Cabrita limpa o rabinho aos piquetes de linchamento

A caçada ao Cabrita – depois da que fizeram ao Azeredo Lopes, e depois da que Marcelo fez a Constança Urbano de Sousa – transformou-se numa coisa muito diferente do que a pulharia desejava: tornou-se num acidente em cadeia onde a direita partidária e os seus impérios mediáticos (a que se juntam os sectários de esquerda – estatuto donde o PCP, incrivelmente, parece estar a sair) se vão enfiando como se não existisse mais nenhum alvo no Governo nem mais nenhuma questão política a congregar energias, acabando estes infelizes amontoados entre si numa pulsão imparável, quais traças a chocar de cornos contra uma lâmpada esquecida acesa no quintal. Estão cegos de raiva e atormentam-se com obsessão na conquista desse troféu, inclusive à custa de assim protegerem Costa e Medina; como se vê com o charivari à volta do relatório da IGAI em que módica inteligência eleitoral suporia levar o PSD a se concentrar ou no Governo como um todo, ou no autarca, em vez de estar a bombardear o solitário ministro que, para frustração da turbamulta, não mostra medo dos cães que ladram. Malhas que a decadência e o ódio tecem, jazem intelectualmente mortos e apodrecem.

Do outro lado da barricada, Cabrita aparece cada vez melhor, ganhando força política na perseguição que lhe fazem diariamente. Como agora com as suas declarações na Madeira, em que despacha como delirante a chicana sobre a sua responsabilidade nos festejos do Sporting e consegue acabar a declaração ao ataque à oposição. E como é que nós sabemos que o ministro está em crescendo de notoriedade e autoridade positivas? É o próprio laranjal que nos dá essa garantia – Cabrita considera “um delírio” dizer-se que validou os festejos do Sporting. É mesmo? Ouvimos juristas e as opiniões são todas diferentes – tendo o Expresso reunido três juristas que, não concordando tecnicamente entre si, são unânimes em reconhecer que só “politicamente” (leia-se, recorrendo à baixa política) dá para deturpar um caso onde o ministro não tem, de iure, responsabilidade sobre a solução adoptada e muito menos sobre a forma como foi implementada. A tutela não valida opções executivas, correntes, da Câmara e da PSP. A tutela só volta a ser responsável se for necessário abrir inquérito, como foi, daí o relatório da IGAI lhe ter sido entregue em primeira mão e pelo ministro divulgado nas condições que considerou adequadas.

A crise da direita é também a crise dos seus órgãos de comunicação social, pejada de editorialistas e comentadores que enchem os bolsos a despejar bílis e estupidez no espaço público. Não têm ideias nem líderes, vingam-se pela verborreia primária, maníaca, fétida. De facto, deliram-se capazes de derrubar ministros a golpes de títulos sacanas, artigos canalhas, caras de mauzões na televisão. E depois desesperam quando olham para as sondagens. Porém, como não sabem fazer mais nada para além deste cu-sentadismo impotente, em que se limitam a ver os socialistas a carregar com o fardo da governação tendo o apoio mínimo mas decisivo dos comunistas, voltam à carga com mais do mesmo. Até porque não sofrem qualquer consequência e, calhando o eleitorado no seu processo caótico de decisão preferir outros partidos a governar, irão adormecer a imaginarem-se magníficos generais – generais visionários e heróicos, mas que nunca puseram o pezinho numa batalha política nem numa função de responsabilidade soberana apenas e só porque andam sempre ocupados a pensar no que irão dizer a seguir sobre os filhas da puta do PS, repetem soberbos e trôpegos para a almofada antes de fecharem a pestana.

Cabrita, sem vacilar, esmaga estas bostas com estilosa facilidade. Dá gosto ver, é uma desgraça tal acontecer.

9 thoughts on “Cabrita limpa o rabinho aos piquetes de linchamento”

  1. Aqui não há direita nem esquerda, temos a “sabedoria” do Costa e nada mais.

    O Costa consegue ser o centro mais que perfeito, inimaginável, se ele não existisse.

    Tudo gira à volta dele, quais satélites desde Marcelo até ao Chega, desde Rio até Catarina.

  2. O socialista à direita ou socialista liberal é assim mesmo, sempre pasmado com o hombridade do comunista.

  3. Anónimo, o assunto hombridade não está ao alcance de rafeiros da tua laia. Vai guardar o gado do teu dono, que ele talvez te dê um osso.

  4. Fdp? não! Filho daquela mulher que, não conhecendo de lado nenhum, não temos pejo em ofender.
    O acima assinado Pai Natal deve ser um deles.

  5. Valupi em mais um texto genial em que é feito o cruel, mas mais do que certo, retrato de uma direita absolutamente boçal, sem uma única ideia a não ser não tolerar que os milhões lhes passem “debaixo dos queixos”, sem poder abocanhá-los.
    Assim vai a coligação liderada pelo Chega, acolitada pelo PPD.

  6. e prontes, temos aqui mais um prato mal cozinhado em que o cabrito se mete sistematicamente no forno e a culpa é da conspiração da direita . esta quer é cavala ( a vegetariana ) e a deca dente agora quer é uma dentadura do próletariado, por isso o pc foi manipulado e devidamente conspirado pela direita para se acalmar e fazer uns acordes com o ps, porque aquele perdeu a clientela toda no alentejo, por causas do frete ao costa no governo anterior, e tá agora na falência porque o putim não dá dinheiro e o povo alentejano não esquece e não perdoa as ofensas do bochechas-de-porco no debate “olhe que não, olhe que não” . pobre pc, que perdeu as batalhas todas, e por fim, o próprio eleitorado, sobrevive agora com o subsídio mínimo garantido por 1 voto, X euros, agora campeão da democracia público-ó-subsidiada, que defende com unhas e dentes no palramento, não deixando fazer nenhuma reforma para a abolir, tadinhos dos delegados sindicais, espécie em vias de extinção por falta de clientela . vai ser fome negra …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.