A qual destes senhores compravas um automóvel?

«A judicialização da política ou do jornalismo é perigosa, mas nada é mais perigoso do que um ex-primeiro-ministro acusado de corrupção.»

Ricardo Costa

«mesmo sendo a Operação Marquês o caso mais grave da democracia portuguesa, o atropelo de valores fundamentais do Estado de direito seria sempre mais grave»

Pedro Marques Lopes

30 thoughts on “A qual destes senhores compravas um automóvel?”

  1. Obviamente ao 2º cavalheiro citado e acho que nem são precisas muitas explicações.
    Com Estado de Direito o governante corrupto não vai longe, por isso é Ex….
    Sem os valores fundamentais do Estado Direito é o Povo que não vai a lado nenhum …

  2. Ao primeiro nem o jornal lhe comprava, se não fosse o cuidado em não lhe virar as costas (a ele e aos apaniguados). Não devemos deixar estar atentos ao que eles dizem e desdizem.
    Ao segundo, que bem merece o benefício da dúvida, comprava, se não tivesse já desistido de guiar

  3. Imaginem o berreiro que seria se um primo em quarto grau de Sócrates fosse director da TVI ou do DN.

  4. Nem um berlinde quanto mais um automóvel.
    Mas que raio de porra “perigosa” encerra uma acusação a alguém, mesmo a um ex-PM? O mano Costa da sic quis dar uma elevada ideia elevada de gravidade e saiu-lhe perigosidade. Ou ele já vai muito mais à frente no processo que nós ( os gargantas funda do MP já o informaram?) e sabe que o homem vai ser condenado porque tal “diabo” à solta é um perigo para a moral pública e saúde da Nação.
    Não sei o que sabe o mano Costa da sic’alheira nauseabunda. Contudo penso que o mano cobardolas rancoroso e invejoso do mano vive em aflição só de pensar que o homem possa sobreviver livre para depois ser ele a acusar os acusadores.
    E não é o único. São todos os que têm feito parte do elenco deste fraudulento filme de acusadores-julgadores sem o mínimo documento de prova real.

    E também nesse elenco do filme negro estão incluídos os fedorentos todos do eixo do mal, do governo sombra e da quadratura e demais auxiliares seguidores.
    O PML no último eixo da maltosa bateu e bateu na tecla do novo argumento moda, que passada que foi a moda do “ele pôs-a jeito”, foi agora transformada em “ele viveu à custa”. Do argumento moral genérico requentado batem agora, com requinte e alegria de descoberta de prova irrefutável, na tecla do argumento moral directo insinuando um trocadilho revisteiro boçal com as mulheres por conta.
    É o argumento do Pacheco e do Lobo Xavier e este PML não passa de um servente auxiliar que, tal como aqueles, são corruptos que vendem a consciência a troco da opinião bem paga.
    Ao Passos, licenciado rasca de estudos duvidosos já na meia-idade após vida de playboy, sem mais nem quaisquer estudos posteriores, atribui-se nobreza por, mais uma vez, roubar o Estado e os portugueses com um vencimento de catedrático não o sendo. Ao Sócrates que, até pediu emprestado para estudar e valorizar-se em escola reconhecida, como fazem tantos que pedem empréstimos ou bolsas de estudo para obter conhecimento, os pulhas sem vergonha na cara inventaram o slogan de “ele viveu à conta”.
    E o Lobo Xavier como especialista jurista-fiscalista qual é o seu papel na sociedade? Que conselhos e lições fiscais leva este expert fiscalista para os salões de reunião dos conselhos de administração dos DDT? Porque é o passarão tão grande defensor dos off-shores e do amigo Núncio, sim, esse expert em off-shores o tal do apagão para transferir dez mil milhões que depois do trabalhinho feito cagou na AdR?
    Tão patriota que é, pois até foi cooptado para conselheiro do Estado, e deixou o Belmiro mudar a sede da Sonae para o paraíso fiscal da Holanda? Será que também vai defender fugas ao fisco no Conselho de Estado? Ou só dá ao Marcelo como fez com os e-mail do sonsinho nomeado para a CGD?
    Perigoso é viver no meio de tal gente que faz da subserviência modo de vida nem que tenham de arruinar a vida de outrem.

  5. Pois, surpresa minha, parece que a Câncio é compradora de carro, sem venda na cara, ao mano Costa.
    E, maior surpresa ainda, o jumento de “o Jumento” também!!!

  6. Questão mais importante: a qual destes senhores/senhoras é que consegues vender, mais rapidamente, um automóvel? Ao “aristotélico” e adepto das “virtudes centristas” Valupi, ao ingénuo Vega9000, à manipulada Penélope, à cornuda mas feminista e sempre arrogante Câncio, aos assalariados “Migueis Abrantes”, e/ou a qualquer socretino que tenha defendido e apoiado durante 13 anos o impostor político fundador da dita “esquerda moderna”?

  7. Não existe incompatibilidade in abstracto entre as duas frases e, idealmente, as duas considerações são igualmente legitimas e igualmente importantes. São, alias, perfeitamente complementares.

    In concreto, o imperativo é conciliar as duas, ou seja, respeitar sempre o Estado de direito, o que implica não tolerar que as suas regras fundamentais sejam desvirtuadas, quer no sentido do atropelo das liberdades individuais, quer no sentido da paralisia dos seus orgãos com vocação para velar pelo igual cumprimento da lei por todos os cidadãos.

    Boas

  8. Ao bannoninho Costa, sem dúvida. Acima de tudo pelo imbatível package multimedia que acompanha cada viatura;

    – Um par de cuecas de Sócrates
    – 5 pares de meias brancas
    – 1 caixa DVD’s operação Marquês ultraHK
    – O Hino do Psd
    a que se junta uma garantia de total impunidade durante dois anos.

    O bannoninho Costa foi mesmo considerado o empregado do mês do StangaVirtual anos a fio. Não brinquemos.

  9. ao ricardo costa , com muito cuidadinho , o usual ; o outro , com aquele palavreado à beato, dá logo para conectá-lo com o estereótipo Tartufo.

  10. “Não existe incompatibilidade in abstracto entre as duas frases e, idealmente, as duas considerações são igualmente legitimas e igualmente importantes. São, alias, perfeitamente complementares.”

    ya meu, deus e o diabo são perfeitamente complementares, um não vive sem o outro.

  11. Pois são. So por aqui é que têm duvidas acerca desta verdade tão elementar. Isto seria desculpavel se a ignorância não estivesse acompanhada da boçalidade mais empedernida. Então neste episodio recente, previsivel, a raiva primata com que se atiram à desgraçada da Fernanda Câncio, ou alias à Penélope quando ela sugere que, se calhar, a Fernanda Câncio é capaz de ter alguma razão, mostra bem a que camadas profundas do pais este blogue, outrora um sofrivel forum de debate, vaihoje buscar os seus fãs.

    Isto virou uma oficina de fanaticos movidos, exclusivamente, pela preocupação propagandista de tentar salvar a carreira politica do seu querido lider.

    Boas

  12. A primeira é um decalque da reacção de ontem do presidente da Associação Sindical de Juízes Portugueses a Marcelo. Que tinha dito que “o tempo da justiça não pode ser tão demorado” que ponha em causa o Estado de Direito democrático. Outro que acusou o toque do pantomineiro de Belém foi o Ventinhas. Claro. Não tivessem as duas corporações ido para o Pacto da Justiça – o ano passado – reclamar que no Brasil é que é bom. E depois punham um Juíz em Belém e um Procurador em S. Bento. Porque eles são muita bons. Se excluirmos claro o trabalho que deviam fazer bem. O Público ainda hoje traz à capa dados dos Tribunais que dizem que quase dois terços dos processos por corrupção foram arquivados em 2017.

  13. Ò Viegas, v é um achado, homem ! Mas quem foi que disse que a Câncio não tinha razão ? Qualquer encornado tem sempre carradas de razão, bastando, para o efeito, que se sinta como tal. Como bem lembrava o Valupi no “artigo do dia” de ontem, “If you believe it, it’s truer”. O ponto não é esse. A questão é o que temos nós a ver com isso ?! À qual, já agora, se poderia acrescentar a seguinte, a saber: onde é que , no plano ético-deontológico do profissional do jornalismo, se enquadra esta modalidade de se usar o jornal que nos emprega para vir lavar em público roupa intima. Mas, claro está, pruridos éticos são cenas que só são exigiveis aos politicos, e mesmo assim não é a todos, não é verdade, ò Viegas ?

  14. MRocha

    Obrigado por ilustrar o meu ultimo comentario, que era um aparte e que mantenho a 100 %. Quanto ao resto, comentei o post, como costumo fazê-lo. No dia improvavel em que v. tiver alguma coisa de interessante a dizer sobre a questão debatida, não hesite.

    Boas

  15. Ò Viegas, obrigado por me pôr no meu lugar. E por dar razão aos gregos antigos, quando reservavam essa coisa a que agora há quem chame debate democratico ( modernices, enfim…), para as elites dos patricios, classe a que, obviamente, v pertence e eu , nem lá perto. E com um plebeu, como se sabe, não se aprende nada. O que me causa impressão é como é que, mesmo assim, v tem pachorra para perder o seu precioso tempo a dar troco a bacoradas como as minhas e outras de semlhante calibre. Acho que lhe devo um agradecimento por isso: obrigado, ò Viegas !V é um magnánimo, porra !

  16. OK, faço-lhe o obolo de mais um aparte, porque a sua insinuação de sobranceria da minha parte é infundada, tanto na generalidade como neste caso particular : o seu lugar para comentar o que diz o post nunca foi posto em causa, nem por mim, nem por ninguém.

    Faça o obséquio…

    Boas

  17. Claro que não foi posto em causa, ò Viegas ! Adjectivar a opinião alheia de “ignorância …. boçalidade mais empedernida… raiva primata ….” par-ce-que, é agora sobranceria ! Que nada! São mimos, argumentos lógicos, incentivos à participação, exemplo de civilidade, o que queira….Agora, sobranceria ? Jamé !

  18. Repare que esta adjectivação, que mantenho integralmente, não se aplica a nada que tenha sido dito sobre o post… Vai ver que, em querendo, vai perceber muito rapidamente.

    Boas

  19. Outra coisa. Procuradores e juízes aproveitam a boca cheia com a palavra corrupção para reclamar mais meios, mais gente, salários maiores. Pode justificar-se ou não. Não sei. O que é razoável é que a mesma exigencia de transparencia e pressão sobre os custos exercida sobre políticos seja também dirigida à máquina judicial. Por exemplo, seria muito importante saber quanto é que os contribuintes portugueses já gastaram, e vão gastar, na Operação Marquês.

  20. Claro que não se aplica, ò Viegas ! Idiotice a minha. Peço desculpa. Toda a gente sabe que o Estado de Direito se defende dando um acusado por culpado ainda antes de sentar o cu no banco dos reus. E que a independência do jornalismo, bem como o seu contributo para a construção de uma sociedade livre, se mede pela quantidade de roupa suja lavada em publico pelos seus profissionais, São coisas complementares, portanto, ensina o Viegas ! Percebi ferpeitamente, Viegas !Obrigado, pá!

  21. Boa malha, Galuxo. Igualmente importante seria pensar com que meios pode um cidadão opor defesa proporcional a uma acusação, quando não dispõe de meios equivalentes. Não havia por aí algures uma figura ( de estilo…) que dava pelo nome de “processo justo” ?

  22. Hoje também não é de bom tom falar da gestão de dinheiros na Justiça. Não vá alguém ainda lembrar-se de abrir alguma investigação.

    “Justiça mantém buraco de 274 milhões nas contas há quase uma década
    Mais de 326 milhões que estavam à guarda de processos judiciais foram canalizados para o orçamento do instituto que gere os recursos da Justiça em 2008 e 2009. Quase dez anos depois, ainda estão em dívida 274,5 milhões.”

    Vale mais ficarmos com esta pérola do sindicato dos Juízes:

    “Só há duas maneiras de acelerar muito estas investigações: investigar mal ou não respeitar os direitos dos investigados. Penso que nem uma nem outra solução são boas.”

  23. P,
    Essa “pérola” dos juizes até é coerente com a prática vigente de culpar primeiro e só fundamentar depois, seja lá como fôr, desde que a culpa fique “provada”, nem que seja arrancando confissões ao pontapé e à chapada.

  24. Hummm..não comprava o carro a nenhum desses dois, credo! Mas, se fosse ao Engº Sócrates compraria, pois gostei do trabalho dele enquanto PM, um trabalho pelo qual a direita vampiresca até hoje ainda o persegue. Ora, se a direita neoliberal persegue alguém, é porque a pessoa faz ou fez bom trabalho em defesa das populações e do país. Se demonizam, é porque têm medo de alguém que lhes pode fazer frente e estragar os seus projectos mafiosos…e logo impedir a destruição e rapinagem a que estão acostumados.

  25. Pedro Marques Lopes tem sido uma paródia nas ultimas aparições, num dos quatrocentos programas em que opina profissionalmente.
    Vai sempre dizendo que o estado de direito é que vale, a presunção de inocência e tal e coisa.
    Mas Sócrates é uma vergonha? Sim, pois, claro que é, diz ele, também sem vergonha.
    A sério, é inevitável não pensar nos gatos fedorentos a gozarem com o Professor Marcelo sobre as suas opiniões sobre o aborto.
    Isto de ser portuga cansa-me a cabeça…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.