Bem esgalhado

A ‘troika’ em Portugal agora chama-se Portas, Passos e Cavaco

Vai ser interessante observar se Costa mantém, campanha eleitoral a chegar e adentro, a pressão sobre Cavaco. Visto aqui da janela, todas as razões e mais algumas recomendam essa táctica. Por um lado, tem o condão de unir a esquerda, o centro e até parte da direita numa repulsa comum. Por outro, é de elementar justiça não ter qualquer tipo de misericórdia com quem tanto mal fez à democracia portuguesa e quem conspurcou os dois mandatos presidenciais.

Costa, porém, é imprevisível naquilo que parece ser o mais previsível, pelo que temos de esperar.

14 thoughts on “Bem esgalhado”

  1. Li o documento ontem em 3 horas. Lê-se fácil. Parece uma novela de cordel com final feliz. Um orgasmo de PIB a crescer à bruta à custa de meia dezena de euros a mais no bolso dos portugueses. Está perfeito para uma telenovela.

    António Costa, encomendou a um conjunto de sábios e teóricos uma nova e resplandecente narrativa económica, que se possa vender bem em tempos pré-eleitorais de sondagens complicadas; de esgotamento das habituais fórmulas milagreiras socialistas e da falência total dos seus balofos e vazios Messias. Pediu-lhes para adaptarem com novas roupagens as propostas de 2009 do seu pai espiritual, Sócrates, ao momento presente – reduz impostos e a TSU, repõe cortes. Isto significa, contas por alto, provável aumento de despesa na ordem dos 3000 milhões de euros, ou seja 2% do valor do PIB.

    Para compensar, quer convencer o Zé Povinho que, com estes 3000 milhões, que vai distribuir pelos bolsos dos portugueses, o consumo vai gerar a riqueza suficiente para fazer face a este esbanjamento- – Esquece-se o Costa (ou talvez não ! eleições a quanto obrigas) e os sábios académicos que o aumento do consumo vai arruinar a balança comercial com exterior . O Costa diz que o documento, feito pelos eminentes sábios, onde pontifica a estrela mais Syrisa do PS, o GALAMBETAS, não é uma bíblia. Lá isso não. Nem tal existe em economia ! Mas uma coisa é certa; a despesa dos 3000 milhões, se estas ideias tiverem o infortúnio de poderem vir a ser postas em prática, é uma certeza socialista inexorável e ideologicamente incontornável. Está-lhe nos genes esta falácia piegas e insustentável de solidariedade e justiça social com dinheiro da caixinha dos milagres ou das esmolas do pai natal.

    Já quanto à receita, a certeza advém de uma enorme Fé no além. Para laicos e maçons, parece-me anacrónica esta FEZADA toda.

  2. Bem esgalhados estão António Costa e o PS. E nem gemem. E se gemerem ninguém vai fazer eco dos seus gemidos. De que estão à espera os mosca-mortas do PS para se fazerem ouvir?

  3. Outra leitura creativa do miraculoso documento, até ao palpitante core das suas superiores e iluminadas sustentações ideológico-politicas, depois de bem espremida a devoção e deslumbramento no Tarôt económico deste grupo de sábios. Com bonecos e desenhos muito simples, aqui prós Ignorantezes do aspirina e seus fervorosos acólitos, abrirem os olhinhos e a estudarem com detalhe a nova versão do Milagre das Rosas que os académicos produziram pro Costa REPETIR:

    “— Querida, os salários são muito baixos em Portugal. Vamos pagar à empregada de limpeza €50/hora!
    — Bom, a empregada vai ficar contente. Mas como raio é que isso vai ajudar toda a gente?
    — Não leste Keynes, querida. Quando a empregada de limpeza recebe €50/hora, outros irão exigir mais, assim como todos os que trabalham no Continente e no Pingo Doce. Os trabalhadores vão pressionar as empresas e os salários irão subir. Daqui a uns tempos toda a gente vai receber mais 50€ por hora!
    — Hmm.. essa ideia não me parece lá muito brilhante. Mas, já agora, onde é que nós vamos arranjar os €50/hora para pagar à empregada?
    — Essa é a parte incrível! Quando todos os salários subirem €50/hora, nós também iremos ganhar mais €50/hora, e basta passá-los à empregada.

    Embora a lógica aqui reflicta o efeito de um aumento da procura agregada através do círculo virtuoso keynesiano da despesa que gera rendimento que gera despesa, o principio é transponível para o cenário macroeconómico do PS, onde existe, julgam, um efeito multiplicador da despesa pública que acelera o investimento que faz crescer o PIB e disparar a receita fiscal, o défice baixar e a dívida colapsar. Agora percebe-se porquê que um dos outdoors do PS são jovens a rezar. É preciso ser muito crente.!”

  4. Os factos são estes:

    http://www.tradingeconomics.com/charts/portugal-gdp.png?s=wgdpport&d1=20000101&d2=20151231&URL2=/germany/gdp&title=false

    O PIB de Portugal cresceu num ritmo superior ao PIB alemão no período em que alguns romancistas andam pr’aí a chamar de década perdida. E a dívida externa cresceu a um ritmo menor, até ao momento em que Trichet & Companhia são apanhados completamente aos papéis, a dar sinais equívocos aos agentes económicos europeus e contrários aos que os seus colegas deram, mundo fora, como reacção à crise financeira global.

    http://www.tradingeconomics.com/charts/portugal-external-debt.png?s=portugalextdeb&d1=20000101&d2=20151231&URL2=/germany/external-debt&title=false

    Em 2011, com uma oposição e um Presidente da Républica responsáveis (e se Mário Draghi estivesse no seu posto há mais tempo) teriam existido sacrifícios, mas custa duvidar que teriam sido poupadas centenas de milhar de postos de trabalho, que muitos milhares não teriam caído na miséria, que muita gente não teria endoidecido (suicidado, sabe Deus quantos) sob a tortura do fisco, que muita gente não teria perdido a vontade de ter filhos, que não existiriam tantos especuladores estrangeiros a rir à gargalhada pelos negócios que o nosso infortúnio lhes permitiu, abocanhando uma fatia do salário de cada um, ao fim do mês, e que Portugal ainda seria um país com vontade própria. Estas eleições são a oportunidade adequada para fazer um acerto de contas com o que de grave se passou. Para salvaguarda da dignidade e respeito dos portugueses acho isso tão ou mais importante até do que a discussão de programas alternativos. Como ter esperança no futuro com uma História mal contada?

  5. ai que riso! :-) é que mais bem esgalhado do que a trilogia que Costa usou é a analogia que vejo do teu esgalhanço: Costa é, bem visto, na imprevisibilidade da previsibilidade, como as flatulências. :-)

  6. luis crlos,não tem auteridade moral para criticar qualquer promessa que venha de antonio costa,tendo em conta o passado eleitoral do pulha de massamá! para seu desgosto lhe digo,antonio costa e o ps,nada têm a ver,com o psd e muito menos com passos coelho.costa tem um passado na politica e na vida privada que fala por si.

  7. Caro Luís crlos, os ABRUNHOS não o entenderam. Pois que esperava? Temos de os colher de outra maneira. Os tipos teimam em não caír da árvore, murcha, com raízes apodrecidas, logo, penso que se lhes deve dar com pau – o de sempre: o gozo.

  8. FIFI, lindo post, palmas palmas.

    antonio costa e o ps, nada têm a ver,com o psd => descoberta do seculo
    e muito menos com passos coelho. => e um bocado mais gordinho e bronzeado, check
    costa tem um passado na politica => sim, uma carreira nas J’s do PS, um ministro manhoso da justica, numero 2 do 44, e um presidente de camara mediocre
    e na vida privada que fala por si. => no doubt, e um expert deal maker. quem nao queria arrendar um loft enorme na avenida da liberdade por aquele preco?

  9. basico,fazes jus ao nome. olha para te” alegrar” vê esta perola na concorrencia: se isto não é um cretino o que será um cretino.passos coelho no discurso de homenagem a mariano gago, não resistiu a iniciar as suas palavras com um:” apesar de ter servido o pais num governo socialista” .nojo!

  10. antonio costa,não bate em mulheres,paga impostos,não é suspeito de fraudes, não mente a crianças,não cede a chantagistas,tem curriculum como governante, foi presidente de camara, da capital do pais,com duas vitorias e obra feita.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.