9 thoughts on “Apoiado!”

  1. Não podia estar em maior desacordo. O valor simbólico (ser mulher e negra ) pessoal não recompensa do valor simbólico corporativo-judicial (magistratura). É tempo deste país se libertar de figuras de autoridade ou de gajo/as cheios de superpoderes emanados dos círculos do costume e eleitos pelos media.

  2. Não concordo com votar numa pessoa somente por ser mulher e/ou somente por ser negra.
    Van Dunem (ou qualquer outra pessoa) tem que mostrar mais atributos para que eu possa votar nela.

  3. Podem lá meter quem quiserem porque vivemos tempos em que o simbolismo, a aparência e o politicamente correto sobrepõem-se ad nauseam ao conteúdo e às responsabilidades concretas dos cargos. Nada a opor, conquanto soe bem aos ouvidos e enterneça as consciências e configure uma situação que faça os progressistas intelectuais de esquerda acordar com muita emoçãozinha e cheios de tusa matinal para enfrentar a dureza dos seus dias de “trabalho”.

  4. “Não concordo com votar numa pessoa somente por ser mulher e/ou somente por ser negra.”

    mas ficavas caladinho se fosse um homem e/ou somente branco.

    “Van Dunem (ou qualquer outra pessoa) tem que mostrar mais atributos para que eu possa votar nela.”

    pois, tu gostas é de striptease cabaret marcelo.

  5. “… cheios de tusa matinal para enfrentar a dureza dos seus dias de “trabalho”.

    que sódades da joana.

  6. A sugestão do Porfírio presta-se a todo o tipo de críticas negativas, inclusive algumas que ainda não foram referidas. Mas não é por causa disso que perde legitimidade e interesse, precisamente ao contrário.

  7. Tenho a impressão que acaste de definir o novo normal.Mas por favor não me critiques positivamente porque a minha impressão perde legitimidade e, principalmente, interesse, e eu sou uma attention whore.

  8. Só se for para aumentar o poder dos que fingem que somos mesmo um Estado de Direito. Também ela tem sido incapaz de produzir um criticazinha aos evidentes abusos do futuro ministro da justiça da direita. Pratica, tal como o chefe do governo, a tal diplomacia confortável da separação de poderes, à Justiça o que é da Justiça, etc e tal.
    Quero lá saber se é mulher , ou se é preta, com o meu voto não conta!

  9. Pois. Mas reverter o populismo português suave, muito bonzinho, mas retrógrado, pela via fácil do populismo prafrentex, desempoeirado e bué festivo, não me parece uma boa solução para a evidente falta, na área política da Esquerda democrática, de um(a) opositor(a) credível e à altura do putativo recandidato Marcelo.

    Para representar simbolicamente o País, sobretudo depois da notória elevação de bitola a que este Presidente, apesar dos deslizes, procedeu, vai ser necessário ser muito mais do que apenas Mulher, ou apenas negra, ou ambas, ou apenas uma Mulher negra, séria e competente.

    É bom que os pensadores políticos da Esquerda democrática vejam um pouco mais além do que o enganoso simulacro de realidades que justamente tanto criticam.

    O melhor modo de “derrotar” as eventuais tentações direitistas de Marcelo é não dar argumentos à Direita carnívora para conseguir voltar a ter a nuca do Povo na sua dentuça, como teve em 2 011.

    E, se continuar a cumprir como até aqui, o melhor candidato contra esse Marcelo será António Costa, que naturalmente lhe sucederá em 2 026, após cerca de dois anos de “defeso” político.

    Até lá, deixem a Dr.ª van Dunem em paz e sossego, que muito trabalho ainda tem pela frente…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.