Batalha naval

Uma das metáforas políticas mais celebradas, e repetida universalmente, é a da nau do Estado. Platão, devido à magistral passagem no Livro VI da República, é por vezes apresentado como o seu autor, mas a imagem já existia pela arte de Arquíloco, e outros. Erudições à parte, esta ideia de que o Estado – portanto, o seu governo – é um navio, o qual pode chegar ao seu destino ou perder-se, afundar-se ou nem sequer levantar âncora, é perfeita para simplificar o que é intrínseca e inevitavelmente complexo: a organização do Poder.

Sócrates é alguém que não planeou os conflitos que desperta, ou que sobre ele se abatem, mas que se vê transformado no bode expiatório de uma sociedade que vive uma crise de crescimento – onde há forças caducas que se recusam a abandonar os antigos privilégios, e onde há forças regeneradoras e criativas que permanecem atrofiadas. Aqui entre nós que ninguém nos lê, quando se diz que uma só pessoa quer fazer mal tanto aos trabalhadores como aos empresários, e se garante que o principal problema político nacional está na sua presença à frente do Governo, como se o sistema fosse o resultado de uma moção voluntarista individual, podemos ter a certeza certezinha de que a história está muito mal contada. Que é uma história para borregos. A sucessão de casos onde aparecem suspeitas que envolvem o nome de Sócrates não têm deixado uma névoa impenetrável ou um breu assustador, é ao contrário: nunca houve um político tão investigado e tão devassado. Não é crível que a enorme maioria da classe política resistisse ao levantamento assassíno dos seus percursos escolares, profissionais e pessoais, ainda antes de irmos à actividade exclusivamente política. E é um espectáculo que une o asco à compaixão, que revolta e enfada, ver ataques a Sócrates por causa da sua licenciatura, ou das casas, ou do título de engenheiro, ou do caralho que os foda a todos, hipócritas debochados. A magnitude e amplitude dos ataques, unindo reaccionários da direita e da esquerda, desvela a profundidade do conflito, lá onde estão as raízes do nosso atraso secular.

Voltemos à nau. Alguém tem de a comandar, ser o capitão, o homem do leme. Então, que sentido faz que se tente dificultar, mesmo boicotar, essa navegação? Diríamos que nenhum, que é um absurdo. Contudo, a oposição defende precisamente o direito ao prejuízo máximo. Qualquer dano que se inflija no Governo é festejado como ganho por esta oposição que foi quem diabolizou a relação com a governação e com Sócrates. Repare-se nos discursos do PCP e BE, desde que existem, e constate-se como o problema não se chama Sócrates mas cassete. Qualquer dirigente do PS que tivesse estado à frente de um Governo maioritário seria tratado da mesmíssima forma, com a mesmíssima agressividade e violência – especialmente se tentasse reformar certas áreas cristalizadas pelo poder sindical e corporativo. Invariável lógica para o cinismo do PSD e CDS; menos fanáticos, mas igualmente oportunistas.

Será impossível virmos a ter uma oposição que respeite o bem comum, que sirva a comunidade? Não se sabe, claro, mas é possível tentar. Cada um de nós tem muito mais poder do que imagina, pois nós somos o eleitorado, a Cidade. E a Cidade será o que os cidadãos fizerem dela. Nem mais, nem menos.

19 thoughts on “Batalha naval”

  1. De tudo que vejo, oiço, leio,
    isto é assim:

    na impossibilidade de derrotar JSocrates eleitoral e politicamente

    mesmo com campanhas brancas,
    (eu não sou racista…)

    de falta de caracter de quem as promove

    (atenção este JS ganhou 2 eleições consecutivas
    e venceu meia duzia de grandes intrigas politi-educaci-culturais…)

    PSD e Cavaco
    passarão a produzir um “caso” por cada meia hora que passa…

    o objectivo é aumentar a competitividade do país
    limitando o endividamento de seriedade que se exige aos venerandos

    e colar a JSocrates

    o epiteto de politico que origina problemas
    aí está já acrise da Grecia a prova-lo…

    deste modo
    movimentar opinião publica, 1ª fase
    eleitorado, segunda

    isto se não houver um putch constitucional

    para tentarem destruir o homem

    logo:
    depois freeport, escutas, obscuridades
    agora é o vasco da gama

    depois será…

    abraço

  2. Apesar de tudo o copo continua meio cheio.
    Os que sempre o querem ver meio vazio podem continuar a esbravejar. O que é certo, certinho, é que JSócrates e o PS já ganharam duas vezes as eleições legislativas e se preparam para, contra todas as corporações – pois é do que se trata! -, voltarem a ganhar as próximas, sejam em Fevereiro ou em Maio.
    E é desse desespero, dessa insanável dor de corno que os que representam as corporações, e os que se delas se servem, se alimentam e se cevam, na mais vil e insana das invejas.
    E a inveja e a dor de corno como se sabe há muito, constituem despresíveis bases programáticas para ganhar eleições. Normalmente servem é para as perder!
    E, se por má sorte e pior fado, um dia tal acontecer e os eleitores derem de bandeja a governação às corporações e aos arrivistas, haverá duas consequências:
    – O País caminhará para um estado totalitário e atrasado em todos os sentidos
    – E continuaremos a ver sair de Portugal um escol de políticos, de técnicos e de profissionais que para a inveja de muitos, continuam no estrangeiro a desempenhar com brilho e mestria aquilo que no País não lhes é permitido fazer…

  3. vamos ter de fazer alguma coisa quanto a isto. Todo o Mediterraneo está sob suspeita, ora o símbolo do Mediterraneo é a oliveira, mãe do azeite, o óleo sagrado, e Jesus, o Messias, é o Ungido pelo óleo sagrado.

    Portanto isto no Natal não está bem. Deixamos de pagar a dívida aos bancos exteriores e o BCE que trate do assunto,

  4. Excelente post, Val. É imperioso que se desmacarem todas as golpaças que se vão vendo por aí.
    O texto para que nos remete “&” é, ele, também, uma prova do grande alarido que as “vozes da delação” e os “velhos do restelo” anda por aí a propalar.
    Teremos de fazer multiplicar o nosso protesto. Vé em frente, Val.

  5. O que é curioso, é que sempre que dá jeito, observo determinados partidos portugueses a fazerem referências à forma como outros países europeus são “geridos”. Apesar disso, somos engolidos por lutas de poder que na realidade ninguém entende.

    Quem me explica que ministeriáveis tem o BE caso vença umas eleições ????

    E no PC, quem são ????

  6. O PS terá que esperar pela aprovação do orçamento e pelo resultado das eleições no psd.
    Se a nova liderança do psd tiver o mesmo comportamento, ie se ceder ao terrorismo politico, que se apresente uma moção de confiança quanto antes para que haja esclarecimento politico e hipoteses de governabilidade. Se não houver vislumbre de compromissos serios e responsabilidades, eleições antecipadas quanto antes.
    Não há hipotese de um governo aguentar tantos anos este desgaste.
    O povo julgará estes loucos meses onde tudo aconteceu, inventona por parte da PR, escutas injustificadas a um PM por parte de magistrados judiciais com fugas para os jornais, coligações negativa, etc…

  7. Mais um quadro sem pés nem cabeça. Uma nado-morto. Mete de tudo, papas de sarrabulho, alusão a eruditos clássicos q.b. e até um “capitão da nau”, consabidamente sem qualidades marinheiras.

  8. Quem nasce torto, tarde ou nunca se endireita:
    O que se tem assistido de há uns tempos a esta parte é o de mais degradante que há memória. Figuras que deviam ser os porta-bandeiras da democracia Portuguesa e do seu partido, são os que infelizmente tudo fazem para a sua descredibilização. Quer seja acidental ou propositado, são estas atitudes que empobrecem a democracia.
    Após o 25 de Abril formaram-se alguns partidos entre os quais o Partido Popular Democrático (PPD). Passados anos e como já não cativavam militantes e votantes, mudou de sigla, para confundir e ludibriar o Zé Povo. Povo esse que já tinha decifrado o que queria dizer (PPD). “Pessoas Portadoras Deficiência”.
    Assim, ninguém tem de ficar admirado com as peripécias que este partido nos tenta oferecer. Com Cavaco viu-se no que se transformou, a seguir com Durão Barroso que teve de fugir porque não aguentava a situação e para estes lugares tem de ser homens de barba rija. Santana Lopes não tinha estaleca e passado pouco tempo deu no que tinha a dar – é ver o que é hoje, um simples vereador, ao que chega um 1º ministro. Com Marques Mendes deu no que deu, ninguém o respeitava – Isaltino afirmou que era um pedinchas. Luís Filipe Meneses tentou aproximar-se das bases mas os tubarões aniquilaram-no. Veio a sumo suprema e o País está a ver ao que está voltado. Não há respeito é só intrigas e maledicência, o PSD parece uma lota de peixe, tal o discurso que usam, as peixeiras são mais resguardadas – aliás nem para vender peixe a Manuela serve – não lhe comprava uma sardinha, podia ser portadora do seu veneno.
    Deu guarida a certas pessoas na lista do PSD e agora está a receber os juros. Todos pagam com servidão o que ela fez por eles. É ver o que se passou ontem na comissão de inquérito. Em certas casas de meninas as conversas são mais contidas. Há muito tempo que venho a alertar para se fazer uma consulta aos deputados para se verificar as suas faculdades mentais. Ninguém se quer interessar por este meu aviso mais tarde vão-me dar razão. Não vai demorar a andarem a sapatada uns com outros. Enquanto o PSD não arrumar com a Manuela Ferreira Leite não sei o que pode acontecer. Aquilo está no sangue, é de família. Infelizmente detectamos os mesmos sintomas no seu irmão, só quem não vê na SICN a falar de futebol e do Sporting.
    Não conheço mais nenhum seu familiar mas que lamento que pessoas que se julgam com bastante gabarito e que afinal quando lhes sai o verniz dá no que dá. Se eu estivesse no lugar dela e da Maria José Nogueira Pinto sentia uma vergonha que durante uns dias não saía à rua. Mas hoje em dia o conceito da sinceridade e da verdade andam divorciados das boas práticas.
    Por isso reafirmo quem nasce torto, tarde ou nunca se endireita. Será com a reincarnação? Duvido.

  9. Todas as trapalhadas conhecidas do Sócrates dão-nos o conforto de saber que ele foi mais “investigado” do que qualquer outro e por isso não haverá nada de pior do que aquilo que já se sabe, isto deveria ser motivo de consolo???
    Peço desculpa, mas parece-me que nem o Berlusconi faria melhor…

  10. Excluíndo alguns timoratos da desgraça, alguns, certamente muitos, sindicalistas de profissão e outros que foram obrigados a voltar ao posto de trabalho. Excluíndo outros tantos juízes, delegados do MP, e ainda os professores. Excluíndo também, aqueles que vão na conversa mole dos amanhãs que cantam. Excluindo ainda, aqueles que se encontram cegos, surdos e mudos por vontade própria, bem como os que defendem afincadamente o seu pecúlio, a sua tradição e linhagem. Por fim, excluíndo os novos pobres e desesperados do BPN e BPP, existe, uma imensa maioria de portugueses, simples mas sábios, com vontade própria, que pensam pela sua cabeça, e que ao ver tudo isto, continuariam a votar no Sócrates. Pois é. Faz sentido.

  11. NESTE MOMENTO NADA MAIS INTERESSA QUE NÃO SEJAM AS ESCUTAS .

    O XEQUE MATE A SOCRATES É OBVIO ..

    QUEREMOS AS ESCUTAS AGORA E QUEREMOS SOCRATES NA RUA ! AGORA !

  12. OK, entrevista a Armando Vara não deixa dúvidas sobre o que se está a passar. O homem está inocente, foi usado para entalar Sócrates. As coisas não estão a correr bem,no entanto, para quem está envolvido nesta tentativa de golpe.

  13. Eu não percebo nada mas … como a ignorância é atrevida, atrevo-me ao seguinte: … decerto já equacionaram o hipotético papel que uma certa instituição com um peso secular na sociedade portuguesa poderá ter no ambiente geral criado. Ou acham que essa instituição secular, que sempre gozou de um peso muito grande entre nós, com um louvável trabalho em algumas áreas sociais, anda sossegadita apesar de um dos seus maiores finca-pés ter sido posto em causa num referendo, outro finca-pé estar prestes a idem idem aspas aspas (até há quem peça um referendo sobre isso) enfim… hummm Tanto conserto, só muito abençoado e suado a penitências. Digo eu que pouco sei.
    :))

  14. Platao, Socrates, a Cidade e a Nau Catrineta….

    ”Aqui entre nós que ninguém nos lê, quando se diz que uma só pessoa quer fazer mal tanto aos trabalhadores como aos empresários, e se garante que o principal problema político nacional está na sua presença à frente do Governo, como se o sistema fosse o resultado de uma moção voluntarista individual, podemos ter a certeza certezinha de que a história está muito mal contada. Que é uma história para borregos.”

    Va chamar borrego a um primo que ja nao ve ha 20 anos, ta bem, seu mal educado?

    ”E é um espectáculo que une o asco à compaixão, que revolta e enfada, ver ataques a Sócrates por causa da sua licenciatura, ou das casas, ou do título de engenheiro, ou do caralho que os foda a todos, hipócritas debochados”.

    Se enfada, e exactamente como o fado, e muita gente gosta disso. So o que nao se compreende e que nao se faca um inquerito oficial para se estabelecer duma vez popr todas quem sao os anjos desta republica secular e quem e que anda a soldo do diabo. Sera falta de dinheiro? Penso que nao, com tanto estadio de futebol as moscas.

    ”Voltemos à nau. Alguém tem de a comandar, ser o capitão, o homem do leme. Então, que sentido faz que se tente dificultar, mesmo boicotar, essa navegação? Diríamos que nenhum, que é um absurdo”.

    Sendo assim, proponho. Ponha-se la um simeo competente em vez dum Simao. Se as coisas nao correrem bem na administracao da Nacao ( tudo pode acontecer porque os macacos tambem afinam quando lhe chamam nomes) pelo menos pouparemos uns cobres no salario do Primata Premier. E se estendermos esta tecnica a AR e a montes de milhares doutros orgaos e organistas que dependem salarialmente dos cofres do Estado, entao entraremos numa era de poupanca nunca vista pelo mais experiente dos fiscalistas.

    Ciao

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.