem de o denunciar.

  23. “Por isso estar em prisão preventiva a aguardar acusação do MP não é mais que a norma para todos (e em todos os países).”

    se tivesse sido preso com acusação ficaria em prisão preventiva a aguardar julgamento, assim a ordem das coisas serve para perverter o sistema, prendem baseados em convicções e depois vão arranjar justificações e fé na santa, testemunhos martelados e interpretações manhosas da lei dão para arrastar por 10 anos. daqui a 10 anos ninguém se lembra do que foi arquivado e o alex foi para mação gozar a reforma. nunca deves ter passado do supermercado que vende os caramelos viuva de solano em badajoz para evocares outros países, só se for no timor do xalana antes da lorosaída dos últimos exemplares de xerife.

    “Queria o quê?”
    que o portas tivesse ido dentro durante os 10 anos que os submarinos estiveram a marinar, que o cavaco e a pimpolha fossem ouvidos na procuradoria por causa das acções bpn e mais umas permutas duvidosas de imobiliário, que a justiça conseguisse notificar o dias lóreiro, que não houvesse perigo de destruição de provas no caso bes e que os intervenientes tivessem sido arrecadados e poderia ficar aqui a noite inteira a dar exemplos, mas tenho mais que fazer e espero que em breve o cavacal vá todo de cana para evocarem o segredo de justiça, experimentarem as arbitrariedades que defendem em nome do à-justiça-o-que-é-da-justiça e as clunices habituais.

  24. Por favor deixem crescer o PINTO para chegar a GALO!
    Deve dar uma boa cabidela, com a sangria que tem na
    cachola … será de degustar e pedir mais!!!

  25. «Daniel Proença de Carvalho acusou ontem Carlos Alexandre de ser o “super juiz dos tablóides” e lembrou que o magistrado, que agora em mãos o processo de Sócrates, “já podia ter sido promovido à Relação. Mas não, ele gosta é de estar naquele tribunal. E realmente compreende-se, o poder é tão grande”.»

    Ó pazinhus, o Puneça de Carbalhu, sem «b» é simplasmente um cu belhu sem neurónius qua dabia tere bergonha na fussinha, tá beie? Eça besta quadrada, cumo lhe xamaraoe há j«longus anus já salemvroue do ca feze quando defendeue aquela gaja da lionore, pás? heie?
    Ó alexandre, num ligues pá, cu Pruenssa nem istilu teie, o gaju até cora quandu algueie lhe faze frente, ó pruença, baie pastarre influenssias pázinhu, debes querrere o casu pra tie, mas olha ca male pur male, o 44 sempre tá malhore cu parbalhaõe das montras do que taria cuntigu.

  26. ignatze, avres a voca e saie asnera, meue, oube, pois tu num saves que se prende cum vase em conbissoes, hein? orra calate, bá, calate lá, granda imvrulho, hein, bá, bá, zarrrpa, ca ´so dizes asnera.

  27. Lucas, que é que você sabe do processo? Pensa que por ver carros com sirenes da Portela para Moscavide (violação do segredo de justiça gravíssima, na perspectiva de muitos mestres em tudologia) já tem conhecimento de todo o inquérito?

    não existe outro objectivo no processo que não prejudicar arbitrariamente a actividade política do visado

    Isso é uma presunção de má-fé e de culpa da sua parte. Presunção baseada em juízos politiqueiros e numa f´re partidária radical. Mas cada qual presume o que bem entende.

  28. ignatz
    se tivesse sido preso com acusação ficaria em prisão preventiva a aguardar julgamento

    ignatz, socorra-se da sua vasta experiência e diga-me um caso em que o juiz ouviu em 1º interrogatório e redigiu a acusação no final do dia.
    Ó ignatz, se não faz a mais pálida ideia da bacorada que está a escrever, pense se não será melhor tentar saber junto de alguém para não fazer figuras tristes.

  29. ó pintu, oube, tás a bere, os gajus num pressevem nada do prucessu panale, meue, oube, eles pençem cu inqueritu panale ça faze açim, du dia pró ôtru, tás a bere. O cus gajus savem é só da berem os carrus, os pulissias, o alaxandre a limpare os quartus da caza, pur issu é cu vesta do pruenssa de carbalhu, seie b dize a vosta ca dize. tu óbiste o jorista ca foie à têbê dizere cas 48 horras era pra tudo, obiste, hum? oube, ca granda anorrmale. o Iganatze dize aquilu pruque tá poçuido, tás aber, poçuido de nada, prassebes? Comprimentus.

  30. Pinto, o que sabemos do processo? O suficiente para perceber que se trata de uma manobra política monstruosa. Desde, por exemplo, os fragmentos fantasiosos atirados à parede por inimigos políticos travestidos de jornalistas à recusa em autorizar a defesa pública desses fragmentos publicados. Não há nenhum crime que, humanamente, justifique o tratamento que está a ser dado a José Sócrates.

    “Isso é uma presunção de má-fé e de culpa da sua parte. Presunção baseada em juízos politiqueiros e numa f´re partidária radical”

    A presunção de má fé é sua. Sou eleitor de direita. Votei PSD até poder. Até constatar irremediavelmente o partido ocupado por uma vaga de oportunistas irresponsáveis, impreparados, ignorantes, mestres em tráfico de influência mediática, acolitada por um Presidente da Républica irreconhecível para quem nele acreditou quando Primeiro Ministro.

  31. Olha, Valupi, pela primeira vez subscrevo um texto teu. Faço-o por amor à democracia e ao Estado de Direito. Nunca por simpatizar com Soares ou Sócrates. Sou daquela estirpe a que tu chamas “comunas”.
    Quem não sabe defender os seus, não merece a estima da cidade.
    Tem um Ano Novo, novo e bom.

  32. Pingback: Cartas e cartolas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.