Assim por alto, quantos corruptos há no PS?

Esclareço ainda não ter, de modo nenhum, afirmado que o Secretário Geral do PS “não quer combater a corrupção”, como me atribui o seu jornal, erradamente. O que disse – e mantenho – é que há no PS pessoas que não querem combater a corrupção. Mas não é de maneira nenhuma essa a minha “sensação” sobre o actual Secretário Geral do PS, muito pelo contrário.

Ana Gomes

__

Esta famosa militante do PS, eurodeputada desde 2004, actual membro da Comissão Política de Seguro, formada em Direito, com uma vida dedicada à diplomacia, regular presença na comunicação social onde diz o que lhe dá na gana sem qualquer censura, afirma que há no PS pessoas que não querem combater a corrupção. Ora, o PS é tão grande que terá todo o tipo de pessoas, incluindo essas supracitadas mas também pessoas que cospem na sopa, pessoas que mentem a freiras, pessoas que dizem palavrões à frente dos seus animais de estimação. Qual o problema de existir no partido quem represente a enormíssima maioria da população portuguesa que nem sequer no último lugar da sua lista de pequenos interesses colocou o combate à corrupção precisamente porque, em maior ou menor grau, pratica, ou deixa praticar, actos de corrupção?

O problema vem de não conhecermos quem são, claro. Se forem vulgares militantes, ninguém quer saber. Se forem autarcas, todos querem saber, mas ninguém se importa. Se forem dirigentes, deputados e/ou ex-governantes, todos querem saber e todos nos importamos. Muito. É aqui que voltamos à Ana Gomes. Para lhe perguntar: de quem falas, Ana? E se não for incómodo, outra curiosidade: tens alguma noção das inevitáveis consequências das suspeições genéricas e simplistas, por isso a roçarem, ou a entrarem, na difamação e na calúnia? É que pode haver excelentes razões para se ser contra certas formas do suposto combate à corrupção, em especial quando essas pretensas soluções criam mais problemas do que resolvem ou são elas próprias corrupções da Lei e dos direitos consagrados na Constituição. Com certeza que estarás de acordo com estas destrinças, e até tu terias sido a primeira a explicitá-las não fosse estares assoberbada de trabalho neste novo ciclo político.

Seja como for, é um facto que Seguro anda há que tempos a prometer que com ele a corrupção acaba. No congresso da sua entronização informou os camaradas que a limpeza começaria por eles próprios, corruptos até assinatura de um papelucho em contrário. É pujante esta necessidade dos novos dirigentes do PS para a desinfecção do partido, sinal de que validam as campanhas que vieram do PSD e CDS, mais as que invariavelmente vêm do PCP e BE, contra o anterior Governo e contra Sócrates. A estratégia da direita, comandada com pleno êxito a partir de Belém, passou por recorrer a todos os meios para denegrir a honorabilidade do anterior Governo e soterrá-lo debaixo das mais desvairadas suspeitas criminosas, tendo-se chegado ao ponto de usar o aparelho judicial para o efeito, tal como o Procurador-Geral da República e o Presidente do Supremo confirmaram por actos e declarações.

Agora que a direita domina todas as instituições de poder, incluindo o 4º poder, cabe ao PS de Seguro continuar o trabalho sujo? Se for esse o caso, desejo-vos um melhor serviço do que aquele da Ana Gomes com Paulo Portas. Em Junho, dizia que Portas era o nosso Strauss Kahn, um tarado que faria as delícias de qualquer serviço secreto estrangeiro cujos agentes usassem telemóveis com câmara de 20 megapixéis e gravação Full HD. Quatro meses depois, não voltou a tocar no assunto e nem sequer teve direito a um processo do visado. Ficamos sem perceber se entretanto ficou arrependida do ataque à maluca contra mais uma vítima da sua bílis ou se aprendeu a suportar a ideia de ter um Ministro dos Negócios Estrangeiros com uma tabuleta na testa onde se lê “Aceitam-se chantagens”. O que percebemos, e percebemos bem de mais, é que este modo irresponsável e desvairado de intervir no espaço público é corruptor. Provoca uma lassidão moral em toda a sociedade, afastando os cidadãos da racionalidade exigida pelo verdadeiro combate à corrupção e acabando por proteger os verdadeiros corruptos ao se cair na indignidade de fazer acusações sem prova nem consequência.

33 thoughts on “Assim por alto, quantos corruptos há no PS?”

  1. quando é que correm com essa gaja? só serve para arranjar sarilhos e os adeptos de estilo votam no bloco ou têm projectos pessoais. na bancada do bloco não destoava e era uma mais valia para a peixaria louçã.

  2. Nunca fui muito com o estilo Ana Gomes. Tenho a impressão que ela nunca frequentou uma carreira de tiro. Mas a verdade é que dispara em todas as direções, mas como diz o texto, perfeitamente à maluca.
    E isso não lhe fica muito bem. Para parecer ser de esquerda não é preciso correr desvairadamente atras da 1ª. lebre que lhe sai ao caminho. E muitas vezes o que parece não é. Portanto não se pode ser tão superficial e à 1º. atirar a matar. É que assim, muitas vezes, mata quem está ao lado, isto é,os próprios camaradas.
    São os chamados tiros no escuro ou, talvez, quem sabe, seja mais adequado chamar-lhe tiros de pólvora seca.

  3. És um portento do sofisma, e começas logo cedo porque é de manhã que se começa o dia, um dia como muitos outros, infelizmente. Quer dizer, as “suspeições genéricas e simplistas” atiradas para o ar não provam nada nem se fundamentam em nada mas, ao mesmo tempo, não perdem a conveniente utilidade de as podermos usar se quizermos chamar caluniadores e difamadores aos “boateiros”. Logo, das duas uma, ou calas-te porque são só boatos, ou páras com o roçares-te no sofisma e chamas caluniadora à cara da Ana Gomes, e apresentas provas de que ela o é, porque é de provas que andas sempre à procura. Oxalá encontres a pedra de toque.

    Eu acho que os políticos com o poder de alguma decisão ou passagem registada pelo Poder são TODOS corruptos, uns mais, outros menos, na escala de 1 a 100 porque hoje acordei benemérito. A eleição de governos com trinta por cento de eleitores tem ajudado bastante. A corrupção nos Serviços e na Indústria pode ser considerada uma extensão da outra, ou parte do mesmo sindrome. Ou seja, a cura depende da doença e vice-versa. Entrariam os fármacos se eu deixasse. O grande medo das investigações para se apurarem verdades e mentiras é o medo do efeito de dominó e das gigantescas salas de audiências tribunalícias que teriam de ser improvisadas nos estádios de futebol que andam por aí às moscas. Coisa doida. Moral: tu sabes de mim e eu sei de ti, somos amigos mas a amizade não entra nisso. Quem sabe até se o arrefecimento da senhora em relação ao caso Portas tenha sido devido aos efeitos duma chávena de chá e dum aperto de mão. Ou dum sorriso admoestatório de terceiros camaradas.

    Isto é tudo muito complicado. O povo nunca irá perceber isto. Controlo químico.

  4. O PS talvez tenha sido um grande partido, mas isso terá sido antes de ser fundado. Mal foi criado, logo se perverteu, morrendo como grandes culturas mortas e enterradas da América-do-Sul. Comparado com outros, esse partido é o mais pequeno em ética republicana, muito atrás do primeiro, o PCP. Marcado pela corrupção levada ao extremo do impudor e mais marcado ainda pelos entraves objectivos ao seu combate, conforme enfoca Ana Gomes, há muita pedra para partir e imenso pedreiro-livre a fiscalizar exaustivamente. Militantes, autarcas, dirigentes, deputados, ex-governantes, eis uma galáxia de suspeitas e suspeitos, cujos lixos por desenterrar e crivar exigem máximo zelo: a ninguém até hoje foi dado compreender, por exemplo, qual a origem da extraordinária riqueza súbita do Pseudo-Engenheiro Sócrates e de outros. Ana Gomes sabe bem que num País como o nosso nada se faz sem a devida insinuação corajosa e nada avança se se não puser muitas vezes o dedo na ferida. Ana Gomes sabe quem resiste ao combate à corrupção. Boa parte do seu PS sofre terrores sob a perspectiva desse combate levado a sério, finalmente. Os sujos e corruptos do partido já movimentaram influências, mundos e fundos para espernearem e estrebucharem resistências à devassa que se impõe, após seis anos em que o endividamento público duplicou e o País empobreceu. Quem empochou o dinheiro? Aflitos que lhes verifiquem os ganhos ilícitos, logo se queixam de que essa clarificação suscitada por Ana Gomes roçar a difamação ena calúnia, além de se escudaram na inconveniência de certas formas combate à corrupção por se tratarem de «corrupções da Lei e dos direitos consagrados na Constituição». Como se vê, a esta gente indigna não falta todo um arsenal de desculpas sornas. Portanto, para o PS-ex-assessores e ex-governantes recentes do cadáver morno socratista, não há qualquer interesse em combater a corrupção. Para evitarem tal combate, tornam-se sofistas e argumentam finamente, concentrando os seus ataques na árvore do método enquanto seguem indiferentes à floresta da dissolução corrupta alicerçada na conhecida e bem exemplificada avidez extrema do seu partido. Nada mais estranho que uma das vozes mais estrénuas contra os corruptos do seu próprio partido, Seguro, tenha introduzido a viola no saco, devidamente pressionado. Que o PS carece de desinfecção, ninguém tem dúvidas. Nulo é o peso das dúvidas acerca da duvidosa índole do anterior Governo e de Sócrates. A atenção do pequeno partido socialista foi aliás capturada pela necessidade de uma catarse e de uma clarificação urgente. Verificou-se de modo indisputável que não existia honorabilidade no anterior Governo e eram abundantes as suspeitas criminosas que recaíam sobre si, ao ponto de quer o Procurador-Geral da República quer o Presidente do Supremo darem manifestos e reiterados sinais de terror, submissão e acanhamento, mesmo em face dos delitos da mais extrema gravidade contra o Estado de Direito, apenas desvanecidos devido à volatilidade mediática que comanda a prossecução da Justiça num País sem ela, como o nosso: delito/crime/transgressão político-económicos que não sejam mediatizados não existem. Quando saem da agenda mediática, morrem literalmente, dissolvendo-se no olvido geral. Portanto, o medo e a fraqueza dos actores da Justiça bloquearam a própria Justiça e tornaram indelével a impunidade dos corruptos políticos. Quando todas as instituições de poder estavam na mão do PS socratista e o 4.º poder era permeabilíssimo às pressões directas de Sócrates, a Justiça não foi servida. É aqui que Ana Gomes representa uma pedrada no charco espesso da malícia socialista, na medida em que apõe o tom passional que lhe é próprio e consubstancial à racionalidade desta matéria, expondo os verdadeiros corruptos e ao acusar aqueles que, no seu próprio pequeno partido, logo movem montanhas para que a prova se dilua e a consequência no mínimo represente um exílio sossegado em Paris. O que faremos com este pequeno partido socialista? Ata-se-lhe uma mó ao pescoço e lança-se ao Oceano Atlântico, onde aliás mergulhará já morto e apodrecido.

  5. Aparecem aqui nos comentários uns gajos muito giros… Um quer fazer publicidade às tretas que escreve. Os outros tentam vender-nos, com rótulos exóticos, as tretas de que comungam desde a fundação do “estado novo”. E eu, que vou deixar de os ler…

  6. Anonimo,

    Lê o REX com atenção, três vezes se necessário, apreende a graça fina, arrecada o que assimilares no baú onde conservas os grandes exemplos do Valupi nessa área, e prepara a tua tese no silêncio da alcova. Mas tens que desistir de largar pataniscas de órfão de pai e mãe. Porque se continuas a falar de louraças nazis (o argumento estafado de Jerico e Massala) nunca irás encorajar ninguém a corrigir-te a opinião de que há mais mulheres louras que de cabelo preto ou castanho na Suécia.

    Mas se não gostas delas, aí já entendo. A Líbia converteu-te.

  7. Anónimo,

    Sou da tua opinião, vou deixar de começar a ler as merdas que certa gente vaidosa bota aqui. Olha, não é cedo nem tarde. Bardamerda pra isto! Vão pro caraças, todos!

  8. Fartei-me de rir com a “ética republicana” do PCP, descoberta pelo brutossáurio de serviço nesta caixa.

    O “ata-se-lhe uma mó ao pescoço e atira-se ao oceano” também é revelador do substrato moral e cívico deste monarca dos dinossáurios que se acha habilitado a distribuir prémios de ética republicana.

    Já nem falo do juízo marado de que se o endividamento público cresceu rápido (a partir da crise de 2008 e não nos “seis anos” de Sócrates, ó aldrabão de feira) é porque alguém “empochou o dinheiro”. Que indigência mental! Nível abaixo de taberna!

    O súbito tesão do sauriano pela Ana Gomes é hilariante. Não sei se ela ficará muito orgulhosa…

  9. vou ter sódades tuas e da conversa da treta, antes de basares, podias explicar as virtudes do serviço de saúde líbio que tanto te sensibilizou há uns postes atrás.

  10. S.O.S LÍBIA !!! Valupi … Podes ajudar? … Eu Criei a Conta @LibyaChildren no Twitter,ao46 tweet o Twitter Suspendeu-me a conta. Estava a enviar um Vídeo a Jogadores de futebol, com crianças Mortas pelos bombardeamentos da Nato, num Hospital de Tripoli.

    O twitter, apesar da minha constante contestação ainda n reabriu a conta.

    ( Está aqui a 1ª reclamação http://www.twitlonger.com/show/dfanuu se puderem passar Y fazer RT – Eu agradeço pelas crianças Líbias ).

    Mas a minha Ideia era Reunir um Nº Significativo de Pessoas, em que cada 1 criasse uma Conta @LibyaChildren/1/2/3…ao infinito das vontades humanas Y Enviasse 1 Tweet para a NATO/OBAMA/ SARKOZY/CAMERON/ TWITTER dizendo o ÓBVIO: A Morte de Crianças é Crime de Guerra – As Crianças Líbias não podem ser excepção.

    Informo que em 2 Semanas já foram mortas 1000 crianças na Cidade Líbia de Sirte, na qual ocorreu pela 1ª Vez um Bombardeamento a um Hospital.

    O Meu mail: rosencrantz0@hotmail.com Ou ando pela conta twitter @Dputamadre

    Não chegamos a um ponto da Humanidade em que: Crianças mortas permanecem Crianças Mortas. Mas crianças-Kadhafi Mortas não podem passar a ser Boas Crianças-Kadhafi Mortas.

    *PS.: Não sou Fascista. Não Sou Pró-Kadhafi. Sim. Apoio 100% O Saif Al-Islam. Foi dai que me fui apercebendo desta Fantochada generalizada acerca desta Questão Líbia. …Suspender uma simples conta no twitter é mais Significativo do que aquilo q se possa pensar. Obrigada. ( Eu Criei logo a seguir @LibyanChildren1 Y os Tweets foram logo Colocados Fora da Timeline Pública … ).

    Se concordarem que alguma coisa deve ser feita, agradeço o contacto. Eu não desisto. Vale.

  11. Oh “kalamidades” e oh “palavrorex”, nós sabemos o quanto vos chateia os textos “CERTEIROS” que a bela mente do Valupi nos oferece!
    Mas porque não vão brincar para outros jardins…!?! É que já nem sequer vale a pena argumentar contra os vossos comentários…sem ponta por onde se pegue – estúpidos, maus no português e sem lógica no raciocinio – cujo único objectivo é mostrarem-se como uns gajos “porreiraços” que ousam (!) vir a este blogue só para chatear. Nada se pode “espremer” do que escrevem…!!!
    E por mim, deixei de vos ler…Passo à frente!

  12. V. KALIMATANOS, PALAVROSSAVRVS REX e outros salazaristas que por aqui aparecem para matar saudades da Pide, da Censura, etc é uma corja de social-fascistas. Falam muito bem mas espremido é só caca. Bosta e da boa. Porque é que eles têm tanta vontade de dizer coisas e não vão eles resolver os problemas do país? É que trabalhar dói.
    Vão cagar postas de pescada para junto dos vossos amigos. Aqui ninguém para vos atura e lê as vossas merdas.
    Eu, pela minha parte, passo por cima e cago nelas.
    Tenham juízo que já têm idade para isso e para chatear vão chatear as putas das vossas mãezinhas.

  13. Para este homem tudo é bom para voltar ao seu querido Sócrates. Deu umas voltas em torno de Seguro e corruptos para aterrar na super-desbocada Ana Gomes.

    Os comentários desta casa ficaram anónimos na razão directa da boçalidade dos seus autores.

    É forma gasta esta técnica irónica e perversa “até tu terias sido a primeira a explicitá-las não fosse estares assoberbada de trabalho neste novo ciclo político” pois sabe de antemão a resposta.

    Volta a delirar com Belém “ estratégia da direita, comandada com pleno êxito” não admitindo que Sócrates preferiu sair pelo seu pé consciente do que aí vinha.

    O KALIMATANOS dá boas dicas para a cura das tormentas que habitam a mente do autor, pedra de toque que possa conferir a semelhança é bem necessária. A afirmação de sofista é muito simpática. O que é o controlo químico de que fala? Deve referir-se às trocas gasosas que se fazem nesta fauna de políticos em funções, que abusa de “saberes” e subentendidos para se lambuzarem nas costas destes otários de serviço.

    E viva a dança.

  14. Ana Gomes é um “Alberto João” do continente, diz as enormidades que quer e todos se calam.

    Como alguém já falou, onde está o processo do ministro dos negócios estrangeiros, entre tantos outros?

    (A mulher deve ter pintelhos de aço)

  15. Ó seu Rex do caralho, diz aí onde viste, ouviste, leste sobre a fortuna súbita de Sócrates? Sabes o que estás a dizer? Qualquer um te pode enfiar merda na boca e tu engoles? Bom proveito, criatura!

  16. eu não sei quantos haverá , mas se topar por aí o senhor João Cravinho ( já voltou do exílio ?) pergunto-lhe.

  17. Eu escrevo porque gosto de me ler, e tenho a imodéstia de admitir o que todos têm vergonha de fazer. Pouco me interessa que o Valupi ou o Anónimo me leiam: não lhes devo nada, e muito menos talento. Relativamente à questão colocada, eu diria que no PS todos são corruptos, com exceção de dois elementos: a Isabel Moreira, que tem pais ricos e por isso não precisa de sujar as mãos (outros já o fizeram bem feito antes dela), e a sexualidade do ex-primeiro-ministro, que apesar de corrupta, não pode ser qualificada ao mesmo nível que um político. No PSD e no CDS tb são todos corruptos. No BE e no PCP, também. Só nos Verdes é que não existem corruptos. Mas também: além de soja, o que é que existe mesmo nos Verdes?

  18. Ex-ministros ficam ricos com a política
    Pina Moura, Armando Vara e Dias Loureiro. Todos eles foram ministros, todos eles tinham salários modestos antes de chegarem ao Governo e todos eles acabaram por fazer carreira no mundo empresarial, aumentando o rendimento anual para valores acima dos cinco dígitos.

    Os números não deixam dúvidas e constam no livro ‘Como os políticos enriquecem em Portugal’, do jornalista do CM António Sérgio Azenha. A obra ilustra os casos de 15 ex-governantes que multiplicaram os rendimentos depois de saírem do Governo. E as fontes são duas: declarações de rendimentos entregues pelos próprios no Tribunal Constitucional e remunerações anuais referidas nos relatórios de governo nas sociedades onde trabalham.
    “De todos os governantes que ingressaram em empresas privadas e públicas depois de terem sido ministros ou secretários de Estado, Joaquim Pina Moura é, provavelmente, o caso mais exemplar de como a carreira política pode ser uma experiência decisiva para a valorização da carreira profissional e consequente prosperidade pessoal”, lê-se no livro que é lançado na terça-feira.
    Antes de ingressar no Governo de António Guterres em 1995, Pina Moura declarou 22 814 euros, em 1994. E em 2006, após ter saído do Governo, “apresentou um rendimento anual de 697 338 euros”. Em 12 anos, o seu rendimento anual sofreu “um aumento de 2956%”, diz o livro.
    Manuel Dias Loureiro, ex-ministro da Administração Interna de Cavaco Silva, terá ganho como ministro, em 1994, quase 65 mil euros. Em 2001, já como trabalhador independente, declarou 861 366 euros. Em sete anos, “a sua remuneração anual aumentou 1225%”.
    Armando Vara, ex-secretário de Estado e ministro de Guterres, é um caso semelhante: em 16 anos, passou de um rendimento anual de 59 486 euros em conjunto com a mulher, em 1994, para 822 193 euros, em 2010. Foi, segundo o livro, um aumento de 1282% na remuneração anual.

  19. Por falar em corruptos: um juiz de primeira instância – de quem não se sabe se acaso será da Opus Dei ou outra mafia política de direita – absolveu há dias os prevaricadores da anterior administração do BCP, por ter considerado nulas as provas absolutamente insofismáveis apresentadas por Berardo. A nulidade das provas deveu-se, segundo o tal juiz brincalhão, à violação do sigilo bancário por parte do informador de Berardo que denunciou a coisa. Giro, não é? Havendo uma denúncia de trafulhices bancárias há sempre possibilidade de alegar em defesa dos prevaricadores… quebra de sigilo bancário por parte do denunciador. Uma espécie de Catch-22. Será que futuros juízes também vão declarar a nulidade da prova por quebra do “sigilo bancário” por parte do… Banco de Portugal?

    E que me diz a isto a maltósia laranja que quer lutar contra a corrupção com a inversão do ónus da prova em matéria de enriquecimento ilícito? Bem fez e faz o PS em se opor a essa inversão, essa manobra de diversão em detrimento da verdadeira justiça. A luta contra a corrupção não pode ser distraída e desviada para questionar aparências de enriquecimento, embora este, quando provado, possa e deva servir para apoiar a acusação de corrupção, como já acontece (veja-se caso Isaltino).

    Voltando ao caso do BCP, em que não se trata primariamente de corrupção, mas de uma série de outros crimes económicos, que diz sobre isso a amalucada e quixotesca Ana Gomes? Papará ela o especioso argumento da quebra de sigilo bancário? Não se sabe. Está a Leste. Sobre o BPN, Ana Gomes quis em tempos convencer-se que o PSD não tinha nada a ver com aquilo, pedindo a Manuela F Leite para se demarcar daquela merda toda, acrscentando: “Se não se demarcar do BPN, estará a comprometer o bom nome do PSD”.

    O bom nome do PSD, leram bem!

    Isto em lugar de acusar frontalmente a dita Manuela de ser contra o inquérito parlamentar ao caso BPN e de querer abafar e minimizar o escândalo político dos banqueiros do seu partido!

  20. oh indignado acima! a corrupção não consta nas declarações de rendimentos, só quando for oficializada e tiver enquadramento tributável próprio.

  21. Abdool (não confundir com Abdul) Vakil, ao tempo presidente do banco-buraco Efisa e administrador do hiper-buraco SLN, o homem das “ligações com a praça financeira de Londres”, hoje com vários processos às costas por fraude fiscal, branqueamento de capitais, etc., etc., resolveu um belo dia convidar Manuela Ferreira Leite para um almoço de charme com os chefões na sede do grupo, Oliveira e Costa incluído. A incauta senhora lá foi, piedosamente, em peregrinação à sede da quadrilha, que tinha fama de servir boa comida e melhores vinhos. Oliveira e Costa estava ainda no seu gabinete em tratações com pessoas da casa quando, à hora marcada, recebe um telefonema interno do Abdool: “Está aqui a doutora, para irmos almoçar.” Oliveira e Costa pousa o auscultador e diz para os circunstantes, gente então da sua confiança: “Vamos ter que interromper isto”. E depois, baixinho, como num lamento: “O filho da puta do preto está a chamar-me para o almoço com aquela vaca”. José Oliveira e Costa era então conhecido no bas-fonds financeiro lisboeta pelo petit nom de Zeca Diabo – perdoe-me o aqui comentador homónimo, que é homem honesto.

  22. …e tu NAS, fazes-me lembrar uma serpentina de Carnaval ensopada de mijo do último gajo que te saltou pra cima.

    Val, as atoardas de Ana Gomes não oferecem qualquer perigo ao estado de direito e, confesso, até gosto daquele jeito denunciante que a caracteriza. Pena é que não haja mais gajas como ela. Posto isto, siga pra Ariosa!

  23. EMELDA, obrigado pela imagem: é bom que saiba que não desprezo que me mijem em cima. Quando é consentido, claro. Fique com os seus prazeres católicos, enquanto lhe fazem outras coisas piores em cima. Emelda é nome de prostituta, e isto faz-me lembrar qualquer coisa… ah, já sei: o meu comentário. É isso que eu gosto acima de tudo: eu e os meus comentários. Nem tenho pena que não me aprecie. Agora, por favor, vá tratar por tu os seus camaradas xuxialistas e/ou quem lhe dá de comer. Eu não escrevo para a educar, por isso, mais respeitinho. E inveje-me. Isso torna-me mais indiferente. ;-)

  24. Assim por alto…a Ana Gomes: é politicamente muito corrupta.

    Em alternativa, são todos corruptos, menos ela, que é uma santa que não larga o partido dos corruptos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.