A tempestade perfeita do PS

O comunicado de Sócrates é um gesto de responsabilidade política, antes e depois de ser uma proclamação pessoal. Dirige-se directamente ao PS e permite que o congresso decorra com mais sanidade mental do que aquela disponível sem a sua declaração de inocência. Veio na hora certa. Tal não evita que tenhamos de nos confrontar com a possibilidade de Sócrates poder chegar a julgamento e sair de lá culpado de tudo ou de parte. Porque essa possibilidade é a mais provável à luz dos factos: a Justiça está convencida da existência de indícios, suspeitas e riscos, mesmo após ter recolhido as explicações dos arguidos acompanhados pelos seus advogados. Mas até ao confronto com a verdade histórica deste episódio, a qual vai demorar anos a estabelecer, temos de ver o caso pela perspectiva em que ele é o maior ataque alguma vez feito ao PS.

Não é necessário subscrever uma qualquer teoria da conspiração para que a Operação Marquês atinja o Largo do Rato de uma forma que ultrapassa desmesuradamente o que aconteceu no caso Casa Pia. Aí, a suspeita dizia respeito a uma esfera do comportamento humano que remetia para práticas individuais e irracionalizantes – o desejo sexual “pervertido”. O escabroso das suspeitas era, ao mesmo tempo, uma fragilidade da acusação por gerar incredulidade na opinião pública. Muita gente continua sem acreditar que Carlos Cruz seja culpado, por exemplo. Com o processo montado para apanhar Sócrates a acusação é muitíssimo mais poderosa: corrupção enquanto governante. Esta é uma suspeita que nem carece do patrocínio judicial para ser a mais credível e popular no espaço público. E se metermos Sócrates na equação o resultado é só um, vá ou não a julgamento, seja ou não condenado: já é culpado. Logo, o PS é um partido de corruptos.

A situação permite ao Ministério Público ir envolvendo no processo dezenas, se não forem centenas, de cidadãos que entre 2005 e 2011 tenham feito negócios com o Estado, ou com o apoio do Estado, ou que tenham representado o Estado nessas ocasiões. Basta convocar alguém para prestar declarações para que de imediato recaia sobre essa figura uma mancha de suspeição. Isto significa que não estamos perante a decapitação de uma direcção, como com Pedroso e Ferro – estamos perante a potencial aniquilação da elite do PS. Até António Costa pode ser envolvido na Operação Marquês, aparecendo o seu nome e fotografia nas parangonas da indústria da calunia só por ter sido chamado a explicar uma coisa qualquer relativa à sua passagem pelo Governo de Sócrates. Nestas condições, e para efeitos práticos inerentes à dimensão partidária e política, o PS passa a estar sob permanente chantagem e desgaste. As acusações de corrupção activa para titulares de cargos políticos, corrupção activa prevista no código penal, corrupção passiva para acto ilícito e corrupção passiva para acto licito, num processo de extrema complexidade onde Sócrates poderá ficar preso até 2018, abrem um campo de actuação política infindável para o procurador Rosário Teixeira, o juiz Carlos Alexandre e a procuradora-geral da República Joana Marques Vidal.

A suspeição genérica, em aberto – e ainda não fundamentada – lançada pela Justiça portuguesa é uma tempestade perfeita para o PS. Se tivesse sido planeada, não poderia ter sido mais letal quanto ao conteúdo, calendário e consequências. E ainda terá dado origem, ou continua a dar, a milhares de horas de escutas. A políticos. Porque se Sócrates andou de novo a ser escutado, e desde finais de 2013 ou princípios de 2014, então variados camaradas seus na política activa terão sido igualmente apanhados. Dada a impunidade vigente para com as fugas ao segredo de justiça que aparecem na comunicação social, é de elementar bom senso supor que muitas mais são canalizadas secretamente não se sabe para quem, nem quando, nem com que proveitos para os eventuais criminosos.

Fazer prova em casos de corrupção é técnica e judicialmente muito difícil, e os magistrados são os primeiros a saber disso. E também sabem que levar alguém a julgamento mesmo antecipando que não obterão uma condenação pode chegar para castigar um qualquer alvo do seu arbítrio. Caso tenham avançado para a prisão de Sócrates sem terem prova à prova de dúvidas, isso será o equivalente a uma declaração de guerra ao PS e à democracia.

58 thoughts on “A tempestade perfeita do PS”

  1. Já fui ler. A carta de Sócrates. Inocente, diz ele. Era o que eu esperava. Mas confesso que cheguei a duvidar de Sócrates, por me parecer que já tinha visto tudo acerca da actuação da justiça portuguesa em relação ao seu eterno “presumível culpado”, o PS. Como se tem visto, os magistrados são levados ao colo tanto pela direita como pela esquerda radical, nomeadamente bloquistas e comunistas: quando do toda a gente pensava que a direita ia implodir com o BPN, eis que bloquistas e comunistas se aliaram totalmente com a direita e atiram-se com toda a fúria, dentro e fora das comissões parlamentares, ao PS representado, para o efeito, em Victor Constâncio, governador de turno do BdP. Numa altura em que, depois de ter metido no bolso PCP e BE, o poder está todo do mesmo lado, a luta de Sócrates poderá ser totalmente inglória. E o PS poderá mesmo implodir, quando se estabelecer uma clara divisão entre aqueles que se querem render à direita e aqueles que ainda sonham com o Estado Social. Seguro estava no caminho da cedência e os seus homens estão à espreita. Socialistas como Alberto Martins, Francisco Assis, João Soares ou Maria de Belém já escolheram a rendição. Sinceramente, não sei se tenha pena que o PS se desfaça. De qualquer forma, o país não poderá recuar muito mais do que retrocedeu nos últimos três anos. O “trabalho” da direita está praticamente concluído. Não haverá Costa que faça milagres. Não vem aí a ditadura. A ditadura possivel dentro da UE já a temos e tão feroz como as outras: a dos mercados. Social democracia, democracia cristã e socialismo democrático foram engolidos pelos mercados. Os poucos que lhes quiseram fazer frente serão, de uma forma ou de outra, contidos ou detidos. Como Sócrates. Sendo assim, aquilo a que estamos a assistir é mesmo o fim do regime. Quando o “serviço” estiver concluído, Sócrates será libertado, talvez até sem julgamento. Porque tudo foi orquestrado ao mais alto nível.

  2. Valupi, essa de «muita gente continuar sem acreditar que Carlos Cruz seja culpado» deve ser o modo mais caritativo de tratar a justiça portuguesa e os seus processos kafkianos, as suas testemunhas fantasmas sem cara nem nome, e as suas indemnizações prévias a qualquer veredicto que seria possível comgeminar. Haja vergonha.

    E já agora, não é só «Carlos Cruz». Há outros inocentes. É ler o processo e ficar a ouvir as ressonâncias da mentira…

  3. Em Portugal a velha máxima «falsus in unum, falsus in omnibus» é substituída por «falsus in unum, verum in omnibus».

    E ainda vêm os magistrados do costume queixar-se do «excesso de garantismo» dos condenados… perdão, dos acusados…

    Não brinquem mais com a gente.

  4. eu estou mortinha que me mostrem evidências para conseguir ter paz na minha cabeça. e nem sequer penso no PS, confesso. penso nos valores, no certo, no errado, na manipulação, no justo, no injusto, no engano. de um sistema que acredito que serve para nos proteger ou de um homem que acreditei e ainda acredito.

  5. Olinda, não é para te dar ânimo, mas digo-te que acredito na inocência de Sócrates. Também te confesso que não esperava ouvir menos do que o protesto de completa inocência que vem na carta de Sócrates. É verdade que a vergonha do caso Casa Pia e da colossal fraude do processo Freeport ajudaram à minha convicção. Uma justiça que faz o que fez na Casa Pia e no Freeport, em paralelo como o que não está a fazer no BPN e outros processos de fraudes gigantescas à direita, não merece um pingo de credibilidade neste julgamente e linchamento de Sócrates.

  6. oh bécula, deixa-te de merdas, tu acreditas mazé é em deus e nunca exigiste provas ao padre. depois vai pró caralho com os valores, no certo, no errado, no justo, no injusto, no engano que isso é a bondade da direita depois do mal estar feito. aliás, já ontém tinhas metido o pé na poça e aviaste um comentário de inspiração tânia laranja, o que prova quemanhã. em vez de ires à missa, ficas no café a ler o correio da manhã.

  7. val, se as intensões de voto no ps não baixarem, ainda lhe metem droga no bolso ou um cadáver na banheira, lutam pela sobrevivência e têm medo de ser julgados pelo povo, mas vai ser difícil arranjar carlos alexandres e rosários teixeira para todos os portugueses, mesmo que a vidaleira lhes aumente o ordenado.

  8. Santana Lopes acaba de publicar um artigo onde apela mesmo ao fim do actual regime e do sistema partidário vigente. Razões: descrédito da classe política. Agora se compreende melhor por que houve dois fins de semana consecutivos com prisões à direita e depois com a prisão de Sócrates. No caso da prisão de Sócrates foi “tres em um”: prendeu-se e humilhou-se o ódio de estimação da direita: neutralizou-se o chefe-de-fila de uma oposição séria ao novo regime que aí vem (pensam); criaram-se as condições para dividir irremediavelmente o PS. Parecem ter a certeza (e o poder) de levar Costa à rendição, em nome da salvação nacional. Caso não aceite, vai fazer companhia a Sócrates. Karamba! ( o astrólogo)

  9. “É um homem digno e não pode ser tratado de qualquer maneira. E nem sequer foi julgado”, disse, para logo acrescentar: “Têm feito uma campanha contra ele que é uma infâmia. É a comunicação social que faz, mas são os tipos que estão por trás dela”.

    mário soares, 90 anos, um ex-presidente da república, antifascista de sempre e corajoso, que foi visitar um amigo à pildra.

    “Dias Loureiro garantiu-me solenemente que não cometeu qualquer irregularidade nas funções que desempenhou”

    cavaco silva, 75 anos, actual presidente da república, colaborador da pide antes, democrata depois, cobarde e que tentava sacudir a água do pacote com medo de ser implicado no bpn.

    um presidente da república

  10. Santa Lopes espera que o regime acabe antes que o apanhem com a mão na massa da santa casa.
    Houve as forcas, as fogueiras foram judeus, viseus e távoras queimados degolados enforcados e degredados, tarrafal e açores, agora évora e carregueira.
    Parem porra!-

  11. O Aspirina B perdeu totalmente o tino. Os comentadores a começar numa tal Maria do 24 de Abril , são do mais ridiculo que há.

    Quem se deve estar com um sorriso, devem ser os apoiantes do Seguro.

  12. neste momento os apoiantes de seguro são cavaco, passos, portas, gerónimo, ménage catarina/semedo/soares, vidaleira, sol e mais uns parvos como tu.

  13. Tudo é possível mas como diz o último parágrafo e sobretudo o histórico da Justiça portuguesa, muito pouco plausível. Agora ao que eu nunca tinha assistido era ver indiciar alguém como corruptor passivo sem pelo menos um corruptor activo?! E sem crime de corrupção não sobra nada, como disse e muito bem a esposa do advogado. Aliás, basta lembrar o que aconteceu ao Sá Fernandes e com as duas partes perfeitamente identificadas.

    P.S. Também ainda não me esqueci como é que a UE permitiu que a crise financeira norte-americana – subprime – atravessasse o Atlântico e já na Europa adoptasse outra roupagem, já com o nosso sistema métrico mas igualmente financeira, a crise das dívidas soberanas.

    Tudo gira à volta dos juros dos empréstimos. Quando os grandes bancos declaram que determinado país está insolvente as consequências são drásticas, pois forçam essa nação a continuar a pedir empréstimos e a implementar medidas de austeridade que empobrecem a economia nacional.

    Claro que com défices no sul da Europa, à conta do crédito impulsionado pela adesão ao euro, que sempre promoveram superávites no norte, já diziam bem quem ficaria a arder se e quando fechassem as torneiras. Portugal regista em 2007 o défice mais baixo da história da Democracia. Só de pensar que até o banco do Cavaco salvamos e o BES ainda nos paga assim…

  14. “Porque essa possibilidade é a mais provável à luz dos factos”

    Ha manifestamente nesta frase pelo menos uma palavra de que ignoras completamente o significado. Ainda não descobri se é “provavel”, se “luz”, ou se “factos”. Também pode acontecer ignorares o significado de duas, ou de todas.

    Seja como fôr, chega amplamente par nos dispensar a leitura do resto do post…

    Boas

  15. Hum, de raspão apenas sobre o primeiro parágrafo. Concordo com o timing de José Sócrates e o modo, inaudito, que deve ter deixado o super-super, o MP e o partido dos justicialistas portugueses unidos furiosos; discordo da segunda parte do parágrafo, que é seguramente dado a confusões como se o tamanho das provas materiais nas mãos da justiça invertesse os papeis e a culpabilidade (e não a inocência) dos visados passasse agora a ser uma presunção, e apresento apenas um facto. Olhe-se para a capa do CM de hoje em especial, ou se se quiser olhe-se para a imprensa do dia, e repare-se que o assunto explosivo merece ali um quarto da página 1, em baixo e à esquerda. Quem sabe da arte compreende o que tal significa nos jornais. Nada +1, sendo generoso como disse há dois dias.

    Ainda a tempo. Paula Teixeira da Cruz desapareceu do radar, o que quer dizer que mesmo a agenda ministerial deve ter sido alterada. Porque se espera e o quê?

  16. O ayatollah Valupi não dorme de raiva e de tanta dor pela ablação do seu amado guia espiritual. Inconsolável e à beira de mais uma crise de psicose paranóica, e i – lo a espumar delírios e desejo de conflito em nome de uma qualquer ideia de justiça politica divina. Desde que cumpra o seu idealismo e a sua obcessao de nos salvar com o reino do Sócrates renascido. . O rebanho de jiadistas broncos e patéticos segue – o em vagas crescentes de insanidade e gritos de guerra trogloditas … o supremo Ayatollah Marocas tem feito o mesmo de forma mais senil e Demente!

  17. RFC, o facto de haver provas (haverá? e do quê?) que levaram Sócrates para a condição de arguido, e de essas provas não terem perdido validade para a acusação após as explicações exaustivas dos visados, são os factos que tornam mais provável o desfecho pela ida a julgamento. E, caso Sócrates vá a julgamento, a probabilidade de sair de lá acusado de tudo ou alguma coisa, em particular de alguma coisa, aumenta exponencialmente.

    Não está aqui em causa a justeza da Justiça, mas sim a sua pragmática e as suas possíveis disfunções justicialistas.

    O raciocínio tem como extremo comparativo a situação em que Sócrates não é arguido de coisa alguma, situação em que a sua probabilidade de ser condenado por alguma coisa é zero.

  18. Bom, apos instrução, por hipotese, o réu que vai a julgamento vai necessariamente acusado de alguma coisa. O que não significa que venha a ser condenado, como é obvio.

    Valupi, eu ja não peço muito. Um dia sem disparates. Um so. Pode ser ?

    Boas

  19. oh val, o carlos cruz tamém não era e foi dentro. têm 4 anos para arranjar provas e durante esse tempo hão-de encontrar alguém vulnerável que testemunhe uma aldrabice comprometedora a troco dum desentalanço. será concerteza um testemunho pouco credível, mas fará prova como na causa pia ou como naqueles inquéritos das comissões parlamentares onde se prova uma e o relator escreve outra na acta para a maioria provar.

  20. oh viegas, claro que vai a julgamento acusado de qualquer coisa, nem que para isso tenham de forjar provas e depois o gajo que julga, que é da mesma corporação, não pode pode desmontar a aldrabice, deixa correr e faz uma sentença de acordo com a encomenda. se em vez de andares a vender ilusões aos emigras tivesses que aturar a parvalheira do ministério público e as efabulações desta cambada de castrados, pensarias doutra maneira ou talvez não, se calhar deixavas a advocacia e ias lamber os xanatos a vidaleira.

  21. Até que enfim um “post” que deixa as habituais “nhanhices” e vai direito ao assunto. A procissão ainda não saiu da igreja, nem sequer vai no adro. Esperam-se atitudes bem diferentes daquelas produzidas por certa “esquerda” temerosa deixando para a justiça o que é da justiça e para a política o que é da política. Na realidade esta posição vai a condizer com aquela dos caceteiros que disfarçam dificilmente a alegria que lhes vai no peito, antecipando os suculentos pitéus que lhes vão cair no prato para serem lentamente consumidos até Outubro de 2015.
    Quanto à esquerda “pura e dura”, essa espera ardentemente reeducar a “maralha” e entretanto nem um pio. Mas também o que se pode aguardar de alguém que diz que o Mundo estava muito melhor antes da queda do muro de Berlim. Pois estava, eu acrescento mesmo que estava muito melhor antes da invenção da roda. A malta andava mais a pé ou de liana em liana. Era muito mais ecológico, combatia-se a obesidade, sobretudo a cerebral.
    Qunato ao “velho” Soares, mais uma vez demontrou coragem e capacidade de indignação, saindo à rua quando muitos ficaram em casa. Mas isto é assim ou se tem ou não se tem e o “velho” continuia a tê-los no local certo.

  22. Estou com o João Viegas: mas que filmes! O engenheiro já ganhou, estar na prisão não é infâmia. Quanto ao PS, só merece ganhar se estiver à altura (mas em tempo de crise aguda o PS geralmente é bom, em tempos de bonança é que nem sempre).
    Aprobeito para acrescentar: vi agora mesmo aquela cena do Libération: acho bem, estas coisas de ideologia de esquerda ou falta dela devem ser discutidas a nível europeu

  23. Maria Abril, que um raio me parta toda se eu acordar a achar que vivo em um mundo, e em um país, em que a justiça é uma bandida por excelência. ou que parta do princípio, e com a certeza absoluta, de que é completamente impossível o ex primeiro ministro ser um bandido.

    quer dizer há mães que matam os filhos, filhos que matam os pais, irmãos que roubam irmãos, amigos que se quilham uns aos outros, malucos que matam centenas de pessoas. tudo é possível. e é possível Sócrates ser tão culpado como a justiça ser inocente. ou é tão possível Sócrates ser inocente como a justiça ser culpada. quero evidências.

    Ignatz, o meu raciocínio, apesar de colorido, é isento de cores. se isso te faz comichão, vai coçar essa micose para longe para não largares oxiúros.

  24. Eu também não percebo tantas certezas sobre o que o MP/Rosário ou o superjuíz têm. Não têm nada e por isso é que não fundamentaram nada! Nem sequer inquiriram ninguém sobre a origem do que quer que seja porque não podem! Investiguem! Não foi por acaso que veio logo à baila a proposta de lei do enriquecimento ilícito que invertia o ónus da prova em relação ao património, lícito ou ilícito e que o TC chumbou e muito bem em nome de tudo o que é mais sagrado em termos constitucionais, como direitos, liberdades e garantias fundamentais e mais uma vez a presunção de inocência. Para alguns já não chegava o regresso da PIDE mas aprofundar ainda mais o actual big brother, em que já se vive em muitas sociedades ocidentais! Afinal o que é isso de prender alguém sem a prova do crime. Com as escutas completamente vulgarizadas e desvirtuadas quando deviam ser sempre excepcionais e a precisarem de ser corroboradas por uma investigação capaz, que nunca esteve ao alcance de alguns procuradores.

    E sobre as escutas que qualquer detective de infidelidades faz e onde já nem os verdadeiros criminosos caem há mais de uma década. Também não foi por acaso que através de outra violação do segredo de justiça – logo voltamos a não saber se verdade ou mentira – se apontaram ao presidente do IRN oito telemóveis aquando da detenção! Oito e metade deviam ser descartáveis!

    Vou imaginar que me tinha saído o Euromilhões, em que nem jogo e claro que fazia de tudo para manter o anonimato. E que o Rosário Teixeira nem isso tinha conseguido apurar. Não por acaso era crime desatar a comprar casas em Paris? Entretanto por denúncia bancária também era chamado ao TICÃO, onde inclusive confirmava várias compras e depois? Ainda dizia ao Rosário Teixeira e ao Carlos Alexandre que senão fossem tantas violações do segredo de justiça era capaz de ter alguma coisa para lhes dizer, assim nada feito dado o perigo da quebra do anonimato. Também era preso preventivamente? E também é crime, vamos supor, viver “à custa” da Senhora Sua Mãe, como alguns também gostam de escrever?

    Uma das melhores peças que se publicaram nos últimos dias: http://www.publico.pt/politica/noticia/o-julgamento-paralelo-de-jose-socrates-1677548

    Não obstante num jornal que nunca saiu do vermelho desde a sua fundação. Dá que pensar na verdadeira intenção de qualquer jornal nestas circunstâncias. E que chegou a ter como director vários anos alguém que vivia e vive muito preocupado com o erário público.

  25. oh vaca, vai bater punhetas para o basófias, a hiena de matos garante-te protecção espiritual e sorrisos católicos. podes tamém meter o technicolor no cu, o filme não é a dúvida metódica mas julgamento do sócras, questionares a merda que te metem na cabeça e não andares à procura da verdade absoluta, tipo matrioska do infinito. olha e depois vai pró caralho que já gastei bués de tempo com estupidez e ordinarice.

  26. Adenda. Val, em minha opinião a segunda parte do parágrafo é dada a confusões; concordo com o comentário posterior que nos ilumina sobre a opinião do autor, claro; mas não concordo que a soma das duas partes torne a segunda parte do parágrafo muito melhor ou que a passe a ver claridade no nevoeiro.

    Sobre o bate-boca que se gerou a seguir: não me parece nada errado que a metodologia que proponho seja considerada. Ou seja, estamos de acordo que se trata de uma operação do sistema judicial erradamente mediatizado e com duas cornetas: o CM e o Sol, para onde escapam os sopros da acusação. Vamos então ver o que foi publicado, substancialmente, nos dias que correram: eu fi-lo em dois dias e opinei sobre o CM que vi embora na diagonal (o que corresponde a metade das edições, ou assim). Nada +1, sendo generoso. Idem, o Observador direitolas apresentava ontem os números da Babel sobre a obra-prima da SciencesPo: e que afinal desmentia, claramente, as contas aldradadas do CM, e umas linhas da Felícia Cabrita, e que terá feito transbordar de alegria os labregos de palito ao canto da boca . E trata-se de ver caso a caso, sendo que nem no número do euromilhões estão de acordo: 25 milhões num caso, 30 milhões noutro. De quê?

    Outra coisa, que é a continuação. E é aqui que regressamos à prisão preventiva e à figura anunciada da especial complexidade do caso, da ausência das razões sobre as medidas de coacção (porque rísíveis), etc. O MP propõe, a defesa contesta-as ou valida-as e, no fim, o juiz é arbitrário – ouvi dizer. Mas o super-super não pode ter uma arbitrariedade do tipo A no dia em que tem o advogado de defesa à frente, enquanto passadas duas semanas passa a ter uma de tipo B. O recurso basear-se-á em fazer recuar tudo aos dias do interrogatório, presumo.

  27. RFC, o nevoeiro diz respeito ao caso. Sabes tu se Sócrates está inocente, de tudo ou de parte? Eu não sei. Presumo-o mas não diria que tenho disso convicção pois não faço ideia do que andou a fazer na sua vida privada. Aliás, não tenho e nunca tive. E mais: não tenho a respeito de ninguém por princípio.

    Claro, se um meu familiar ou amigo for acusado de alguma coisa, eu poderei, caso não haja evidências para essa acusação, sentir genuinamente a convicção da sua inocência. Obviamente, posto que não tenho qualquer relação de amizade pessoal com Sócrates, tal não é o meu sentimento neste caso. Para mim, como para milhões de portugueses, há uma dúvida instalada pois também não acreditamos que Rosário Teixeira, Carlos Alexandre e Joana Marques Vidal sejam completamente loucos.

    É simples, embora muito difícil para quem queira permanecer sem escorregar no fio da navalha.

  28. acho que querem acusar o gajo com uma lei que foi chumbada pelo tribunal constitucional partindo do pressuposto que o dinheiro existente nas contas de um suposto amigo é dele, tudo isto porque o rosário teixeira é um alho em escutas telefónicas e o carlos alexandre muito rápido a fazer raciocínios associativos. cuidem-se, um dia destes tamos todos presos.

  29. “… Rosário Teixeira, Carlos Alexandre e Joana Marques Vidal sejam completamente loucos”

    claro que não, sabem muito bem o que estão a fazer e o poder que têm para o fazer, quando lhes cheirar que podem sair queimados deixam cair o caso e depois vais pedir responsibilades e reparação dos prejuízos a quem? só se for ao estado para voltares a descontar no ordenado.

  30. Até parece que estamos a discutir o sexo dos anjos!
    Não bastavam os comentadeiros e alguns jornaleiros
    para lançar a confusão nas mentes mais débeis mas,
    o ónus da questão está em saber se podemos ou não
    confiar nesta justiça que, se diz estar a fazer o seu ca-
    minho! Desde quando num Estado de Direito existem
    sindicatos dos magistrados? Não seria preferível haver
    Ordens Profissionais? Por acaso esses investigadores
    do jornalismo sério, já se debruçaram sobre as activida-
    des do grupo da moamba, da loja Mozart, dos clãs fami-
    liares … passando pelos skin-heads?
    Estará bem organizado o nosso sistema judicial? Embora
    a Constituição defina com muita clareza essa organização
    e, os deveres e direitos dos magistrados, a dúvida surge
    na avaliação que é feita ao seu desempenho, serão todos
    excelentes e, omniscientes, infalíveis e porque não, sérios?
    Hoje, alguém questionava porque razão o super-juíz Carlos
    Alexandre ainda não foi promovido a desembargador?
    Outros começam a pensar que talvez ele não seja tão super,
    e devia estar no M.Público! O pior, já se admite que, mais não
    é do que um mito com pés de barro!
    Será um erro pensar que num lado estão os bons e no outro
    os maus da fita por isso, qual o sentido da reação do sindica-
    lista dos procuradores sobre o desabafo de Mário Soares?

  31. ignatz, o melhor cenário possível para Sócrates, ao ponto de poder dar origem a mais uma teoria da conspiração, seria o de não haver prova alguma contra ele de nada – mas tinha de ser mesmo de nada. Nessa eventualidade, o homem sairia da prisa directamente para o Palácio de Belém.

  32. basta a mãe ter emprestado, já nem falo em dar, mais de 15 mil não declarados que dá direito a fuga ao fisco, é uma espécie de conseguir conduzir uma viatura de lisboa ao porto pelo itenerário principalse cometer nenhuma infracção às regras de trânsito. mas prontes a busca das verdades absurdas tomou conta do espírito da cumbersa. chama o nhanha, que ele gosta dessas discussões. e já agora, na minha modesta opinião, é capaz de sair directo para belém, mas é por um túnel se estes estrategas do arbusto não pararem de cavar.

  33. O rato tem razão, e o que ele diz nesta fiada é fino e perspicaz. Vai ser como ele diz, com mais uma possibilidade que lhe escapa: o Conde de Monte Sócrates vai continuar sequestrado durante muito tempo, mas, a menos de completo golpe de estado dos coligados em menos tempo do que planeado, vai continuar a conseguir comunicar através de muitos abades de Faria e isso pode ser um trunfo de judoca capaz de sabotar o segredo sem anular a palma do martírio.

  34. Por outras palavras: tiraram-no do ar? okay, passa a emitir directamente do céu, coisa que neste país de fado, saudade e sentimento garante considerável audiência.

  35. “o melhor cenário possível para Sócrates, ao ponto de poder dar origem a mais uma teoria da conspiração, seria o de não haver prova alguma contra ele de nada – mas tinha de ser mesmo de nada”.

    Só se estivesse todos os dias fechado em casa, sem telefone e internet, em silêncio contra uma parede. Está por demonstrar que, com a quantidade de leis que existem, seja possível a alguém não ser acusado de cometer algum ilícito. Nem que outro alguém que lhe queira mal não encontre maneira de o fazer.

  36. Não sei se era a brincar ou a sério mas de Mãe para filho nunca cabe o fisco. Aliás, numa investigação séria a Mãe já tinha sido ouvida há muito tempo mas como a ideia nunca foi arquivar nada, muito pelo contrário… Andam há anos a lançar fumo para depois dizerem que não há fumo sem fogo. Só calúnias. Pobres de espírito e só eles é que vivem obcecados com Sócrates. E para quem vive obcecado com Sócrates o Estado de Direito Democrático só atrapalha, o TC só estorva e por aí em diante.

  37. pelos vistos somos poucos a ver, ou melhor a não ver, no nevoeiro. está difícil perceber que estão todos, os que não percebem o nevoeiro, a bater punhetas de ilusão. como se fosse possível terem certeza de alguma coisa.

  38. “… de Mãe para filho nunca cabe o fisco.”

    não há pagamento de imposto, mas acho que é obrigatória declaração mod. 1 a justificar a operação. os bancos não adivinham quem é mãe ou pai do beneficiário, só comunicam às finanças os valores superiores a 5.000, salvo erro, e os respectivos nif(s) que não declararam a operação, mas como isto dáva uma salada do caraças, ninguém controla nada, excepto se precisam de um expediente para entalar um gajo limpo ou dificil de caçar. aprenderam com o gajo que prendeu o alcapone.

  39. “Está por demonstrar que, com a quantidade de leis que existem, seja possível a alguém não ser acusado de cometer algum ilícito.”

    O que julgo preocupante neste (e em tantos outros) caso judicialo-politico-mediatico é constatar que a frase acima corresponde, no fundo, a uma convicção quase unânime entre os Portugueses, sem que ninguém pareça dar-se conta da enormidade que isto significa, sobretudo quando estamos a falar de ilicitos penais.

    A questão de saber se Socrates é, ou não, culpado de algum crime, é a meu ver perfeitamente secundaria, e mesmo ridicula, ao pé da urgência de nos livrarmos do fascismo mental que continua a caracterizar-nos como povo.

    Boas

  40. A primeira grande foda à democracia foi dada por Sócrates, desde a primeira hora de absolutismo amiguista e favoritista, assistido por espíritos fanáticos como tu, como o teu, Volúpia. E persistes em vogar entra aquilo que é o que é, os factos puros que determinam recluir o Recluso 44, e a lógica da batata de uma a declaração de guerra ao PS e à democracia. Se o PS fosse sério e credível, menos mafioso e menos pantanoso, teria cortado o mal pela raiz há muito tempo.

    Por que é que não largas o vinho e abjuras de semelhante poia, o teu Sócrates, mais íntimo de ti que a tua própria pele?!

  41. Ó jurista Viegas. Ninguém te disse que a opressão litigiosa é um exclusivo de Portugal. Até te dei um exemplo de quem faz dessa perseguição profissão nos EUA. Fascista é quem faz dos cidadãos presumíveis culpados, como o fisco faz, por exemplo. Se alguém quer fazer mal a outro, é por onde começa.

  42. Lucas Galuxo,

    A opressão litigiosa começa e acaba precisamente com frases como a que citei no meu comentario, e com a total demissão que ela implica em termos de cidadania. Não, isso não acontece em todos os paises. Questão de educação politica e democratica…

    Resta saber se a menoridade politica do povo português se deve a factores exogenos ou a estupidez intrinseca. O teu comentario aponta para esta ultima hipotese.

    E repara que o que estou a dizer tem pouco a ver com “juridismo”. Trata-se de educação politica basica…

    Boas

  43. JV,
    Não se trata de educação política. Trata-se dos poucos combates políticos que vale a pena travar nos tempos que correm. Instalou-se nas sociedades ocidentais um monstro de desconfiança hiper legalista que criminaliza na arbitrariedade desde o cidadão mais pobre às grandes corporações multinacionais. Dá de mamar a muita gente. Por isso ainda não encontrou quem lhe fizesse frente com sistema, elaboração e representação democrática.

  44. Caro Lucas Galuxo

    Not my point. A ideia peregrina de que estariamos todos potencialmente em infração com as leis penais, quando somos nos mesmos que as definimos para autorizar, excepcionalmente, medidas de restrição das nossas liberdades fundamentais, é completamente absurda. Se fosse o caso, seria um sério argumento contra a democracia, e nunca contra a opressão.

    A lei não é uma coisa misteriosa cujo manuseamento esta reservado a clérigos. A lei penal muito menos.

    Quando partimos do principio inverso, como v. faz com a afirmação que citei, não somos oprimidos senão pela nossa propria inconsequência e somos nos que nos entregamos nas mãos dos clérigos. Isto parece anodino, mas é mesmo a semente do fascismo e, infelizmente, estamos muito longe de nos termos livrado desta praga.

    Como o seu comentario, e a sua teimosia em não perceber o que digo, demonstram sobejamente.

    Boas

  45. ” A ideia peregrina de que estariamos todos potencialmente em infração com as leis penais, quando somos nos mesmos que as definimos”

    Esse é o ponto. Urge representar quem acha que há leis a mais. A continuar nesta criação ad infinitum, que dá de comer a metade dos que passam nesta casa, é certo, um dia isto para.

    Dois exemplos
    http://www.economist.com/news/leaders/21614138-companies-must-be-punished-when-they-do-wrong-legal-system-has-become-extortion

    http://mobile.nytimes.com/blogs/dealbook/2014/09/23/as-ex-chief-of-a-i-g-sues-u-s-wall-st-is-happy-to-pay-the-tab/?_php=true&_type=blogs&hp&action=click&pgtype=Homepage&version=HpSum&module=first-column-region&region=top-news&WT.nav=top-news&_r=0&referrer=

  46. Caro Lucas Galuxo,

    Não desconverse, p. f. :

    1. Ninguém vai preso por ter ignorado normas regulamentares de higiene ou assim…
    2. No caso de que estamos a falar, estão em causa tipos penais que existem em todos os paises, desde sempre (tirando talvez o de branqueamento) e que nenhuma força politica, aqui ou na conchinchina, deseja ver abolidos.
    3. Melhor ainda : tratam-se de crimes que 100 % das pessoas condenadas por esta razão concorda que devem ser punidos.

    Quanto ao discurso demagogico da “inflação legislativa”, ja deu o que tinha a dar. Toda a gente concorda que a lei deve ser clara, simples de entender e que as penas devem permanecer excepcionais. E’ como a “reforma administrativa” uma forma facil e barata de suscitar aplausos, quando ninguém é capaz de definir do que se trata. A facilidade com que cedemos a este tipo de merdas é mais um sinal de menordidade civica e politica. Este, é certo, não é caracteristico dos Portugueses, também é bastante comum nos outros paises, incluindo os que nos parecem mais desenvolvidos.

    Boas.

  47. 1. Infelizmente, não é assim que acontece.

    2. O caso que estamos a falar é como os outros. Verifica-se a regra: Quem procura sempre encontra.

    A “inflação legislativa” não é um discurso demagógico, é uma indústria como as outras. Como em tudo o resto, os EUA vão à frente a alumiar o caminho. E aí se vêem fundos de investimento que fazem captações de capital para adquirir factores e meios de litigância apostando em rebentar com tudo o que lhes apareça à frente, pessoas, empresas e até Estados, como, por exemplo, a Argentina e Nauru descobriram recentemente. Ou departamentos do próprio Estado que encontram na litigância a sua principal fonte de rendimento, como se pode ver nos links.
    A produção actual de legislação, com multiplicação de lugares de redacção, autoridades fiscalizadoras e instâncias de julgamento, é uma vaca louca a despejar crescentemente arbitrariedade e incerteza sobre as sociedades modernas, onde a justiça cada vez mais depende da capacidade de aquisição de meios de litigar, da sorte ou da perseverança de quem anda à procura de manchetes para os jornais. E é um maná para quem vive dela.

  48. 1. Exemplos p. f. ?
    2. Exemplos de programas politicos concretos de partidos com representação sofrivel, mesmo entre os tea parties, que tenham programas sérios de “simplificação legislativa” que não sejam puros cantos de sereia, que por exemplo proponham abolir partes significativas do codigo penal (que contém as regras cuja violação pode mesmo levar pessoas a penas importantes, cf. ponto 1).

    Sejamos sérios…

    Num caso como o de que estamos a falar (Socrates) é mais do que obvio que nenhum tribunal justificara a abertura do processo com uma condenação por estacionamento proibido. No caso da Casa Pia, idem.

    Tenho pena, mas a ideia de que somos todos potenciais criminosos que um juiz qualquer, se fôr determinado, pode facilmente colocar na prisão, pura e simplesmente não corresponde à realidade. O Lucas Galuxo faz uma pequena ideia de quem é que realmente esta preso ? Ja pôs os pés numa prisã

    Boas

  49. “O Lucas Galuxo faz uma pequena ideia de quem é que realmente esta preso ? Ja pôs os pés numa prisã”

    não sei se ele faz, mas eu faço e nunca lá entrei.

    total presos em 2013: 11.692
    homicídios: 9%
    gamanço: 12%
    assaltos: 12%
    droga: 17%
    carta de condução: 9,6% – ahahahahahahahahah

  50. JV,
    Não é só com a prisão que se destrói a vida das pessoas ou das empresas. A mera investigação formal publicitada arruina uma marca ou a credibilidade de alguém, como neste caso. Alguém querendo, acho absolutamente impossível dirigir baterias em permanência a uma figura como um primeiro-ministro, que obrigatoriamente tem que se relacionar com gente que julga séria e que pode não ser, que obrigatoriamente age e toma medidas que beneficiam uns e prejudicam outros, com escutas anos a fio, e não encontrar algo que possa suscitar alguma dúvida legal. Estranho é ao fim deste tempo todo ter apenas surgido uma história tão mirabolante e, ainda por cima, aguardando a chegada das provas dos factos. É um forte indício da sua inocência.

  51. Ignatz :

    Fonte, por favor ? E’ que estar preso por infrações que têm a ver com a carta de condução e estar preso por estacionamento indevido não é bem a mesma coisa…

    Lucas Galuxo :

    Discordo. No caso do Socrates, ou de outros politicos, ou alias de outras pessoas “VIP”, os juizes dificilmente vão condenar a penas de prisão (ou a outras penas graves) por uma pechincha, ou por algo que parecera à esmagadora maioria dos cidadãos como uma ninharia. Até por uma razão obvia de credibilidade da instituição judiciaria. No caso de Socrates, estamos a falar de corrupção, de fraude fiscal, e de braqueamento de capitais. As leis que definem estes crimes sancionam minudências, é isso que v. esta a dizer ? No caso da casa pia, trata-se de crimes sexuais contra menore e pessoas vulneraveis. Outro exemplo de incriminações abusivas, que so estão contempladas no codigo penal por causa do lobby das profissões juridicas ?

    Boas

  52. Seja como fôr, 9,6 % parece-me muito. Ou ha aqui uma coisa que me escapa, ou… um bom argumento a favor do que diz o Lucas Galuxo.

    Boas

  53. OK, OK. Tenho aparentemente de engolir esta… Não faço ideia se é proprio de Portugal ou não. Vou investigar.

    Resta dizer que, tirando o caso recente da Marine Le Pen em França (que por sinal não foi presa por causa das infrações ao codigo da estrada de que era acusada, e em relação às quais alegava que o culpado era o motorista) são rarissimos os casos de politicos presos por este motivo…

    Boas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.