Apesar dos pulhas, a democracia ainda é a mais bela flor da liberdade

No final do mês passado, assistimos a um episódio no Parlamento que deixou sem reacção o comentariado nacional (mas posso estar a errar, agradecendo a correcção). Ocorreu com Jorge Lacão, o qual viu o seu nome chumbado pela segunda vez numa votação para o Conselho Superior de Segurança Interna. O que torna esse resultado especialmente significativo é a existência de um acordo entre PS e PSD para a sua eleição. Não obstante, em 225 votantes, 76 deputados entregaram o boletim em branco e 18 tiveram a presença de espírito, e a criatividade, para transformarem o papelucho nalguma coisa que teve de ser considerada nula. Aparte: adorava que se conseguisse fazer um livro com a história dos votos nulos no Parlamento, para descobrir se os deputados nesses transes anárquicos também grafam insultos e caralhadas, à mistura com hipertrofiados Zé Bastos, ou se deixam citações de Cícero, Maquiavel e Churchill (ou Marx, Estaline e Mao Tsé-Tung).

Ora, 18 deputados equivale ao grupo do CDS, registe-se a coincidência. E 89 menos 76 prováveis refractários deixa eventuais 13 deputados do PSD que respeitaram o acordo feito pelo líder da sua bancada; no caso de terem estado lá todos (faltaram 4 deputados no total dos grupos parlamentares, pelo que talvez tenham sido apenas 9 os deputados laranjas com respeito pela orientação de voto). Trata-se de uma especulação, pois o voto é secreto, mas no caso é uma especulação sem margem para dúvidas. A direita quis humilhar Lacão. E porquê? As notícias que relataram a votação não apresentam qualquer laivo de causalidade, sequer comentários anónimos com testemunhos ou hipóteses sobre o fenómeno. Os jornalistas portugueses não tiveram pachorra para perder tempo com tão desprezível defunto ou foram avisados para não fazerem perguntas, terceira opção excluída.

Acontece que não existe nada na biografia e currículo de Lacão que o torne impróprio para cumprir funções na CSSI. Será ao contrário, dada a vasta experiência parlamentar e governativa deste deputado. Pelo que somos obrigados a ir buscar a única explicação que oferece racionalidade no contexto: Lacão foi excluído de forma cobarde (no caso, o secretismo do voto é instrumento de canalhice) dado ser alguém sem medo de dizer o que pensa. Aconteceu-lhe, em Fevereiro deste ano, ter posto em causa a versão de Cavaco sobre o pedido de resgate em 2011 tal como aparece no livro “Quinta-Feira e Outros Dias”, mais acrescentando que estávamos perante um exercício de devassa por causa do relato de conversas privadas entre Cavaco e Sócrates. A vingança demorou 9 meses a nascer.

Há várias manifestações de perseguição e puro castigo sobre Sócrates, camaradas de partido e governação, e ainda qualquer um que seja apanhado no âmbito da “Operação Marquês” mesmo que não tenha tido cargos políticos. Uma das mais espectaculares é a de João Miguel Tavares sobre Domingos Farinho, estando o caluniador pago pelo Público em campanha para tentar prejudicar gravemente a vida particular do seu alvo ainda antes de este ser dado como acusado seja do que for – e perante a passividade, a inércia, a cumplicidade geral. Mas muitos outros jornalistas e publicistas fazem coro no mesmo sentido, dizendo-se indignados, escandalizados, por haver uns tipos que foram vistos ao lado de Sócrates e ainda andam por aí, inclusive no Governo e nas televisões. Se isto é assim às descaradas, o que não será na sombra, né?

Não podemos alegar surpresa ao contemplarmos a vingança como força motivadora no devir político e social. Vingança como expressão de uma prepotência sem nome e rosto ou como instrumento de comercialização do nome e rosto. Mas igualmente não devemos esquecer quem assim utiliza poder político e poder mediático. Especialmente nos casos, patéticos, em que aqueles que desprezam e violentam o Estado de direito ainda se macaqueiam como “liberais”. Estas pessoas não merecem castigo nem provar do mesmo remédio que espalham e vendem, merecem outro tipo de confronto. Basta que consigamos imitar o espírito democrático, apanágio dos que colocam a liberdade acima dos egoísmos e tribalismos, que as palavras de Lacão deixaram para quem tenha a sorte de poder admirá-las:

Declaração de Jorge Lacão, minuto 2:18

10 thoughts on “Apesar dos pulhas, a democracia ainda é a mais bela flor da liberdade”

  1. São mesmo muito poucochinhos estes estarolas.
    Imagino o engolir de sapos de alguns (?) estadistas que ainda restem nesta direita decadente.

  2. … a propalada tanga sobre democracia e as tuas tangas liberdade não têm lugar nos comentários, sabe-se. Enfim, se estão presos os comentários outros gozam literalmente as delícias da liberdade (sejam eles os habitantes de Telheiras ou os youtubers de calções refugiados no Parque das Nações, nomeadamente).

    Acho que estás errado e bastante, Valupizinho.

  3. Não vão faltar agora ataques ao Vieira da Silva, por causa das gambas.
    Esta direita da tvi não se cala mais, a Ana Leal é pior que a outra inimiga de Sócrates.

  4. Seja pela sua composição ou mesmo pela sua liderança a actual bancada
    parlamentar do PSD não tem a qualidade requerida para a nobre função
    de deputados, além dos estarolas, lá estão os garotalhos ou seja a evolu-
    ção dos jotas instruídos na fatalidade de Verão !

  5. e claro , o voto é secreto mas toda a gente sabe que foram o psd e cds a brincar com a “orientação de voto” , ( é isso e culpados sem julgamento) porque , prontes , gajos do ps que não querm nada com amigos do zézito não há…

  6. considerar o voto nulo ou em branco como uma forma de protesto é ignorância. são estes uma expressão completamente vazia na luta social e política. vergonha.

  7. Na história ainda muito recente da Democracia Portuguesa não passou muita gente pela política com o grau de seriedade e sobretudo com a noção de causa pública como Vieira da Silva. E a esta hora continuo sem perceber porque é que o Ministro ainda não se decidiu por intentar judicialmente o filho da puta do deputado do CDS. Tem que haver limites para os truques baixos na AR. E as insinuações ontem – com suporte fotográfico e tudo – ultrapassaram tudo.

  8. O cerco está a apertar.. Ontem o Forum TSF foi sobre a Raríssimas e Vieira da Silva
    Hoje o fórum TSF foi sobre Vieira da Silva e a Raríssimas…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *